domingo, março 30, 2008

IDENTIDADE ESCOCESA - artigo de João Ferreira Bento - Infohabitar 190

 - Infohabitar 190

É sempre com um gosto muito especial que o Infohabitar edita um novo amigo e companheiro nesta pequena, mas estimulante, aventura editorial.
É o caso do Arq. João Ferreira Bento, que tem colaborado em vários estudos do Núcleo de Arquitectura e Urbanismo do LNEC, como é actualmente o caso de um grande trabalho no âmbito da análise das condições de habitabilidade do edificado do Bairro do Alto da Cova da Moura e que será, espera-se, muito brevemente, doutorando em áreas que muito têm a ver quer com o artigo que hoje nos traz, sobre as políticas de arquitectura europeias, quer com os aspectos fundamentais da qualificação arquitectónica residencial e urbana.

O João Ferreira Bento tem editado vários artigos sobre as políticas de arquitectura europeias no Boletim da Ordem dos Arquitectos; é o caso deste (atenção há novidades na política de arquitectura escocesa desde final de 2007 que não estão incluídas neste artigo), e será, espera-se, o caso de outros artigos que já nos prometeu sobre semelhante temas, mas sobre casos de estudo na Finlândia, Itália e Bélgica.
E já agora fica a indicação ampla para muitos sites que tratam esta matéria, hoje cada vez mais crucial num amplo cenário urbano e paisagístico que tem de passar a ser marcado por uma “obrigatória” qualidade, ou, que, pelo menos, tem de passar a estar garantidamente livre daqueles elementos que são autênticos intrusos sem qualquer qualidade ou mesmo elementos destruidores de uma boa paisagem urbana.

A edição do Infohabitar não tem qualquer dúvida sobre a urgente importância e a falta de divulgação desta temática em Portugal, condição que justifica bem a publicação destes artigos e a sua maior divulgação.

A edição do Infohabitar


Fig. 01

ESCÓCIA
Área: 78,782 Km2
População: 5,062,379 (9,6 % do Reino Unido)
Densidade: 64 ha/Km2
Capital: Edimburgo

Políticas de Arquitectura na União Europeia:

IDENTIDADE ESCOCESA

João Ferreira Bento


No panorama europeu, a Escócia tem-se salientado como um dos países mais inovadores no campo das políticas de arquitectura, não só através das intenções expressas na sua política nacional mas também através das conquistas que tem conseguido alcançar.

- Passado
Enquadramento
A Escócia nos últimos anos tem vivido mudanças governamentais muito importantes, devido principalmente à devolução de poderes parlamentares, por parte do Reino Unido para a Escócia.

Devido a problemas financeiros, o seu parlamento original foi dissolvido com o Tratado de União, em 1707, em detrimento de um único parlamento para a Grã-Bretanha, resultando numa união política e económica entre os dois países.

No entanto, após quase trezentos anos, o Reino Unido devolveu à Escócia os poderes legislativos que antigamente possuía, aproximando o debate político dos cidadãos escoceses, criando-se assim um governo regional e um parlamento.

Este processo iniciou-se após um referendo (em Setembro de 1997) no qual os escoceses, numa percentagem de três para um, votaram sim à criação de um parlamento regional separado do Reino Unido. Deste modo, em 1999, a Escócia volta a criar um governo e a eleger deputados.

Para a elaboração do projecto do parlamento foi lançado um concurso de ideias internacional e, paralelamente, iniciou-se o processo de elaboração da primeira política nacional de arquitectura escocesa.

Desenvolvimento de uma Política Nacional de Arquitectura


O início do processo de criação desta política deu-se com o compromisso do governo escocês em desenvolver uma Política Nacional de Arquitectura. Deste modo, em Setembro de 1999, após 4 meses do novo governo ter tomado posse, foi publicado o primeiro esquema da política, “The Development of a Policy on Architecture for Scotland”.

Este primeiro esquema estabelecia o contexto do desenvolvimento da política e salientava o porquê do interesse do governo na qualidade dos edifícios e espaços públicos, definindo também a importância dos edifícios em termos sociais, culturais e económicos. O documento foi submetido a consulta pública realizando-se discussões sobre áreas de intervenção “chave”.

Em Outubro de 2001, foi finalmente aprovado no parlamento Escocês o documento final da Política Nacional de Arquitectura.
Objectivos

Os objectivos da Política são os seguintes:

-Promover o valor e os benefícios da arquitectura de qualidade, encorajando o debate sobre o desenrolar da arquitectura na vida local e nacional, e levar a um maior entendimento dos produtos e processos no design dos edifícios.

-Premiar e reconhecer a excelência do design, celebrando conquistas no campo da arquitectura e do espaço urbano e promovendo a arquitectura escocesa ao nível nacional e internacional.

-Encorajar um maior interesse e envolvimento das comunidades em assuntos que afectem espaços urbanos locais.

-Promover uma cultura de qualidade na construção de edifícios públicos que englobem bom design como uma maneira de atingir um desenvolvimento sustentável.

-Assegurar que, tanto o projecto dos edifícios como os seus componentes construtivos e os processos associados, ambos promovam e facilitem o desenvolvimento uma arquitectura de qualidade.

Fig. 02: Parlamento Escocês, projecto de Enric Miralles,
2005, Edimburgo. Image © Scottish Parliamentary Corporate Body - 2005.

-Presente

Parlamento

Uma conquista importante para a política de arquitectura, foi a construção do novo parlamento, o qual, devido à sua função de lugar de debate, concertação e decisão, deveria ser um edifício que reflectisse o país que representa.

Deste modo, o desenho do edifício foi entendido como elemento fundamental a ter em conta, quer a nível nacional, quer ao nível internacional. O vencedor do concurso de ideias acabaria por ser o arquitecto espanhol Enric Miralles.

Este complexo edifício é uma mistura de aço, madeira e pedra, localizando-se em Edimburgo, perto de Holyrood Park. Recentemente, foi considerado como um dos edifícios mais inovadores da actualidade, existentes no Reino Unido.

Embora tenha havido vários problemas na sua construção, sobretudo devido ao adiamento sucessivo do prazo de execução da obra e ao grande aumento do orçamento previsto inicialmente para a sua construção, abriu as suas portas ao público em Outubro de 2004, tendo já recebido mais de 300.000 visitantes.

Fig. 03: Parlamento Escocês, projecto de Enric Miralles,
2005, Edimburgo. Image © Scottish Parliamentary Corporate Body - 2005.

The Lighthouse
Outra grande conquista da política de arquitectura escocesa foi a criação do Instituto de Arquitectura e Design, “The Lighthouse”, em Glasgow. O instituto situa-se num edifício de autoria do famoso arquitecto escocês Charles Mackintosh e abriu pela primeira vez ao público, em 1999.

O instituto provou ser um grande sucesso e uma aposta ganha para a divulgação da arquitectura, como forma de arte e cultura, sendo considerado o Instituto de Arquitectura mais visitado da Europa, tendo recebido mais de um milhão de visitantes, nos últimos 5 anos.

O desenvolvimento cultural que o Instituto de Arquitectura e Design provocou tem tido um papel regenerador na afirmação da identidade Escocesa.

Centro virtual de arquitectura escocesa

Desenvolvido pelo Instituto de Arquitectura e Design, o centro virtual de arquitectura é um site dedicado a mostrar a melhor arquitectura Escocesa, através de exposições virtuais, artigos, elementos interactivos, etc.

É também capa e meio de lançamento de notícias importantes, sendo actualizado quase diariamente, permitindo aceder a um fórum de discussão e de opinião, debatendo-se assuntos polémicos do mundo da arquitectura.

Desde o seu lançamento, em 2002, tornou-se num recurso nacional de acesso a informação e de comunicação dentro do campo da arquitectura e do urbanismo.

-Futuro
No início de 2005, o governo escocês colocou na Internet um relatório sobre o progresso da implementação da política nacional de arquitectura, desde o seu início até à actualidade. São apontados os esforços e metas alcançadas de modo a conseguir atingir os objectivos propostos.

Os resultados apresentados são surpreendentes. A definição de uma política de arquitectura complementada pela criação de um Instituto de Arquitectura é fundamental para dar uma maior visibilidade à nossa profissão de arquitectos e à valorização da arquitectura e do urbanismo, dos edifícios e dos espaços públicos das nossas cidades.

Quanto tempo, ainda, teremos que esperar para podermos dispor destas ferramentas em Portugal?


Para saber mais ver os sites:

- Desenvolvimento de uma Política de Arquitectura Escocesa (1999)
http://www.scotland.gov.uk/architecture/archpolicy.pdf

- Política Nacional de Arquitectura Escocesa (2001)
http://www.scotland.gov.uk/library3/construction/apoa.pdf

- Relatório sobre a implementação da Política de Arquitectura (2005)
http://www.scotland.gov.uk/library5/culture/pasar05.pdf

- Centro virtual de Arquitectura Escocesa
http://www.scottisharchitecture.com/

- Instituto de Arquitectura e Design Escocesa
http://www.thelighthouse.co.uk/

- Ordem dos Arquitectos da Escócia
http://www.rias.org.uk/

- Parlamento Escocês
http://www.scottish.parliament.uk/

- Ordem dos Arquitectos do Reino Unido
http://www.riba.org/

- Charles Rennie Mackintosh
http://www.crmsociety.com/

- Arquitectura de Edinburgo
http://www.edinburgharchitecture.co.uk/

Este artigo sobre a Política Nacional de Arquitectura da Escócia, publicado no Boletim da Ordem dos Arquitectos, n.º 150 de Julho de 2005.
Informam-se os interessados que, desde final de 2007, já há novidades na Escócia sobre esta matéria.


Edição no Infohabitar em 30 de Março de 2008
Editor: José Baptista Coelho


Créditos das figuras:
Parlamento Escocês, projecto de António Miralles,
2005, Edimburgo. Image © Scottish Parliamentary Corporate Body - 2005.

Sem comentários :