segunda-feira, julho 23, 2012

2nd CIHEL - International Congress on Housing in the Lusophone Territory - Infohabitar 403

Infohabitar, Ano VIII, n.º 403


http://2cihel.lnec.pt/

2nd CIHEL- International Congress on Housing in the Lusophone Territory

13th to 15th March 2013

Workshop sessions: 11th and 12th March

2nd Call for Papers
192 papers (abstracts) already submitted

Presentation

The 2nd Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono (2ndCIHEL) - the 2nd CIHEL- International Congress on Housing in the Lusophone Territory will be held in Lisbon, at the Laboratório Nacional de Engenharia Civil – LNEC - at the LNEC’s Congress Centre -, with the dates as follows: Workshop sessions - from 11th to 12th March 2013; Congress - from 13th to 15th March 2013; welcome and opening ceremony – 13th March 2013, in the afternoon.

Main theme
The 2nd CIHEL will address the main theme “Housing, Cities, Territory and Land Use Development”, targeting quantitative, qualitative, urban, territorial and environmental aspects and their role in the socio-economic development of the Lusophone countries. This is particularly important when a significant number of dwellings and reurbanisation actions are envisaged to be carried out in extensive areas that would require technically robust urban planning and housing interventions.

Organization and Local Support
CIHEL Congress will be hosted by Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) in conjunction with the Group Habitar (GH) – association with headquarters at the Architecture and Town-Planning Division (NAU) of LNEC, and in co-operation with various public and private bodies, also committed with the organisation of this congress and which will be listed in the 2nd Circular.


The institutions that have already adhered to this Congress are as follows: FUNDCIC, Centro de Investigação em Arquitectura e Áreas Metropolitanas CIAAM and DAU of ISCTE-IUL, the Rede Portuguesa para o Desenvolvimento do Território - Instituto do Território (IT), The Faculty of Architecture and Urbanism of the University of São Paulo, the Faculdade de Ciências e Tecnologia of the New University of Lisbon - FCT-UNL, the Grupo de Estudos Ordenamento do Território e Planeamento Urbano - GEOTPU, the Instituto Superior Técnico - IST, the Centro de Estudos de Arquitectura Urbanismo e Design - CIAUD -da FAUTL, the Fundação para a Ciência e Tecnologia – FCT, the Centro de Estudos Africanos of the University of Oporto – CEAUP, the Centro Habitat – Plataforma para a Construção Sustentável e a Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

Programme, other activities and registration fees
The Programme of the 2nd CIHEL will be opportunely disclosed. It will comprise the participation of guest lecturers and a wide range of papers divided into eight topics.
A set of Workshop sessions addressing the main theme will take place before the Congress. This Workshop will include a technical visit within Lisbon Metropolitan Area.
During the Workshop and Congress, an exhibition will also take place (at LNEC’s main Conference Hall) on the topics of the 2nd CIHEL. Post-congress visits are also due to take place on 16 March (Saturday).
The Workshop, Congress and post-congress visit will have separate and specific registrations and fees.

Date and venue of the 2nd CIHEL
The Congress will be held from 13th to 15th March 2013, at LNEC, Av. do Brasil, n.º 101, 1700-066 Lisboa, Portugal; a Workshop on the Congress topics will be held on 11 and 12 March.

The congress will take place in Lisbon, at the LNEC’s Congress Centre, which houses an auditorium with a 400 seat capacity and other rooms of different capacities, enabling the occurrence of simultaneous sessions and other activities.

LNEC can be easily reached from various locations and transport modesit offers free parking facilities. The campus is located nearby Lisbon International Airport and within a 10 min. Walking distance from AlvaladeMetrostation.It is integrated in a friendly and animated neighbourhood and many excellent hotels are located in the vicinity.

Contacts
LNEC, Apoio à Organização de Reuniões - Secretariado Geral do 2.º CIHEL

LNEC, Av. do Brasil, n.º 101, 1700-066 Lisboa,

Email: organizacao2cihel@lnec.pt - Telephone: +351 218 443 483 - Fax: +351 218 443 014

http://2cihel.lnec.pt/




Framework
The main goal of this 2nd CIHEL is to develop a comprehensive and multifaceted approach of the theme “Housing, Cities, Territory and Land Use Development”. This theme is seen as extremely opportune, in the light of the significant number of dwellings and reurbanisation actions that are due to be carried out in extensive areas of Lusophone countries affected by serious housing and urban planning deficiencies, the housing approach emphasising an extensive and correct meaning and taking into account the quantitative, qualitative, urban, territorial and environmental aspects and their role as an essential means of socio-economic development of the respective countries.

The awareness of the significant weight of the dynamics of the housing construction/rehabilitation and of the urban expansion in the development of a country is ever-present in this theme, as is the notion that this powerful tool of economic growth must be judiciously organised so that this development can be achieved within socially and culturally valid paths, which are dully adapted to each national, regional and local context.

For instance, as regards the housing promotion, including the one intended for relocation actions, special mention can be made to the fact that there is absolutely no sense in repeating, in certain national and geographic realities, the technically poor solutions that have been previously developed in other countries and regions. In fact, it makes no sense whatsoever in failing to disseminate the good practices adopted in housing and urban actions.

Besides, as mentioned by António Reis Cabrita in the conclusions of the 1st CIHEL congress: “The realities in the different countries are completly different but the ontological and universal dimension of housing and the similarity in many deficiencies fully justify the advantages of a mutual learning. Furthermore, in this particular case, such mutual learning is done by sharing a common language and a certain cultural brotherhood provided by the language”.

The 1st CIHEL has had an informative character and has been focused on a specific set of housing and urban topics, whereas this 2nd CIHEL, with a more comprehensive title “Housing, Cities, Territory and Land Use Development”, points to a wider and more diversified approach to these topics, either as refers to their component elements, or as regards their influence, hopefully positive, on a balanced but meaningful development of the respective countries.

Organisation
The Congress will be promoted and hosted by the Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) in conjunction with the Group Habitar (GH) - non-profit making technical and scientific association with headquarters at the Architecture and Town-Planning Division (NAU) of LNEC -, and in co-operation with various public and private bodies, also committed with the organisation of this congress and which will be soon disclosed.

The structure responsible for the promotion, dissemination and organisation of the Congress will consist of a Committee of Honour, a Board of Directors, a Permanent Secretariat of CIHEL, an Advisory Committee, a Scientific Committee, an International Organising Committee, an Organising Committee and a General Secretariat.

Board of Directors of the 2nd CIHEL: António Baptista Coelho (LNEC and GH); António Reis Cabrita (LNEC, UCP and GH); Jorge Grandão Lopes (LNEC).

Scientific Committee of the 2nd CIHEL: the scientific committee is chaired by Paulo Tormenta Pinto (ISCTE-IUL, CIAAM and GH), has pluridisciplinar character and integrates individuals from various bodies and nationalities.

Permanent Secretariat of CIHEL: Ana Vaz Milheiro (ISCTE-IUL and CIAAM); Anselmo Cani (UEM); António Baptista Coelho (LNEC and GH); António Gameiro (UAN); António Reis Cabrita (LNEC, UCP and GH); Estanislau Silva Ferreira (MIGB); Francisco Oliveira (FAUTL and CIAUD); João Filgueiras Lima; José Dias; Khaled Ghoubar (FAU-USP and GH); Manuel Correia Fernandes (FAUP and GH); Margarida Louro (FAUTL and CIAUD); Paulo Tormenta Pinto (ISCTE-IUL, CIAAM and GH); Sheila Walbe Ornstein (FAU-USP and Museu Paulista USP); Teresa Madeira (ISCTE-IUL and CIAAM); Vasco Rato (ISCTE-IUL and CIAAM)

Soon will be disclosed the composition of the committees mentioned above, as well as all the sponsorships and financial supports received.

Submission of Papers
The participants wishing to submit papers still have one final opportunity to send the corresponding abstracts and pre-registrations, EXCLUSIVELY to the following email address: comunicacoes2cihel@lnec.pt

Deadlines and dates:

. 2nd Call for Papers, deadline for submission of proposals of papers (abstracts): 30 July 2012.

. Notification of acceptance of proposals of the 1st Call: 30 July 2012.

. Notification of acceptance of proposals of the 2nd Call: 14 September 2012.

. Deadline for submission of final papers and complementary data: 5 November 2012.

. Deadline for the final selection and possible revision of papers: 30 November 2012.

. Deadline for the submission of the final revision (if applicable): 15 December 2012.


The first CIHEL - at ISCTE

Guidelines for abstracts:
The abstracts must be preferably written in Portuguese language; abstracts written in Spanish, French and English are also accepted (but no simultaneous translation is scheduled) –, in [.doc] format. The preferred topic (Congress Topics A to H) shall be indicated in the abstract.

The applicable rules, terms and conditions for abstracts will be those indicated in detail on the website of the Congress. Nonetheless, the general guidelines are as follows:

• The content and presentation of the subject chosen for the paper must be clear, consistent and clearly related with the general theme and with the topics chosen for the 2nd CIHEL.

• The abstract must develop the subject not only in a descriptive manner, but also as a substantiated critical view of the subject addressed. The abstract must have the following structure: contextualisation of the problem, objectives of the paper/work, methodology/work, case study/work object of the paper, results/conclusion.

Note: the website of the Congress indicates the guidelines for submission of: (i) abstracts; and (ii) final papers.

The length of the abstracts cannot exceed 600 words (1 A4 format page).

Identification of the authors of abstracts and brief CV:

The authors must identify their works in accordance with the mentioned rules and must enclose a brief CV (max. 150 words).

General Programme (other events):

(i) 11th and 12th March: Workshop programme

Before the Congress a set of workshop sessions will take place at LNEC’s Congress Centre on March 11 and 12. The main goals of the workshop programme are the presentation and discussion of selectedCongress topics. It will have the participation of various LNEC sectors and other invited experts in the various fields around the Congress theme. The Workshop programme will be disclosed in the 2nd Circular as refers to the subjects to be addressed and the lecturing group. The Workshop is also due to integrate a half-day technical visit to the Lisbon Metropolitan area.

(ii) Technical Exhibition

Simultaneously with the 2nd CIHEL, a technical exhibition, devoted to documents, services, institutions, companies, materials and equipment related with the topics addressed in the Congress, will also take place at LNEC’s Great Conference Hall, building Manuel Rocha. Those interested in participating in this exhibition should contact the General Secretariat of the Congress.

(iii) 13 to 15 March: Congress

The detailed programme of the 2nd CIHEL will be disclosed in the 2nd Circular of the congress.

(iv) Post-congress visits

Depending on the number of participants interested, the post-congress visits will take place on 16 March (Saturday).

Registrations and fees

The registration in the 2nd CIHEL and in the complementary activities will be made available in due time.

The fees will be indicated in detail in the 2nd Circular, and special discounts, in particular for students will be taken into account.

The maximum estimated fees (including VAT), for non-students, for the Workshop and Congress are as follows:

Workshop: Eur. 120.00.

Congress: Eur. 330.00.

Workshop and Congress: Eur. 400.00.

Post-congress visit: to be defined in due time.

Website

http://2cihel.lnec.pt/

Logotype
The renovation of the logotype of CIHEL has been performed, similarly to the logotype of the 1st CIHEL, within the framework of the school activities of the Vocational Course of Graphic Design Technician of the Secondary School of Sacavém – a school that normally integrates various students connected with different Lusophone countries.

LNEC’s Congress Centre 

Topics to be developed during the 2nd CIHEL

The eight topics proposed are presented below from a) to h).

In terms of papers, each topic may be addressed in relation to one or various aspects as follows:

(i) presentation of advancements achieved and relevant aspects in the theories, concepts and practices;

(ii) dissemination of strategies and intervention methodologies (planning, analysis and diagnosis, design, work);

(iii) discussion of economic issues and those related with quality assurance, as well as with legal, administrative and financial framework;

(iv) presentation, analysis and discussion of case studies and good practices.

a) Urban and housing policies and programmes
Presenting and discussing urban and housing policies and programmes within the Congress general theme.
Taking into account the public and sectorial policies and the importance of rehabilitation and management.
In view of a reality often marked by critical needs and limited resources, and considering a perspective associated to the development of society and the comprehensive objectives of sustainability.

b) Inhabited city, territory and environment
Developing links between environment, accessibilities from a multimodal perspective, landscape and a live city, which is expected to be the dynamic element of a sustainable development, both cohesive and integrated, acting in a friendly manner towards the natural landscape.
The research and training about the city and the evolution of the human habitat, by taking into account the “new” urban world of megacities and mega peripheral areas.
Considering the city as a space for living, for culture, for territorial vitalisation, competitiveness and for social and territorial cohesion.
Taking into account the equilibria: city-country; inhabited city-industrial city; and urban dynamic world- appropriate environment, by simultaneously considering the strategies of adaptation and mitigation in view of natural and technological hazards.

c) From urbanity in the public space to the informal city
Deepening the perspectives of humanisation of the urban world, as a well inhabited and equipped space.
Taking into account the various infrastructuring profiles and the potentialities of the public space and of urban and social services.
Developing the aspects related with the analysis, reorganisation, urban acupuncture and the positive filling of the city; and taking into account the safety factors, the promotion of feelings of belonging and the preventions of criminality and incivility.
Considering the most adequate ways of re-inhabiting the centre and of reorganising peripheral areas.
Presenting and discussing the methods and actions for intervening and reurbanising the “informal city”.

d) Inhabiting the rural communities
Characterising housing in rural communities, considered as a urban pattern, both decisive and vitalising, within the organisation of developing societies, and as an emergent process in more structured contexts.
A process marked by the increasing awareness of the environment, by the re-interpretation of old ways of life and by the prospects of “returning to the country”.

e) From social interest housing to typological diversification
Aiming to discuss the right to have access to housing and to supported housing and the most adequate practices for the various social, institutional and economic agents associated to housing promotion.
Envisaging a diversification and a strategic suitability of housing solutions (from the household to the neighbourhood).
Discussing the most appropriate relocation options.
Considering the relation between housing solutions, ways of life, as well as functional and comfort demands - by taking into account both old and new ways of inhabiting, the desires, needs and relations between family and neighbourhood and between neighbourhood and city .
Taking into account the alterations in the ways of life, as well as the role and the integration of the new technologies in the city and in the household space.

f) Integrating the urban and housing rehabilitation
Aiming to achieve a relation between inhabiting and rehabilitation, by considering the multiple importance of building in the built area and of filling and densification in the expansion of an extended urban sustainability, also covering the issue of urban voids.
Taking into account the main tools of urban and housing rehabilitation, by emphasising the habitability analyses.
Envisaging a vitalising urban and housing rehabilitation, being socially integrative, functionally diversified and capable of improvement.

g) Construction systems, methods, technologies and materials
Presenting and discussing systems, methods, technologies and materials aimed to the new constructions and to the housing and urban rehabilitation.
Considering aspects related with the cost-benefit relation and, particularly, with the lack of resources, the techniques and means locally available and the suitability in terms of environmental comfort.
Considering the connection of these subjects to the various aspects of the environmental, economic and socio-cultural sustainability.

h) Research and urban and housing intervention practices
Adapting the communities and the inhabitants to the urban and architectural proposals.
Considering the exhaustion of the construction solutions and the quantification of the investment in maintenance.
Taking into account the evolution in the urban and household uses and needs; the relationship with dwellers and the associated participation.
Considering the application of various procedures for analysing satisfaction, with particular emphasis on Post-Occupancy Evaluation (POE); and the pluridisciplinarity action in the urban and housing intervention.

domingo, julho 15, 2012

Vizinhanças socialmente apropriadas e atraentes - Infohabitar 402

Infohabitar, Ano VIII, n.º 402

Na presente edição do Infohabitar retoma-se a publicação corrente da nossa revista com um novo artigo sobre a temática do adequado projecto de vizinhanças urbanas e residenciais, intitulado "Vizinhanças socialmente apropriadas e atraentes" - Artigo XV da série habitar e viver melhor ( o último texto desta série foi publicado em 27 de Maio de 2012, no n.º 395 do Infohabitar e abordou a funcionalidade destas vizinhanças).

Notícias do 2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono - 2.º CIHEL


Regista-se que após terem sido recebidos 178 propostas de resumos/comunicações ao Congresso, no âmbito da respectiva 1.ª Chamada, que decorreu até ao início de julho, estes textos foram já remetidos à Comissão Científica do 2.º CIHEL.

Estamos então, agora, numa numa fase intermediária de preparação do 2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono, lembrando-se que durante Julho está aberta a 2.ª Chamada de propostas de resumos/comunicações.

Salienta-se que, fazendo correr um pouco o cursor terão acesso ao artigo sobre o 2,º CIHEL, editado no n.º 400 do Infohabitar, intitulado "Vamos ter um grande 2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono", onde se faz uma síntese seja dos apoios com que contamos desde já - e em breve haverá excelentes novidades nesta matéria -, seja de alguns dos aspectos de conteúdo que sempre estiveram presentes na estruturação deste Congresso.


E relembram-se as datas, ligeiramente actualizadas, para entrega das Comunicações:
• Envio de resumos de propostas de comunicações da 2.ª Chamada até 30 julho de 2012 - envio segundo as regras editadas no site, exclusivamente para comunicacoes2cihel2@lnec.pt - e atenção que no site do Congresso poderá estar ainda erradamente indicado o mail organizacao2cihel@lnec.pt.

• Comunicação da aceitação das propostas da 1.ª Chamada a partir de 30 julho de 2012.

• Comunicação da aceitação das propostas da 2.ª Chamada a partir de 14 de setembro de 2012.

• Inscrições dos autores das comunicações, acompanhando o envio dos respectivos textos completos das comunicações, eventual resumo alargado e dados complementares até 5 novembro de 2012 - chama-se a atenção para esta ser uma data fundamental a cumprir com rigor.

• Selecção final e eventual solicitação de revisões das comunicações até 30 novembro de 2012.

• Entrega da revisão final (quando aplicável: até 15dezembro de 2012.

ARTIGO DA SEMANA - ARTIGO DA SEMANA - ARTIGO DA SEMANA
VIZINHANÇAS SOCIALMENTE APROPRIADAS E ATRAENTES

Artigo XV, da série habitar e viver melhor

António Baptista Coelho

Lynch diz-nos que a homogeneidade social de um dado sítio é um meio mais determinante do que o respectivo desenho urbano de pormenor para aí se desenvolverem sentimentos de comunidade; uma condição que o autor associa, no entanto, mais directamente, a pequenas comunidades residenciais até cerca de 100 habitações. E o mesmo autor complementa o seu raciocínio referindo ser fundamental não esquecer, que a existência de uma forte comunidade social bem radicada num dado local, é um factor muito importante, por exemplo, para o desenvolvimento das crianças e dos jovens dessa vizinhança (1).

Poderemos ficar, assim, com a ideia de que se desenvolvermos uma intervenção numa perspectiva de predominância pedonal, tal como se tem ciclicamente defendido nesta série editorial, em acções de pequena escala e respeitando critérios de homogeneidade social, teríamos quase garantido o êxito de uma vizinhança.

No entanto, desta forma, há matérias que ficam por tratar, e, designadamente, duas bem distintas, que, em seguida se destacam:

(i) uma delas tem a ver objectivamente com a qualidade do desenho de Arquitectura urbana aplicado, e é bem conhecida a diferença entre bons e maus projectos, ou, melhor, entre Arquitectura e não-arquitectura;

(ii) e a outra matéria é basicamente social e tem a ver, quer com a existência grupos socioculturais que obrigam a concentrações muito menores e a uma maximização da respectiva dispersão, caso contrário os resultados poderão ser, a médio prazo, tão negativos para eles como para os habitantes das respectivas envolventes, quer com os fundamentais cuidados de mistura sociocultural, em diversos tipos de aspectos (culturais, etários, opções de vida, etc.), que parecem ser fundamentais para a criação de vizinhanças vivas e civicamente positivas.




Tudo isto, quando resulta, resulta em vizinhanças que são tão apropriadas directamente pelos seus moradores, como o são, indirectamente, pela cidade em que se integram, neste último caso considerando uma apropriação no sentido de agradável e útil diversidade formal, funcional e social e resultando no útil, atraente e motivador mosaico de espaços vivenciais e urbanos, que todos desejamos se possa constituir na nossa cidade e no nosso bairro.

Kevin Lynch refere, ainda, que (2), acima de uma dimensão de vizinhança local pequena, que o autor estima em cerca de 100 fogos, a homogeneidade social e o controlo evidenciado dos territórios apresentam já aspectos que considera poderem ser perigosos (3); e a noção que neste emomento parece ser a mais adequada, e que decorre directamente da observação periódica e ao longo de mais de duas dezenas de anos, de algumas significativas centenas de conjuntos de habitação de interesse social portuguesa, é que esta conclusão de Lynch poderá ser estrategicamente reduzida e deverá ser especialmente reduzida na medida em que se identifiquem situações sociais marcadas por um reduzido nível de escolaridade e/ou pela pertença a minorias étnicas com registos significativos em termos de dificuldades na integração social e urbana.

Toda esta perspectiva que favorece uma disseminação e integração urbana maximizadas e aliadas a uma máxima diversidade sociocultural ao nível das vizinhanças de proximidade, tem a ver não só com as questões que foram apontadas, mas também com a perspectiva que se tem de uma cidade actual onde é possível e provavelmente desejável que as relações sociais tenham uma base social em unidades de vizinhança muito pequenas (ex., quarteirões), mas que se dispersem, naturalmente, por amplos e diversos sectores da cidade; pois assim se pode fazer e viver uma melhor cidade.

Mas falámos dos aspectos sociais e não falámos, nem iremos falar longamente, da importância da Arquitectura na construção de vizinhanças apropriadas e atraentes, que, portanto, possam influenciar uma vida diária mais agradável e motivadora.

No entanto dá vontade de afirmar, desde já, que essa importância é, na prática, muito mais determinante do que se poderá considerar numa primeira reflexão. E só não se avança mais nesta afirmação devido à ausência de um número significativo de estudos que fundamentem esta relação, entre uma evidenciada qualidade arquitectónica e uma significativa satisfação residencial.

Mas os exemplos estão aí, e a eles voltaremos compassada e pormenorizadamente, desde as Categorias HR, I e II (as mais económicas da promoção de habitação de interesse social portuguesa nos anos 60 do século passado) ao decénio anterior, nas "Células Sociais" do grande Alvalade lisboeta e nos "Pequenos Alvalades" disseminados pelo País (conceito que julgo ter sido referido por Nuno Teotónio Pereira).

E podemos recuar mais para outras Habitações Económicas, ou então avançar mais até muitos casos de habitação de interesse social entre o 25 de Abril e a actualidade, em que áreas reduzidas, acabamentos simplificados e um excelente projecto de Arquitectura, que alia verdadeira valia de "desenho" a uma expressiva capacidade de emoção/empatia e de apropriação, parece terem resultado em vizinhanças bem apropriadas, atraentes e arquitectonicamente dignificadoras da cidade em que se integram.

A estas matérias iremos voltando, sob outras facetas de reflexão, mas ainda nesta área da aproximação a uma adequada apropriação das vizinhanças residenciais, há que sublinhar ser esta uma condição fundamental para o desenvolvimento de um sentido de identidade local que é, provavelmente, um factor crucial do sucesso social e arquitectónico de qualquer nova ou renovada vizinhança.



Num excelente estudo do LNEC, realizado já há alguns anos, Luís Soczka refere que "vários estudos levam a crer que o sentimento de perda de identidade e o anonimato percebido levam a reacções emocionais negativas na situação de adensamento populacional, constituindo assim um importante factor de stress e um precipitador das respostas agressivas" (4).

E o mesmo Luís Soczka, no mesmo estudo, esclarece que a concentração populacional não é um indicador objectivo, como a densidade habitacional, mas sim um indicador psicológico que resulta, subjectivamente, da percepção da densidade populacional como excessiva. E esta é, novamente, uma matéria profundamente arquitectónica, que tudo tem a ver com um “desenho” que pode, eventualmente, aliar as vantagens de uma densificação real a um “dosear” ou a um amenizar da percepção dessa densidade, ou, pelo contrário um acentuar aparente dessa densificação, por exemplo, em situações mais ruralizadas, onde se pretenda criar um pequeno pólo mais urbano – e tudo isto faz parte daquilo que deve ser um excelente “jogo” de/da Arquitectura.

E podemos fazer aqui mais uma pequena síntese social e de Arquitectura, apurando que, mais uma vez, um aspecto importante na satisfação de quem habita – a identidade, que se liga directamente à apropriação – é também um aspecto determinante na construção de uma adequada caracterização arquitectónica e a identidade de um dado espaço urbano e residencial tem de ser construída em boa parte através de um bom desenho, que emocione quem o habita e que dignifique o bairro/cidade em que se integra.

Tem-se a certeza de que, neste texto/temática se abordaram matérias tão diversas como fundamentais para melhor se habitar/viver o (n)o espaço urbano, matérias que, individualmente, exigem aprofundamento, mas que só quando associadas (ex.º diversidade social + densidade equilibrada mas agradavelmente afirmada + desenho/forma/acabamentos que agradem e emocionem habitantes e que dignifiquem a cidade) poderão ter os resultados mais efectivos na satisfação e no fazer cidade, sendo que tal associação exige também cuidadoso aprofundamento e sistemática exemplificação.

Mas tais desenvolvimentos terão de ficar para outras oportunidades, sublinhando-se, desde já, que o "melhor habitar" não poderá nunca decorrer de fórmulas "simplistas", mas sim de combinações muito diversas e exigentes.

Notas:

(1) Kevin Lynch, "La Buena Forma de la Ciudad", p. 179.

(2) Kevin Lynch, "La Buena Forma de la Ciudad", p. 177.

(3) Esta dispersão é real em todos os grupos sociais, embora seja menos efectiva naqueles com baixos níveis salariais e/ou habitualmente marginalizados ou "auto-isolados" (por razões étnicas e culturais).

(4) Luís Soczka, "Espaço Urbano e Comportamentos Agressivos - da Etologia à Psicologia Ambiental, p. 7.

Notas editoriais:

(i) A edição dos artigos no âmbito do blogger exige um conjunto de procedimentos que tornam difícil a revisão final editorial designadamente em termos de marcações a bold/negrito e em itálico; pelo que eventuais imperfeições editoriais deste tipo são, por regra, da responsabilidade da edição do Infohabitar, pois, designadamente, no caso de artigos longos uma edição mais perfeita exigiria um esforço editorial difícil de garantir considerando o ritmo semanal de edição do Infohabitar.

(ii) Por razões idênticas às que acabaram de ser referidas certas simbologias e certos pormenores editoriais têm de ser simplificados e/ou passados a texto corrido para edição no blogger.

(iii) Embora a edição dos artigos editados no Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico, as opiniões expressas nos artigos apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores.

(iv) Para ser possível a edição de imagens no Infohabitar, elas são obrigatoriamente depositadas num programa de imagens - é usado o Photobucket; onde, devido ao grande número de imagens, se torna difícil registar as respectivas autorias. Desta forma salienta-se que, caso se pretenda usar essas imagens, se consultem os artigos do Infohabitar onde, sistematicamente, as respectivas autorias são registadas. Sublinha-se, portanto, que os vários albuns do Photobucket que são geridos pelo editor do Infohabitar constituem bancos de dados do Infohabitar, sendo essas imagens de diversas autorias, apontadas nos artigos do Infohabitar, pelo que deve haver todo o cuidado no seu uso; havendo dúvidas um contacto com o editor será sempre esclarecedor abc@lnec.pt

Infohabitar a Revista do Grupo Habitar

Infohabitar, Ano VIII, n.º 402

Editor: António Baptista Coelho

Edição de José Baptista Coelho

Lisboa, Encarnação - Olivais Norte

sábado, julho 07, 2012

2.º CIHEL: 2.ª CHAMADA DE COMUNICAÇÕES E NOVAS DATAS - quase 200 propostas de comunicações na 1.ª Chamada - Infohabitar 401

É com grande satisfação que a coordenação das Comissões Organizadora e Científica do 2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono - 2.º CIHEL - agradecem a todos os colegas o envio de 178 propostas de comunicações ao Congresso, no âmbito da respectiva 1.ª Chamada, que decorreu até há poucos dias.

Este agradecimento é extensivo a todos os colegas das Comissões do 2.º CIHEL - Comissões de Honra (em constituição),Científica, Consultiva, de Dinamização Internacional e Organizadora - que apoiaram na divulgação do 2.º CIHEL, bem como ao número crescente de entidades - divulgadas no site do Congresso - que têm apoiado o Congresso desde o início da sua organização: sem o vosso apoio esta adesão não teria sido possível!

Este elevado número de propostas de comunicações e o interesse que elas já despertaram no âmbito da equipa que está a preparar o desenvolvimento do trabalho, com o próximo e respectivo envio à Comissão Científica, são aspectos que, desde já, nos permitem considerar o 2.º CIHEL como um evento com elevadas potencialidades em termos científicos e sociotécnicos; uma perspectiva que esteve desde sempre presente em todos aqueles ligados à organização do 2.º CIHEL e do Workshop que o antecederá.


Fazendo correr um pouco o cursor terão acesso ao artigo sobre o 2,º CIHEL, editado aqui no n.º 400 da revista Infohabitar, intitulado "Vamos ter um grande 2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono", onde se faz uma síntese seja dos apoios e das potencialidades que são já, hoje, aspectos que nos fazem sonhar, mas com fundamentação, um grande 2.º CIHEL, seja de alguns dos aspectos de conteúdo que sempre estiveram presentes na estruturação deste Congresso.

E anunciamos, desde já, a 2.ª CHAMADA de resumos de comunicações e as datas, ligeiramente, actualizadas, para entrega das Comunicações:
(i) Envio de resumos de propostas de comunicações da 2.ª Chamadaaté 30 julho de 2012.
(ii) Comunicação da aceitação das propostas da 1.ª Chamada a partir de 30 julho de 2012.
(iii) Comunicação da aceitação das propostas da 2.ª Chamada a partir de 14 de setembro de 2012.
(iv) Inscrições dos autores das comunicações, acompanhando o envio dos respectivos textos completos das comunicações, eventual resumo alargado e dados complementares até 5 novembro de 2012 - chama-se a atenção para esta ser uma data fundamental a cumprir com rigor.
(v) Selecção final e eventual solicitação de revisões das comunicações até 30 novembro de 2012.
(vi) Entrega da revisão final (quando aplicável: até 15dezembro de 2012.

De sublinhar que estas datas não estarão ainda, provavelmente, à data da edição deste artigo no Infohabitar, actualizadas no site do Congresso.

Enviamos as melhores saudações e aproveitamos para solicitar a divulgação do 2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono - 2.º CIHEL - no(s) seu/vossos grupo(s) de colegas; e em breve haverá notícias complementares sobre o desenvolvimento do Workshop e do Congresso, designadamente, no que se refere à constituição das respectivas Comissões e a importantes apoios já concedidos.

António Baptista Coelho, Presidente da Comissão Organizadora do 2.º CIHEL
Paulo Tormenta Pinto, Presidente da Conissão Científica do 2.º CIHEL

domingo, julho 01, 2012

Um grande 2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono; e o Infohabitar atinge o n.º 400 - Infohabitar 400

Infohabitar N.º 400

Vamos ter um grande 2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono;
e o Infohabitar atinge o n.º 400

artigo de António Baptista Coelho


(fig. 01) Logótipo do 2.º CIHEL: a renovação do logótipo do CIHEL foi realizada, tal como aconteceu com o desenvolvimento do logótipo do 1.º CIHEL, no âmbito das atividades letivas do Curso Profissional de Técnico de Design Gráfico da Escola Secundária (ES) de Sacavém – uma ES que integra, habitualmente, numerosos alunos ligados a diversos países da lusofonia.

Numa altura em que o Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono e a sua segunda edição, começam a ter já uma fundamentação extremamente significativa, importava editar algumas palavras sobre o que constitui como prováveis principais potencialidades e objectivos deste Congresso.

Mas importa salientar que a referida "fundamentação extremamente significativa" a este 2.º CIHEL, que se regista, já, a mais de oito meses da realização do Congresso, tem a ver com seis frentes organizativas estratégicas que aqui se referem ainda de forma genérica, pois há já apoios perfeitamente definidos, mas que não podem ser divulgados, nesta data, porque a Comissão Organizadora não recebeu, ainda, os respectivos documentos oficiais:

(i) uma primeira frente refere-se à continuidade do apoio ao 2.º CIHEL por parte de entidades oficiais que tinham já apoiado o 1.º Congresso, e à ampliação deste apoio em termos de entidades oficiais com grande relevo institucional;

(ii) uma segunda frente refere-se ao importante apoio institucional que tem sido disponibilizado ao 2.º CIHEL - até à data 16 entidades académicas, de investigação e da sociedade civil divulgaram o seu apoio oficial ao 2.º CIHEL, contando-se entre elas importantes universidades do mundo da lusofonia;

(iii) uma terceira frente refere-se ao apoio ao CIHEL por parte de importantes entidades do mundo da lusofonia, com destaque para os Laboratórios de Estado dos PALOP, e de outros países ligados ao quadro da lusofonia, mas também de personalidades oficiais de diversos países lusófonos;

(iv) uma quarta frente refere-se ao actual desenvolvimento de um importante programa conjunto do Workshop pré-congresso e do Congresso, que conta já com apoios oficiais estratégicos e que proporcionará que o 2.º CIHEL se constitua num verdadeiro fórum sociotécnico sobre as temáticas do Congresso no âmbito do mundo da lusofonia - frente esta que muito deve a uma das entidades apoiantes e que será em breve devidamente divulgada;

(v) uma quinta frente corresponde à constituição de um conjunto amplo de comissões multi-institucionais que, conjuntamente com o Secretariado Permanente do CIHEL, irão assegurar uma forte dinâmica de continuidade e de utilidade social ao Congresso - comissões: de honra, consultiva, de dinamização internacional, organizadora e científica;

(vi) e, finalmente, uma sexta frente corresponde a uma adesão, julgada muito significativa, por parte de candidatos a congressistas, que, no final da primeira chamada de comunicações, que atingiu o muito significativo número de 178 resumos entregues.

Tal como se tem apontado e considerando que em diversos países da lusofonia se tem vivido, nas últimas semanas, um período difícil marcado pela conclusão de trabalhos académicos e pela realização de exames, haverá lugar, em breve, à definição de uma segunda chamada de comunicações; destacando-se, no entanto, que as candidaturas entregues na primeira chamada terão resposta da Comissão Científica no prazo previamente definido, que é 30 de julho de 2012.

Voltaremos, em breve à explicitação destas seis frentes estratégicas do 2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono, divulgando-se, então as importantes entidades apoiantes e lembramos, desde já e em seguida, as temáticas que se consideram fundamentais abordar na semana de 11 a 15 de março de 2013 no Centro de Congressos do Laboratório Nacional de Engenharia Civil em Lisboa - 11 e 12 de março, workshop; 13 a 15 de março, Congresso; prevendo-se, ainda, actividades complementares, a definir em breve.



Fig. 02: apoios institucionais ao 2.º CIHEL em finais de junho de 2012

Em primeiro lugar, sublinha-se que as matérias que deram origem ao Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono foram exactamente as mesmas que motivaram a criação do Grupo Habitar (GH), que nasceu em 2001, devido à vontade de muitas pessoas com diversas formações e práticas profissionais, discutirem e divulgarem matérias da habitação, do urbanismo e da qualidade de vida, abordando alguns dos principais problemas e dos aspectos qualitativos que caracterizam as nossas habitações, os nossos bairros e as nossas cidades.

E lembremos, já agora, que o GH nasceu em 2001, realizou já mais de 50 eventos técnicos e edita o Infohabitar, uma revista semanal que hoje mesmo atinge a edição nº 400, um número de artigos que se julga muito significativo e que corresponde a cerca de 4000 páginas ilustradas, em textos realizados por mais de 50 autores e distribuídos por mais de 30 temáticas, facilmente acessíveis em: http://infohabitar.blogspot.pt/2012/01/infohabitar-376-artigos-num-catalogo.html
E lembremos que o Infohabitar ultrapassou já, largamente, as 300.000 consultas de artigos - page-views.

Lembremos também, para que fique registado, que a ideia, feliz, da designação "CIHEL", decorreu de intensas reuniões da Comissão Científica do 1.º Congresso e teve uma "madrinha", a Arq.ª Ana Vaz Milheiro, que, a certa altura, desempatou várias possibilidades de nomes e de conjuntos de iniciais, fixando-se, assim, uma designação que teve logo apoio unânime dos presentes.

Já é tempo de se considerar que, por regra, o direito à habitação e, talvez meljor dito, a um habitar condigno, não é cumprido num qualquer alojamento mínimo, concretizado, por exemplo, num apartamento de um edifício sem qualidade arquitectónica e situado numa zona sem espaços públicos e vida urbana; porque o verdadeiro direito à habitação só é cumprido, em termos de um espaço habitacional verdadeiramente adequado, em termos quantitativos e qualitativos, considerando que, tanto se habita com agrado o espaço doméstico, como a vizinhança, o espaço público e a própria cidade. E não tenhamos dúvidas de que só assim se garante que não surgirão mais “bairros críticos” ou, julgo que melhor definidos, socialmente sensíveis.

Esta consideração, sobre o tema de um habitar que deve ser proporcionado numa perspectiva quantitativa e qualitativa muito cuidadosa, assume especial pertinência numa altura em que se desenvolvem planos para grandes números de habitações em vários dos países da lusofonia, e nesta ocasião julga-se que até proporcionar algo tão simples e eventualmente tão oportuno, como a divulgação, numa mesma língua comum, do que foram os maus exemplos de habitar e de habitação de interesse social e, preferencialmente, das características das boas ideias e experiências de habitação, vizinhança e cidade, são aspectos que podem ajudar, de forma determinante, a escolher bons caminhos em termos de um habitar mais adequado às pessoas, aos modos de vida específicos e ao fazer de povoações mais humanas, e e a evitar as más soluções, o que sem dúvida poderá significar uma vida melhor para muitas famílias e uma enorme poupança para o investimento público.

Será assim importante alargar o debate sobre a habitação e o habitar, em sentido amplo, a outras realidades sociais fisicamente distantes e marcadas por problemas distintos e específicos, mas realidades relativamente às quais temos uma sensibilidade especial, não só em termos de uma língua e cultura comuns, mas também em termos afectivos e culturais. E considera-se que a referida diversidade de problemas e contextos, que é muito marcante nas diversas regiões, bem distintas, que caracterizam o interior de grandes países como Angola, Brasil e Moçambique, mas também, por exemplo, nas diversas ilhas de Cabo Verde, não será um obstáculo significativo numa sociedade cada vez mais mundial, multicultural e instantaneamente servida por redes de informação; usemos, então, estas redes e, especialmente, esta nossa língua e cultura comuns, num sentido sistemático e positivo disseminando as acções de referência nestas matérias do melhor habitar para o maior número e do retomar do problema da habitação num século em que habitação e cidade têm de aprender a conviver de forma mutuamente favorável e mesmo necessariamente estimulante, numa aprendizagem que é inovadora, porque o homem tem quase 10.000 anos de pequenas cidades e talvez apenas pouco mais de 50 anos de megacidades, mas uma aprendizagem que pode e tem de trazer suplementos económicos, culturais e conviviais aos velhos e novos citadinos; pois afinal e tal como disse o poeta Konstantínos Kaváfis: "Chegarás sempre a esta cidade; Não esperes outra ..."

E há, na prática, uma semelhança real entre situações habitacionais em contexto de baixos recursos e de grande carência de alojamento, pois julgo que há problemas habitacionais recorrentes nos vários países da lusofonia e em muitos outros países do mundo, entre os quais se destacam, por exemplo: as condições mínimas de habitabilidade do espaço doméstico, bem abaixo de quaisquer níveis e condições razoáveis; as escolhas tipológicas sem qualquer sentido, fazendo-se edifícios altos quando seria preferível soluções de baixa altura; a doentia repetição de projectos-tipo que não servem nem populações específicas nem locais específicos; o esquecimento do papel fundamental de um exterior residencial agradável; a opção por soluções construtivas mal fundamentadas e sem qualidade; e a ausência de cuidados sociais prévios e de gestão posterior.

E parece ser possível afirmar que, infelizmente, todos estes tipos de problemas não escolhem realidades nacionais e geográficas específicas, tendendo a surgir, por regra, em todas elas e de forma crítica e designadamente quando se trata de habitação de interesse social.

Estas reflexões foram, em grande parte, apontadas no início dos trabalhos do 1.º CIHEL, que abordou, especificamente, a qualidade do habitat residencial promovido para populações com baixos rendimentos e mobilizando portanto recursos modestos, mas considera-se que elas mantêm total oportunidade nesta altura em que estamosjá com um 2.º Congresso bem lançado, e um Congresso que visa a discussão ampla da grande temática da habitação, da cidade, do território e de um o desejado desenvolvimento, que seja efectivo, mas também social, ambiental e culturalmente adequado.

E será talvez porque a reflexão sobre o habitar se constitui num novelo fundamental da reflexão sobre a cidade e o território, que conseguimos lembrar, tão bem, a perspectiva temática do 1.º Congresso nesta antecipação do segundo.

Outra matéria fundamental será sempre que devemos aproveitar, divulgar e discutir a experiência adquirida, em termos positivos e negativos, no que se refere a um adequado desenvolvimento territorial, citadino e residencial, não fazendo qualquer sentido irmos, agora, repetir, em outras realidades nacionais e geográficas, por exemplo os problemas que já foram sentidos, por exemplo em Portugal, no Brasil e talvez em Macau, de excesso de concentração de grupos sociais específicos, de segregação e estigmatização de determinados tipos de desenvolvimento urbano, de ausência de um pensamento adequado sobre as paisagens urbana e natural, de "autismo" funcional em termos de infraestruturas feitas mais para os veículos do que para os homens e de ausência de uma cidade activa e amiga, de repetição de maus projectos-tipo residenciais, de inadequação crítica entre modelos habitacionais e modos de vida, de ausência de cuidados de gestão integrada, de inadequação construtiva e em termos de durabilidade e manutenção das soluções.

Este é um 2º Congresso a que se deverão seguir outros sobre outros enfoques complementares e sobre temáticas do habitar, do habitat, da cidade, do território, do ambiente e do desenvolvimento, temáticas que tanto poderão ser especificamente arquitectónicas, como centradas, por exemplo, nas matérias sociais, construtivas, de gestão e económicas associadas à promoção do habitar; considerando-se, sempre, o habitar numa perspectiva completa de habitação, vizinhança, espaço público e integração numa cidade que dialogue bem com a sua paisagem de integração e o seu quadro social e económico.

A ideia de continuidade do Congresso Internacional Habitação no Espaço Lusófono (CIHEL) passa pela continuidade do projecto, no âmbito da dinamização do seu Secretariado Permanente, que sairá reforçado desta 2.ª edição, e passará pela migração do CIHEL para outras entidades organizadoras, outras cidades e outros países do quadro da lusofonia, condição esta vital para se cumprir a ideia de se dinamizar e alargar a discussão referida numa fundamental perspectiva sociotécnica, que deve ser marcada por uma essencial utilidade, e que só terá limitações no sentido de se programarem, pelo menos nas primeiras edições, sítios estratégicos em termos das condições oferecidas para os trabalhos, e onde seja possível juntar números significativos de técnicos e de responsáveis do habitar e do espaço urbano dos diversos países da lusofonia; e neste sentido de continuidade terá de haver, em princípio, notícias no final do 2.º CIHEL, tal como aconteceu no final do 1.º Congresso.



Fig. 03: o CIHEL é para continuar com dinâmica reforçada; imagens do 1.º CIHEL

Para concluir este texto, que marca o remate da 1.ª chamada de resumos/comunicações ao 2.º CIHEL, lembremos que neste Congresso iremos desenvolver uma abordagem ampla e multifacetada da temática “Habitação, Cidade, Território e Desenvolvimento”, considerada de grande oportunidade, numa altura em que se desenvolvem planos para elevados números de habitações e para a reurbanização de extensas áreas em vários dos países da lusofonia que se debatem com críticas carências habitacionais e de ordenamento urbanístico, e privilegiando-se a abordagem do habitar, num sentido amplo e correto, que considere as suas facetas quantitativas, qualitativas, urbanas, territoriais e ambientais, e o seu papel como meio vital de desenvolvimento socioeconómico dos respetivos países; os oito sub-temas para envio de resumos/comunicações são já bem conhecidos, e encontram-se apontados e minimamente desenvolvidos no site do 2.º CIHEL.



E como certas frases fazem a síntese de muitas ideias, citam-se, em seguida, alguns colegas.

Manuel Correia Fernandes escreveu sobre o 1.º CIHEL, no Jornal de Notícias de 8 de Agosto de 2010, e sob o título de “Um primeiro passo" referiu estarmos "em presença de um primeiro passo de uma «caminhada» que, em boa verdade, a dita «lusofonia» - e, sobretudo, Portugal – já devia ter iniciado há muito tempo" e sublinhou, depois, que "esta «lusofonia» não é uma simples questão de «língua» nem uma vulgar questão de tradições que se cruzam! Não, é muito mais do que isso! É toda uma cultura ..."

António Reis Cabrita referiu, quando das conclusões do primeiro congresso, que: “as realidades nos diferentes países são bem distintas mas a dimensão ontológica e universal da habitação e a similitude de muitas carências justificam a utilidade de uma aprendizagem mútua. Além disso, ela é feita neste caso sob a capa de uma língua comum e de alguma fraternidade cultural que a língua propicia.”

E juntou Khaled Ghoubar que: "a discussão da questão habitacional será muito bem vinda, ainda mais quando tratada dentro de um território transnacional, como será absolutamente natural dentro dos trabalhos do CIHEL. Esse caráter transnacional, unificado pela cultura portuguesa ... é a pedra fundamental na construção de laços mais fortes e duráveis de cooperação técnica e econômica de todos os tipos, não só a habitacional que aqui nos interessa como assunto central. Mas esta centralidade do tema habitacional do CIHEL jamais será exclusiva, pois o projeto habitacional envolve toda a gama de agentes sociais, políticos e econômicos para a sua concepção, execução e consumo ..."

O 1.º CIHEL foi, de facto, um excelente primeiro passo que nos fez acreditar serem possíveis muitos mais passos e passos muito úteis, e neste sentido estamos já a avançar decididamente num segundo passo, que desejamos possa ganhar uma significativa força estruturadora do caminho que se segue; e, para isso, todos somos poucos, e o 2.º CIHEL será o que todos conseguirmos que ele seja em termos de um grande e útil fórum sociotécnico, e, neste sentido, iremos procurar obter um máximo de apoios que ajudem a levantar um grande 2.º CIHEL no LNEC em março de 2013.


Notas editoriais:


(i) A edição dos artigos no âmbito do blogger exige um conjunto de procedimentos que tornam difícil a revisão final editorial designadamente em termos de marcações a bold/negrito e em itálico; pelo que eventuais imperfeições editoriais deste tipo são, por regra, da responsabilidade da edição do Infohabitar, pois, designadamente, no caso de artigos longos uma edição mais perfeita exigiria um esforço editorial difícil de garantir considerando o ritmo semanal de edição do Infohabitar.
(ii) Por razões idênticas às que acabaram de ser referidas certas simbologias e certos pormenores editoriais têm de ser simplificados e/ou passados a texto corrido para edição no blogger.
(iii) Embora a edição dos artigos editados no Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico, as opiniões expressas nos artigos apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores.
(iv) Para ser possível a edição de imagens no Infohabitar, elas são obrigatoriamente depositadas num programa de imagens - é usado o Photobucket; onde, devido ao grande número de imagens, se torna difícil registar as respectivas autorias. Desta forma salienta-se que, caso se pretenda usar essas imagens, se consultem os artigos do Infohabitar onde, sistematicamente, as respectivas autorias são registadas. Sublinha-se, portanto, que os vários albuns do Photobucket que são geridos pelo editor do Infohabitar constituem bancos de dados do Infohabitar, sendo essas imagens de diversas autorias, apontadas nos artigos do Infohabitar, pelo que deve haver todo o cuidado no seu uso; havendo dúvidas um contacto com o editor será sempre esclarecedor abc@lnec.pt

Infohabitar a Revista do Grupo Habitar

Infohabitar, Ano VIII, n.º 400
Editor: António Baptista Coelho

Edição de José Baptista Coelho

Lisboa, Encarnação - Olivais Norte