terça-feira, julho 26, 2016

Sobre a Semana CIHEL 2017

Apresenta-se a Semana CIHEL 2017 de 5 a 10 de março, entre Porto e Covilhã - Conferências, Congresso e Visitas

Nota importante:
na data de edição do presente artigo a nossa revista Infohabitar registou um "pico" de leituras diárias com mais de 700 leituras

Fig.01: logótipo da Semana CIHEL2017, entre Porto (1.as Conferências CIHEL) e UBI/Covilhã (4.º CIHEL) , de 5 a 10 de março de 2017



Fig.02: A zona antiga da Ribeira, no Porto, cidade que acolhe as 1.ªas Conferências CIHEL 2017, com apoio da Câmara Municipal (Prefeitura) do Porto; dias 5 e 6 de março de 2017, domingo e segunda-feira (ver programa no site)



Fig.03: Em primeiro plano, parte da Universidade da Beira Interior (UBI) na Covilhã, cidade de montanha, junto à Serra da Estrela, onde decorrerá o 4.º CIHEL, entre 7 e 10 de março de 2017 (ver programa, no site)

Infohabitar, Ano XII, n.º 592
Divulga-se o site do 4.º CIHEL
Continua a divulgar-se o site do 4.º CIHEL, onde o leitor encontrará todas as informações no que se refere ao Congresso  e à Semana CIHEL2017 e poderá fazer o download do Template para envio do Resumo da sua proposta de Comunicação ao Congresso; e é com satisfação que se regista, desde já, a receção de um conjunto interessante de propostas de resumos para comunicações ao Congresso, salientando-se termos entrado já no segundo mês de receção dos mesmos.


Sobre o perfil da Semana CIHEL2017

A Semana CIHEL2017 é uma iniciativa que decorrerá, na semana a seguir à semana do Carnaval de 2017, entre duas cidades - Porto e Covilhã -, com o apoio principal de duas entidades - Câmara Municipal do Porto e Universidade da Beira Interior -, mas que terá também iniciativas importantes em outras cidades portuguesas, com destaque para Viseu e Fundão, e que vai chegar ao Portugal profundo e tradicional com visitas às Aldeias Históricas e às Aldeias do Xisto, na Beira Interior - e no próprio site do Congresso é possível ter uma ideia destes interessantes percursos urbanos e paisagísticos - http://www.4cihel2017.ubi.pt/4_CIHEL/Fotografias/Fotografias.html.

A principal ideia que levou o Secretariado Permanente do CIHEL (Secretariado CIHEL) a lançar esta Semana técnica e científica, integrada por Conferências a convite (Porto), visitas técnicas com âmbito diversificado (Viseu, Fundão e Aldeias Históricas e do Xisto) e uma nova edição do Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófo (Covilhã), foi procurar proporcionar um espaço convenientemente alargado de debate técnico e científico, de diálogo e de contato com diversas e meritórias experiências práticas, e de convívio razoavelmente continuado entre um leque alargado de formações que se dedicam às matérias do habitat humano falado em português.

É sabido de todos que, frequentemente, as reuniões científicas, sendo muito ricas nos seus conteúdos específicos, deixam, no entanto, por vezes, um sentimento de falta de tempo e de oportunidade no que se refere, seja à discussão mais natural e multifacetada dos temas que vão sendo propostos, seja ao desenvolvimento e/ou aprofundamento das essenciais relações pessoais,  profissionais e institucionais, que são propiciadas, de forma intensa, no quadro dessas reuniões.

Nesta perspetiva foi desenvolvida a ideia-base e foi, depois, estruturado o programa pormenorizado da Semana CIHEL2017: que se inicia, no domingo (5 de março) a seguir ao Carnaval de 2017, no Porto, no Norte de Portugal, com uma visita temática a alguns bairros da cidade; prolongando-se, depois, na segunda-feira (6 de março), com as 1.as Conferências CIHEL - evento com conferencistas convidados e que inaugura uma nova tipologia de encontros CIHEL; seguindo-se, na terça-feira (7 de março), a viagem Porto - Covilhã, com uma paragem para visitar o Centro Histórico de Viseu, cidade portuguesa que tem sido considerada como tendo a melhor qualidade de vida; depois, entre o final da terça-feira e a quinta-feira (de 7 a 9 de março), teremos na Universidade da Beira Interior, na Covilhã, o 4.º CIHEL, com a apresentação das Comunicações, cujos resumos estão a ser neste momento enviados à organização do Congresso para submissão à Comissão Científica; e finalmente, na sexta-feira  (dia 10 de março), com base na cidade do Fundão, visitaremos duas Aldeias Históricas e do Xisto.

Concluída a Semana CIHEL2017, quem o desejar, poderá prolongar a estada (fim de semana)  numa aldeia (programa complementar, a divulgar em breve), ou poderá, no sábado de manhã, seguir de comboio (trem), pelo Vale do Tejo até Lisboa - ferrovia com grande interesse paisagístico.

Teremos, assim, o "tempo" e os motivos para pensar e dialogar sobre o habitat humano no mundo da lusofonia, a propósito de uma única concentração de especialistas na matéria, no quadro próximo de uma escola de Engenharia Civil e de Arquitetura (da UBI), e no quadro, amplo, da perceção de realidades tão distintas e críticas como as dos Centros Históricos, carentes de reabilitação e vitalização, de grandes pólos urbanos (Porto e Viseu) e como as dos centros urbanos do interior (Covilhã e Fundão), carentes de vitalidade e também de reabilitação, e ainda as realidades críticas que marcam as aldeias dos territórios, designados, de baixa densidade, ricas de património, mas carentes de população e de atividade; sendo que em todos estes aspetos críticos começam a existir interessantes iniciativas e janelas de oportunidade e de inovação.

Mas atenção, quem não possa destinar toda a semana de 5 a 10 de março a este programa poderá, com a "simples" programação de dois dias completos (e uma noite de estada), participar na parte científica do 4.º CIHEL, pois será, apenas, ao longo dos dias 8 e 9 de março de 2017, que, no Departamento de Engenharia Civil e Arquitetura (DECA) da Universidade da Beira Interior (UBI), que decorrerá a apresentação das Comunicações ao Congresso - e esta possibilidade de participação no CIHEL tem, naturalmente, condições específicas de inscrição.



Fig.04: logótipo das 1.as Conferências CIHEL no Porto, 5 e 6 de março de 2017

Lembra-se, agora, que já passou mais de um mês desde a abertura da receção de propostas de resumos para o 4.º CIHEL.
      (data importante)
5 de setembro de 2016: fecho da receção de resumos de Comunicações/papers.

Temas do 4.º CIHEL

Lembra-se, também, que a proposta de Resumo deverá incluir-se em um dos seguintes seis temas:
(Tema A) ASSENTAMENTOS HUMANOS - futuros urbanos e novidade da tradição, estratégias sensitivas para o desenvolvimento urbano, as novas agendas do habitat humano entre a formalidade e a informalidade
(Tema B) MODOS DE HABITAR – as casas do futuro e a sustentabilidade dos padrões de consumo e produção de cidade e de proximidade; as novas necessidades, soluções e tipologias na habitação
(Tema C) MODELOS DE URBANIZAÇÃO NOS ESPAÇOS DA LUSOFONIA – entre políticas públicas de habitação, mercado imobiliário e o que pensamos sobre habitação e cidade; opções entre Estado regulador e Estado construtor
(Tema D) NOVAS TERRITORIALIDADES E ÁREAS DE ALTA E BAIXA DENSIDADE – processos transformativos da cultura, da paisagem e do ambiente; estratégias territoriais para um desenvolvimento integrado; novas territorialidades, entre litoral e interior; áreas de alta e baixa densidade
(Tema E) REABILITAÇÃO URBANA – identidade, património e vitalidade urbana; adequação entre oferta e procura habitacional em diversas zonas da cidade; usos mistos e inovação tipológica em edifícios; reabilitação integrada de espaços de uso público
(Tema F) RESILIÊNCIA NA CONSTRUÇÃO – economia social no setor da construção; novos processos e ferramentas de projeto de arquitetura; objetivos de saúde e conforto na construção; equilíbrio entre durabilidade, custo e qualidade na construção



Fig.05: logótipo d0 4.º CIHEL, na UBI/Covilhã, 7 a 10 de março de 2017

Visite o site do 4.º CIHEL

Livro de Atas do 4.º CIHEL e outras edições

A análise das propostas de resumo será da responsabilidade da Comissão Científica – realizada, pelo menos, por dois membros da Comissão Científica, sem identificação do(s) respetivo(s) autor(es) do resumo.
Posteriormente, as comunicações serão sujeitas a revisão e poderão ser recomendadas alterações.

Os trabalhos aceites serão distribuídos, no Livro de Atas do 4.º CIHEL, em formato completo sob a forma de CD, e em formato reduzido com edição, em papel, dos respetivos resumos – tal como foi realizados nos anteriores CIHEL. Esta edição terá identificação ISBN.

Está, ainda, a ser prevista a possibilidade de edição, autónoma, de um livro sobre temáticas associáveis ao tema geral da “Cidade Habitada” e que integrará diversos capítulos com autorias específicas, realizados tendo por base algumas das comunicações apresentadas ao 4.º CIHEL.


Refere-se que a Comissão Dinamizadora Internacional do 4.º CIHEL está já a trabalhar e será, em breve, divulgada.
Comissão Científica do 4.º CIHEL
Comissão Científica do 4.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono – 4.º CIHEL – na Universidade da Beira Interior (UBI), na Covilhã, de 7 a 10 de março

Comissão Científica do 4.º CIHEL
(em ordem alfabética)
  • Alberto Reaes Pinto (Faculdade de Arquitectura e Artes, Universidade Lusíada de Lisboa)
  • Ana Lídia Virtudes (Dep. Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade da Beira Interior e CIARCHE-UBI)
  • Ana Vaz Milheiro (Dep. Arquitetura e Urbanismo, ISCTE-IUL, CIAAM e CIHEL)
  • Ana Yabar Sterlling (Instituto Universitario de Ciencias Ambientales, Universidad Complutense de Madrid)
  • Angélica Benatti Alvim (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Presbiteriana Mackenzie e CIHEL)
  • Anselmo Cani (Faculdade de Arquitectura e Planeamento Físico, Universidade Eduardo Mondlane e CIHEL) (coordenador do Tema C)
  • António Borges Abel (Dep. Arquitectura, Universidade de Évora)
  • António Leça Coelho (Dep. de Edifícios, Laboratório Nacional de Engenharia Civil)
  • Camila D’Ottaviano (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo e CIHEL)
  • Carlos Almeida Marques, (Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Universidade de Lisboa e CIHEL) (Presidente da C. Científica)
  • Denise Antonucci (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Presbiteriana Mackenzie e CIHEL)
  • Fernando Gonzalez Botija (Facultad de Ciencias Políticas y Sociología, Universidad Complutense de Madrid)
  • Fernando Moreira da Silva (CIAUD, Faculdade de Arquitectura, Universidade de Lisboa e CIHEL) (coordenador do Tema B)
  • Fernando Pinho (Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa e CIHEL)
  • Inês Daniel de Campos (Dep. Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade da Beira Interior, CIARCHE-UBI e CIHEL)
  • João Lanzinha (Dep. Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade da Beira Interior e CIARCHE-UBI) (coordenador do Tema E)
  • João Paulo de Castro Gomes ((Dep. Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade da Beira Interior)
  • Jorge Grandão Lopes (Dep. de Edifícios, Laboratório Nacional de Engenharia Civil) (coordenador do Tema F)
  • Jorge Manuel Gonçalves (Dep. Engenharia Civil, Arquitectura e Georrecursos, Instituto Superior Técnico)
  • José Eugenio Soriano (Facultad de Derecho,  Universidad Complutense de Madrid)
  • José Vasconcelos Paiva (Dep. de Edifícios, Laboratório Nacional de Engenharia Civil, GHabitar) 
  • Khaled Ghoubar (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, GHabitar e CIHEL)
  • Leandro Medrano (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São) (coordenador do Tema A)
  • Lizete Rubano (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Presbiteriana Mackenzie)
  • Lúcia Leitão (Universidade Federal de Pernambuco)
  • Lúcia Zanin Shimbo (Instituto de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo - São Carlos)
  • Luís Ferreira Gomes (Dep. Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade da Beira Interior)
  • Luís Soares Carneiro (Faculdade de Arquitetura, Universidade do Porto)
  • Luiz Recáman (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo)
  • Manuel Correia Guedes, (Dep. Engenharia Civil, Arquitectura e Georrecursos, Instituto Superior Técnico)
  • Márcio Minto Fabrício (Instituto de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo - São Carlos)
  • Margarida Louro (Faculdade de Arquitectura, Universidade de Lisboa, CIAUD e CIHEL)
  • Maria Isabel Villac (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Presbiteriana Mackenzie)
  • Miguel Santiago (Dep. Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade da Beira Interior, CIARCHE-UBI) (coordenador do Tema D)
  • Paulo Afonso Reinhgantz (Universidade Federal do Rio de Janeiro) – a confirmar
  • Paulo Castro Seixas (Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Universidade de Lisboa) 
  • Paulo Santos Conceição (Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto)
  • Sheila Walbe Ornstein (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo e CIHEL)
  • Sílvia Mikami (Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, Universidade Estadual de Campinas e CIHEL)

Visite o site do 4.º CIHEL


 O Editor da Infohabitar, Co-diretor do 4.º CIHEL e co-organizador da semana CIHEL2017
António Baptista Coelho

Notas editoriais:
(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.
(ii) De acordo com o mesmo sentido, de se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.


Infohabitar, Ano XII, n.º 592
Sobre a Semana CIHEL2017
Site do 4.º CIHEL – www.4cihel2017.ubi.pt
Editor: António Baptista Coelho – abc@ubi.pt, abc@lnec.pt e abc.infohabitar@gmail.com
GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional, Mestrado Integrado em Arquitectura da Universidade da Beira Interior - MIAUBI

Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.

segunda-feira, julho 18, 2016

Site do 4.º CIHEL – www.4cihel2017.ubi.pt


Fig.01: logótipo da Semana CIHEL2017, entre Porto e UBI/Covilhã, de 5 a 10 de março de 2017

Infohabitar, Ano XII, n.º 591
Divulga-se o site do 4.º CIHEL
Onde o leitor encontrará todas as informações no que se refere ao Congresso  e à Semana CIHEL2017 e poderá fazer o download do Template para envio do Resumo da sua proposta de Comunicação ao Congresso.

Fig.02: logótipo das 1.as Conferências CIHEL no Porto, 5 e 6 de março de 2017

Lembra-se que já passou um mês desde a abertura da receção de propostas de resumos para o 4.º CIHEL.
      (data importante)
. 5 de setembro de 2016: fecho da receção de resumos de Comunicações/papers.

Temas do 4.º CIHEL

Lembra-se, também, que a proposta de Resumo deverá incluir-se em um dos seguintes seis temas:
(Tema A) ASSENTAMENTOS HUMANOS - futuros urbanos e novidade da tradição, estratégias sensitivas para o desenvolvimento urbano, as novas agendas do habitat humano entre a formalidade e a informalidade
(Tema B) MODOS DE HABITAR – as casas do futuro e a sustentabilidade dos padrões de consumo e produção de cidade e de proximidade; as novas necessidades, soluções e tipologias na habitação
(Tema C) MODELOS DE URBANIZAÇÃO NOS ESPAÇOS DA LUSOFONIA – entre políticas públicas de habitação, mercado imobiliário e o que pensamos sobre habitação e cidade; opções entre Estado regulador e Estado construtor
(Tema D) NOVAS TERRITORIALIDADES E ÁREAS DE ALTA E BAIXA DENSIDADE – processos transformativos da cultura, da paisagem e do ambiente; estratégias territoriais para um desenvolvimento integrado; novas territorialidades, entre litoral e interior; áreas de alta e baixa densidade
(Tema E) REABILITAÇÃO URBANA – identidade, património e vitalidade urbana; adequação entre oferta e procura habitacional em diversas zonas da cidade; usos mistos e inovação tipológica em edifícios; reabilitação integrada de espaços de uso público
(Tema F) RESILIÊNCIA NA CONSTRUÇÃO – economia social no setor da construção; novos processos e ferramentas de projeto de arquitetura; objetivos de saúde e conforto na construção; equilíbrio entre durabilidade, custo e qualidade na construção



Fig.03: logótipo d0 4.º CIHEL, na UBI/Covilhã, 7 a 10 de março de 2017

Visite o site do 4.º CIHEL

Livro de Atas do 4.º CIHEL e outras edições

A análise das propostas de resumo será da responsabilidade da Comissão Científica – realizada, pelo menos, por dois membros da Comissão Científica, sem identificação do(s) respetivo(s) autor(es) do resumo.
Posteriormente, as comunicações serão sujeitas a revisão e poderão ser recomendadas alterações.

Os trabalhos aceites serão distribuídos, no Livro de Atas do 4.º CIHEL, em formato completo sob a forma de CD, e em formato reduzido com edição, em papel, dos respetivos resumos – tal como foi realizados nos anteriores CIHEL. Esta edição terá identificação ISBN.

Está, ainda, a ser prevista a possibilidade de edição, autónoma, de um livro sobre temáticas associáveis ao tema geral da “Cidade Habitada” e que integrará diversos capítulos com autorias específicas, realizados tendo por base algumas das comunicações apresentadas ao 4.º CIHEL.


Refere-se que a Comissão Dinamizadora Internacional do 4.º CIHEL está já a trabalhar e será, em breve, divulgada.
Comissão Científica do 4.º CIHEL
Comissão Científica do 4.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono – 4.º CIHEL – na Universidade da Beira Interior (UBI), na Covilhã, de 7 a 10 de março

Comissão Científica do 4.º CIHEL
(em ordem alfabética)
  • Alberto Reaes Pinto (Faculdade de Arquitectura e Artes, Universidade Lusíada de Lisboa)
  • Ana Lídia Virtudes (Dep. Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade da Beira Interior e CIARCHE-UBI)
  • Ana Vaz Milheiro (Dep. Arquitetura e Urbanismo, ISCTE-IUL, CIAAM e CIHEL)
  • Ana Yabar Sterlling (Instituto Universitario de Ciencias Ambientales, Universidad Complutense de Madrid)
  • Angélica Benatti Alvim (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Presbiteriana Mackenzie e CIHEL)
  • Anselmo Cani (Faculdade de Arquitectura e Planeamento Físico, Universidade Eduardo Mondlane e CIHEL) (coordenador do Tema C)
  • António Borges Abel (Dep. Arquitectura, Universidade de Évora)
  • António Leça Coelho (Dep. de Edifícios, Laboratório Nacional de Engenharia Civil)
  • Camila D’Ottaviano (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo e CIHEL)
  • Carlos Almeida Marques, (Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Universidade de Lisboa e CIHEL) (Presidente da C. Científica)
  • Denise Antonucci (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Presbiteriana Mackenzie e CIHEL)
  • Fernando Gonzalez Botija (Facultad de Ciencias Políticas y Sociología, Universidad Complutense de Madrid)
  • Fernando Moreira da Silva (CIAUD, Faculdade de Arquitectura, Universidade de Lisboa e CIHEL) (coordenador do Tema B)
  • Fernando Pinho (Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa e CIHEL)
  • Inês Daniel de Campos (Dep. Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade da Beira Interior, CIARCHE-UBI e CIHEL)
  • João Lanzinha (Dep. Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade da Beira Interior e CIARCHE-UBI) (coordenador do Tema E)
  • João Paulo de Castro Gomes ((Dep. Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade da Beira Interior)
  • Jorge Grandão Lopes (Dep. de Edifícios, Laboratório Nacional de Engenharia Civil) (coordenador do Tema F)
  • Jorge Manuel Gonçalves (Dep. Engenharia Civil, Arquitectura e Georrecursos, Instituto Superior Técnico)
  • José Eugenio Soriano (Facultad de Derecho,  Universidad Complutense de Madrid)
  • José Vasconcelos Paiva (Dep. de Edifícios, Laboratório Nacional de Engenharia Civil, GHabitar) 
  • Khaled Ghoubar (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, GHabitar e CIHEL)
  • Leandro Medrano (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São) (coordenador do Tema A)
  • Lizete Rubano (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Presbiteriana Mackenzie)
  • Lúcia Leitão (Universidade Federal de Pernambuco)
  • Lúcia Zanin Shimbo (Instituto de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo - São Carlos)
  • Luís Ferreira Gomes (Dep. Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade da Beira Interior)
  • Luís Soares Carneiro (Faculdade de Arquitetura, Universidade do Porto)
  • Luiz Recáman (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo)
  • Manuel Correia Guedes, (Dep. Engenharia Civil, Arquitectura e Georrecursos, Instituto Superior Técnico) – a confirmar
  • Márcio Minto Fabrício (Instituto de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo - São Carlos)
  • Margarida Louro (Faculdade de Arquitectura, Universidade de Lisboa, CIAUD e CIHEL)
  • Maria Isabel Villac (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Presbiteriana Mackenzie)
  • Miguel Santiago (Dep. Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade da Beira Interior, CIARCHE-UBI) (coordenador do Tema D)
  • Paulo Afonso Reinhgantz (Universidade Federal do Rio de Janeiro) – a confirmar
  • Paulo Castro Seixas (Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Universidade de Lisboa) 
  • Paulo Santos Conceição (Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto)
  • Sheila Walbe Ornstein (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo e CIHEL)
  • Sílvia Mikami (Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, Universidade Estadual de Campinas e CIHEL)

Visite o site do 4.º CIHEL


 O Editor da Infohabitar, Co-diretor do 4.º CIHEL e co-organizador da semana CIHEL2017
António Baptista Coelho

Notas editoriais:
(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.
(ii) De acordo com o mesmo sentido, de se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.


Infohabitar, Ano XII, n.º 591
Site do 4.º CIHEL – www.4cihel2017.ubi.pt
Editor: António Baptista Coelho – abc@ubi.pt, abc@lnec.pt e abc.infohabitar@gmail.com
GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional, Mestrado Integrado em Arquitectura da Universidade da Beira Interior - MIAUBI

Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.


domingo, julho 10, 2016

Comissão Científica do 4.º CIHEL - Infohabitar 590

Infohabitar, Ano XII, n.º 590


Site do 4.º CIHEL – www.4cihel2017.ubi.pt

Comissão Científica do 4.º CIHEL

Comissão Científica do 4.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono – 4.º CIHEL – na Universidade da Beira Interior (UBI), na Covilhã, de 7 a 10 de março de 2017

Continuamos a divulgação do 4.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono – 4.º CIHEL – a realizar na Universidade da Beira Interior (UBI), na Covilhã, de 7 a 10 de março de 2017.
O presente artigo é dedicado à Comissão Científica do 4.º CIHEL, continuando a divulgar-se, depois, as principais datas do Congresso, o link para se obter o template do resumo e outras informações importantes.

Comissão Científica do 4.º CIHEL

(em ordem alfabética)
  • Alberto Reaes Pinto (Faculdade de Arquitectura e Artes, Universidade Lusíada de Lisboa)
  • Ana Lídia Virtudes (Dep. Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade da Beira Interior e CIARCHE-UBI)
  • Ana Vaz Milheiro (Dep. Arquitetura e Urbanismo, ISCTE-IUL, CIAAM e CIHEL) 
  • Ana Yabar Sterlling (Instituto Universitario de Ciencias Ambientales, Universidad Complutense de Madrid)
  • Angélica Benatti Alvim (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Presbiteriana Mackenzie e CIHEL)
  • Anselmo Cani (Faculdade de Arquitectura e Planeamento Físico, Universidade Eduardo Mondlane e CIHEL) - Coordenador Tema C: MODELOS DE URBANIZAÇÃO NOS ESPAÇOS DA LUSOFONIA
  • António Borges Abel (Dep. Arquitectura, Universidade de Évora)
  • António Leça Coelho (Dep. de Edifícios, Laboratório Nacional de Engenharia Civil)
  • Camila D’Ottaviano (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo e CIHEL)
  • Carlos Almeida Marques, (Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Universidade de Lisboa e CIHEL) - Presidente da Comissão Científica
  • Denise Antonucci (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Presbiteriana Mackenzie e CIHEL)
  • Fernando Gonzalez Botija (Facultad de Ciencias Políticas y Sociología, Universidad Complutense de Madrid)
  • Fernando Moreira da Silva (CIAUD, Faculdade de Arquitectura, Universidade de Lisboa e CIHEL) - Coordenador Tema B: MODOS DE HABITAR
  • Fernando Pinho (Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa e CIHEL)
  • Inês Daniel de Campos (Dep. Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade da Beira Interior, CIARCHE-UBI e CIHEL)
  • João Lanzinha (Dep. Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade da Beira Interior e CIARCHE-UBI) - : REABILITAÇÃO URBANA 
  • João Paulo de Castro Gomes ((Dep. Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade da Beira Interior)
  • Jorge Grandão Lopes (Dep. de Edifícios, Laboratório Nacional de Engenharia Civil) - Coordenador Tema F: RESILIÊNCIA NA CONSTRUÇÃO
  • Jorge Manuel Gonçalves (Dep. Engenharia Civil, Arquitectura e Georrecursos, Instituto Superior Técnico)
  • José Eugenio Soriano (Facultad de Derecho,  Universidad Complutense de Madrid)
  • José Vasconcelos Paiva (Dep. de Edifícios, Laboratório Nacional de Engenharia Civil, GHabitar)
  • Khaled Ghoubar (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, GHabitar e CIHEL)
  • Leandro Medrano (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São) - Coordenador Tema A: ASSENTAMENTOS HUMANOS 
  • Lizete Rubano (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Presbiteriana Mackenzie)
  • Lúcia Leitão (Universidade Federal de Pernambuco)
  • Lúcia Zanin Shimbo (Instituto de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo - São Carlos)
  • Luís Ferreira Gomes (Dep. Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade da Beira Interior)
  • Luís Soares Carneiro (Faculdade de Arquitetura, Universidade do Porto)
  • Luiz Recáman (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo)
  • Manuel Correia Guedes, (Dep. Engenharia Civil, Arquitectura e Georrecursos, Instituto Superior Técnico) – a confirmar
  • Márcio Minto Fabrício (Instituto de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo - São Carlos)
  • Margarida Louro (Faculdade de Arquitectura, Universidade de Lisboa, CIAUD e CIHEL)
  • Maria Isabel Villac (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Presbiteriana Mackenzie)
  • Miguel Santiago (Dep. Engenharia Civil e Arquitetura, Universidade da Beira Interior, CIARCHE-UBI) - Coordenador Tema D: NOVAS TERRITORIALIDADES E ÁREAS DE ALTA E BAIXA DENSIDADE 
  • Paulo Afonso Reinhgantz (Universidade Federal do Rio de Janeiro) – a confirmar
  • Paulo Castro Seixas (Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Universidade de Lisboa)
  • Paulo Santos Conceição (Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto) 
  • Sheila Walbe Ornstein (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo e CIHEL)
  • Sílvia Mikami (Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, Universidade Estadual de Campinas e CIHEL)

Temas do 4.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono – 4.º CIHEL – na Universidade da Beira Interior (UBI), na Covilhã, de 7 a 10 de março

O 4.º CIHEL integra a Semana do Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono 2017 – a Semana CIHEL2017 – que decorrerá de 5 a 10 de março de 2017, globalmente dirigida para o tema geral “A Cidade Habitada”; uma semana que associa as 1as Conferências CIHEL, no Porto, de 5 a 6 de março, e o 4.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono – 4.º CIHEL – na Universidade da Beira Interior (UBI), na Covilhã, de 7 a 10 de março. 


Entre o domingo 5 de março e a sexta-feira 10 de março de 2017, preenchendo a semana a seguir ao Carnaval, logo no início do ano académico em alguns países da lusofonia – como Angola, Brasil e Moçambique – e no início do 2.º Semestre em outros países lusófonos, como Portugal, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) vai encontrar-se, novamente, no Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono (CIHEL), já na sua quarta edição, para discutir, em português, as temáticas do habitat humano, desta vez sobre o tema global: “A CIDADE HABITADA”.
O CIHEL, na sua quarta edição, tem como principais organizadores a Câmara Municipal do Porto (CMP) e a Universidade da Beira Interior (UBI), estando a agregar muitas outras participações, que serão em breve devidamente divulgadas, também aqui na Infohabitar.

Datas importantes do 4.º CIHEL


  •           15 de junho de 2016: abertura da chamada/call de resumos de Comunicações/papers, a realizar segundo modelo disponível no site do Congresso (idêntico ao usado no 2.º CIHEL).
  • .         5 de setembro de 2016: fecho da receção de resumos de Comunicações/papers.
  • .         Até 15 de setembro de 2016: conclusão da notificação de aceitação ou rejeição de resumos de Comunicações/papers.
  • .         15 de setembro a 15 de novembro de 2016: envio das comunicações completas, segundo o modelo disponível no site do Congresso (idêntico ao usado no 2.º CIHEL e que disponibiliza um guia simplificado para apresentação da comunicação).
  • .       15 de outubro de 2016: abertura das inscrições a preço reduzido – a realizar de acordo com intruções a disponibilizar no site do Congresso.
  • .         Até 1 de dezembro de 2016: notificação da aceitação final ou de recomendações de revisão das comunicações completas.
     Nota: a notificação da aceitação final ou da recomendação de revisão poderá        ser feita muito antes de 15 de dezembro de 2016.
  • .        15 de dezembro de 2016: data limite para receção das comunicações que tenham sido revistas e inscrição dos autores de comunicações.
  • .        15 de janeiro de 2017: data limite para inscrições a preço reduzido.

Descarregue aqui o template/guia do resumo a apresentar ao 4.º CIHEL

https://drive.google.com/file/d/0B07ghAdgYgJTYncxVS1nZzdTWkE/view?usp=sharing


Temas do 4.º CIHEL

O 4.º CIHEL irá proporcionar a discussão do tema/título geral “A CIDADE HABITADA”, e será estruturado nas seguintes seis matérias principais: assentamentos humanos, modos de habitar, modelos de urbanização nos espaços da lusofonia, novas territorialidades e áreas de alta e baixa densidade reabilitação urbana, resiliência na construção.
Em todos estes seis temas (Temas A a F) poderão ser feitas propostas de comunicações ao 4.º CIHEL, que decorrerá na Universidade da Beira Interior (UBI), na Covilhã, com a parte científica a decorrer ao longo dos dias 8 e 9 de março de 2017, apresentando-se, sem seguida, estes temas, de forma livre e resumida, para se proporcionar o seu melhor conhecimento e a eventual e desejada motivação de comunicações ao Congresso. 

(Tema A) ASSENTAMENTOS HUMANOS

Futuros urbanos e novidade da tradição, estratégias sensitivas para o desenvolvimento urbano, as novas agendas do habitat humano entre a formalidade e a informalidade.
Desenvolver ligações entre ambiente, acessibilidades, território, paisagem e uma cidade viva e dinamizadora de um desenvolvimento viável, coerente, integrado e aliado da paisagem natural, tendo em conta as novas realidades e necessidades urbanas, como as megacidades e as grandes zonas urbanas informais; aprofundar as relações entre a introdução urbana de um renovado habitar, a paisagem envolvente e o meio ambiente, à luz das discussões sobre sustentabilidade; considerar o espaço urbanizado como espaço de vida, de cultura, de vitalização territorial, de competitividade e coesão social e territorial; considerar a renovada importância da imagem urbana; aprofundar a análise das carências habitacionais e urbanas e a proposta de soluções para a informalidade e a precariedade em termos habitacionais e de vivência urbana, privilegiando-se os casos de referência aplicados à resolução dessas situações no quadro da lusofonia.
Alguns subtemas possíveis: imagem e vitalidade urbanas; desenvolvimento social e urbano; planeamento estratégico e habitat humano; intervenções habitacionais e de regularização urbana em zonas informais e precárias; intervenções habitacionais de emergência.

(Tema B) MODOS DE HABITAR

As casas do futuro e a sustentabilidade dos padrões de consumo e produção de cidade e de proximidade; as novas necessidades, soluções e tipologias na habitação.
Reconsiderar as bases teóricas da conceção do habitar; diversificar as soluções de habitar e adotar renovadas soluções de projeto integradas e eficazes; ligar o habitat humano aos seus destinatários (em termos funcionais, sociais e económicos), através de intervenções públicas, cooperativas e privadas nas diversas vertentes (urbanística, programática, projectual, participativa, financeira, construtiva), aplicadas a edifícios e espaços de uso público; privilegiar ações de humanização e de boa integração urbana da habitação de interesse social e adequados processos de realojamento em termos de adequada integração social, funcional e física; aprofundar uma investigação tipológica ao serviço das atuais necessidades habitacionais.
Alguns subtemas possíveis: aspetos associados à história, teoria e crítica do habitat humano, e com expressiva aplicação na atualidade; habitação de interesse social e adequação aos habitantes; inovação sustentada nas soluções habitacionais e na adequação a novos grupos sociais/etários carenciados; Integração da Habitação de Interesse Social.



(Tema C) MODELOS DE URBANIZAÇÃO NOS ESPAÇOS DA LUSOFONIA
Entre políticas públicas de habitação, mercado imobiliário e o que pensamos sobre habitação e cidade; opções entre Estado regulador e Estado construtor.
Considerar as políticas públicas, os quadros regulamentares e os programas na área urbana e habitacional e urbana, de escala nacional, regional ou local, visando-se intervenções sustentadas dos instrumentos de ordenamento territorial e urbanístico.
Alguns subtemas possíveis: convergências e divergências entre a gestão e o planeamento das cidades; papéis do Estado, do setor cooperativo e do mercado imobiliário na promoção de habitação; o direito a uma habitação adequada a preços acessíveis; habitat humano e participação popular.



(Tema D) NOVAS TERRITORIALIDADES E ÁREAS DE ALTA E BAIXA DENSIDADE
Processos transformativos da cultura, da paisagem e do ambiente; estratégias territoriais para um desenvolvimento integrado; novas territorialidades, entre litoral e interior; áreas de alta e baixa densidade.
Refletir sobre os novos caminhos da densificação em centros urbanos e periferias desvitalizadas; ponderar as novas territorialidades marcadas pelo litoral ou pelo interior; sistematizar os processos de intervenção em zonas de baixa densidade; considerar diversos quadros de densidade habitacional e de caraterização urbana ou rural e as respetivas tipologias de intervenção mais viáveis; relações mais diretas entre cultura, paisagem, ambiente e desenvolvimento local;
Alguns subtemas possíveis: habitar, território e memória; tirar partido do afastamento metropolitano e da identidade local; estratégias integradas para a vitalização de áreas de baixa densidade; a opção densificação e os seus suportes arquitetónicos – oportunidades e ameaças.

(Tema E) REABILITAÇÃO URBANA

Identidade, património e vitalidade urbana; adequação entre oferta e procura habitacional em diversas zonas da cidade; usos mistos e inovação tipológica em edifícios; reabilitação integrada de espaços de uso público.
Refletir sobre os sensíveis equilíbrios entre valorização da identidade local, defesa e recuperação do respetivo património material e imaterial e incremento da vitalidade urbana; considerar e visar a relação entre habitar e reabilitar, considerando a múltipla importância do construir no construído e do preenchimento e da densificação no incremento de uma ampla sustentabilidade urbana; privilegiar uma reabilitação urbana e habitacional estratégica, vitalizadora, participada e integradora, funcionalmente diversificada e valorizadora do respetivo quadro patrimonial; aprofundar uma reabilitação integrada e participada de espaços de uso público.
Alguns subtemas possíveis: soluções urbanas de valorização do património material e imaterial local e regional; integração da reabilitação urbana e habitacional; relação entre reabilitação e procura habitacional; opções entre reabilitar para o habitante e/ou para o turista; aspetos que influenciam o custo da reabilitação construtiva.

(Tema F) RESILIÊNCIA NA CONSTRUÇÃO

Economia social no setor da construção; novos processos e ferramentas de projeto de arquitetura; objetivos de saúde e conforto na construção; equilíbrio entre durabilidade, custo e qualidade na construção.

Desenvolver caminhos de reflexão sobre o papel da economia social no setor da construção; apresentar as últimas soluções ligadas a uma inovação integradora no projeto de arquitetura, desde a conceção à construção e à visualização; aprofundar as ligações entre tecnologia na construção e as áreas da saúde e do conforto ambiental no habitat humano; considerar a adequação regional da tecnologia construtiva, designadamente, em quadros de escassez e especificidade de recursos; aprofundar os aspetos de qualidade, durabilidade, manutenção e custos na produção habitacional.
Alguns subtemas possíveis: novas soluções de projeto de Arquitetura (ex., BIM); aprofundamento dos relevantes aspetos de saúde e conforto ambiental na construção do habitat humano; novas soluções construtivas e respetivos reflexos socioeconómicos; aspetos a destacar na construção habitacional em situações de escassez e especificidade de recursos; inovação na relação entre projeto, tecnologia e custos na construção.

Inscrições na Semana CIHEL2017 e no 4.º CIHEL

Abertura das inscrições: 15 de outubro de 2016
Apontam-se, como limites estimados para as inscrições no CIHEL 2017 com custos reduzidos (a realizar até 15 de janeiro de 2017) os seguintes valores: 250,00 € (4.º CIHEL na UBI/Covilhã e visita a 10 de março); e 350,00 € (1as Conferências CIHEL no Porto, 4.º CIHEL na UBI/Covilhã e visitas a 7 e 10 de março). Em breve serão disponibilizados os custos específicos para os diversos elementos que integram o programa do CIHEL 2017, as condições especiais de inscrição de participantes (ex.,estudantes) e contatos de hotéis no Porto e na Covilhã.

 O Editor da Infohabitar
Co-diretor do 4.º CIHEL e co-organizador da semana CIHEL2017
António Baptista Coelho





 O Editor da Infohabitar
Co-diretor do 4.º CIHEL e co-organizador da semana CIHEL2017
António Baptista Coelho

Notas editoriais:
(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.
(ii) De acordo com o mesmo sentido, de se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.

Infohabitar, Ano XII, n.º 590
Comissão Científica do 4.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono – 4.º CIHEL – na Universidade da Beira Interior (UBI), na Covilhã, de 7 a 10 de março
Editor: António Baptista Coelho – abc@ubi.pt, abc@lnec.pt e abc.infohabitar@gmail.com
GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional, Mestrado Integrado em Arquitectura da Universidade da Beira Interior - MIAUBI

Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.