segunda-feira, dezembro 24, 2018

Boas Festas e Feliz 2019


(na imagem: o centro do bairro modernista Olivais Norte em Lisboa/ a não perder)


Neste Natal, que desejamos em Paz e Alegria, e no final de 2018 e início de um Novo Ano de 2109, que desejamos cheio de Saúde e de Felicidade, a edição da Infohabitar, a Direcção do GHabitar e a Coordenação do Secretariado do CIHEL, enviam votos de Festas Felizes a todos os leitores,

Com Respeito e Amizade,

António Baptista Coelho
Editor da Infohabitar
Direcção da GHabitar 
Coordenação do CIHEL



terça-feira, dezembro 18, 2018

Mais alguns esboços aguarelados sobre Olivais Norte, em Lisboa (III)


Infohabitar, Ano XIV, n.º 669

Mais alguns esboços aguarelados sobre Olivais Norte, em Lisboa (III)
por António Baptista Coelho

Esta semana concluímos a edição simples, praticamente não comentada, de alguns últimos esboços, mantendo-se uma “tradição” da Infohabitar, onde já foram editados algumas dezenas de artigos com esboços diversos.

E continuamos em Olivais Norte, Lisboa – quem visite o bairro deve sair na estação de Metro da Encarnação.

Tal como já se apontou nas últimas  semanas,  regista-se, apenas, que Olivais Norte, em Lisboa, o bairro agora esboçado em algumas vistas, constitui um conjunto habitacional e urbano de pura traça modernista e sendo, nesta perspectiva, muito provavelmente, o melhor exemplo modernista português, que alia a esta valia cultural e arquitectónica única uma extraordinária qualidade de vivência urbana e habitacional; mas, no entanto, Olivais Norte encontra-se, actualmente e já desde há anos, no que se considera ser um sensível e crescente estado de pouco cuidado com os seus espaços exteriores públicos, que é  bem evidente, designadamente, durante os meses mais quentes (devido à ausência de rega), mas também em pavimentos degradados, falta de mobiliário urbano compatível com o carácter dos espaços, novas intervenções de reformulação de estacionamentos desenquadradas das originais, etc.; uma situação que afecta a fruição do espaço público e a sua imagem, e uma situação para a qual também contribui, intensamente, a contínua “destruição” das fachadas dos seus excelentes edifícios - verdadeiros marcos da nossa história habitacional - com marquises, estores e outras intervenções dissonantes.

Será já tempo de se pensar, urgente e decididamente, em parar esta múltipla e triste  “destruição” do nosso bairro modernista por excelência, e talvez através de uma aliança estratégica e bem acordada entre município/estado e moradores, partir para uma gradual, mas bem afirmada, recuperação da imagem urbana pública de Olivais Norte (integrando espaços públicos e fachadas dos edifícios), restituindo a este bairro a sua clara importância histórica e cultural, que poderia ser bem evidenciada, por exemplo, através de um núcleo  interpretativo do Bairro (por exemplo, sediado, estrategicamente num espaço da estação de metro da Encarnação, centrada no Bairro), e, simultaneamente, revalorizando, assim, muito significativamente, os seus espaços públicos, edifícios e habitações - e já há exemplos excepcionais de moradores que, isoladamente, procuram recuperar a imagem original das suas habitações e até a vizinhança contígua dos seus espaços públicos, faltando transformar este processo numa dinâmica bem enquadrada e ampla, que poderá, eventualmente, recorrer a adequadas soluções inovadoras em termos de imagem produzida/recuperada e de custo/benefício - benefício este no qual talvez se possam também incluir melhorias das habitações em termos do respectivo conforto ambiental (pois julga-se que há programas específicos de apoio a este tipo de intervenções).

E não tenhamos qualquer dúvida que todos ganharíamos com o início de um processo deste tipo, pois está bem na hora de alargarmos o sentido patrimonial prático bem para cá das malhas urbanas e citadinas com centenas de anos; a cidade e neste caso Lisboa poderá evidenciar um “menu” de bairros histórica e imageticamente sequenciais. 





Fig. 01 – sem título





Fig. 02 – sem título



Fig. 03 – sem título






Fig. 04 – sem título






Fig. 05 – sem título



Fig. 06 – sem título





Fig. 07 – sem título




Fig. 08 – sem título


Notas editoriais:
(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.
(ii) De acordo com o mesmo sentido, de se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.

Infohabitar, Ano XIV, n.º 669

Mais alguns esboços aguarelados sobre Olivais Norte, em Lisboa III

Infohabitar
Editor: António Baptista Coelho
abc.infohabitar@gmail.com


Revista do GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional Infohabitar,– Associação com sede na Federação Nacional de Cooperativa de Habitação Económica (FENACHE).


Apoio à Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.

terça-feira, dezembro 11, 2018

Últimos esboços a azul e branco - Infohabitar 670


Infohabitar, Ano XV, n.º 670

Últimos esboços a azul e branco (quase só)

por António Baptista Coelho

Esta semana, iniciando o nosso 15º anos editorial, continua-se uma edição simples, não comentada, de alguns últimos esboços, mantendo-se uma “tradição” da Infohabitar, onde já foram editados algumas dezenas de artigos com esboços diversos, alguns comentados outros não.

Apenas se refere que os esboços agora editados (com excepção do último) foram realizados, no local, em Olivais Norte, Lisboa; o exemplar bairro modernista português, que muito cuidado e divulgação deveria merecer.






 Fig. 01 - Olivais Norte, Lisboa




 Fig. 02 - gaivotas




 Fig. 03 - gaivotas





                                              Fig. 04 - Olivais Norte, Lisboa





                                                Fig. 05 - Olivais Norte, Lisboa





 Fig. 06 - pombos





  Fig. 07 - Olivais Norte, Lisboa


Fig. 8 - sem título

Notas editoriais:
(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.
(ii) De acordo com o mesmo sentido, de se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.

Infohabitar, Ano XV, n.º 670
Últimos esboços a azul e branco (quase só)
Infohabitar
Editor: António Baptista Coelho
abc.infohabitar@gmail.com
abc.infohabitar@gmail.com

Revista do GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional Infohabitar,– Associação com sede na Federação Nacional de Cooperativa de Habitação Económica (FENACHE).
Edição semanal nas instalações do Núcleo de Estudos Urbanos e Territoriais (NUT) do Departamento de Edifícios (DED) do LNEC;
Apoio à Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.

Esboços aguarelados sobre Olivais Norte, Lisboa (II) Infohabitar 668

Infohabitar, Ano XIV, n.º 668

Mais alguns esboços aguarelados sobre Olivais Norte, em Lisboa (II)

por António Baptista Coelho

Esta semana continuamos a edição simples, quase não comentada, de alguns últimos esboços, mantendo-se uma “tradição” da Infohabitar, onde já foram editados algumas dezenas de artigos com esboços diversos.

E continuamos em Olivais Norte, Lisboa – quem visite o bairro deve sair na estação de Metro da Encarnação.

Tal como já se apontou na semana passada,  regista-se, apenas, que Olivais Norte, em Lisboa, o bairro agora esboçado em algumas vistas, constitui um conjunto habitacional e urbano de pura traça modernista e sendo, nesta perspectiva, muito provavelmente, o melhor exemplo modernista português, que alia a esta valia cultural e arquitectónica única uma extraordinária qualidade de vivência urbana e habitacional; mas, no entanto, Olivais Norte encontra-se, actualmente e já desde há anos, no que se considera ser um sensível e crescente estado de pouco cuidado com os seus espaços exteriores públicos, que é  bem evidente, designadamente, durante os meses mais quentes (devido à ausência de rega), mas também em pavimentos degradados, falta de mobiliário urbano compatível com o carácter dos espaços, novas intervenções de reformulação de estacionamentos desenquadradas das originais, etc.; uma situação que afecta a fruição do espaço público e a sua imagem, e uma situação para a qual também contribui, intensamente, a contínua “destruição” das fachadas dos seus excelentes edifícios - verdadeiros marcos da nossa história habitacional - com marquises, estores e outras intervenções dissonantes.

Será já tempo de se pensar, urgente e decididamente, em parar esta múltipla e triste  “destruição” do nosso bairro modernista por excelência, e talvez através de uma aliança estratégica e bem acordada entre município/estado e moradores, partir para uma gradual, mas bem afirmada, recuperação da imagem urbana pública de Olivais Norte (integrando espaços públicos e fachadas dos edifícios), restituindo a este bairro a sua clara importância histórica e cultural, que poderia ser bem evidenciada, por exemplo, através de um núcleo  interpretativo do Bairro (por exemplo, sediado, estrategicamente num espaço da estação de metro da Encarnação, centrada no Bairro), e, simultaneamente, revalorizando, assim, muito significativamente, os seus espaços públicos, edifícios e habitações - e já há exemplos excepcionais de moradores que, isoladamente, procuram recuperar a imagem original das suas habitações e até a vizinhança contígua dos seus espaços públicos, faltando transformar este processo numa dinâmica bem enquadrada e ampla, que poderá, eventualmente, recorrer a adequadas soluções inovadoras em termos de imagem produzida/recuperada e de custo/benefício - benefício este no qual talvez se possam também incluir melhorias das habitações em termos do respectivo conforto ambiental (pois julga-se que há programas específicos de apoio a este tipo de intervenções).

E não tenhamos qualquer dúvida que todos ganharíamos com o início de um processo deste tipo, pois está bem na hora de alargarmos o sentido patrimonial prático bem para cá das malhas urbanas e citadinas com centenas de anos; a cidade e neste caso Lisboa poderá evidenciar um “menu” de bairros histórica e imageticamente sequenciais. 



Fig. 01 – sem título



Fig. 02 – sem título

Fig. 03 – sem título




Fig. 04 – sem título




Fig. 05 – sem título


Fig. 06 – sem título



Fig. 07 – sem título


Notas editoriais:
(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.
(ii) De acordo com o mesmo sentido, de se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.

Infohabitar, Ano XIV, n.º 668

Mais alguns esboços aguarelados sobre Olivais Norte, em Lisboa II

Infohabitar
Editor: António Baptista Coelho
abc.infohabitar@gmail.com


Revista do GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional Infohabitar,– Associação com sede na Federação Nacional de Cooperativa de Habitação Económica (FENACHE).


Apoio à Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.

terça-feira, dezembro 04, 2018

Esboços aguarelados sobre Olivais Norte, Lisboa (I) - Infohabitar 667

Infohabitar, Ano XIV, n.º 667
Mais alguns esboços aguarelados sobre Olivais Norte, em Lisboa I
por António Baptista Coelho

Esta semana e as próximas serão dedicadas a uma edição simples, não comentada, de alguns últimos esboços, mantendo-se uma “tradição” da Infohabitar, onde já foram editados algumas dezenas de artigos com esboços diversos, alguns comentados outros não.

Regista-se, apenas, que Olivais Norte, em Lisboa, o bairro agora esboçado em algumas vistas, constitui um conjunto habitacional e urbano de pura traça modernista e sendo, nesta perspectiva, muito provavelmente, o melhor exemplo modernista português, que alia a esta valia cultural e arquitectónica única uma extraordinária qualidade de vivência urbana e habitacional; mas, no entanto, Olivais Norte encontra-se, actualmente e já desde há anos, no que se considera ser um sensível e crescente estado de pouco cuidado com os seus espaços exteriores públicos, que é  bem evidente, designadamente, durante os meses mais quentes (devido à ausência de rega), mas também em pavimentos degradados, falta de mobiliário urbano compatível com o carácter dos espaços, novas intervenções de reformulação de estacionamentos desenquadradas das originais, etc.; uma situação que afecta a fruição do espaço público e a sua imagem, e uma situação para a qual também contribui, intensamente, a contínua “destruição” das fachadas dos seus excelentes edifícios - verdadeiros marcos da nossa história habitacional - com marquises, estores e outras intervenções dissonantes.

Será já tempo de se pensar, urgente e decididamente, em parar esta múltipla e triste  “destruição” do nosso bairro modernista por excelência, e talvez através de uma aliança estratégica e bem acordada entre município/estado e moradores, partir para uma gradual, mas bem afirmada, recuperação da imagem urbana pública de Olivais Norte (integrando espaços públicos e fachadas dos edifícios), restituindo a este bairro a sua clara importância histórica e cultural, que poderia ser bem evidenciada, por exemplo, através de um núcleo  interpretativo do Bairro (por exemplo, sediado, estrategicamente num espaço da estação de metro da Encarnação, centrada no Bairro), e, simultaneamente, revalorizando, assim, muito significativamente, os seus espaços públicos, edifícios e habitações - e já há exemplos excepcionais de moradores que, isoladamente, procuram recuperar a imagem original das suas habitações e até a vizinhança contígua dos seus espaços públicos, faltando transformar este processo numa dinâmica bem enquadrada e ampla, que poderá, eventualmente, recorrer a adequadas soluções inovadoras em termos de imagem produzida/recuperada e de custo/benefício - benefício este no qual talvez se possam também incluir melhorias das habitações em termos do respectivo conforto ambiental (pois julga-se que há programas específicos de apoio a este tipo de intervenções).



Fig. 01 - sem título



Fig. 02 - preexistência entre blocos modernistas e verde urbano
Fig. 03 - a zona verde central



Fig. 04 - sem título



Fig. 05 - sem título



Fig. 06 - o verde urbano entre as diversas tipologias
Fig. 07 - o reino do peão




Fig. 08 - sem título


Notas editoriais:
(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.
(ii) De acordo com o mesmo sentido, de se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.

Infohabitar, Ano XIV, n.º 667
Maia alguns esboços aguarelados sobre Olivais Norte, em Lisboa I

Infohabitar
Editor: António Baptista Coelho
abc.infohabitar@gmail.com
abc.infohabitar@gmail.com


Revista do GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional Infohabitar,– Associação com sede na Federação Nacional de Cooperativa de Habitação Económica (FENACHE).

Apoio à Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.

terça-feira, novembro 27, 2018

NATUREZA, TEMPO, CIDADE E LUGAR - Infohabitar 666

INFOHABITAR N.º 666
NATUREZA, TEMPO, CIDADE E LUGAR
Conjunto de 25 artigos e um texto de apresentação

 

Caros leitores da revista semanal Infohabitar com a presente edição, damos continuidade a uma tipologia editorial, em que se procura voltar a focar e divulgar artigos e séries editoriais já desenvolvidas há algum tempo, mas versando temáticas intemporais.

Julgamos que quando uma revista técnica e científica como a nossa atinge um significativo “tempo de vida” – neste caso 14 anos – e expressão editorial – a caminho dos 700 artigos – corre-se o risco de textos que deixaram de estar numa primeira linha editorial, mas que continuam com o mesmo interesse e oportunidade, poderem ficar um pouco esquecidos “nas prateleiras arquivadoras”, neste caso “na nuvem arquivista” e, a partir desta consideração, surgiu a ideia de voltar a colocar “bem à mão”, à distância de um rápido “clic”, conjuntos temáticos de artigos, por vezes muito bem articulados, entre si, outras vezes marcados por uma salutar diversidade, como é o caso actual.

E é assim que, na presente edição da Infohabitar, se sugere a leitura de uma série de 25 artigos, editados entre 2006 e 2012, desenvolvidos por 4 autores e que têm em comum a abordagem do grande tema: NATUREZA, TEMPO, CIDADE E LUGAR.

Lembra-se que estas matéria relativas à NATUREZA, TEMPO, CIDADE E LUGAR constituem um dos 35 temas editoriais da Infohabitar.

Regista-se, ainda, que estas matérias relativa à NATUREZA, TEMPO, CIDADE E LUGAR correspondem a um dos sete grandes temas abordados num estudo amplo sobre a matéria do “habitar humanizado”, apresentado e desenvolvido em duas publicações editadas e disponibilizadas pela Livraria do LNEC (apontadas em seguida) e no n.º 18 dos Opúsculos da Editora Dafne – neste caso, com o título “Entre casa e cidade, a humanização do habitar”.

COELHO, António Baptista - Habitação Humanizada: Uma apresentação geral, Lisboa, LNEC, Memória n.º 836, 2007, 40 p., 19 fig., ISBN 978-972-49-2117-4.
COELHO, António Baptista - Habitação Humanizada, Lisboa, LNEC, Tese e Programas de Investigação TPI n.º 46. Lisboa: LNEC, 2007. 574 p., 121 fig., ISBN 978-972-49-2120-4.

A matéria global do “habitar humanizado” refere-se ao habitar espaços domésticos e urbanos e corresponde a um estudo de investigação, desenvolvido no quadro de uma “habilitação em arquitetura e urbanismo”, realizado e discutido no Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), considerando-se que o interesse no desenvolvimento deste tema decorreu, quase diretamente, da necessidade sentida de se aprofundarem aspetos ainda considerados menos objetivos e que no entanto caracterizam, claramente, pela sua existência ou ausência, múltiplas situações domésticas e urbanas.
Trata-se, assim, de um tema cuja importância se julga ser evidente numa altura em que o “mal habitar” casa e cidade continua a marcar, em todo o mundo, um elevadíssimo número de famílias e as periferias e os vazios urbanos de grandes cidades, uma importância que resulta, tanto da necessidade de se considerarem, diretamente, os múltiplos aspetos de uma sensível humanização dos quadros do habitat humano, como da importância de se estar alerta relativamente às recorrentes simplificações relativas a áreas mínimas habitacionais mal concebidas (“cegamente” funcionalizadas), e à doentia repetição de projetos-tipo mal concebidos e mal aplicados em termos urbanos.

“... A noção de paisagem urbana é fundamental” (Gonçalo Byrne).

“É fundamental, para fazer mexer a cidade, que nos instrumentos de planificação e de planeamento estratégico quer de escala menor, se inclua a noção de paisagem, que é cada vez mais importante... o arquitecto deveria ter na sua formação esta percepção, porque a paisagem é cada vez mais uma questão de arquitectura e uma questão de cidade. A noção de paisagem urbana é fundamental.”
Gonçalo Byrne (2004)
(Inês Moreira dos Santos e Rui B. Duarte, “Estruturas de mudança - entrevista com Gonçalo Byrne”, Arquitectura e Vida, n.º 49, 2004, p. 51)

Aborda-se uma perspectiva ecológica e humana ampla, que considera e articula a actual grande importância que tem – e deve recuperar – o lugar, como sítio “único”, com identidade específica, e a também actual grande importância da protecção e do protagonismo da natureza e do verde urbano.
É este um capítulo cuja temática deve, natruralmente, muito a Christian Norberg-Schulz, e assim teria de ser iniciado com mais um dos seus fundamentais conceitos (1968): “No passado os bandidos viviam fora das muralhas, hoje estão dentro. A cidade respira brutalidade e sentimos o desejo de fugir-lhe para encontrar a paz. Por isso procuramos proteger e conservar a natureza;... com o passar do tempo não poderemos fugir mais; o arquitecto moderno deve contribuir para sanar esta situação, criando um novo ordenamento e uma nova e significativa unidade entre a paisagem e a obra do homem.” - Christian Norberg-Schulz, “A paisagem e a obra do homem”, Arquitectura, n.º 102, 1968, pp.52-58.
Trata-se de reconcilar a cidade com a paisagem, objectivo este muito importante para a cidade de hoje e crucial para a grande cidade de hoje e, afinal, tal como disse Maria Celeste Ramos, no âmbito dos trabalhos do Júri do Prémio INH 2006, “a árvore acrescenta beleza e não a tira”, e a beleza e a “frescura” do verde urbano são altamente necessárias na cidade de hoje.
O arquitecto moderno deve, assim,  “contribuir para um novo ordenamento e uma nova e significativa unidade entre a paisagem e a obra do homem”, palavras sábias e antecipadoras de Norberg-Schulz, já em 1968, numa altura em que as novas grande cidades mundiais estavam, ainda, em início de “explosão”.
Depois de se ter desenvolvido uma pequena incursão no manancial temático da matéria da integração urbana e habitacional, uma matéria que se considera ser de primeira linha, no hoje fundamental enquadramento da qualidade arquitectónica, este último capítulo deste trabalho exploratório sobre o habitar humanizado é também, de certa forma, a conclusão desta pequena aventura por territórios que, bem sabemos, estão e são pouco cartografáveis, mas cujo melhor conhecimento é essencial num mundo actual em que, como dizia Norberg-Schulz, as muralhas das cidades já não servem para nos defendermos dos malfeitores, e em que é na identidade reforçada do habitar próprio e de vizinhança, no seu papel de “centro do mundo” de cada um, e na máxima recuperação de uma natureza positivamente humanizada, que se joga e jogará a prevalência, no mundo urbano, do sentido humano mais genuíno e do sentido cívico mais genuíno.
A ideia geral que se propõe, como plataforma para futuros trabalhos, e que levou, no presente estudo, à separação entre as temáticas gémeas da integração e da caracterização, que podem e devem ser, naturalmente, ponderadas em conjunto, é que a primeira, a integração, tratada no último capítulo, pode constituir uma importante e eficaz linha da frente na introdução dos cuidados de coerência contextual e paisagística em medidas práticas ligadas à urgente melhoria do nosso ambiente construído e natural, enquanto a segunda, a caracterização, que está a ser abordada neste capítulo, embora incorpore matérias também parcialmente associadas a aspectos facilmente convertidos em exigências específicas de qualidade do ambiente e da construção, como é a matéria da ecologia do habitar, incorpora outras matérias de caracterização profunda do habitar, designadamente, em termos de escala humana e de natureza cultural, que obrigam a um aprofundado esforço de sistematização, a realizar, nomeadamente, através do estudo bem ponderado de casos de referência.




Listam-se, em seguida (ordenados de acordo com a respectiva apresentação), alguns dos subtemas tratados nos artigos, associados ao tema editorial  NATUREZA, TEMPO, CIDADE E LUGAR cujos títulos específicos e links são, depois, disponibilizados mais abaixo:

Arquitectura da paisagem

Importância do verde urbano

Olivais Norte

Porque Morrem as Cidades os Velhos e as Árvores

Jardins e habitar

Jardim

A árvore na cidade

A natureza da paisagem

O Céu de Lisboa

A árvore suporte do mundo no espaço urbano

Importância da árvore urbana

A Cidade e o Equinócio de Outono

Qualidade do ambiente urbano

A cidade e o equinócio da Primavera

A Cidade e o Carnaval

O Natal, o Solstício de Inverno e a Cidade


Fiquem, então,caros leitores com algumas das muitas páginas da nossa pequena história editorial; e boas leituras,

António Baptista Coelho
Editor da Infohabitar, Presidente da GHabitar, investigador principal com habilitação em Arquitectura e Urbanismo (LNEC), doutor em Arquitetura (FAUP), Arquiteto (ESBAL).

Notas práticas:
. a listagem dos artigos mantém a respetiva ordem cronológica editorial (dos mais recentes para os menos recentes);
. os artigos são disponibilizados no seu formato editorial original;
. para aceder ao artigo basta fazer ctrl + click sobre o seu endereço eletrónico (disponibilizado a seguir ao respetivo título); ou sobre o próprio título (quando este está ligado diretamente ao respetivo ebdereço eletrónico – ao passar o rato/mouse sobre o título essa ligação fica evidente).  


(Tema geral)

NATUREZA, TEMPO, CIDADE E LUGAR

Arquitectura da paisagem e imagens do final de Outono - António Baptista Coelho (n.º 419, 9 Dez. 12, 4 págs., 8 figs.).
Importância do verde urbano - artigo de Arno Rieder; Notícias do 2.º CIHEL; Revista Brasileira de Gestão Urbana - Arno Rieder (n.º 393, 13 Mai. 12, 3 págs., 3 figs.).
Olivais Norte: modernismo e natureza (i) - António Baptista Coelho (n.º 305, 25 Jul. 10, 12 págs., 10 figs.).
Porque Morrem as Cidades os Velhos e as Árvores. Porque Morre e um País III - Celeste Ramos (n.º 232, 2 Fev. 09, 13 págs., 6 figs.).
Porque Morrem as Cidades os Velhos e as Árvores. Porque Morre e um País II - Celeste Ramos (n.º 230, 19 Jan. 09, 14 págs., 7 figs.).
Porque Morrem as Cidades os Velhos e as Árvores. Porque Morre e um País I - Celeste Ramos (n.º 229, 12 Jan. 09, 13 págs., 6 figs.).
Os jardins e o habitar (II) – artigo de António Baptista Coelho e textos da da London Tree Officers Association (n.º 202, 22 de Jun. 2008, 9 págs., 8 figs.).
O Jardim Ampliado – artigo de Milton Botler (n.º 197, 19 Maio, 2008, 9 págs., 7 figs.).
Sobre os jardins e o habitar (I) notas iniciais e um primeiro enquadramento – artigo de António Baptista Coelho (n.º 196, 12 Maio, 2008, 6 págs., 6 figs.).
Paisagens II: algumas notas sobre a árvore na cidade - Texto e fimagens de António Baptista Coelho sobre palestra de Maria Celeste Ramos (n.º 186, 9, Março, 2008, 6 págs., 4 figs.).
Paisagem I: sobre a natureza da paisagem - artigo de António Baptista Coelho (n.º 184, 24 Fevereiro 2008, 6 págs., 6 figs.)
DIA DA MÃE – texto de Celeste Ramos (n.º 139, 10 Mai. 07, p., fig.).
O Céu de Lisboa (e mais um texto complementar) - Celeste Ramos (n.º 136, 20 Abr. 07, 8 p., 6 fig.).
A Cidade e o Solstício de Inverno - Maria Celeste Ramos (n.º 118, 21 Dez. 06).
Cidade relógio de horas – Maria Celeste Ramos, ilustração de ABCoelho (n.º 113, 16 Nov. 06, 9p., 7 fig.).
A Cidade e o Equinócio de Outono II, desenhar com a natureza – Celeste Ramos (n.º 107, 5 Out. 06, 11p. 6fig.).
A Cidade e o Equinócio de Outono I, o esplendor da luz – Celeste Ramos, ilustração de António Baptista Coelho (n.º 105, 28 Set. 06, 9p. 8 fig.).
Qualidade do ambiente urbano II – o jardim e acidade ontem e hoje – Maria Celeste Ramos com colaboração e imagens de António Baptista Coelho (n.º 83, 7 Mai. 06, 7 p., 7fig.).
Qualidade do ambiente urbano I – a natureza às portas da cidade – Maria Celeste Ramos com colaboração e imagens de António Baptista Coelho (n., 82, 1 Mai. 06, 7 p., 7fig.).
A cidade e o equinócio da Primavera – Celeste Ramos com imagens de António Baptista Coelho (n.º 76, 28 Mar. 06, 6p. 5fig.).
A Cidade e o Carnaval, festa de antecipação do Equinócio da Primavera – Maria Celeste Ramos com imagens de António Baptista Coelho (n.º 73, 10 Mar. 06, 3p. 2 fig.).
O Natal, o Solstício de Inverno e a Cidade – Maria Celeste Ramos (n.º 59, 16 Dez. 05, 4p. 3fig.).

Finalmente salienta-se que o processo editorial da Infohabitar, revista ligada à ação da GHabitar - Associação Portuguesa de Promoção da Qualidade Habitacional (GHabitar APPQH) – associação que tem a sede na Federação Nacional de Cooperativas de Habitação Económica (FENACHE) –, voltou a estar, desde o princípio de setembro de 2017, em boa parte, acolhido no Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) e nos seus Departamento de Edifícios e Núcleo de Estudos Urbanos e Territoriais (NUT); aproveitando-se para se agradecer todos os essenciais apoios disponibilizados por estas entidades.


Notas editoriais:
(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.
(ii) De acordo com o mesmo sentido, de se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos

Infohabitar, Ano XIV, n.º 666
NATUREZA, TEMPO, CIDADE E LUGAR
Conjunto de 25 artigos

Infohabitar
Editor: António Baptista Coelho
abc.infohabitar@gmail.com
Editado nas instalações do Núcleo de Estudos Urbanos e Territoriais (NUT) do Departamento de Edifícios (DED) do LNEC; Infohabitar, Revista do GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional – Associação com sede na Federação Nacional de Cooperativa de Habitação Económica (FENACHE).

Apoio à Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.