terça-feira, janeiro 24, 2017

Programa pormenorizado do 4.º CIHEL e da Semana CIHEL2017 - Infohabitar 601

Infohabitar, Ano XIII, n.º 601




Programa pormenorizado do 4.º CIHEL

e da Semana CIHEL2017

Notas: cartazes do 4.º CIHEL, com ilustração de Maria Abreu e Design de CNLL; logótipos do 4.º CIHEL de Isabel Romana

Porto e UBI/Covilhã – 5 a 10 de março 2017
(domingo a sexta-feira)

SEMANA CIHEL2017 e 4.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono - 4.º CIHEL

A CIDADE HABITADA – Site: www.4cihel2017.ubi.pt

Semana CIHEL2017

§  1as Conferências CIHEL + Visitas –  Porto/CM, 5 e 6 de março de 2017

§  Paragem/Visitas livres – Viseu, 7 de março de 2017

§  4.º Congresso CIHEL – Covilhã/UBI, 8 e 9 de março de 2017

§  Visitas – Aldeias Históricas e do Xisto/CM Fundão, 10 de março de 2017


O 4.º CIHEL irá proporcionar a discussão do tema/título geral “A CIDADE HABITADA, e será estruturado nas seguintes seis matérias principais: assentamentos humanos, modos de habitar, modelos de urbanização nos espaços da lusofonia, novas territorialidades e áreas de alta e baixa densidade reabilitação urbana, resiliência na construção.

Salienta-se que a inscrição na Semana CIHEL2017 é realizada no site do 4.º CIHEL e é possível em duas modalidades: (i) na Semana CIHEL2017, incluindo atividades realizadas no Porto, Viseu, Covilhã e Fundão/Aldeias; ou (ii) no 4.º CIHEL, na Covilhã, incluindo atividades realizada no Fundão/Aldeias. Esclarece-se que a visita às Aldeias tem inscrições específicas




1as Conferências CIHEL + visitas –  Porto/CM, 5 e 6 de março de 2017




Domingo, 5 de março:

14h30 - Receção na Câmara Municipal do Porto (Praça General Humberto Delgado - Porto)

15h00 – Visitas técnicas (Bairros Sociais/de Interesse Social)

Visita A (habitação de interesse social: 2 operações públicas + 2 cooperativas):
Cooperativa de Massarelos (Arq.ºs Francisco Barata Fernandes e Manuel Fernandes de Sá); Bairro Rainha D.ª Leonor (Arq.ª Inês Lobo); Cooperativa de Aldoar (Arq.º Manuel Correia Fernandes); Bairro de Ramalde (Eng.º Vasco Peixoto de Freitas, Arq.º Nuno Valentim).
Visita B (habitação de interesse social: 3 operações públicas + 1 cooperativa):
“Ilha” da Bela Vista (Cerejeira Fontes / Layout Serviços de Engenharia, Lda.); Cooperativa da Bouça / Águas Férreas (Arq.os Álvaro Siza e António Madureira); São João de Deus (Arq.º Nuno Brandão Costa); Lagarteiro (Arq.º Paulo Tormenta Pinto).

20h30 – Boas-vindas, Câmara Municipal do Porto (local a definir)

Segunda-feira, 6 de março - Grande Auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett (Palácio de Cristal)

09h00 – Abertura com personalidades/organizadores
10h00 – Temas/Intervenções:
A Cidade Habitada na América do Sul (Brasil) – Héctor Vigliecca e Carlos Almeida Marques
A Cidade Habitada e a Cidade por Habitar - Valdemar Cruz; António Figueiredo, Pedro Ramalho, Vítor Abrantes.

13h30 /15h00 – Almoço livre

15h00 – Temas/Intervenções:
Novos e Velhos Modos de Habitar - Nuno Lacerda Lopes, Nuno Brandão Costa, Álvaro Domingues, Virgílio Borges Pereira, Paulo Tormenta Pinto;
A Construção do Habitar - Manuela Álvares, Luís Soares Carneiro, Francisco Barata, Ricardo Carvalho, Ana Vaz Milheiro;
A Cidade Habitada na Europa do Sul (Portugal) - Raúl Hestnes Ferreira, Manuel Correia Fernandes.
18h00 – encerramento das Conferências

Paragem/Visitas livres – Viseu, 7 de março de 2017

8h30 - saída em autocarro do Porto (local a definir)
10h30 – Viseu, paragem para receção na Câmara Municipal de Viseu e visitas livres no Centro Histórico; possibilidade de pequena refeição livre.
12h30/14h00 – Saída para a Covilhã
15h00/16h30 – Chegada à UBI/Covilhã



  4.º Congresso CIHEL Covilhã/UBI, 7 a 10 de março 2017


Programa:

Terça-feira dia 7 de março:
18h00 – Abertura institucional do 4.º CIHEL e Sessão de boas-vindas à UBI
(programa pormenorizado em elaboração)

(Nota: foram recebidas mais de 180 comunicações completas, a apresentar nas sessões temáticas simultâneas)

Quarta-feira dia 8 de março:
8h30 – 1as Sessões temáticas simultâneas

10h30 - intervalo para café (feira do livro e exposições)
11h00 – 2as Sessões temáticas simultâneas
13h00 – almoço livre (possibilidade de opção programada)
14h30 – 3as Sessões temáticas simultâneas
16h30 – intervalo para café

17h00 – 1ª Mesa Redonda (em plenário): sobre as temáticas do Território
- Nuno Francisco (moderador, Prof. UBI, Diretor Jornal do Fundão)
- Eugénio Soriano (Prof. Universidade Complutense de Madrid)
- Héctor Vigliecca (Prof. Arquiteto e Urbanista)
- Paulo Fernandes (Presidente C.M. Fundão)

19h00 – jantar livre (possibilidade de opção programada)
21h00 – 4as Sessões temáticas (tema concreto)
(22h30/23h00 – encerramento dos trabalhos)

Quinta-feira dia 9 de março:
8h30 – 5as Sessões temáticas simultâneas
10h30 - intervalo para café (possíveis lançamentos editoriais)
11h00 – 6as Sessões temáticas simultâneas
13h00 – almoço livre (possibilidade de opção programada)
14h30 – 7as Sessões temáticas simultâneas
16h30 – intervalo para café

17h00 – 2ª Mesa Redonda (em plenário): sobre as temáticas do habitat humano (três palestrantes e um moderador)
- Angélica Benatti Alvim (moderadora, Prof. Dir. FAU-Universidade Presbiteriana Mackenzie)
- Jaime Comiche (Prof. Arq. Coordenador da Ordem dos Arquitectos de Moçambique)
- Leandro Medrano (Prof. Arq. Diretor Revista Pós FAU – Universidade de São Paulo)
- Vítor Reis (Arquiteto, Presidente do Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana)

19h00/19h30 – Encerramento do 4.º CIHEL (em plenário)

Reunião do Secretariado do CIHEL (reunião restrita)- poderá realizar-se em simultâneo com Sessão Temática

Visitas – Aldeias Históricas e do Xisto/CM Fundão, 10 de março de 2017

Sexta-feira dia 10 de março:
8h30 – saída locais de hospedagem/ ou de local a combinar
9h00 – Fundão, sessão de boas-vindas pela CM do Fundão n’A Moagem - Cidade do Engenho e das Artes; apresentação das “Aldeias Históricas de Portugal” e das “Aldeias do Xisto, com a colaboração da Dr.ª Dalila Dias (Coord. Aldeias Históricas de Portugal) e do Dr. Rui Simão (Coord. Executivo da ADXTUR- Agência para o desenvolvimento Turístico das Aldeias do Xisto).

11h00 – Visita a Castelo Novo (Aldeia Histórica)
14h00 – Almoço de convívio e de conclusão do Congresso
15h30 – Visita a Janeiro de Cima (Aldeia do Xisto)

17h30/18h00 – retorno à Covilhã e conclusão dos trabalhos do Congresso.





4º CIHEL - Prémio Universidades: «A Cidade Habitada»

(Regulamento pormenorizado no Site do 4.º CIHEL)

No âmbito do 4º Congresso Internacional de Habitação no Espaço Lusófono, lança-se um desafio às escolas de arquitectura para se associarem ao debate lançado neste encontro científico, através da participação num concurso trabalhos de estudantes.
São objectivos do 4º CIHEL - Prémio Universidades promover e incentivar a elaboração de trabalhos de projecto que reflictam sobre a regeneração das cidades tendo como base as problemáticas da habitação e do habitar.
São aceites trabalhos realizados por estudantes de arquitectura dos 3º, 4º ou 5º anos entre 2015 e 2016, em cursos de Arquitectura, Urbanismo ou Arquitectura Paisagista de universidades dos países membros do CIHEL e CPLP.
Os painéis e ficha de inscrição deverão ser enviados digitalmente, com os painéis em formato tipo JPEG, com resolução de 300 dpi, através do serviço We Transfer, para o endereço electrónico concurso4cihel@domussocial.pt até às 24 horas do dia 6 de fevereiro (hora portuguesa).
Cada curso de arquitectura poderá enviar até ao máximo de 6 trabalhos.
São admitidos a concurso trabalhos individuais e trabalhos realizados em grupo;
Não existem restrições para a participação de trabalhos que tenham participado em outros concursos.

Artigo editado por:
António Baptista Coelho

Notas editoriais:
(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.
(ii) De acordo com o mesmo sentido, de se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.
(iii) Para proporcionar a edição de imagens na Infohabitar, elas são obrigatoriamente depositadas num programa de imagens, sendo usado o Photobucket; onde devido ao grande número de imagens se torna muito difícil registar as respectivas autorias. Desta forma refere-se que, caso haja interesse no uso dessas imagens se consultem os artigos da Infohabitar onde, sistematicamente, as autorias das imagens são devidamente registadas e salientadas. Sublinha-se, portanto, que os vários albuns do Photobucket que são geridos pelo editor da Infohabitar constituem bancos de dados da Infohabitar, sendo essas imagens de diversas autorias, apontadas nos artigos da Infohabitar, pelo que deve haver todo o cuidado no seu uso; havendo dúvidas um contacto com o editor será sempre esclarecedor.

Infohabitar, Ano XIII, n.º 601

Programa pormenorizado do 4.º CIHEL e da Semana CIHEL2017


Editor: António Baptista Coelho – abc.infohabitar@gmail.com
GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional
Mestrado Integrado em Arquitectura da Universidade da Beira Interior - MIAUBI
Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.




domingo, janeiro 01, 2017

De 1980 a 2016: um percurso nos estudos sobre Habitat Humano e Arquitetura - Infohabitar 600

(chama-se a atenção para notas importantes sobre o 4.º CIHEL, que são apresentadas no final deste artigo)

De 1980 a 2016: um percurso nos estudos sobre Habitat Humano e Arquitetura

Infohabitar, Ano XIII, n.º 600
Em primeiro lugar há que referir que o principal objetivo deste artigo é a aproximação à identificação da linha condutora temática que atravessa e carateriza os principais estudos e trabalhos, realizados pelo autor deste texto, todos eles na área do habitat humano e na respetiva relação com as matérias da arquitetura urbana. É também essencial registar, desde já, que muitos dos trabalhos e estudos que são, em seguida, apontados, foram realizados em cooperação com vários colegas e amigos, entre os quais há que destacar o excelente e “único” trabalho que, tantas vezes, foi realizado em estreita e ótima cooperação com o grande amigo e grande especialista nessas áreas, António Reis Cabrita (coautor de vários dos estudos em seguida apontados).


Racionalização do uso do espaço na habitação

Este relato de um conjunto de temas de investigação na área do habitat humano, desenvolvidos pelo autor deste artigo, inicia-se cerca de 1980 com a participação em estudos que visaram a avaliação da qualidade na habitação e a racionalização das soluções de uso do espaço na habitação, através da definição de conceitos de medição de áreas e da fixação de coeficientes relacionando os referidos conceitos, com o objetivo de se apoiar a elaboração das "Recomendações Técnicas para Habitação Social".
Alguns anos mais tarde estas matérias e outras, mais qualitativas, foram retomadas com a participação na edição do "Guia do Consumidor de Habitação”, promovido pelo Instituto Nacional de Defesa do Consumidor. O Guia teve uma "Pré-Publicação" em setembro de 1991; e sublinham-se neste estudo os seguintes temas: importância da habitação e da sua escolha; ideia de habitação alargada ao exterior residencial; adequação da casa à vida familiar; qualidade do sitio onde está a casa; e principais características desejáveis dos espaços e equipamentos da habitação.
Alguns anos depois, esta temática teve continuidade com a participação na elaboração do ”Habitat II Plano Nacional de Ação - Habitação”, concluído em 1998 e no qual se salientam os seguintes temas: bases para uma política de habitação; promoção de habitação; mercado da habitação; aspetos institucionais; política de solosgestão do parque habitacional; habitação e urbanismo, qualificação dos conjuntos residenciais; avaliação da política de habitação; articulação da política de habitação com as políticas do desenvolvimento sustentável e da coesão social; casos exemplares.


Espaços exteriores urbanos


Focando-se, agora, o habitat humano numa sua essencial perspetiva referida ao exterior, foram desenvolvidos os estudos sobre espaços exteriores urbanos – designados por “Estudos sobre espaços exteriores em novas áreas residenciais”, essencialmente entre 1983 e 1986, mas retomados em 1998 e atualmente (estudo em curso); estando editado, pelo LNEC, o livro “Espaços exteriores em novas áreas residenciais”.
Estes estudos visaram a definição de um leque de elementos de conceção ligados ao urbanismo de pormenor numa altura em que, em Portugal, havia ainda muito pouca informação técnica e científica sobre esta matéria, razão que levou o então Núcleo de Arquitetura (NA) do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) a dirigir a investigação para esta área; e julga-se que esta abordagem mantém toda a atualidade passados mais de trinta anos sobre o arranque do estudo, pelo que se está a preparar o retomar editorial do tema.
Os estudos traduziram-se na preparação de um conjunto de documentos de apoio à análise e conceção de espaços exteriores urbanos e habitacionais, tendo-se em vista a criação de uma plataforma geral de conhecimentos sobre o tema, capaz de informar, essencialmente na perspetiva arquitetónica, posteriores estudos mais pormenorizados que incidam sobre o mesmo tema. Os estudos desenvolveram-se de modo a privilegiar-se uma perspetiva humana e urbanística relacionada com empreendimentos residenciais completos e integrados nas suas envolventes.
Os estudos abrangeram, nomeadamente, as seguintes áreas:
- Os elementos e fatores que estruturam uma Nova Área Residencial (NAR).
- As relações mútuas entre os espaços exteriores de uma Nova Área Residencial e os comportamentos humanos.
- As necessidades humanas e as exigências funcionais dos espaços exteriores de uma Nova Área Residencial.
- A malha exterior, dominante ou predominantemente, pedonal de uma Nova Área Residencial.
Mais tarde esta temática foi retomada com a edição de uma publicação monográfica do LNEC (Cadernos Edifícios n.º 4) sobre a “Humanização e vitalização do espaço público”, considerando-se ser de grande interesse que as edições do LNEC continuem a desenvolver esta temática, eventualmente, privilegiando a referida divulgação de boas práticas.
Considera-se que os estudos sobre espaços exteriores residenciais foram extensamente desenvolvidos no NA do LNEC e salienta-se que se considera, hoje em dia, muito oportuna a realização de estudos de caso comentados sobre esta temática, especialmente dedicados à realidade portuguesa, e que possam servir como elementos disseminadores de boas práticas. Paralelamente a esta linha de trabalhos julga-se ser de grande interesse promover a discussão e a divulgação de ideias sobre os conceitos de estruturação do exterior residencial e urbano, considerando, quer as novas intervenções, quer as ações de requalificação e regeneração.
E convém ter aqui presente que estávamos em 1983, portanto, muito antes das atuais e essenciais preocupações com a estruturação e regeneração de espaços públicos urbanos.

Autoconstrução e evolução habitacional

Entre 1987 e 1989 iniciou-se uma linha de estudos de apoio ao processo de autoconstrução de edifícios unifamiliares evolutivos em Cabo Verdeentão designada “Habitação Popular Evolutiva” - , retomando-se a tradição dos estudos de habitação evolutiva que tinham marcado o início da atividade do NAU do LNEC e, por outro lado, antecipando-se variados aspetos de enquadramento da conceção arquitetónica dirigidos para o apoio a intervenções em zonas urbanas e habitacionais informais.
Nesta temática: caracterizaram-se os tipos de lotes de terreno que servem de base à concretização dos referidos edifícios; definiram-se as várias funções da habitação e os seus espaços próprios de realização, relativamente às suas respetivas prioridades e ao faseamento da construção; explicitaram-se, para cada tipo de espaço ou compartimento habitacional, as funções que nele podem ser exercidas ao longo das três fases de construção previstas; e desenvolveu-se uma estratégia de faseamento, mais adequada ou mais provável, de espaços, elementos de construção, instalações e equipamentos.
Sublinha-se que se julga que esta temática da habitação popular evolutiva e por autoconstrução deveria ser dinamizada, seja em estudos de caso, seja em estudos propositivos, uns e outros bem ligados às realidades específicas dos países de língua oficial portuguesa e que ainda se debatem com problemas habitacionais críticos; e sublinha-se, também, que o LNEC, através da sua eficaz multidisciplinaridade e da sua prática, pode ser um agente privilegiado nestes trabalhos.


Adaptabilidade residencial e urbana


Sequencialmente, cerca de 1990 (e pontualmente retomado em 2014), desenvolveu-se, de forma ampla, o estudo da temática da adaptabilidade residencial e urbana, que deu origem a um livro editado pelo LNEC, intitulado “Habitação evolutiva e adaptável”.
O estudo fundamentou-se no entendimento da habitação como um processo em contínua evolução e adaptação, porque devendo conciliar, mediante determinadas soluções de habitat, os desejos e as preferências das famílias e das pessoas ao longo das suas fases de evolução/desenvolvimento, respetivamente, como agregados e como indivíduos.
Neste estudo procurou-se aprofundar as diversas modalidades e tipos de evolução e de adaptabilidade que são possíveis em agrupamentos de habitações, tanto ao nível do exterior como do interior residencial, e passaram-se "em revista" os principais aspetos e preocupações básicas desta área temática, os critérios urbanísticos e económicos aplicáveis e, ainda, os critérios arquitetónicos que podem estruturar o desenvolvimento de programas habitacionais evolutivos, adaptáveis e participados.
Salienta-se, finalmente, nesta matéria, a enorme importância que se considera poder ser assumida pela adaptabilidade residencial, no presente e no futuro próximo, seja em aspetos ligados a uma ampla perspetiva de sustentabilidade, seja na associada vertente da satisfação dos moradores.


Qualidade arquitetónica do habitat humano


Entre 1994 e 2000, no LNEC, desenvolveram-se uma série de estudos teórico-práticos que resultaram numa temática de doutoramento em Arquitetura, na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, no sentido de se procurar avançar na possível aproximação entre a essencial qualidade arquitetónica urbana e residencial e a, associada, liberdade de conceção arquitetónica residencial e as matérias, igualmente importantes, de uma adequada e sensível satisfação dos moradores e habitantes e, também, de uma adequada construção e “reconstrução” de um espaço urbano e de uma cidade formal e funcionalmente dignos, amplamente adequados (considerando uma renovada e verdadeira noção de funcionalidade) e, consequentemente, estimáveis e protagonistas de um meio urbano e natural que contribua positivamente para o nosso património cultural.
Neste sentido foram elaborados dois “manuais”, que deram continuidade a uma linha de investigação, do então Núcleo de Arquitetura e Urbanismo (NAU) do LNEC, e que proporcionaram, diretamente, a continuidade de outros estudos sobre o tema no mesmo NAU. Passados alguns anos sentiu-se a necessidade de se revisitar a temática, agora de uma forma talvez ainda mais “pessoal”, o que deu origem à edição de um novo livro e a uma atual dinâmica relativamente à edição de dois novos livros (em fase de preparação).
Salienta-se, assim, que esta temática deu origem a três livros editados pelo LNEC: “Qualidade Arquitectónica Residencial - Rumos e fatores de análise”; “Do bairro e da vizinhança à habitação - Tipologias e caracterização dos níveis físicos residenciais”; e finalmente, já em 2012, o livro “Habitação e Arquitetura: Contributos para uma habitação e um espaço urbano com mais qualidade”.



Gestão do parque habitacional

Cerca de 2000 foi desenvolvido um amplo estudo, que deu origem a um guião recomendativo para orientação da gestão dos parques habitacionais públicos, privilegiando-se os parques habitacionais de arrendamento público, bem como um processo integrado de requalificação e gestão do mesmo parque.
Neste estudo abordam-se aspetos de conhecimento clarificado da situação existente, sob a forma de um diagnóstico esquemático, e desenvolvem-se, depois, os aspetos relativos ao adequado enquadramento geral e pormenorizado do tema e consequentes tipificações das soluções ou instrumentos práticos que poderão ser aplicados no desenvolvimento de um processo, que se deseja integrado, de requalificação e de gestão desse Parque, que vise esta gestão ao nível físico, social e económico, no respeito de uma fundamental perspetiva de auto-sustentatibilidade participada pelos respetivos moradores.

Avaliação Pós-Ocupação - APO

Entre 1995 e 2004 e com o objetivo de se atingirem as melhores soluções de habitação de interesse social, foram estudados os programas residenciais existentes, através de processos de análise retrospetiva ou de “Avaliação Pós-Ocupação” (APO) multidisciplinares e visando variadas situações residenciais. Este tipo de estudos constitui, hoje em dia, provavelmente o tipo de abordagem mais avançada que se realiza no domínio da averiguação da qualidade e da satisfação residencial, sendo desenvolvido em instituições de renome como a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo e em diversos outros centros de estudos americanos e europeus com os quais o NA/NAU desenvolveu múltiplos contatos.
Foram realizadas pelo LNEC para o Instituto Nacional de Habitação (atual Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana, IHRU), estruturadas e coordenadas pelo autor deste texto, três APO que proporcionaram um adequado conhecimento de um período de promoção de habitação de interesse social com cerca de 10 anos (análise pormenorizada de cerca de 30 bairros).
A metodologia de APO desenvolvida no LNEC (NAU e NESO) aprecia a arquitetura urbana, o comportamento da construção e a satisfação residencial dos moradores através de uma forte integração interdisciplinar entre a Arquitetura/Urbanismo, as Ciências Sociais e a Engenharia/Construção, tendo-se em conta a análise dos projetos, mas também a análise local; constituindo, assim, uma aproximação aprofundada à satisfação dos habitantes de conjuntos residenciais desenvolvidos com controlo de custos e segundo as indicações qualitativas e dimensionais das Recomendações Técnicas para Habitação Social (RTHS).


Habitação de Interesse Social em Portugal (HIS) 


Entre 2004 e 2009 e, depois, há pouco anos, foram realizados diversos estudos e livros sobre a promoção de habitação de interesse social portuguesa nos últimos decénios - vinte a trinta anos de habitação de interesse social (HIS) em Portugal.
Nesta temática foram editados quatro livros, um pelo LNEC, outro pelo INH, outro pela editora Livros Horizonte e outro (mais recente, pelo IHRU): “Apresentação de 3 Empreendimentos Habitacionais Meritórios Financiados pelo INH e Concluídos em 1991” (LNEC); “Instituto Nacional de Habitação, 1984 – 2004: 20 anos a promover a construção de habitação social” (INH); “Habitação de Interesse Social em Portugal: 1988 – 2005” (Livros Horizonte); "Sobre os «anos dourados» dos conjuntos cooperativos de habitação económica” - capítulo no livro “Habitação para o Maior Número. Portugal, os Anos de 1950-1980” (IHRU e CML, 2014).
Esta matéria corresponde a um dos principais campos disciplinares/temáticos desenvolvidos pelo autor deste artigo, que acompanhou praticamente toda a principal produção de HIS portuguesa nos últimos 25 anos (representante do LNEC no Júri do Prémio INH e IHRU entre 1990 e 2013), e ainda com importantes incursões de investigação na promoção cooperativa habitacional entre 1975 e 2004, pela sua relação direta com o cooperativismo habitacional (integra a Comissão Técnica da Federação Nacional de Cooperativas de Habitação Económica).
Atualmente parece interessante e muito útil tentar verter a rica experiência da HIS portuguesa em documentos de divulgação alargada e, até eventualmente, “simplificada” (no âmbito de uma sua adequada capacidade de comunicação), que possam ser úteis em outros sítios do mundo e designadamente no âmbito da lusofonia.


Habitação humanizada ou humanização do habitar


Depois, entre 2006 e 2009, avançou-se para a matéria designada como Habitação humanizada ou “habitar humanizado”; e nesta temática foram editados três livros; dois pelo LNEC e um na editora Dafne.
Esta matéria do “habitar humanizado”, pois trata-se do habitar espaços domésticos e urbanos, corresponde a um trabalho de “habilitação em arquitetura e urbanismo” realizado e discutido no LNEC, considerando-se que o tema decorreu, quase diretamente, da necessidade sentida de se aprofundarem aspetos ainda considerados menos objetivos e que, no entanto, caraterizam, claramente, pela sua existência ou ausência, múltiplas situações domésticas e urbanas. Trata-se de um trabalho amplo, que se considera ter sido positivamente estruturado, mas cujo adequado aproveitamento, designadamente em termos editoriais e formativos/de divulgação, não foi ainda devidamente desenvolvido.
Trata-se, assim, de um tema cuja importância se julga ser evidente numa altura em que o “mal habitar” casa e cidade marca elevadíssimo números de famílias e as periferias e os vazios urbanos de grandes cidades, uma importância que resulta, tanto da necessidade de se considerarem, diretamente, os múltiplos aspetos de uma sensível humanização dos quadros do habitat humano, como da importância de se estar alerta relativamente às recorrentes simplificações relativas a áreas mínimas habitacionais mal concebidas (“cegamente” funcionalizadas), e à doentia repetição de projetos-tipo mal concebidos e mal aplicados em termos urbanos. Trata-se, assim de uma matéria em que se visa avançar, em breve, em termos editoriais e de divulgação/formação.
As subtemáticas do “habitar humanizado”, ainda pouco exploradas são as seguintes: escalas e tempos do habitar; humanidades e habitar; habitar cidades amigas; história e tipologias do habitar; desenho do habitar; habitar integrado; natureza, cidade e lugar habitados.
E registam-se os títulos dos três livros já editados: “Habitação humanizada” (LNEC); “Habitação Humanizada: Uma apresentação geral” (LNEC); e “Entre casa e cidade, a humanização do habitar” (Dafne).

Disponível em: http://dafne.pt/pt/coleccoes/opusculos

Fichas Técnicas sobre Habitação e Saúde


Nos anos de 2009 e 2010 foi realizado um estudo em cooperação com a Direcção Geral da Saúde (DGS), integrado no Plano nacional de Ação Ambiente e Saúde (PNAAS), e que foi concluído com a elaboração do livro “Manual para projetos: Fichas Técnicas sobre Habitação e Saúde”, tendo sido desenvolvidos, pelo autor deste texto, os seguintes capítulos/fichas do livro: "Bem-estar na envolvente residencial"; "Bem-estar e tipos de soluções habitacionais"; "Problemas sociais na habitação"; e "Bem-estar e conforto ambiental no interior habitacional".

Análise das condições de habitabilidade

Entre 2010 e 2012 foi estruturado e coordenado o estudo prático intitulado “Análise das condições de habitabilidade do edificado existente no Bairro do Alto da Cova da Moura (BACM)”, uma ação de preparação da intervenção urbana, arquitetónica e construtiva numa malha urbana informal/”clandestina” situada próximo de Lisboa (cerca de 1000 edifícios e 2000 habitações).
Desenvolveu-se uma caraterização pormenorizada do edificado do BACM, procurando-se englobar o maior leque de situações habitacionais e urbanas existentes e tendo-se passado de uma consideração, inicial, relativamente “isolada” da caracterização de cada edifício, quase como se ele estivesse implantado num “plano de trabalho” teórico que não contava para a sua análise; para a devida consideração de alguns elementos, considerados como críticos, de proximidade e de vizinhança, seja relativos a aspetos de conforto ambiental, seja ligados a aspetos de segurança contra risco de incêndio; mas sempre numa opção de associação complementar entre estes elementos e os restantes elementos de análise considerados edifício/lote a edifício/lote e tendo-se em conta uma análise do existente muito diretamente associada às respetivas propostas de reabilitação.

Cidade Informal

Em anos subsequentes e aproveitando-se, quer o conhecimento obtido neste último estudo/trabalho prático (BACM), quer diversas deslocações ao Brasil, a Angola/Luanda e a Moçambique/Maputo, foram estudados os aspetos associados à temática da Cidade Informal do Século XXI; uma matéria que foi, sequencialmente prosseguida no âmbito da organização dos Congressos CIHEL e que se conta vir a desenvolver em breve.
De certa forma, hoje em dia, a sociedade é a cidade e, portanto procurar compreender a cidade contemporânea será sempre fator vital no caminho da melhor qualidade de vida, sendo que, infelizmente, não podemos ter certezas sobre como atuar, pois a história urbana é curta; e, como é sabido, em África e na América do Sul continua o enorme êxodo de famílias que não encontram trabalho em zonas rurais para aos assentamentos precários em zonas suburbanas de megacidades, que têm continuado a crescer prodigiosamente mesmo numa altura que já anunciava a crise económica que temos estado a viver. É, portanto, tema vital e urgente, que acaba por retomar boa parte das matérias estudadas quase 30 anos antes para Cabo Verde, tal como foi apontado neste texto (e, aliás, retomadas em recentes missões a cabo Verde).

Importância do espaço público

É interessante considerar que, por esta altura, e por diversas razões, aconteceu um retomar do estudo da importância do espaço público, qualificado e requalificado para que seja mais e melhor habitado e, sendo mais habitado, poder ser mais estimado e qualificado; matéria que se baseia numa reconstrução da coesão urbana marcada pela escala e uso humanos, pelo desenvolvimento de adequados estímulos visuais e funcionais, em termos de imagem urbana, por uma cuidadosa e vitalizada densificação e pela adequada reinvenção de novas tipologias habitacionais, mistas e urbanas; estando todos estes aspetos integrados num objetivo de verdadeira reabilitação da paisagem urbana local, que há que preservar e reconstruir, designadamente, nos seus aspetos orgânicos e ligados ao respetivo caráter do lugar e na criação de uma cidade mais amiga e mais passeável; matérias estas que poderão ser, em breve, vertidas numa publicação – embora já amplamente editadas na revista na WWW Infohabitar.

Novas e renovadas tipologias habitacionais e urbanas

Outras matérias que nos preocupam e motivam há muito tempo, e que têm sido igualmente editadas na Infohabitar, são as associadas às novas e renovadas tipologias habitacionais e urbanas, adequadas à disponibilização de condições habitacionais apropriadas para um amplo leque de necessidades, de hábitos habitacionais e de tipos de agregados familiares e de pessoas sós; numa busca e reanálise de soluções de arquitetura urbana: (i) que podem ser também muito apropriadas para se contribuir, estrategicamente, para a vitalização da cidade com novos habitantes e, especialmente, com habitantes muito disponíveis para participar nessa vitalização; (ii) e que são, frequentemente, muito estimulantes em termos das respetivas imagens urbanas.

Cidades afetivas

Naturalmente que este tipo de reflexões se ligam, intimamente, a uma estruturação e reestruturação urbana e paisagística que privilegie uma cidade mais coesa, mais estruturada, mais vicinal e mais imagética (uma cidade, globalmente, mais afetiva); matéria que volta a colocar bem presente a grande importância de se abordar, de forma bem adequada, a matéria do exterior urbano, um exterior que engloba o edificado e que deve ser uma espécie de “interior” no que se refere à essencial dinamização de usos.
Lembram-se, assim, aqui, os estudos sobre espaços exteriores realizados no LNEC há mais de 30 anos e aqui já apontados e que se julga, portanto, merecerem adequado e urgente desenvolvimento, que tenha em conta, quer os mais atuais desenvolvimentos temáticos e projetuais, quer as suas essenciais raízes históricas, mais longínquas (sobre a origem das povoações/cidades), e mais recentes e “revolucionárias”, associadas à “explosão” das megacidades e das megaperiferias informais.


A arquitetura nos países em desenvolvimento


Este é, afinal, um novelo temático que tem estado presente, sequencialmente, neste relato, que foi já abordado, pelo autor deste texto, num recente livro partilhado, intitulado Que arquitetura nos países em desenvolvimento?” (Escolar Editora, 2014) e, nele, através do tema/capítulo específico “Arquitectura e habitação em países em desenvolvimento”; e um tema que será, em breve, desenvolvido na mesma editora, agora relativamente à matéria da “sociedade do futuro: cidades do futuro” (título aproximado).


Desenho livre e arquitetura urbana qualificada


Uma matéria “paralela”, mas naturalmente essencial, quando se abordam estas temáticas de uma cidade mais amiga, mais sensível e mais humana é o papel da imagem urbana e arquitetónica na obtenção desses resultados e, sequencialmente, o papel do próprio “desenho”, esboçado e livre, nas análises e nos processos de projeto arquitetónico e urbano, na interpretação do que de melhor temos e na proposta de bons novos e renovados espaços de arquitetura urbana; e é nesta perspetiva e neste quadro de intenções que se integram as mais recentes produções do autor deste artigo, a saber: a “Pequena Sebenta de Desenho Livre para estudantes de Arquitetura e outros que queiram desenhar melhor: 100 Notas práticas para quem quer aprender a desenhar melhor à mão livre (e com a mente bem dirigida)” (edição de autor, setembro, 2016); e o artigo “Desenho livre e ensino de Arquitetura” (revista, Branca 01, dezembro 2016).


Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono CIHEL


Paralelamente a estes últimos desenvolvimentos temáticos foram estruturados quatro Congressos Internacionais da Habitação no Espaço Lusófono (CIHEL), que trataram muitos dos temas abordados neste artigo: o primeiro no ISCTE, Lisboa, em 2010, sobre o tema da “qualidade do habitat residencial para populações com baixos rendimentos e mobilizando recursos modestos” (60 comunicações); o segundo no LNEC, Lisboa, em 2013, sobre a temática “habitação, cidade, território e desenvolvimento” (140 comunicações); o terceiro na FAU-USP e na FAU-Mack, São Paulo, em 2015, sobre o tema “habitação: urbanismo, cultura e ecologia dos lugares” (100 comunicações); e o quarto (em preparação final), na UBI/Covilhã e iniciado no Porto/Domus Social e CMPorto, em 2017 (4.º CIHEL), sobre o tema geral “a cidade habitada” (cerca de 180 comunicações entregues); e ficam, naturalmente, bem evidentes o paralelismos temáticos, e o enorme potencial associado aos temas que têm sido apresentados no CIHEL (que se considera ser trabalho a fazer proximamente).
E desde já se considera que o CIHEL está, neste momento, numa fase de viragem clara no sentido de poder tornar-se uma plataforma técnico-científica bastante útil no âmbito dos vitais temas do habitat humano no crescente mundo da lusofonia.


Breves notas finais
Um relato em forma de síntese é sempre demasiado curto e demasiado longo, assim aconteceu com este, que, no entanto, parece poder abrir ideias em termos da  aproximação a uma clara identificação da linha condutora temática que atravessa e carateriza os principais estudos e trabalhos realizados pelo autor deste texto e que foram aqui apontados, parecendo ser também bastante útil no apoio à desejada continuidade dessa linha de trabalhos e de temas todos eles na área do habitat humano em relação íntima com as matérias da arquitetura urbana; mas esta reflexão de continuidade, baseada neste texto, deverá ser feita daqui a algum tempo, amadurecendo-se a anotação dos diversos aspetos aqui registados.
Outra utilidade deste relato é disponibilizar aos leitores da Infohabitar o conhecimento destes estudos e reflexões pois é a falar que nos entendemos e a falar poderemos cooperar melhor e fazer avançar mais estas apaixonantes matérias.
E, naturalmente, com este artigo procurou-se “comemorar”, com alguma dignidade, a Edição n.º 600 da nossa Infohabitar, que será a primeira de 2017; aproveitando-se para agradecer aos leitores toda a paciência e a continuidade do interesse (ainda esta última semana houve dias com mais de 800 acessos diários). 
Lisboa e Encarnação, 1 de Janeiro de 2017
António Baptista Coelho
Editor da Infohabitar
PS: os livros editados pelo LNEC estão disponíveis na Livraria do LNEC

Notas sobre o 4.º CIHEL:
Comunica-se a todos aqueles interessados em inscreverem-se no 4.º CIHEL e, designadamente, aos autores de comunicações enviadas ao 4.º CIHEL, que terão, obrigatoriamente, de realizar as respetivas inscrições no Congresso, conforme indicações constantes do site do Congresso,
e que a plataforma informática na qual são feitas as inscrições está já disponível, com acesso a partir do site do 4.º CIHEL.

Nota importante: esclarece-se que os membros da Comissão Dinamizadora Internacional do 4.º CIHEL, do Secretariado do CIHEL e da GHabitar estão integrados na categoria de inscrição designada "Autor de Comunicação de Entidade Apoiante", e devem, portanto inscrever-se nesta categoria mesmo que não sejam autores de comunicação.

www.4cihel2017.ubi.pt


Lembra-se que 26 de dezembro de 2016 foi a data limite para receção das comunicações completas; posteriormente, poderão ser, ainda, solicitadas algumas correções de pormenor aos respetivos autores, correções estas que terão de ser realizadas em prazo muito curto – chamando-se a atenção para a obrigatoriedade de inscrição de, pelo menos, um dos autores.

Sobre a Semana CIHEL 2017 e designadamente sobre:

·        - os conferencistas convidados para as 1.as Conferências CIHEL, no Porto;
·        - e sobre os palestrantes que integram das Mesas-Redondas do Congresso, na Covilhã,

serão muito em breve disponibilizadas informações (no site do 4.º CIHEL e aqui na Infohabitar); as Mesas-Redondas estão já praticamente “fechadas” e as Conferências encontram-se numa fase avançada de organização.

Notas editoriais:
(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.
(ii) De acordo com o mesmo sentido, de se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.
(iii) Para proporcionar a edição de imagens na Infohabitar, elas são obrigatoriamente depositadas num programa de imagens, sendo usado o Photobucket; onde devido ao grande número de imagens se torna muito difícil registar as respectivas autorias. Desta forma refere-se que, caso haja interesse no uso dessas imagens se consultem os artigos da Infohabitar onde, sistematicamente, as autorias das imagens são devidamente registadas e salientadas. Sublinha-se, portanto, que os vários albuns do Photobucket que são geridos pelo editor da Infohabitar constituem bancos de dados da Infohabitar, sendo essas imagens de diversas autorias, apontadas nos artigos da Infohabitar, pelo que deve haver todo o cuidado no seu uso; havendo dúvidas um contacto com o editor será sempre esclarecedor.

Infohabitar, Ano XIII, n.º 600

De 1980 a 2016: um percurso nos estudos sobre Habitat Humano e Arquitetura


Editor: António Baptista Coelho –abc@ubi.pt, abc@lnec.pt e abc.infohabitar@gmail.com
GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional
Mestrado Integrado em Arquitectura da Universidade da Beira Interior - MIAUBI
Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.