terça-feira, fevereiro 05, 2019

Pequenos espaços exteriores e interiores/exteriores privados - Infohabitar 673

Infohabitar, Ano XV, n.º 673
Pequenos espaços exteriores e interiores/exteriores privados - Infohabitar 673
Artigo da Série “Habitar e Viver Melhor”

por António Baptista Coelho (texto e desenhos)
Sobre uma habitação feita mais por sítios específicos do que por espaços ditos de/para actividades e funções domésticas.
Aproveitando para lembrar, entre outros autores Arquitectos, o grande Christopher Alexander e a sua incontornável “linguagem de padrões”, que tanto influenciou tanta gente e é tão poucas vezes citada ou referenciada, podemos referir que uma habitação, um mundo doméstico que, para o ser, tem de integrar, potencialmente, os vários mundos domésticos específicos dos respectivos habitantes, mais o respectivo agregado comum e convivial, muito mais do que um “simples” complexo funcional – e ainda assim o número de funções é extenso – deveria ser constituído e constituível por uma potencial e muito extensa diversidade de “cantos”, “recantos” e “sítios” adequados a uma enorme variedade de misturas funcionais e apropriações pessoais e de grupo específicas e dinâmicas.
Sobre a previsão destes tipo de “cantos”, “recantos” e “sítios”  domésticos, que são, em boa parte, os grandes responsáveis pela criação de um grande mundo pessoal e familiar, destacam-se alguns aspectos muito variados e, designadamente, de agradabilidade e de conforto ambiental, de adaptabilidade, de funcionalidade com sentido lato e de adequada, rica e apropriável pormenorização arquitectónica, que, em seguida, muito brevemente se apontam – não exaustivamente (trata-se de um texto naturalmente dinâmico).

Sobre os pequenos espaços exteriores e interiores/exteriores privados – considerações estruturantes

Antes de passar a alguns, pouco, comentários específicos sobre a caracterização e a importância que podem ter alguns tipos de espaços privados exteriores e de relação interior/exterior, numa adequada vivência dos nossos espaços domésticos pessoais e familiares, importa abordá-los, resumidamente, de uma forma geral e introdutória àqueles comentários.
Em primeiro lugar um aviso, talvez desnecessário mas sempre útil, que não se irão apontar aqui aspectos sistemáticos de projecto destes espaços, mas sim considerá-los numa perspectiva de concepção muito aberta e estimulante de boas e renovadas formas de habitar os nossos espaços domésticos, sendo que a primeiríssima consideração a registar é que estes tipos de espaços de fruição directa do exterior e de afirmada (física) relação com o interior doméstico, têm de se constituir em verdadeiros elementos estruturantes dos respectivos projectos de Arquitecturas, marcando seja o carácter/qualificação dos seus interiores, seja o carácter/imagem da sua face pública. E tudo o que seja menos do que isto não deve chegar, pois será sempre referido a colagens, mais ou menos, postiças de tais elementos/espaços nas fachadas dos edifícios e no prolongamento “automático” dos respectivos interiores contíguos.
Tal condição é essencial e está provada/garantida em múltiplos testemunhos de grandes Mestres Arquitectos, que a ela se referem, sublinhando, por vezes, que a própria essência da Arquitectura é o “jogo” de relações entre espaços e, designadamente, entre espaços interiores, exteriores e de transição/graduação ou de aberturas visuais mútuas.
Naturalmente que esta condição será tanto mais importante, quanto mais “liberta” de condicionantes envolventes e de agregação estiver a solução arquitectónica residencial, sendo básica, por exemplo, na concepção de moradias unifamiliares isoladas; mas ela é, também, fundamental mesmo, por exemplo, como bem sabemos, em grandes edifícios multifamiliares integrados em centros urbanos densos, que podem basear boa parte do seu carácter arquitectónico próprio/único no manejar da sua vertente de, eventuais, “cascatas”, mais ou menos naturalizadas de grandes varandas domésticas.


Fig. 01: interpretação livre do conjunto residencial da Cooperativa UGTimo, no Zambujal - projecto do Arq.º José Alves Bicho 

Oito aspectos de concepção a ter em conta no desenvolvimento de pequenos espaços exteriores privados

Para além da consideração básica que acabou de ser apontada, existem, pelo menos, oito “famílias” de aspectos, igualmente estruturantes da concepção de pequenos espaços domésticos privados exteriores ou de transição interior/exterior, que importa aqui registar, de forma sintética: 

Exterior privado e janelas domésticas

Parece óbvio, mas tantas vezes excelentes pequenos espaços domésticos privados exteriores ou de transição interior/exterior têm a sua presença muito menorizada por soluções de vãos pouco adequadas em termos de más influências na funcionalidade dos espaços contíguos, pormenorização visual inadequada, pouca segurança contra intrusões, etc.
E tal condição é extremamente crítica, por exemplo, quando, por exemplo, se desenvolvem, de raiz, varandas envidraçadas; cuja caracterização arquitectónica pode variar entre a excelência e a extrema dissonância, mercê de soluções de vãos bem diferentes na sua pormenorização.

As vistas no exterior privado

Desenvolver qualquer pequeno espaços doméstico privados exterior ou de transição interior/exterior, implica programar e assegurar as respectivas estratégias de vistas: sobre o exterior público; sobre o interior privado, a partir deste último e através do exterior privado, etc.
E mesmo que tais vistas não existam ou seja muito condicionadas, como é, por exemplo, o caso de um pequeno pátio privativo, tais vistas têm de ser consideradas e devidamente trabalhadas, neste caso, no sentido de se proporcionar um interessante sentido intimista e protegido.  

A criatividade volumétrica e pormenorizada no exterior privado

A matéria, acima apontada, do papel estruturante que os pequenos espaços domésticos privados exteriores ou de transição interior/exterior assumem na concepção arquitectónica residência, liga-se a um aspecto, talvez mais “fino” na sua consideração, referido à grande criatividade volumétrica, multilateral e pormenorizadamente diversificada que pode e deve ser proporcionada por tais espaços.
Uma condição bem evidente na diferença que existe, por exemplo, entre varandas muito abertas e balcões expressivamente mais encerrados ou resguardados, e, naturalmente, entre a grande variedade que é possível seja entre varandas – desde a pequeníssima varanda apenas de assomar, à mais profunda e orgânica varanda/sala – e entre a expressiva diversidade tipológica e volumétrica que é possível no desenvolvimento de pequenos pátios privados, mais ou menos encerrados, mais ou menos tratados como pátio construído ou como pequeno jardim.

Usos reais do exterior privado

Evidentemente que condição de proporcionarem, ou não, usos reais, é marcante na caracterização e na adequada viabilidade dos pequenos espaços domésticos privados exteriores ou de transição interior/exterior.
Talvez basta apontar que um uso real pode ser “apenas” o proporcionar a possibilidade de “colocar os pés na rua”, de “estar cá fora”, em pequeníssimas varandas de assomar. Mas o uso real pode ser, por exemplo, proporcionar um variado conjunto de funções de estar, lazer e elaboração e toma de refeições  numa ampla e bem equipada varanda/sala. Talvez o que não faça qualquer sentido são as situações dimensionalmente “neutras” e inadequadas que proporcionem um pouco mais de espaço para estar “cá fora” em pé e nada mais, designadamente, quando em quadros habitacionais com controlo de custos.

Exterior privado e relação com aspectos de segurança

Não sendo, talvez, aqui o sítio para o desenvolvimento desta essencial matéria, que obriga a uma atenção específica e desenvolvida, não faria sentido não registar e sublinhar que a concepção global e pormenorizada dos espaços, equipamentos, elementos de pormenorização e soluções de manutenção dos pequenos espaços domésticos privados exteriores ou de transição interior/exterior têm de cumprir exigentes condições de segurança no uso, designadamente, em espaços elevados e no que se refere ao risco de queda dos habitantes, com natural destaque para crianças e idosos.
Outro aspecto de segurança a considerar tem a ver com a defesa relativamente a intrusões em espaços exteriores privados térreos ou próximos do nível térreo, pois, não existindo tais condições, originam-se, frequentemente, iniciativas dos habitantes procurando solucionar esta situação, frequentemente inadequadas em termos funcionais e de imagem pública.

Exterior privado e relação com o conforto

Naturalmente que o desenvolvimento de pequenos espaços domésticos privados exteriores ou de transição interior/exterior só faz sentido quando a respectiva orientação solar e eólica lhes proporcione adequadas condições de conforto ambiental; sendo que as respectivas condições de pormenorização poderão apoiar tais condições, designadamente, no seu controlo ao longo do dia e no decorrer das estações do ano.

Exterior privado e relação com a natureza

Evidentemente que os pequenos espaços domésticos privados exteriores ou de transição interior/exterior são locais estratégicos de integração de elementos naturais em soluções muito diversificadas e perfeitamente integradas na solução arquitectónica global, conseguindo-se efeitos globais muito interessantes, por sequências de imagens, com dois sentidos, entre verde público e verde privado e obtendo-se um muito importante factor de apropriação residencial e doméstica, através de um verde privado que cada morador poderá “manejar” e recriar a seu gosto.

Exterior privado, relação com a acessibilidade e caracterização tipológica

Um aspecto de grande interesse na geração de variadas tipologias de edifícios residenciais de baixa altura e/ou de transição entre o uni e o multifamiliar e, também, de importante relação com variados gostos e hábitos residenciais refere-se à possibilidade de pequenos espaços domésticos privados exteriores ou de transição interior/exterior proporcionarem acessos directos (devidamente controlados) entre os espaços privados e espaços públicos ou de uso público (ex., caminhos pedonais de vizinhança) ou entre espaços privados e espaços públicos (ex., galerias de acesso comum elevadas).

Fig. 02: interpretação livre de um conjunto residencial da Cooperativa COOHAFAL, Funchal, projecto coordenado pelo Arq.º João Francisco Caires.

Consideração complementar sobre o equilíbrio de aéreas domésticas interiores e exteriores

Tratando-se de uma matéria que, por si só, justificará cuidadosas reflexões, regista-se aqui, apenas, que não se considera poder-se concluir, basicamente, por uma tendência de anular os pequenos espaços domésticos privados exteriores ou de transição interior/exterior, quando se desenvolvem habitações com áreas e custos controlados.
Considera-se que, pelas razões acima apontadas, o papel destes espaços é de grande importância na qualificação de uma adequada habitabilidade residencial, embora, naturalmente, existam situações onde, por exemplo, é preciso optar entre um interior um pouco menos exíguo e a disponibilização de uma varanda razoável. Mas há muitas soluções possíveis e importa sempre ter em conta que quando os edifícios são baixos e o exterior residencial público é agradável e convidativo, será possível reduzir “estrategicamente” o exterior privado.
Em próximas edições serão abordadas algumas tipologias de pequenos espaços domésticos privados exteriores ou de transição interior/exterior.

Notas editoriais:
(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.
(ii) De acordo com o mesmo sentido, de se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.

Infohabitar, Ano XV, n.º 673
Pequenos espaços exteriores e interiores/exteriores privados - Infohabitar 673
Artigo da Série “Habitar e Viver Melhor”

Infohabitar
Editor: António Baptista Coelho
abc.infohabitar@gmail.com

Revista do GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional Infohabitar,– Associação com sede na Federação Nacional de Cooperativa de Habitação Económica (FENACHE).

Apoio à Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.

Sem comentários :