segunda-feira, outubro 09, 2017

Interior da habitação: entrada, circulação e zonas mais sociais - Infohabitar 613

Infohabitar, Ano XIII, n.º 613

“Interior da habitação: entrada, circulação e zonas mais sociais” – sete artigos sobre o tema e um novo texto


por António Baptista Coelho

Há cerca de um mês a Infohabitar retomou as suas edições regulares, através da edição de um novo artigo em cada semana, logo à segunda-feira, aproveitando-se para, mais uma vez, enviar um amigável desafio aos leitores no sentido de poderem enviar para o editor (mail referido no final do artigo) propostas de artigos para edição.

Considerando que, durante um número muito significativo de semanas a Infohabitar tem editado artigos integrados no âmbito da série designada “Habitar e Viver Melhor”, lembrámo-nos de proporcionar uma desenvolvida e comentada revisão desta matéria, antes de prosseguirmos na edição desta série; uma revisão que inclui, sublinha-se, sistematicamente, novos textos de síntese de comentário sobre cada uma das matérias específicas tratadas em cada edição.

Neste sentido e neste artigo apresentam-se, em seguida, os títulos interativos dos artigos da série “Habitar e Viver Melhor”, que abordam as temáticas do interior da habitação e, designadamente, dos seus espaços de entrada, circulação e zonas mais sociais, aproveitando-se para acrescentar, no final do artigo, uma nova nota de reflexão sobres estas apaixonantes e tão atuais matérias; e salienta-se que todos os artigos qui editados, desde início de Setembro de 2017, integram, logo a seguir à listagem interactiva dos artigos, novos textos de reflexão sobre a envolvente habitacional, as novas tipologias residenciais, a estrututação dos respectivos edifícios e a organização e estruturação habitacional.
Em próximos artigos iremos disponibilizar reflexões sobre os diversos tipos de espaços habitacionais e domésticos, mais comuns, ou mais privados e personalizados, que integram e caraterizam cada fogo/habitação.

Lembra-se que bastará ao leitor “clicar” no título do artigo que lhe interessa para o poder consultar.

Lembra-se, ainda, que por motivos alheios à Infohabitar, que muito lamentamos e que já apontámos, na Infohabitar, a maior parte dos artigos desta série editorial não conta, neste momento, com as respetivas ilustrações; estando, no entanto, disponíveis todos os seus textos, que se caraterizam por expressiva autonomia relativamente às referidas imagens.

Finalmente regista-se que o processo editorial da Infohabitar, revista ligada à ação da GHabitar - Associação Portuguesa de Promoção da Qualidade Habitacional (GHabitar APPQH) – associação que tem a sede na Federação Nacional de Cooperativas de Habitação Económica (FENACHE) –, voltou a estar, desde o princípio de setembro de 2017, em boa parte, sediado no Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) e nos seus Departamento de Edifícios e Núcleo de Estudos Urbanos e Territoriais (NUT); aproveitando-se para se agradecer todos os essenciais apoios disponibilizados por estas entidades.

São os seguintes os sete (7) artigos disponibilizados sobre o tema “Interior da habitação: entrada, circulação e zonas mais sociais”:

Espaços domésticos comuns

Entrar na habitação, o vestíbulo de entrada

Circulações domésticas como espaços de vida - I

Circulações domésticas como espaços de vida - II

Lavabo, espaço funcional ou de “cerimónia”

Escadas domésticas

Corredores e zonas de passagem domésticas


Sobre as temáticas associadas e associáveis à matéria geral do interior da habitação e, designadamente, dos seus espaços de entrada, circulação e zonas mais sociais muito há a dizer e sublinha-se que o que a seguir se aponta, em alguns parágrafos temáticos, corresponde, apenas, a uma informal reflexão sobre estes estimulantes assuntos.

A “ditadura funcionalista” levou, frequentemente, a uma rígida estruturação hierárquica da habitação, produzindo-se, assim, quase sempre, vivências domésticas estereotipadas, pouco ricas, excessivamente compartimentadas e muitas vezes monótonas e desinteressantes, com zonas, por vezes, reservadas e pouco usadas e outras intensamente usadas, pouco espaçosas e até mal situadas.

Mas essa “ditadura funcionalista” também se caracterizou, muto frequentemente, ao nível do espaço doméstico, pelo apoio ao desenvolvimento de uma estrutura, mais ou menos radiculada, de espaços de entrada e de circulação expressivamente separados dos outros espaços da “casa” e, muitas, vezes funcionalmente usáveis apenas para a dita função da circulação doméstica; obtendo-se, por vezes, caricatas situações em que áreas de fogos muito limitadas, porque de habitação de interesse social, mas com um substancial número de quartos, integram extensos e conturbados corredores.

Não se trata, aqui, de negar os aspectos positivos de uma adequada privatização dos espaços domésticos e da possibilidade que eles devem oferecer para uma gradação de privacidade e de convivialidade, mas essencialmente de defender que tais condições deveriam poder ser assumidas de modo opcional pelos respectivos habitantes, proporcionando-se diversas formas de vivência de cada espaço doméstico.

A questão da privacidade, uma questão “de base” na concepção arquitectónica habitacional, poderá/deverá ter deversas formas de abordagem, seja no interior da habitação, seja na sua estruturada relação com o exterior público ou comum (do edifício multifamiliar); afirmação que apenas quer sublinhar situações sem sentido em que organizações domésticas extremamente hierarquizadas e sequencialmente privatizadas convivem com uma expressiva inexistência de privacidade na relação com o exterior, público ou comum.

Os espaços domésticos/privados com características de uso mais comuns, e designadamente, os espaços de entrada e de circulação são elementos de estruturação da organização doméstica que devem ser responsáveis não só pela respectiva funcionalidade, mas por uma funcionalidade devidamente submetida a um sentido “doméstico” (não “maquinal”), e por uma adequada caracterização da habitação em termos de solução de arquitectura, caracterização esta que importa ligara a aspectos de clareza de leitura/uso, de sentido de percepção mais global ou mais gradual dos respectivos espaços e, naturalmente, a um essencial potencial de adaptabilidade e apropriação da habitação a diversos modos e gostos de habitar.



Em tudo isto julga-se importante caldear as bem conhecidas e expressivamente aplicadas necessidades domésticas de privacidade com as talvez menos conhecidas e muito menos aplicadas necessidades domésticas de uma convivialidade naturalmente mitigada mas potencialmente muito expressiva; e estas são necessidades muito pouco servidas por espaços domésticos rigidamente hierarquizados e compartimentados, e servidos por alongados, estreitos e conturbados corredores.

Que soluções então? Não as desenvolveremos aqui, para já, de modo pormenorizado, pois será melhor que elas possam ficar à discrição dos leitores; mas que elas existem é um facto.
Importa naturalmente fazer aqui uma espécie de parêntese referindo que tudo isto, todos estes potenciais de caracterização e adaptabilidade domésticas, que se jogam nas zonas de entrada e de circulação e, naturalmente, também nos espaços dos próprios compartimentos, ganha com um sentido de espaciosidade, sendo que um espaço doméstico mais espaçoso e com dimensões mais folgadas é, evidentemente, um espaço com maior potencial de adaptabilidade, tal como temos vindo aqui a reflectir; mas há que apontar que é possível e existem excelentes exemplos de soluções habitacionais espacialmente pouco folgadas em termos de áreas que conseguem proporcionar as qualidades equilibradas de privacidade e de convivialidade, aqui defendidas, e isto em estruturações domésticas agradavelmente articuladas, pouco rígidas e pouco hierarquizadas.

E em tudo isto há que lembrar e reforçar a importância dos espaços antes da entrada na habitação, que nos “preparam” para nela entrar (vão de entrada) e dos elementos e espaços de contacto do mundo doméstico com o exterior (vãos de peito e de sacada das janelas); trata-se, afinal, de considerar a habitação realmente “fundida” e na continuidade com os espaços comuns e públicos que a envolvem; uma opção que faz realmente arquitectura, a tal grande Arquitectura feita nos espaços de passagem, de transição e de contacto, como defende Siza Vieira; e ao articular desta forma a habitação com a sua envolvente proporciona que os espaços de circulação e de entrada não sejam elementos de “impasse”, mas sim de relacionamento numa estutura com verdadeira continuidade – trata-se de entrar e circular na habitação para depois, olhar pelas janelas, ou sair para a varanda ou para o pátio ou jardim, fechando-se, de certa forma um “círculo” de relações exterior/interior/exterior e público/comum/privado/público no qual pouco sentido parecem fazer circulações extremamente rígidas e hierarquizadas.

Passando, agora para algumas notas sobre espaços domésticos mais “comuns” e expressivamente de circulação ou recepção; aos quais voltaremos, mais pormenorizadamente, em próximos artigosfuturos, pode-se referir que quase tudo numa habitação “começa” na entrada, ou talvez antes dela, no patim ou galeria comum, mas a ação de entrar na habitação, e o respectivo espaço ou vestíbulo de entrada deverá sempre ser assunto marcante no desenho de uma habitação, ainda que tal espaço seja, eventualmente, pouco destrinçável de um outro com o qual se conjugue.

A possibilidade de existirem acessos/entradas alternativas (mais de serviço e principal) é interessante, mas tem, naturalmente a ver com a espaciosidade global da solução doméstica.
Globalmente, a entrada na habitação deve proporcionar privacidade interior e capacidade de recepção, sendo que outros aspectos de maior ou menor compartimentação da mesma entrada poderão ser considerados menos importantes.

As questões regulamentares associáveis à segurança contra risco de incêndio deverão ser naturalmente consideradas e respeitadas, no entanto julga-se que é bastante discutível que elas possam obrigar a uma dada compartimentação habitacional que estaria, afinal, associada a uma obrigatória situação de portas fechadas, o que no interior da habitação é algo extremamente discutível.

Uma boa entrada doméstica é um espaço que deve ter luz natural e ventilação e neste sentido obrigará, frequentemente, a uma conjugação afirmada com outros espaços e compartimentos contíguos.

Que outros usos poderão ser acolhidos numa entrada doméstica para além dos mais conhecidos aspectos de recepção, apoio ao vestir, despir e guardar de alguns agasalhos? Talvez a apresentação de algum mobiliário “representativo” e, no limite, talvez a própria extensão de algumas actividades possíveis na sala-comum; isto considerando-a nas suas diversas valências (jantar formal e estar) e condionando-se esta opção a vontades expressas de maior ou menor abertura de tais actividades a quem chega/entra na “casa” –  no limite e lembrando muito do que se passa na habitação popular/tradicional, poderemos ter uma entrada que dá para uma zona de jantar formal, quase convidando quem chega a sentar e partilhar uma refeição de boas-vindas.

E temos assim já o tema desta pequena reflexão que corresponde à assunção das circulações domésticas como espaços de vida, matéria que iremos desenvolver em próximos textos, mas que, essencialmente, tem a ver com a sua consideração e variada leitura, seja como elementos de clarificação da estruturação doméstica – e simultaneamente de sua caracterização – , seja como elementos de circulação, seja como elementos/espaços domésticos com outras utilidades complementares e potencialmente muito diversas – desde zonas expressivamente mobiláveis a verdadeiras pequenas “galerias” de arte domésticas.

Caso a habitação tenha um razoável desenvolvimento, será interessante que ela possa integrar um pequeno compartimento que se pode designar de lavabo, e que possua característica funcionais adequadas, mas também de alguma “cerimónia”; caso a habitação tenha pequena dimensão a situação da respectiva casa de banho deverá poder cumprir estas funções ainda que de forma mitigada, não devendo obrigar a uma expressiva intrusão na privacidade do morador, que é duplamente negativa para o morador e para o visitante.

Quando existem escadas domésticas importa, basicamente, que elas sejam funcionais e expressivamente confortáveis e seguras no seu uso, mas também importa que elas sejam importantes elementos de atractividade e eventualmente de caracterização doméstica, uma condição que pode ser conseguida aliando-se as escadas a outros espaços e elementos domésticos e tirando-se partido destas alianças e posições privilegiadas. Uma coisa importa, portanto, sublinhar: uma escada doméstica pode e deve ser muito mais do que um simples elemento funcional na globalidade da respectiva habitação.

De certa forma e globalmente há que “resgatar” as zonas de entrada, os corredores e as zonas de passagem domésticas de uma sua “velha” e muito exclusiva caracterização funcional, tratando estes elementos de uma forma positivamente inovadora e caracterizadora da respectiva solução habitacional, tendo-se em conta quer a a sua história em termos de formas e funções, quer os novos usos e desejos habitacionais e visando-se, sempre, uma positiva adaptabilidade das organizações e pormenorizações domésticas.

e a estas matérias voltaremos …


Notas editoriais:
(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.
(ii) De acordo com o mesmo sentido, de se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.

Infohabitar, Ano XIII, n.º 613
Interior da habitação: entrada, circulação e zonas mais sociais” – sete artigos sobre o tema e um novo texto
Infohabitar
Editor: António Baptista Coelho
abc.infohabitar@gmail.com
Editado nas instalações do Núcleo de Estudos Urbanos e Territoriais (NUT) do Departamento de Edifícios (DED) do LNEC; Infohabitar, Revista do GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional – Associação com sede na Federação Nacional de Cooperativa de Habitação Económica (FENACHE).

Apoio à Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.

Sem comentários :