segunda-feira, fevereiro 01, 2016

Renovada abordagem das casas de banho domésticas - I, Infohabitar 567


(na imagem, parte da Universidade da Beira Interior, Covilhã)

Infohabitar, Ano XII, n.º 567

Série editorial: Habitar e Viver Melhor

Artigo LXXXV
António Baptista Coelho

Renovada abordagem das casas de banho domésticas - I

Quando falamos de “casas de banho”, falamos dos espaços que incluem mais instalações de águas e esgotos embebidas na construção, mas faz muito pouco sentido, numa habitação que se deseja possa ser geradora de verdadeira satisfação, fazerem-se “instalações sanitárias”, ostensivamente marcadas pela funcionalidade, pela frieza ambiental e pela “objectividade” das respectiva “peças sanitárias”, tal peças de catálogo em tamanho real.

Numa habitação que se deseja possa ser geradora de verdadeira satisfação há que fazer “casas de banho” ou “quartos de banho” ou “salas de banho”, com tudo o que funcional, ambiental e pormenorizadamente implica este tipo de objectivo, designadamente, em condições de conforto ambiental (por exemplo luz e ventilação naturais), em escolha de acabamentos e de elementos sanitários caracterizados por uma afirmada domesticidade (por exemplo revestimentos e tintas com texturas agradáveis e tons de cor quentes), elementos estes em que a função do banho seja claramente destacada e valorizada, e pela existência de espaços minimamente mobiláveis e apropriáveis (por exemplo pequenos móveis de madeira e vasos com plantas); desta forma teremos a percepção que nestes “quartos de banho” continuamos bem “em casa” em casa nossa, por nós habitada e marcada, e não numa espécie de espaço “marciano”, frio e duro.

E já aqui referimos a ideia de ter havido, há cerca de um século, a necessidade de higienizar estes tipos de espaços, agregando a função do banho, uma função nobre, que sempre aconteceu em casa, às novas funções domésticas sanitárias, que antes aconteciam essencialmente no exterior ou no interior em condições de recurso (por exemplo com vasos de noite); e nesta fusão funcional, que foi depois, marcada pelo nascente funcionalismo, ficou a perder a referida nobre função do banho e da higiene pessoal, sacrificadas ao objectivo único da higiene, da facilidade de limpeza e da impermeabilização; e depois, depois, veio a especulação imobiliária defender que as “instalações sanitárias” poderiam ser interiores e mínimas, marcadas pela largura da banheira, e servidas pela famosa “ventilação forçada”, e lá se perderam as janelas e se transformaram estes espaços numa espécie de despensas sanitárias úteis, entre outros usos, para “câmaras escuras” fotográficas.

Mas hoje em dia é altura de voltar a colocar estas matérias de acordo com a sua verdadeira importância doméstica, aproveitando as tantas inovações tecnológicas para simplificar o que é simplificável e devolver o carácter doméstico, atraente e acolhedor aos “quartos de banho”; e até é possível associar tal caracterização com aspectos de maior eficácia funcional, por exemplo, em soluções com muita arrumação em "lambril" saliente, que também serve para a passagem da canalização, que assim fica mais acessível para posteriores intervenções.

Em termos gerais fazer casas de banho que contribuam para um habitar mais feliz tem a ver com dois aspectos distintos.

Um primeiro aspecto refere-se ao funcionamento eficaz e optimizado das diversas instalações de águas e esgotos, de ventilação e de impermeabilização que asseguram a uma casa de banho o seu adequado funcionamento e com uma máxima redução de eventuais incómodos e más influências na restante habitação; esta matéria é realmente do âmbito funcional e tem de ser garantida “a 100%” e hoje em dia os avanços tecnológicos podem garantir esta condição; e associa-se a este aspecto funcional um fundamental bom senso na localização doméstica de instalações e espaços sanitários, bom sendo este que por vezes é bem necessário em situações marcadas por grandes casas de banho privativas, enquanto os restantes habitantes têm de usar casas de banho espacialmente mínimas e pouco equipadas.

Um segundo aspecto refere-se ao fazer das casas de banho verdadeiros e atraentes espaços domésticos, através de boas condições de desafogo espacial, agradáveis condições de luza natural e calorosas condições de acabamento (por exemplo tipos de revestimentos e paleta de cores), de equipamento fixo (exemplo, com imagem geral e pormenores associados a um espaço habitado, apropriado e humanizado) e de margem para algum mobiliário capaz de marcar e apropriar, claramente aquele espaço.

E aqui há que sublinhar que uma casa de banho não tem de ser, quase com sentido de obrigatoriedade, um espaço “frio”, impessoal e “lavável”, funcionando quase como um “alien” em termos da arquitectura de interiores de uma dada habitação, e lembremos a altura em que surgiram as casas de banho interiores, quando elas ainda tinham espaço e luz natural e elementos sanitários bem marcados pelas suas funções originárias, do lavar as mãos e a cara e do banho, e tenhamos presente as quase gerais actuais situações sanitárias domésticas marcadas pelos espaços mínimos, por uma interioridade tantas vezes depressiva e por uma maquinal associação dos elementos sanitários à própria construção, numa associação quase sempre sem qualquer graça e sem qualquer humanidade.

Um outro aspecto que importa considerar quando reflectimos sobre os melhores tipos de casas de banho domésticas, refere-se à possibilidade de elas serem espaçosas e desafogadas desde que os seus revestimentos não tenham de ser obrigatoriamente em azulejos e mosaicos, soluções estas que são sempre relativamente dispendiosas; poderá haver, portanto, aqui também uma margem de opções por mais espaço com soluções de revestimento mais baratas e julga-se que, por exemplo, a indústria de tintas, é já capaz de oferecer excelentes soluções para estes casos e com eventuais ganhos no tal sentido mais doméstico caracterizando as casas de banho.

Haverá, assim, mais opções a serem feitas, opções estas que terão de levar em conta a intensidade de uso e a diversidade de usos esperados nas casas de banho.
Relativamente a este assunto refere-se o caso de habitações sociais actualmente com quase 50 anos e ainda com uma solução de tinta tipo Kerapas aplicada em cozinhas e casas de banho e em excelentes condições funcionais e de aspecto. 

(Fig. 01) Uma casa de banho não tem de ser, nem deve ser, um espaço "escuro", triste e mal pormenorizado; e esta opção nada tem a ver com questões de custo. Interior de habitação do conjunto urbano "Bo01 City of Tomorrow", desenvolvido no âmbito da exposição que teve lugar em Malmö em 2001 (ver nota final) - H39, Arquitetura: Ralph Erskine.

Associações interessantes com casas de banho domésticas

As casas de banho devem ser estrategicamente acessíveis em toda a habitação, mas não sendo directamente visíveis do “hall” de entrada, nem dos diversos espaços funcionais da sala-comum e da cozinha.

No caso de haver uma única casa de banho esta deve servir, privilegiadamente o(s) quarto(s), sendo de admitir, até, a sua integração como privativa do quarto, no caso de existir apenas um quarto; solução esta que não deixa de ser um pouco de recurso e, assim, associada, essencialmente, a soluções de habitação com áreas reduzidas e com orçamentos controlados. Mas fica aqui a ideia-chave que em pequenas habitações é fundamental que a casa de banho sirva, privilegiadamente, a zona de dormir.

A questão da opção por casas de banho privativas está, essencialmente, ligada ao orçamento disponível, pois, no limite, teremos, sempre, a solução de um “tipo funcional” designável por “hotel residencial”, na qual cada membro do agregado familiar dispõe de uma “suite” muito completa, onde pode desenvolver boa parte da sua vida doméstica com uma privacidade e autonomia maximizadas, e nesta família de soluções domésticas, naturalmente, cada quarto deverá ter uma casa de banho completa, espaçosa e muito agradável.

Mas como essa será, realmente, uma solução-limite poderemos ter um enorme leque de soluções desse tipos mas menos desenvolvidas e, por exemplo, Neufert ilustra-nos (1) diversos modos de conciliação do serviço privativo de uma casa de banho relativamente a um quarto de casal, com o serviço comum desta mesma casa de banho em relação a outros quartos da habitação.

Uma outra associação funcional/ambiental perfeitamente adequada e com interessante potencial próprio e nas suas influências em outros espaços da habitação refere-se ao apoio a diversas actividades de lavandaria doméstica integradas em casas de banho. Uma solução que será agradável desde que a casa de banho tenha luz e ventilação naturais e que exige, naturalmente, uma espaciosidade própria e suplementar àquela ligada aos usos próprios da casa de banho, salientando-se o interesse que uma tal espaciosidade poderá ter na disponibilização de melhores condições de acessibilidade e movimentação na casa de banho, pois as actividades de tratamento de roupa são periódicas e pouco críticas relativamente ao uso corrente da casa de banho, e salientando-se, também, o interesse que uma tal possibilidade sempre terá numa caracterização mais humana e mais apropriada da casa de banho, designadamente, por introdução de elementos de elementos de arrumação e mobiliário específicos ligados ao tratamento e à arrumação de roupas.

Finalmente, sublinha-se o interesse que uma tal solução terá na positiva discriminação de máquinas eventualmente ruidosas relativamente a outros espaços da casa, como a cozinha, que poderão assumir, como se apontou atrás, perfis funcionais mais amplos e ligados ao estar e ao convívio domésticos.

E é sempre fundamental que as casas de banho tenham reservas espaciais, pelo menos, mínimas utilizáveis como espaços de integração de pequenos elementos de mobiliário que poderão ser de grande utilidade seja para arrumações diversas e muito úteis nesses espaços, seja para o apoio à própria utilização diversificada desses espaços e por pessoas com dificuldades de movimentação; e nem é difícil ter em conta esta reserva espacial, pelo menos, mínima. (2)

(Fig. 02) Uma casa de banho não tem de ser, nem deve ser, um espaço "escuro", triste e mal pormenorizado; e esta opção nada tem a ver com questões de custo. Interior de habitação do conjunto urbano "Bo01 City of Tomorrow", desenvolvido no âmbito da exposição que teve lugar em Malmö em 2001 (ver nota final) - H25 – 26, Arquitetura: Gorän Mansson e Marianne Dahlbäck.

Hábitos interessantes na conceção de casas de banho domésticas

Continuando nas temáticas associadas às casas de banho salienta-se o elevado potencial de transformação, decoração, e de alteração de equipamento e de mobiliário que sempre esteve associado às casas de banho, embora, frequentemente, em condições de espaciosidade extremamente reduzidas e que muito dificultam e reduzem essas transformações e apropriações. Há nestes compartimentos, frequentemente, um forte investimento no respectivo arranjo visual e em mudanças de equipamentos, o que poderia ser considerado e apoiado, por exemplo, através de uma maior facilidade na ligação de novos equipamentos e mesmo de conjuntos de novos equipamentos, condição esta que seria muito facilitada pela disponibilização das canalizações à vista ou sua “arrumação” em “armários” facilmente visitáveis.

Ligados a esta matéria do gradual e habitual enriquecimento das casas de banho em mobiliário e equipamento, sempre que tal é dimensionalmente possível, devemos chamar a atenção para a actual redescoberta de “o banho” como hábito doméstico polifacetado e muito positivo, com facetas de interesse ligadas à saúde - o conceito novo/velho conceito da saúde pela água (SPA) é o exemplo evidente desta redescoberta -, assim como outras facetas ligadas ao próprio prazer do banho (em cabinas com cabeças de duche múltiplas e em grandes banheiras com "hidromassagem") e á sua componente de acto de estadia associável a um razoavelmente amplo leque de outras actividades domésticas; e afinal todas estas facetas provavelmente tão importantes para uma vida doméstica mais estimulante e agradável do que a bem conhecida e “funcional” faceta da higiene pessoal.

Julga-se ser esta uma matéria muito importante seja pelas razoáveis exigências dimensionais que uma tal redobrada importância do banho acarreta para as casas de banho “correntes”, seja pelas claras exigências ambientais também associadas a “o banho” – muito mais agradável numa casa de banho com luz natural e plantas, do que num cubículo mínimo e claustrofóbico –, seja potencial influência “re”-estruturadora que “o banho”, agora assumido como elemento de grande importância doméstica, pode implicar em novas associações funcionais e ambientais domésticas, por exemplo, associado de forma “nobre” a um quarto ou até a uma zona de estar com características muito específicas.

Naturalmente que tudo isto, assim como outros temas de organização e caracterização doméstica aqui estudados, nos pode levar bastante longe, e há que definir alguns limites de abordagem, pelo que ao que acabou de se apontar apenas se acrescenta que para se poderem acolher estes tipos de   desenvolvimento há que atribuir à casa de banho uma nova importância, há que ter a liberdade de poder considerar espaço de banho e espaço sanitário (que integra o WC) com alguma ou com total independência ( e aqui é interessante lembrarmos uma solução preconizada pelo Regulamento Geral de Edificações Urbanas - RGEU - e que tinha o espaço de banho autonomizado), e há que acabar, de vez, com a “mania” de que as casas de banho têm a sua dimensão marcada pela dimensão minimizada do comprimento de uma pequena banheira – atenção não se preconiza acabar com tais soluções mínimas, naturalmente, mas usá-las como mínimas e apenas quando se pretende um espaço mínimo, e nunca como uma espécie de “regra” tantas vezes associada à outra “regra”, sem sentido, da casa de banho ser interior e com “ventilação forçada”.

Notas
([1])      Ernest Neufert, "Arte de Projetar em Arquitetura", p. 184.
(2) Como indica Sven Thiberg ("Housing Research and Design in Sweden", p. 180), a maioria das casas de banho não têm um espaço de arrumações bem organizado, e um simples recanto com cerca de 0.60x0.60m de área permite a instalação de um armário alto com variadas e úteis utilizações (ex., toalhas, papel, artigos de higiene e beleza, roupa suja, etc.); caso não se use para este fim, o referido espaço permite a instalação de uma cadeira, sempre útil no apoio aos banhos e a outros usos da casa de banho.


Nota importante sobre as imagens que ilustram o artigo:

As imagens que acompanham este artigo e que irão, também, acompanhar outros artigos desta mesma série editorial foram recolhidas pelo autor do artigo na visita que realizou à exposição habitacional "Bo01 City of Tomorrow", que teve lugar em Malmö em 2001.

Aproveita-se para lembrar o grande interesse desta exposição e para registar que a Bo01 foi organizada pelo “organismo de exposições habitacionais sueco” (Svensk Bostadsmässa), que integra o Conselho Nacional de Planeamento e Construção Habitacional (SABO), a Associação Sueca das Companhias Municipais de Habitação, a Associação Sueca das Autoridades Locais e quinze municípios suecos; salienta-se ainda que a Bo01 teve apoio financeiro da Comissão Europeia, designadamente, no que se refere ao desenvolvimento de soluções urbanas sustentáveis no campo da eficácia energética, bem como apoios técnicos por parte do da Administração Nacional Sueca da Energia e do Instituto de Ciência e Tecnologia de Lund.

A Bo01 foi o primeiro desenvolvimento/fase do novo bairro de  Malmö, designado como Västra Hamnen (O Porto Oeste) uma das principais áreas urbanas de desenvolvimento da cidade no futuro.

Mais se refere que, sempre que seja possível, as imagens recolhidas pelo autor do artigo na Bo01 serão referidas aos respetivos projetistas dos edifícios visitados; no entanto, o elevado número de imagens de interiores domésticos então recolhidas dificulta a identificação dos respetivos projetistas de Arquitetura, não havendo informação adequada sobre os respetivos designers de equipamento (mobiliário) e eventuais projetistas de arquitetura de interiores; situação pela qual se apresentam as devidas desculpas aos respetivos projetistas e designers, tendo-se em conta, quer as frequentes ausências de referências - que serão, infelizmente, regra em relação aos referidos designers -, quer os eventuais lapsos ou ausência de referências aos respetivos projetistas de arquitetura.

Notas editoriais:
(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.
(ii) De acordo com o mesmo sentido, de se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.
(iii) Para proporcionar a edição de imagens na Infohabitar, elas são obrigatoriamente depositadas num programa de imagens, sendo usado o Photobucket; onde devido ao grande número de imagens se torna muito difícil registar as respectivas autorias. Desta forma refere-se que, caso haja interesse no uso dessas imagens se consultem os artigos da Infohabitar onde, sistematicamente, as autorias das imagens são devidamente registadas e salientadas. Sublinha-se, portanto, que os vários albuns do Photobucket que são geridos pelo editor da Infohabitar constituem bancos de dados da Infohabitar, sendo essas imagens de diversas autorias, apontadas nos artigos da Infohabitar, pelo que deve haver todo o cuidado no seu uso; havendo dúvidas um contacto com o editor será sempre esclarecedor.

Infohabitar, Ano XII, n.º 567
Artigo LXXXV da Série habitar e viver melhor
Infohabitar n.º 567

Verdadeiras casas de banho e não simples e frias “instalações sanitárias” - I


Editor: António Baptista Coelho – abc@ubi.pt, abc@lnec.pt e abc.infohabitar@gmail.com
GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional, Mestrado Integrado em Arquitectura da Universidade da Beira Interior - MIAUBI
Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.

Sem comentários :