segunda-feira, abril 16, 2012

2.º CIHEL: Lisboa, LNEC, março 2013, discutir a habitação, a cidade, o território e o desenvolvimento no espaço da lusofonia - Infohabitar 389

Infohabitar n.º 389

Nota introdutória:
O nosso artigo de hoje é especial pois marca a abertura da chamada de trabalhos/comunicações para o 2.º CIHEL, enquanto corresponde também ao apontamento e a uma apresentação "mínima" das amplas matérias que nele se pretende discutir e divulgar em março de 2013.
A ideia deste artigo é que os leitores possam desde já agendar a vossa participação neste segundo grande congresso sobre as relações entre o habitar, a cidade, o território e o desenvolvimento no espaço lusófono ou da lusofonia.
Sublinha-se ainda que as diversas comissões de enquadramento do 2.º CIHEL estão em constituição, sendo em breve devidamente divulgadas, e que aqui, no Infohabitar, iremos tentar, a propósito do 2.º CIHEL, promover a divulgação de artigos sobre os temas do Congresso, ao longo do próximo ano.

A edição do Infohabitar

2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono - 2.º CIHEL:
Discutir e divulgar, em português, as melhores soluções habitacionais, urbanas e territoriais, no Laboratório Nacional de Engenharia Civil, LNEC, em Lisboa, de 13 a 15 de março de 2013



Fig. 00: 2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono

2.º CIHEL: Congresso, 13 a 15 de março de 2013
Workshop, 11e 12 de março

1. Introdução e tema geral do 2.º CIHEL

Discutir e divulgar, em português, as melhores soluções habitacionais, urbanas e territoriais, sob a ampla temática geral “Habitação, Cidade, Território e Desenvolvimento”, é o objectivo do 2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono, que será realizado no Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC -, em Lisboa, Portugal, de 13 a 15 de março de 2013.

Hoje, Segunda-feira, 16 de Abril, faz-se a primeira "chamada de trabalhos/comunicações" para apresentação no 2.º CIHEL, solicitando-se a todos os interessados em participar neste evento o envio de resumos de comunicações, até à Segunda-feira 2 de Julho de 2012, portanto, exactamente daqui a dois meses e meio, exclusivamente, para o endereço: comunicacoes2cihel@lnec.pt


Fig. 01: o LNEC organiza o 2.º CIHEL

O 2.º CIHEL será, muito em breve, objecto de ampla divulgação, em termos da sua 1.ª Circular informativa e no âmbito do seu site, em conclusão no LNEC, mas é fundamental apontar, desde já, o seu perfil temático e organizativo geral e os oito temas em que serão enquadradas as comunicações ao Congresso, de modo a que os interessados em aderir a esta fase de relançamento do CIHEL possam desde já agendar a respectiva participação e, eventualmente, preparar o envio dos seus trabalhos.

O 2.º CIHEL abordará o tema “Habitação, Cidade, Território e Desenvolvimento”, nas suas amplas facetas quantitativas, qualitativas, urbanas, territoriais e ambientais, considerando o seu papel como meio de desenvolvimento socioeconómico dos respetivos países e quando está previstas ações de desenvolvimento de elevados números de habitações e de reurbanização de extensas áreas em vários países da lusofonia que se debatem com críticas carências habitacionais e de ordenamento urbanístico.

2. Organização geral

O Congresso é promovido e organizado pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) em conjunto com o Grupo Habitar (GH) - associação técnica e científica com sede no Núcleo de Arquitetura e Urbanismo (NAU) do LNEC e conta com o apoio de um amplo conjunto de individualidades e entidades , oficiais e privadas, que serão em breve divulgadas.

Entre as entidades que apoiam e se associam ao 2.º CIHEL registam-se, desde já, o Fundo para o Desenvolvimento das Ciências da Construção - FUNDCIC - o Departamento de Arquitectura e Urbanismo do ISCTE-IUL, o Centro de Investigação em Arquitectura e Áreas Metropolitanas - CIAAM - e a Rede Portuguesa para o Desenvolvimento do Território - Instituto do Território.


Fig. 02: entidades que estão a organizar e a apoiar o 2.º CIHEL - apresentadas num quadro dinâmico que será, gradualmente, atualizado e estruturado em termos dos diversos tipos de associações e participações desenvolvidas.

A Direcção do 2.º CIHEL é assegurada pelo Arq.º António Baptista Coelho (LNEC e Grupo Habitar/GH), pelo Arq.º António Reis Cabrita (GH e LNEC) e pelo Eng.º Jorge Grandão Lopes (LNEC). A Comissão Científica do 2.º CIHEL está em constituição e é presidida pelo Arq.º Paulo Tormenta Pinto (ISCTE-IUL e GH), será multidisciplinar e integrará pessoas de diversas entidades e nacionalidades. O 2.º CIHEL será apoiado pelo Secretariado Permanente do CIHEL, constituído quando da conclusão do 1.º Congresso. Aorganização do 2.º CIHEL contará ainda com uma Comissão de Honra, uma Comissão Consultiva, uma Comissão Organizadora Internacional, uma Comissão Organizadora e um Secretariado Geral. A constituição destas comissões será em breve divulgada.


Fig. 03: o Centro de Congressos do Laboratório Nacional de Engenharia Civil

O 2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono decorrerá em Lisboa, no Centro de Congressos do Laboratório Nacional de Engenharia Civil:

  • De 11a 12 de Março de 2013 realiza-se um Workshop sobre algumas das temáticas do Congresso; com docência assegurada por especialistas do LNEC e convidados e incluindo uma visita técnica na zona de Lisboa.
  • De 13 a 15 decorrerá o Congresso, com abertura oficial e palestra inaugural na tarde de 13 de Março de 2013; os trabalhos incluirão palestras por especialistas convidados, realizadas em plenário, e apresentação de comunicações.
  • Durante o Workshop e o Congresso terá lugar, no grande átrio do Centro de Congressos do LNEC, uma exposição de entidades, serviços e produtos ligados às temáticas do Congresso.
  • Estão também previstas visitas pós-congresso, a realizar no sábado (16 de Março).
O programa do 2.º CIHEL será em breve divulgado.

O 2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono (2.º CIHEL) será realizado no Campus do LNEC e no seu Centro de Congressos, estrategicamente localizado em Lisboa, local de muitos fóruns técnicos e científicos, desde há dezenas de anos, e que continua a ser um dos melhores espaços para realização deste tipo de eventos em Lisboa, seja pela sua localização e excelentes condições de acessibilidade, seja pela possibilidade de contacto com a própria actividade do LNEC, seja por um ambiente arquitectónico único e de elevada qualidade.

Teremos, assim, as melhores condições para a realização deste 2.º CIHEL numa excelente integração num ambiente de investigação, proporcionado pelo Campus do LNEC, e numa das mais agradáveis e animadas zonas urbanas lisboetas, que é o Bairro de Alvalade - e faremos uma visita guiada ao referido Campus e a algumas ruas de Alvalade em futuros artigos de divulgação do 2.º CIHEL.

3. Sobre a razão e a utilidade de se discutir o tema “Habitação, Cidade, Território e Desenvolvimento” em Março de 2013

As matérias que deram origem ao Congresso Internacional Habitação no Espaço Lusófono - CIHEL - foram, globalmente, as que motivaram a criação do Grupo Habitar, em 2001: vontade de discutir e divulgar em termos multidisciplinares, matérias da habitação, do urbanismo e da qualidade de vida, abordando alguns dos principais problemas e dos aspectos quantitativos e qualitativos que caracterizam as nossas habitações, os nossos bairros e as nossas cidades.

Depois de um 1.º CIHEL de lançamento desta ideia, numa associação com o Departamento de Arquitectura e Urbanismo do ISCTE-IUL, e onde se focaram matérias associadas ao“Desenho e realização de bairros para populações com baixos rendimentos”, pretende-se com este 2.º CIHEL, organizado pelo LNEC, desenvolver uma abordagem ampla e multifacetada da temática “Habitação, Cidade, Território e Desenvolvimento”, considerada de grande oportunidade, numa altura em que se desenvolvem planos para elevados números de habitações e para a reurbanização de extensas áreas em vários países da lusofonia que se debatem com críticas carências habitacionais e de ordenamento urbanístico, e privilegiando-se a abordagem do habitar, num sentido amplo e correcto, que considere as suas facetas quantitativas, qualitativas, urbanas, territoriais e ambientais, e o seu papel como meio vital de desenvolvimento socioeconómico dos respectivos países.

Fig. 04: imagem do 1.º CIHEL, no ISCTE-IUL

Tal como se apontou, quando do 1.º CIHEL, é tempo de se considerar que, por regra, o direito à habitação não é cumprido num qualquer alojamento mínimo, concretizado, por exemplo, num apartamento de um edifício sem qualidade arquitectónica e situado numa zona sem espaços públicos e vida urbana; porque o verdadeiro direito à habitação só é cumprido, em termos de um espaço habitacional verdadeiramente adequado, em termos quantitativos e qualitativos, considerando que, tanto se habita com agrado o espaço doméstico, como a vizinhança, o espaço público e a própria cidade. E não tenhamos dúvidas de que só assim caminharemos para a anulação dos bairros e conjuntos socialmente sensíveis.

Julga-se que estas considerações são oportunas quando, como já se apontou neste texto, há que desenvolver políticas e planos para elevados números de habitações em vários dos países da lusofonia, quando nestes países importa, simultaneamente, avançar na reurbanização de grandes zonas de habitação informal, e quando, de forma muito generalizada, se torna urgente acorrer, sistematicamente, à reabilitação e revitalização de grandes áreas construídas e de enormes extensões de espaços públicos situadas em centros urbanos criticamente envelhecidos e em periferias e mesmo zonas rurais descaracterizadas e sem vida. E em todas estas problemáticas não faz qualquer sentido não conhecer as melhores metodologias e os casos de referência mais adequados, de modo a que as novas intervenções não repitam erros passados e possam fazer avançar um conhecimento sedimentado e validado nas amplas áreas do habitar e no amplo espaço da lusofonia.

E, naturalmente, que está aqui sempre presente a constatação da fortíssima capacidade da dinâmica da construção/reabilitação habitacional e do crescimento urbano no desenvolvimento de um país, assim como está presente a idéia de que esta potente ferramenta de crescimento económico tem obrigatoriamente de ser bem dirigida para que esse desenvolvimento se possa fazer em caminhos social e culturalmente válidos, potenciados e adequados a cada contexto nacional, regional e local.

Os organizadores deste 2.º CIHEL sabem que a discussão das questões que acabaram e ser apontadas não se esgotará neste congresso, assim como continuam a ter a noção de que as problemáticas e as potencialidades que, nestas matérias, caracterizam o espaço da lusofonia são muito diversificadas. No entanto, e tal como se concluiu no 1.º CIHEL, em 2010, tais razões não podem ser desculpa para não se divulgarem e para não se discutirem urgentemente esses assuntos; porque, afinal, mesmo dentro de cada país do espaço da lusofonia tais questões são também muito diversificadas, e porque se revelou ser adequado divulgar e discutir, numa mesma língua comum, sobre tantos desses assuntos, desde, por exemplo, o que foram maus e bons exemplos de habitar e de habitação de interesse social às recentes experiências de reurbanização da cidade informal.

Fig. 05: o decorrer dos trabalhos do 1.º CIHEL

No primeiro congresso ficou, ainda, evidente a semelhança de situações habitacionais em contexto de baixos recursos e de grande carência de alojamento, pois há problemas habitacionais recorrentes nos vários países do espaço da lusofonia e em muitos outros países do mundo, para os quais importa apontar soluções mais recomendáveis, designadamente, em termos de: condições mínimas de habitabilidade; escolhas tipológicas habitacionais adequadas; reabilitação habitacional e urbana; qualidade do projecto; espaço público agradável; positivas soluções construtivas e de conforto ambiental; adequados cuidados sociais prévios e de gestão posterior; participação dos habitantes e acessibilidade dos mesmos aos programas habitacionais desenvolvidos.

E sublinha-se que, por exemplo, no que se refere à promoção habitacional, incluindo aquela destinada a ações de realojamento, não faz qualquer sentido repetir, agora, em determinadas realidades nacionais e geográficas, as más soluções que já terão sido desenvolvidas noutros países e regiões, assim como nunca fará sentido não dar a devida divulgação às boas práticas de intervenção residencial e urbana já desenvolvidas.

Fig. 06: no 1.º CIHEL, em primeiro plano João Filgueiras Lima (Lelé), rubrica um livro.

Afinal, tal como referiu António Reis Cabrita nas conclusões do primeiro congresso: “As realidades nos diferentes países são bem distintas mas a dimensão ontológica e universal da habitação e a similitude de muitas carências justificam a utilidade de uma aprendizagem mútua. Além disso, ela é feita neste caso sob a capa de uma língua comum e de alguma fraternidade cultural que a língua propicia.”

Neste sentido o 2.º CIHEL poderá contribuir para a identificação de aspectos fundamentais – conceptuais, processuais e organizacionais – na escolha de bons caminhos em termos de processos de desenvolvimento de soluções de habitar e espaço urbano mais adequadas a diversos modos de vida, contextos, necessidades e urgências específicas.

O 1.º CIHEL teve um perfil exploratório e centrado, estrategicamente, num determinado conjunto de temáticas habitacionais e urbanas, pretendendo-se, agora, com este 2.º CIHEL, cujo título significativamente abre o leque da matéria em discussão, para o grande tema “Habitação, Cidade, Território e Desenvolvimento”, uma abordagem mais ampla e diversificada dessas temáticas, seja nas suas bases constituintes, seja na sua influência, desejavelmente positiva, num desenvolvimento equilibrado, mas expressivo, dos respectivos países.


Fig. 07: duas imagens do 1.º CIHEL, no ISCTE-IUL

E considerando que o 1.º CIHEL aconteceu no final de 2010, fazermos o 2.º Congresso no primeiro trimestre de 2013, aproxima-nos do objectivo estratégico de um CIHEL a cada dois anos, marcando-se, assim, um ritmo adequado no desenvolvimento do Congresso.

4. Discutir o habitar e a cidade habitada no espaço e no âmbito   da lusofonia

Desenvolvendo, agora, um pouco mais o perfil das matérias a tratar no Congresso e voltando a citar Reis Cabrita podemos salientar que no 1.º CIHEL “foi feita uma frequente justaposição entre fazer habitação e fazer cidade que está correcta. Para tal a habitação deverá ser um factor de integração na cidade e, consequentemente, devemos lutar contra o facto de que ela esteja a ser com frequência mais um factor de exclusão do que de integração, afectando o desejado desenvolvimento social solidário.”

Parece ser, portanto, agora, no 2.º CIHEL, a altura de se aprofundar essa aliança fundamental entre habitação/habitar, cidade e território/ambiente, nessa perspectiva de desenvolvimento social solidário.

E termina-se esta primeira reflexão sobre a oportunidade do 2.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono e do seu tema “Habitação, Cidade, Território e Desenvolvimento”, lembrando que Manuel Correia Fernandes se referiu ao 1.º CIHEL como "um primeiro passo de uma «caminhada» que, em boa verdade, a dita «lusofonia» - e, sobretudo, Portugal – já devia ter iniciado há muito tempo", tentaremos, assim, a partir de agora, ao longo deste ano de 2012 de preparação do Congresso e em Março de 2013, com o vital contributo das muitas personalidades e entidades que estão a aderir às diversas comissões de organização, apoio e enquadramento do 2.º CIHEL e com a essencial adesão de todos aqueles que queiram estar connosco neste segundo Congresso, dar um segundo passo e, se possível, um passo maior nesta caminhada, preparando o Congresso para o que desejamos possa ser uma longa e útil viagem de divulgação, discussão e promoção de um melhor habitar, em melhores cidades e territórios, que sejam agentes do desenvolvimento bem fundamentado dos respectivos países.

Vamos então, agora, no LNEC, partir para o segundo passo desta «caminhada», desejavelmente bienal, que esperamos possa ser um passo ainda mais significativo do que o primeiro, proporcionando sinergias e desenvolvimentos úteis na grande e crucial área do habitar e do espaço urbano, e, quem sabe, preparando, talvez, a migração do CIHEL para outros territórios da lusofonia.


Fig. 08: o grande Auditório do LNEC

5. Os temas a desenvolver no 2.º CIHEL

Propõem-se os oito temas referidos, em seguida, de a) a h). Cada um dos temas poderá ser abordado, em termos de comunicação, em uma ou várias das seguintes facetas: (i) apresentação de avanços e aspectos relevantes nas teorias, conceitos e práticas; (ii) divulgar estratégias e metodologias de intervenção (planeamento, análise e diagnóstico, projecto, obra); (iii) discutir as questões económicas e as ligadas à garantia de qualidade e ao enquadramento legal, administrativo e financeiro; (iv) apresentar, analisar e discutir casos de estudo e boas práticas.

a) Programas e políticas urbanas e habitacionais
Apresentar e discutir programas e políticas urbanas e habitacionais associadas à temática do congresso, considerando as políticas públicas e sectoriais e a importância da reabilitação e da gestão, considerando uma realidade marcada, frequentemente, por necessidades críticas e por reduzidos meios de ação, e tendo em conta uma perspectiva associada ao desenvolvimento da sociedade e aos objetivos de sustentabilidade.

b) Cidade habitada, território e ambiente
Desenvolver ligações entre ambiente, acessibilidades numa perspetiva multimodal, território, paisagem e uma cidade viva, que se deseja possa ser dinamizadora de um desenvolvimento sustentável, coerente e integrado e aliado da paisagem natural. A investigação e a formação sobre a cidade e a evolução do habitat humano, tendo em conta o "novo" mundo urbano, de megacidades e megaperiferias. Considerar a cidade como espaço de vida, de cultura, de vitalização territorial, para a competitividade e coesão social e territorial. Ter em conta os equilíbrios: cidade-campo; cidade habitada - cidade industriosa; e mundo urbano dinâmico - ambiente adequado, considerando também as estratégias de adaptação e mitigação face a riscos naturais e tecnológicos.

c) Da urbanidade no espaço público à cidade informal
Aprofundar as perspetivas de humanização do mundo urbano, como espaço bem habitado e equipado, tendo em conta dibersos perfis de infraestruturação e as potencialidades do espaço público e dos serviços urbanos e sociais. Desenvolver os aspectos de análise, reorganização, acupunctura urbana e preenchimento positivo da cidade, atendendo a fatores de segurança. Considerar formas mais adequadas de reabitar o centro e reordenar periferias. Apresentar e discutir processos e ações de intervenção e reurbanização na "cidade informal", a promoção de um sentimento de pertença e a prevenção contra a criminalidade e as incivilidades.

d) O habitar nas comunidades rurais
A caracterização do habitar nas comunidades rurais, considerado como padrão urbano determinante e vitalizador na organização das sociedades em desenvolvimento,e como processo emergente em contextos já mais estruturados, mas marcados por uma crescente sensibilidade sobre o ambiente e pela reinterpretação de velhos modos de vida e pela perspetiva do “regresso ao campo”.

e) Da habitação de interesse social à diversificação tipológica
Visar a discussão do direito, do acesso e do apoio à habitação e as práticas mais adequadas aos diversos atores sociais, institucionais e económicos associados à promoção habitacional. Perspetivar uma diversificação e adequação estratégica das soluções habitacionais (da habitação à vizinhança). Discutir as opções de realojamento mais adequadas. Considerar a relação entre soluções habitacionais, modos de vida e exigências funcionais e de conforto – tendo em conta velhas e novas formas de habitar, desejos e necessidades e relações entre família e vizinhança e entre vizinhança e cidade. Ter em conta as inovações nos modos de vida e o papel e a integração das novas tecnologias na cidade e no espaço doméstico.

f) Integrar a reabilitação urbana e habitacional
Visar a relação entre habitar e reabilitar, considerando a múltipla importância do construir no construído e do preenchimento e da densificação no incremento de uma ampla sustentabilidade urbana, abrangendo ainda a questão dos vazios urbanos. Considerar as principais ferramentas da reabilitação urbana e habitacional com destaque para as análises de habitabilidade. Perspectivar uma reabilitação urbana e habitacional vitalizadora, socialmente integradora, funcionalmente diversificada e valorizadora.

g) Sistemas, processos, tecnologias e materiais de construção
Apresentar e discutir sistemas, processos, tecnologias e materiais direcionados para a construção nova e para a reabilitação habitacional e urbana, considerando aspectos ligados à relação custo-benefício e, designadamente, à escassez de recursos, às técnicas e meios localmente disponíveis e à adequação em termos de conforto ambiental; considerar a ligação destas matérias às diversas facetas da sustentabilidade – ambiental, económica e sociocultural.

h) Práticas de investigação e intervenção urbana e habitacional
Adaptação das comunidades e dos habitantes às propostas urbanísticas e arqutetónicas; o desgaste das soluções construtivas e a quantificação do investimento na manutenção; a evolução de usos e necessidades urbanas e domésticas; a relação com os moradores e a respetiva participação; a aplicação de diversos processos de análise da satisfação, com destaque para Avaliação Pós-Ocupação (APO). A multidisciplinaridade na intervenção urbana e habitacional.


Fig. 09: imagens do Centro de Congressos do Campus do LNEC

6. Envio das comunicações ao 2.º CIHEL, inscrições e custos

Principais datas para envio de comunicações:

. Envio de resumos de propostas de comunicações até: 2 julho de 2012 (Segunda-feira).

. Comunicação da aceitação das propostas até: 30 julho de 2012

. Envio do texto final das comunicações e dados complementares até 15 outubro de 2012.

. Selecção final das comunicações a apresentar até 30 Outubro, com eventual solicitação de revisões.

. Entrega da revisão final (quando aplicável): até 30 Novembro de 2012.

Os resumos devem ser enviados em português, em formato [.doc], destacando o tema em que se insere o trabalho (Tema A a H). Importante: Devem ser seguidas as regras de edição do resumo a disponibilizar, muito em breve, no site da Conferência.

Nota importante: no site do 2.º CIHEL serão, em breve, divulgadas, sob a forma de modelos muito simples de usar (templates), as normas para o envio: (i) dos resumos; e (ii) do texto final das comunicações.

Enquanto o site não estiver activo os interessados poderão, desde já, elaborar resumos com um máximo de cerca de 600 palavras (1 pg. A4); e anexar ao mesmo resumo uma pequena nota biográfica (com um máximo de 150 palavras).

E relembra-se que hoje, Segunda-feira, 16 de Abril, se faz a primeira "chamada de trabalhos/comunicações" para apresentação no 2.º CIHEL, solicitando-se a todos os interessados em participar neste evento o envio de resumos de comunicações, até à Segunda-feira 2 de Julho de 2012, portanto, exactamente daqui a dois meses e meio, exclusivamente, para o endereço: comunicacoes2cihel@lnec.pt


A inscrição no 2.º CIHEL e nas suas atividades complementares será oportunamente disponibilizada. Os custos de inscrição serão, em breve, pormenorizados, considerando-se condições especiais, designadamente, para estudantes, membros do GH e eventuais entidades associadas ou patrocinadoras.

Registam-se, no entanto e desde já, os custos calculados (com IVA) para o Workshop e o Congresso, para não estudantes e para as primeiras inscrições (realizadas até uma data a definir em breve): (i) Workshop, 120 euros; (ii) Congresso, 330 euros; (i e ii) Conjunto Workshop e Congresso, 400 euros; a visita pós-congresso dependerá de um número mínimo de inscritos e terá custos a definir oportunamente.

7. Síntese sobre o 2.º CIHEL

Pretende-se com este 2.º CIHEL desenvolver uma abordagem ampla e multifacetada da temática “Habitação, Cidade, Território e Desenvolvimento”, numa altura em que se desenvolvem planos para elevados números de habitações e para a reurbanização de extensas áreas em vários dos países da lusofonia, tendo presente a influência da construção/reabilitação habitacional e do crescimento urbano no desenvolvimento de um país, assim como a necessidade de se dirigir esta ferramenta de crescimento económico para caminhos social e culturalmente adequados a cada contexto nacional, regional e local.


Fig. 10: o 2.º CIHEL quer ser um fórum de dinamização de contatos, parcerias e discussão e transferência de conhecimentos.

O Congresso está associado a um workshop de especialização e uma exposição técnica, disponibilizando-se, assim, um fórum de dinamização de contatos, parcerias e discussão e transferência de conhecimentos, entre responsáveis por entidades oficiais e privadas, técnicos, promotores, investigadores, projetistas, construtores e industriais ligados ao setor.

Dado o interesse que julgamos poderá ter este Congresso, apelamos, assim, à participação de todos neste evento e ao apoio na divulgação desta iniciativa, antecipando, desde já, o muito gosto que teremos em os acolher no LNEC.

A Direção e a coordenação do Conselho Científico do 2.º CIHEL

António Baptista Coelho
António Reis Cabrita
Jorge Grandão Lopes
Paulo Tormenta Pinto

Informações sobre o 2.º CIHEL

LNEC, Apoio à Organização de Reuniões
Secretariado Geral do 2.º CIHEL
Telefone: +351 218 443 483
Fax: +351 218 443 014
LNEC, Av. do Brasil, n.º 101, 1700-066 Lisboa,
Email: organizacao2cihel@lnec.pt

Sem comentários :