segunda-feira, novembro 01, 2010

Melhor Habitação com melhor Arquitectura VI: a Funcionalidade Residencial - Infohabitar 318

Infohabitar, Ano VI, n.º 318 Nota de divulgação

Novos comentários sobre a qualidade arquitectónica residencial
Melhor Habitação com Melhor Arquitectura VI:
a Funcionalidade Arquitectónica Residencial
Artigo de António Baptista Coelho

Nota prévia: retomando uma edição cujo último “capítulo”, sobre a capacidade arquitectónica residencial, foi editado com o n.º 316 deste Infohabitar, há duas semanas, publicam-se agora algumas reflexões sobre a matéria da funcionalidade arquitectónica residencial.

Introdução geral Nas páginas seguintes apontam-se alguns aspectos que têm sido constante e sistematicamente ponderados, na sequência da aplicação dos conceitos ligados aos diversos rumos de qualidade arquitectónica residencial. Não se trata, assim, da sua respectiva e clarificada estruturação, mas apenas da sua ponderação cuidada, considerando os anos de prática de análise, que já decorreram desde a sua formulação inicial.

É sempre possível entrar no Infohabitar e aceder, de imediato, ao respectivo catálogo interactivo, onde uma das categorias agrupa todos os artigos dedicados à temática da Melhor Habitação com Melhor Arquitectura (no total serão 17 ou 18, sendo 15 sobre qualidades, um de introdução, um de conclusão genérica e outro de conclusão sintetizada e de temas de continuidade).
Regista-se, em seguida, o plano editorial previsto no Infohabitar, que, repete-se, será, descontínuo, alternado por outras edições e realizado à medida da elaboração dos respectivos artigos (a bold os temas já editados):

Infohabitar n.º 290 - Melhor Habitação com Melhor Arquitectura I: Introdução A matéria da relação e do contacto entre espaços e ambientes é tratada em termos de aspectos de:

Infohabitar n.º 291 - Melhor Habitação com Melhor Arquitectura II: Acessibilidade - facilidade na aproximação ou no trato e desenvolvimento de continuidades naturais por prolongamentos e múltiplas ligações.

Infohabitar n.º 295 - Melhor Habitação com Melhor Arquitectura III: Comunicabilidade - a qualidade daquilo que está ligado ou que tem correspondência ou contacto físico ou visual.

A matéria da caracterização adequação de espaços e ambientes é tratada em termos de aspectos de:

Infohabitar n.º 297 - Melhor Habitação com Melhor Arquitectura IV: Espaciosidade – referida, tanto aos espaços que são extensos e amplos como aos que apresentam desafogo nas suas envolventes.

Infohabitar n.º 316 - Melhor Habitação com Melhor Arquitectura V: Capacidade – que designa e qualifica o âmbito interior (dentro dos limites) ou a aptidão geral, espacial e ambiental, de qualquer elemento residencial.

Infohabitar n.º 318 - Melhor Habitação com Melhor Arquitectura VI: Funcionalidade – referida ao adequado desempenho das várias funções e actividades residenciais.

A matéria do conforto espacial e ambiental é tratada em termos de aspectos de:
Infohabitar n.º xxx - Melhor Habitação com Melhor Arquitectura VII: Agradabilidade – referida ao desenvolvimento de condições de conforto, bem-estar e comodidade, nos espaços e ambientes residenciais.

Infohabitar n.º xxx - Melhor Habitação com Melhor Arquitectura VIII: Durabilidade – qualidade do que dura muito ou, melhor, do que pode durar muito e em excelentes condições de manutenção.

Infohabitar n.º xxx - Melhor Habitação com Melhor Arquitectura IX: Segurança – o acto ou efeito de tornar seguro, prevenir perigos, (tranquilizar).

A matéria da interacção social e da expressão individual é tratada em termos de aspectos de:
Infohabitar n.º xxx - Melhor Habitação com Melhor Arquitectura X: Convivialidade – referida ao viver em comum, ao ter familiaridade e camaradagem, à entreajuda natural ou sociabilidade entre vizinhos.

Infohabitar n.º xxx - Melhor Habitação com Melhor Arquitectura XI: Privacidade – referida à intimidade e capacidade de privança oferecida por um dado espaço num dado ambiente.

A matéria da participação, identificação e regulação é tratada em termos de aspectos de:
Infohabitar n.º xxx - Melhor Habitação com Melhor Arquitectura XII: Adaptabilidade – referida à versatilidade e ao que se pode acomodar e consequentemente apropriar.
Infohabitar n.º xxx - Melhor Habitação com Melhor Arquitectura XIII: Apropriação – referida à capacidade de identificação, à acção de "tomar de propriedade", tornando próprio e a si adaptado.

A matéria do “aspecto” e da coerência espacial e ambiental é tratada em termos de aspectos de:
Infohabitar n.º xxx - Melhor Habitação com Melhor Arquitectura XIV: Atractividade - a capacidade de dinamizar e polarizar a atenção.
Infohabitar n.º xxx - Melhor Habitação com Melhor Arquitectura XV: Domesticidade – referida à expressão mais pública ou doméstica do carácter residencial.
Infohabitar n.º xxx - Melhor Habitação com Melhor Arquitectura XVI: Integração – que é a integração ou integridade de um contexto, e de uma totalidade onde não falta nem um elemento de conteúdo e de relação.




Fig. 01: capa da edição do LNEC " Qualidade Arquitectónica Residencial - Rumos e factores de análise" - ITA 8, da Livraria do LNEC, referindo-se, em seguida, o respectivo link para a Livraria do LNEC
http://livraria.lnec.pt/php/livro_ficha.php?cod_edicao=52319.php

Salienta-se ser possível aprofundar estas matérias num estudo editado pelo LNEC que contém um desenvolvimento sistemático dos rumos e factores gerais de análise da qualidade arquitectónica residencial, que se devem constituir em objectivos de programa e que correspondem à definição de características funcionais, ambientais, sociais e de aspecto geral a satisfazer para que se atinja um elevado nível de qualidade nos espaços exteriores e interiores do habitat humano.


Sublinha-se, no entanto, que a abordagem que se faz, em seguida, às matérias da espaciosidade, enquanto qualidade arquitectónica residencial, corresponde ao revisitar do tema, passados cerca de 15 anos do seu primeiro desenvolvimento, e numa perspectiva autónoma e diversificada relativamente a essa primeira abordagem.






Fig. 02

Apresentação: a Funcionalidade Arquitectónica Residencial
A funcionalidade arquitectónica residencial refere-se à previsão e à promoção de um desempenho operacional ou eficaz das funções e actividades residenciais num dado espaço habitado e considerando, habitualmente, uma perspectiva orgânica de articulação entre zonas e actividades diversificadas.

A funcionalidade arquitectónica residencial tem assim uma relação directa com a eficiência proporcionada ou directamente apoiada por determinados espaços e elementos do habitar mais ligados a aspectos funcionais, sendo que não podemos esquecer que o habitar não é uma fábrica, que a habitação não deve ser considerada, pelo menos directamente, como um produto, e que, portanto, a funcionalidade exterior e interior do habitar se deve cisrcunscrever a aspectos específicos de desempenho dos diversos espaços e elementos, aspectos que facilitem as tarefas mais custosas do habitar e aquelas mais "maquinais" e objectivamente previsíveis (exemplo: a circulação e o estacionamento de veículos motorizados a velocidades baixas e com um máximo de relação com a movimentação pedonal).

Nestas matérias a funcionalidade arquitectónica residencial tem de serr assumida como globalmente subjugada à adequada caracterização residencial destes espaços e a conteúdos urbanos que sejam, naturalmente, marcados por relações orgânicas e por condições multifuncionais; portanto numa clara rejeição de estruturas rígida e monotonamente organizadas em termos de relações unívocas e sempre repetidas, pois tanto as vizinhanças residenciais mais estimulantes, como a cidade viva onde estas se integram, não tem essas característica de rigidês funcional.

Conjuntamente com a espaciosidade e a capacidade, a funcionalidade é responsável pela caracterização e adequação de espaços e ambientes do habitar, sendo que a funcionalidade tem a ver, essencialmente, com a garantia do sentido orgânico e a eficácia das acções exercidas nos espaços residenciais e urbanos e das suas relações com outros elementos e níveis do habitar, enquanto que, como se viu, a espaciosidade se liga aos variados desenvolvimentos físicos dos espaços do habitar e à sua configuração global específica, e a capacidade qualifica as diversas extensões do habitar com determinadas bases de uso e de apoio ao uso (por exemplo, arrumação); numa perspectiva que pode fazer lembrar uma estratégia de back-office, mas que abrange, também, um adequado perfil de felixibilidade nos usos.




Fig. 03

1. Reflexão geral sobre a funcionalidade arquitectónica residencial Como já se sublinhou, a última das qualidades do grupo da adequação de espaços e ambientes do habitar é a “velha” funcionalidade, quase sempre presente em inúmeras memórias descritivas de projectos de Arquitectura.

E salienta-se que se considera não ser, evidentemente, discutível a importância da adequação funcional em qualquer dos níveis físicos do habitat humano, mas já é muito desejavelmente ponderável o equilíbrio entre a eficácia funcional da “máquina de habitar” e vários outros rumos qualitativos, designadamente, ligados aos valores da socialização, da radicação sociocultural, e da humanização – em termos de escala e de relações afectivas e de identificação.

E hoje em dia é urgente redescobrir e revalorizar tais valores, assim como isolar e ponderar as novas funcionalidades urbanas e domésticas, articulando, mutuamente, esses velhos e reinterpretados valores e essas novas exigências funcionais - por exemplo: a forma como usamos, actualmente, o automóvel relativamente às nossas habitações; a forma como usamos, actualmente, os espaços públicos; os modos como usamos, actualmente, as nossas habitações.

E não tenhamos dúvidas de que usamos todos estes níveis e micro-níveis físicos do habitar de forma bastante distinta daquela que marcou tantos manuais de funcionalidade do habitar; e, aliás, mesmo quando tais manuais foram elaborados as cadeiras e os sofás de uma habitação já só por acaso se dispunham, por exemplo, rigidamente de forma simétrica e/ou ortogonal entre si e relativamente às paredes contíguas.

A funcionalidade refere-se ao adequado desempenho das várias funções e actividades residenciais, organizadas num conjunto coerente e eficiente. É uma velha, muito apreciada e muito discutida qualidade arquitectónica, que foi responsável pela estruturação de um movimento estético que influenciou o século XX.

Colando-se à sempre desejável racionalização construtiva ela teve tanto óptimos, como péssimos exemplos em termos de uma aplicação ao nível urbano e edificado, no entanto, ao nível doméstico trouxe ensinamentos de grande validade e cuja aplicação ainda hoje procuramos desenvolver e rentabilizar ao nível da pormenorização.

2. Aspectos estruturadores da funcionalidade Alguns aspectos ou temas teórico-práticos podem ser considerados como globalmente estruturadores da funcionalidade arquitectónica no habitar, salientando-se, desde já, os seguintes:

. desenvolver uma base geométrica e orgânica sobre a qual se organizam os elementos responsáveis pela funcionalidade residencial arquitectónica;
. assegurar uma unidade diversificada desses elementos;
. desenvolver uma legibilidade funcional equilibrada que não arrisque um sentido residencial básico, mas que assegure boas bases de acção aos dispositivos residenciais correntes e um máximo de eficácia, designadamente, nas funções urbanas potencialmente mais maquinais e e nas lides domésticas obrigatórias (exemplo: limpeza, arrumação, preparação de refeições, tratamento da roupa, etc.);
. e assegurar uma relação múltipla com o amplo leque de potenciais utentes, respectivas ergonomias e variadas formas de uso dos espaços e elementos.

Ainda numa perspectiva estrutural ou organizacional, podemos apontar que a funcionalidade arquitectónica no habitar tem diversas nuances ou mesmo dimensões consoante o nível físico de aplicação:

Ao nível urbano traduz-se, habitualmente, por uma estrutura legível: funcional, una e agradavelmente diversificada.

Ao nível do edifício liga-se, frequentemente, a uma organização dos conjuntos de elementos e fluidos que entram e saem através de dispositivos

Ao nível da habitação refere-se, quase sempre, ao suporte espacial de dispositivos funcionais, considerando-se, designadamente os seguintes aspectos específicos:
. conexões e compatibilidades;
. decomposição e recomposição;
. sínteses em domínios de funcionalidade;
. melhoria das tarefas urbanas e domésticas mais custosas;
. redução de percursos obrigatórios;
. dinamização da mecanização possível;
. e relações diferenciadas entre dispositivos mais maquinais e compartimentos ou espaços, considerando aspectos básicos de boa integração urbana e residencial.




Fig. 04

3. A funcionalidade, da habitação, à vizinhança e ao bairro A funcionalidade arquitectónica e residencial é uma matéria que abarca o habitar de uma ponta à outra, estrutura a cidade em termos de tráfegos e outros fluxos, abastece e proporciona a boa vivência das vizinhanças e caracteriza o conteúdo das habitações, proporcionando-nos um dia-a-dia mais simplificado no que se refere a tarefas obrigatórias.

Globalmente a funcionalidade arquitectónica e residencial associa-se aos diversos níveis do habitar em termos de dispositivos específicos, ou caracteriza-os em termos de uma funcionalidade passiva e adaptável. Mas em qualquer uma destas opções, e especialmente na primeira, deve as valências funcionais devem embeber-se com grande naturalidade em quadros residenciais agradavelmente caracterizados, caso contrário teremos ambientes sem humanidade e "frios".
Para já ficaremos por esta reflexão, mas importa aprofundar a ideia de que no habitar estamos ainda muito pouco avançados num sentido de apoio a um bem-estar amplo e denso, público e apropriado, que se reflicta quer nas nossas relações com a cidade, estimulando-as de uma forma muito sensível, quer na nossa vivência de vizinhanças que sejam verdadeiramente extensões da habitação sobre a cidade, nível ainda bem longe de poder ser considerado regra, quer, ainda naturalmente, num aprofundar de um espaço de habitação que seja a nossa verdadeira "casca de caracol" e não um cenário quase casual, temporário e impessoal.

4. Estratégias de funcionalidade A funcionalidade arquitectónica e residencial é, basicamente, um conceito orgânico que, aplicado ao habitat, visa o desenvolvimento da sua operacionalidade, mas em função da satisfação dos homens seus utentes, e tanto na totalidade da área residencial, como em cada um dos seus níveis físicos (Vizinhança Alargada e Próxima, Edifício, Habitação e Espaços/compartimentos).

"O funcionalismo arquitectónico consiste em envolver por construções um conjunto de funções ...próprias de um dado programa, num sítio específico" (1).
No exterior residencial, hoje em dia, devemos deixar de nos preocupar tanto com os veículos e voltar "a formas de habitat menos consumidoras de espaço, a afectações multifuncionais de bairros, que reduzem significativamente a duração média das migrações pendulares" (2), enquanto no interior dos edifícios devemos procurar apurar os espaços mais especializados que serão atribuídos às funções habitacionais mais exigentes, quanto à dureza e duração das respectivas tarefas, e desenvolver, muito cuidadosamente, características de polivalência noutros espaços; caminho certo de adequação a uma grande diversidade de modos de vida.




Fig. 05

5. A funcionalidade arquitectónica residencial ao nível urbano: perspectivas a considerar Hoje em dia a funcionalidade arquitectónica residencial ao nível urbano que há em poucos anos era marcada pelo primado do automóvel, passou a considerar a movimentação pedonal e os chamados modos suaves de movimentação; um novo quadro que resulta do intensificar das preocupações ambientais, mas que se saúda pelo avolumar do fundamental protagonismo da pessoa a pé, que traz a habitação para a vizinhança e que, daí, até pode e deve aceder à cidade mais viva através de transportes colectivos funcionais e confortáveis.

Nesta perspectiva há que sublinhar, ainda, a importância que tem a possibilidade de fruição da vizinhança citadina por crianças e idosos, condição naturalmente exigente, mas capaz de garantir um directo acréscimo do uso pedonal no exterior residencial; e condição que, naturalmente, vitaliza mais esse exterior e torna-o mais apetecível para ser usado por outros habitantes peões.
Mas há que assegurar aspectos funcionais já aqui referidos, com destaque para o estacionamento dos veículos dos residentes e para o equipamento colectivo das vizinhanças e da cidade que estas integram. E importa aprofundar estas matérias posteriormente.

6. A funcionalidade nos espaços públicos versus a funcionalidade nos espaços edificados; ou a funcionalidade entre o exterior e o interior urbano A funcionalidade cruza espaço urbano, vizinhança de proximidade, edifício e espaço doméstico.

Mas há que, em cada um destes níveis, considerar quais são as exigências funcionais hoje em dia e localmente determinantes de uma melhor qualidade vivencial e residencial, até porque uma previsão menos sensível e informada de funcionalidade será, frequentemente, responsável por insatisfação e eventualmente, até, por insegurança.

A funcionalidade nos espaços públicos Os eventuais problemas com funcionalidades mal escolhidas localizam-se, essencialmente, em espaços públicos e, designadamente, em vizinhanças residenciais. Automóvel ou peão? Unicidades ou misturas funcionais (em VA, VP e Ed)? Acessibilidades francas ou sossego e humanização ambiental? Todas estas questões têm solução com projectos coerentes e bem pormenorizados, mas, infelizmente, estes continuam a ser excepção. Há, assim, opções básicas que são mais do que simples opções funcionais.

A funcionalidade na VP e na relação VP/Ed A funcionalidade na vizinhança da habitação pode ser muito rica, desde a disponibilização de verdadeiros prolongamentos ajardinados das nossas habitações, à previsão de pequenos recintos de recreio juvenil em grande segurança, até ao sempre apetecível recanto num café; para não falar de se poder levar o veículo até praticamente a porta do edifício, mas sem arriscar a segurança pedonal.

A funcionalidade nos espaços edificados Ao nível do edifício esta problemática é muito mais pacífica, mas ainda assim continua a haver bastantes confusões sobre como (há que) conjugar aspectos mais directamente funcionais (ex. tipos e características de acessos comuns) com outros que sendo indirectamente funcionais têm importantes reflexos qualitativos na apropriação e na satisfação dos habitantes (ex. luz natural, sub-zonas funcionais, etc.).

A funcionalidade doméstica
O que se passa ao nível do edifício tem expressão acrescida no mundo doméstico. No interior da habitação não há dúvidas sobre a importância de uma bancada de cozinha alongada e em “L”, mas estas são raras. E não há dúvidas na estruturação de zonas funcionais, mas nem estas devem ter um carácter rígido, nem as funções desejadas e os modos de uso das casas têm um único padrão, nem as famílias são rigidamente padronizáveis, tanto mais considerando a sua actual evolução (....). Outro aspecto actualmente muito mais determinante do que aparenta e ainda muito pouco traduzido em termos doméstico-funcionais tem a ver com as novas funções das casas (sítios de trabalho; sítios de estudo; sítios de formação ao longo da vida; sítios de lazer alargado e múltiplo). De certa forma há aqui um forte “piscar de olhos” a outras opções funcionais com natureza múltipla e/ou com bases numa possível neutralidade espacial básica e servida por instalações. Mas será “só” isto?




Fig. 06

7. Carácter e importância da funcionalidade A funcionalidade é, naturalmente, uma qualidade objectiva e de primeira linha, mas que deve ser matizada por outras preocupações que irão influenciar, claramente, as formas e as tendências da sua concretização, designadamente, ao nível urbano de forma geral e, mais particularizadamente nos espaços edificados.

Ligando-se a esta preocupação há, assim, que rever cuidadosamente uma estratégia de funcionalização que tem sido usada, frequentemente, como alibi para implementação de condições mínimas de habitabilidade, designadamente, ao nível dos espaços edificados.
Adequadas circunstâncias funcionais devem ser veículos de articulação entre múltiplas actividades e não espartilhos associados a previsões unifuncionais em espaços por vezes exíguos.

8. Notas de reflexão e para desenvolvimento sobre a funcionalidade arquitectónica residencial Em termos de reflexão geral apuram-se, para já, os seguintes aspectos.

A funcionalidade arquitectónica residencial é uma matéria a rever, a redescobrir, a aprofundar e a desenvolver, porque a funcionalidade do habitar doméstico e urbano de hoje é razoavelmente diferente da que nos ensinaram nas "cartilhas" funcionalistas, porque mesmo estas "cartilhas" não terão sido frequentemente aplicadas de uma forma consistente e integrada, porque é necessário mitigar fortemente os aspectos funcionais quando concebemos adequadas condições habitacionais e urbanas, pois há nestas matérias muito mais para além das funções, e porque ...
Em termos dos desenvolvimentos considerados mais interessantes nestas matérias da funcionalidade urbana e residencial apontam-se, em seguida, algumas matérias, consideradas oportunas.
A funcionalidade arquitectónica residencial que se pode designar como "corrente" tem sido abordada sistematicamente mas direccionada fundamentalmente para aspectos do interior doméstico, havendo ainda, julga-se, trabalho a fazer em termos da funcionalidade nas vizinhanças e numa cidade que se deseja mais habitada.
No que se refere à funcionalidade arquitectónica residencial doméstica há, actualmente, importantes inovações e novidades, ou novas realidades, que importa aprofundar, considerando-se, designadamente, tanto os aspectos associados ao uso "universal" da habitação, essencialmente, numa perspectiva de apoio a habitantes cada vez mais envelhecidos, como os aspectos associados ao considerar, cada vez mais, a habitação como um sítio de trabalho, ou até como vários sítios de trabalho não doméstico; e não se duvide que estas considerações podem ter grande influência no re-equacionar da funcionalidade doméstica tal como tem vindo a ser enecarada desde os meados dos anos sessenta do século passado.
E podemos e devemos ter em conta, ainda, os aspectos de funcionalidade doméstica associada a modos de viver específicos, por exemplo, de minorias étnicas.
Quanto às funcionalidades exteriores residenciais, residenciais e citadinas e rsidenciais e peri-urbanas ou semi-rurais, há todo um trabalho a fazer no elencar de aspectos de uma funcionalidade que já não é aquela muito ligada a um urbanismo estruturado pelo automóvel privado; matéria esta que exige um aprofundamento urgente e cuidadoso.
Notas:
(1)Claire e Michel Duplay, "Méthode Illustrée de Création Architecturale", p. 190.
(2)Claire e Michel Duplay, "Méthode Illustrée de Création Architecturale", p. 191.

Nota da edição: embora os artigos editados na revista Infohabitar sejam previamente avaliados e editorialmente trabalhados pela edição da revista, eles respeitam, ao máximo, o aspecto formal e o conteúdo que são propostos, inicialmente pelos respectivos autores, sublinhando-se que as matérias editadas se referem, apenas, aos pontos de vista, perspectivas e mesmo opiniões específicas dos respectivos autores sobre essas temáticas, não correspondendo a qualquer tomada de posição da edição da revista sobre esses assuntos.
Infohabitar a Revista do Grupo Habitar

Editor: António Baptista Coelho
Edição de José Baptista Coelho
Lisboa, Encarnação - Olivais Norte
Infohabitar n.º 318, 01 de Novembro de 2010


Sem comentários :