quinta-feira, dezembro 20, 2007

O Grupo Habitar, primeiros quatro anos e um pouco de futuro - II - Infohabitar 175

 - Infohabitar 175

O Grupo Habitar, primeiros quatro anos e um pouco de futuro

Um relato de António Baptista Coelho

Esta semana e na semana passada marcando os primeiros quatro anos de vida e de iniciativas do Grupo Habitar (GH) editou-se e edita-se um relato informal do que o GH tem feito e algumas notas sobre o que queremos vir a fazer.

A apresentação geral refere-se às seguintes oito matérias, cinco das quais editadas na passada semana e naturalmente sempre disponíveis e outras três na presente semana (a bold):

. Apresentação geral do GH
. Composição do Grupo Habitar
. Temas disciplinares do Grupo Habitar
. Reuniões, Sessões e Conferências do GH
. Visitas Técnicas do GH

. Dinamização da revista Infohabitar
. Outras inciativas do GH
. Notas finais sobre a dinamização do GH

Nota: a ilustração desta parte do artigo é feita, informalmente, com recurso a imagens pouco divulgadas de uma grande diversidade de iniciativas do Grupo Habitar.

Dinamização da revista Infohabitar







Fig. 01: exemplo de um período de grande dinamização nas consultas da revista Infohabitar

Evolução das leituras do infohabitar ao longo dos anos de 2006/2007
Com mais de 14.000 consultas de artigos individuais, apenas durante Maio de 2007, o que se deseja no Infohabitar é, pelo menos, manter este tipo de nível de difusão, visando-se a diversificação dos autores e dos perfis dos artigos semanalmente editados. Sublinha-se, no entanto que já editaram no Infohabitar mais de 30 autores, e que as consultas estão a chegar já próximo do limiar das 100.000 consultas de artigos isolados (os chamados page-views, pois cada artigo tem uma “página” específica); e tudo isto em menos de três anos de edição (iniciada em Fevereiro de 2005).

Sublinha-se ainda a disponibilização, na margem do Infohabitar:
- De um catálogo interactivo, que é periodicamente actualizado, e onde constam, distribuídos por 18 temas, e em texto completo, os mais de 150 artigos já editados, que correspondem a cerca de 1500 páginas ilustradas.

- E de um amplo conjunto de listagens de links de sites ligados directa ou indirectamente às temáticas do habitar, organizados em diversas categorias – e estão já disponíveis mais de 100 links.

O que se pretende para o Infohabitar é que ele continue a assegurar a fundamental aliança com as actividades de discussão e informação do Grupo Habitar, seja publicitando, semanalmente, estas actividades, seja continuando a garantir, em alguns seus artigos, o relato técnico dos temas abordados nas sessões e visitas do GH.

Em termos de conteúdos, salienta-se que já se iniciou a edição no Infohabitar da análise e divulgação de boas práticas habitacionais e urbanas, e considera-se que esta actividade poderá vir a ser dinamizada, designadamente, através das contribuições de um amplo leque de colaboradores, que poderão desenvolver as suas análises sob diversas perspectivas temáticas.
Em termos de impacto pretende-se realizar a curto prazo um redesenho do próprio Infohabitar, dotando-o com uma imagem que se deseja mais coerente com o seu perfil de revista interactiva sobre as temáticas abordadas, de modo a que o leitor possa encontrar um cenário editorial e uma página ainda mais amigável e estimulante.






Fig. 02: a página de abertura do catálogo interactivo do Infohabitar, bem aqui na margem da revista.


Fig. 03: na margem, exemplo de uma das muitas listagens de links para organizações e instituições ligadas ao habitar.


Fig. 04: uma das Visitas Técnicas do GH, neste caso ao conjunto de realojamento municipal projectado por Paulo Tormenta Pinto na Travessa do Sargento Abílio em Lisboa.

Apontam-se, em seguida, os temas editoriais do Infohabitar:
. Memória
. Análise de casos habitacionais e urbanos de referência (novo)
. Investigação habitacional e urbana
.Grupo Habitar e Infohabitar
. Sustentabilidade no habitar
. Habitar de interesse social e habitar cooperativo
. Intervir e construir no construído
. Gestão da cidade habitada
. Escalas e tempos do habitar
. Humanidades e habitar
. Cidades amigas – conviviais, acessíveis, para todos, e seguras
. História(s) e tipologias do habitar
. Desenho e a humanização do habitar
. Integrar o habitar
. Natureza, tempo, cidade e lugar
. (Novas) formas/soluções de habitação
. Actualidades, comentários, notícias, informações

Aponta-se, ainda o crescente peso dos leitores brasileiros – uma distribuição de leituras que vai variando durante o ano e até com as horas do dia.






Fig. 05: repartição das leituras do Infohabitar: um exemplo de um período em que as leituras baseadas no Brasil foram praticamente metade de todas as leituras.


Outras inciativas do GH



Para além das já referidas actividades de realização de Sessões, Visitas e Conferências Alargadas e de edição do Infohabitar, pretende-se, ainda, apostar: (i) seja em actividades com um formato mais reduzido e circunscrito em termos de participantes, designadas como “Reuniões de discussão sobre temas específicos” e que poderão dar origem a documentos técnicos, que poderão ser depois devidamente encaminhados; (ii) seja em encontros mais alargados e com maior visibilidade, que poderão vir a ter uma periodicidade bienal e que poderão ser associados a outras iniciativas a definir.






Fig. 06: o GH conseguiu realizar acções técnicas de grande ligação e diálogo entre projectistas, promotores e técnicos e investigadores desde sempre ligados às áreas do habitar e espera-se desenvolver, proximamente, o aprofundamento e divulgação das matérias abordadas neste tipo de encontros; na imagem uma destas discussões técnicas na visita à cooperativa Caselcoop, no Bairro de Caselas em Lisboa, vendo-se o projectista Arq. Justino Morais, o Arq. Vasco Folha e o Presidente da cooperativa Carlos Coradinho.





Fig. 07: mas o GH deve também esforçar-se no sentido de promover encontros mais alargados e com maior visibilidade, onde seja possível conjugar a participação de diversas entidades, trazendo para o espírito prático e multidisciplinar de discussão das matérias do habitar, que nos caracteriza, um número gradual mas firmemente crescente de técnicos e outros responsáveis, com natural destaque para o universo das autarquias, como foi o caso em Coimbra num excelente encontro que marcou o início das actividades do GH em 2007.


Dinamização do GH – notas finais






Fig. 08: um gráfico que sintetiza o número de Sessões, Visitas, Assembleias e Conferências do GH realizadas, anualmente, pelo GH; note-se que o Grupo habitar iniciou formalmente as suas actividades em Janeiro de 2004, tendo conseguido realizar em 2007 um total de 12 iniciativas desse tipo o que corresponde à excelente “meta” de uma iniciativa em cada mês (sublinha-se que aos 11 eventos registados no gráfico em 2007 há que juntar a 2.ª Assembleia Geral Eleitoral que se realizou em 13 de Dezembro de 2007).


Terminada a fase de consolidação do GH, e na oportunidade de se aproximarem as nossas segundas eleições, há que privilegiar uma nova fase de crescimento, o mais possível sustentado, pois só assim será possível aproximarmo-nos do cumprimento dos objectivos que nos propusemos.

De certa forma o “segredo” da dinamização das actividades do Grupo Habitar está na replicação de actividades já desenvolvidas, realizando-as, segundo certas regras de boa prática, em parte já identificadas, em variados sítios do país, e segundo uma adequada distribuição temporal e territorial.

Pensa-se, por exemplo, na possibilidade de duplicar as actividades:
replicando as acções que mais êxito tiveram, por exemplo, associando, no mesmo dia, Visitas e Sessões Técnicas, realizadas em estreita parceria com um dado município.

- passando-se, assim, de uma promoção de cerca de 3 sessões/reuniões técnicas por ano, por exemplo, para cerca de 6;

- passando-se de cerca de 3 visitas técnicas por ano, também para cerca de 6;
provavelmente, associando-se ou alternando-se as sessões e as visitas de modo a cobrir-se o melhor possível todo o ano; e uma forma muito prática de assegurar esta actividade é distribuir responsabilidades específicas de organização dos diversos eventos, considerando-se que o seu enquadramento será assegurado pela direcção do GH e a sua divulgação feita com o apoio das nossas mailing lists e dos meios de divulgação dos parceiros com quem, em cada caso, unirmos esforços;

- e no que se refere ao Infohabitar o que mais importa é assegurar três aspectos: um deles é continuar a edição semanal; outro é diversificar o corpo redactorial (condição para a qual bastará um pequeno esforço de muitos potenciais “redactores”); e o terceiro disseminar intensamente a divulgação do Infohabitar, e este é um trabalho fácil de fazer se verdadeiramente desmultiplicado; e afinal basta manter a tendência actual de crescimento das leituras, hoje já praticamente em cima das 100.000 page views .

Palavras finais
Para terminar vale bem a pena lembrar o nosso nome, que começa pela palavra “grupo”: o que significa a nossa vontade básica de sermos uma associação activa e verdadeiramente colegial, assegurando actividades em conjunto, mas em que cada elemento do grupo traga um valor acrescido e específico a essas iniciativas, e assim aqui fica o desafio para que todos nós os que já integram o GH, sejam um pouco mais participantes, e para todos aqueles que se sintam motivado para estas actividades, connosco contactarem e poderem começar a participar com o GH nas suas actividades, que se desejam cada vez mais diversificadas, dinamizadas e estimulantes.

Por outro lado, mas também de forma estruturante, será muito importante que o GH possa tornar-se, cada vez mais, num grande sítio de encontro e de dinamização de muitas daquelas pessoas que ainda consideram ser possível ligar teoria e prática, ligar temas e disciplinas e ligar boas-vontades e desígnios que não sejam os ditados apenas por razões financeiras e os marcados por estratégias pessoais que pouco interessam à comunidade; queremos falar de problemas e de potencialidades e queremos divulgar ideias e caminhos de futuro e sempre fazendo-o num caminho triplo que harmonize ensinamentos de casos práticos, ideias estruturadoras e raciocínios disciplinares abertos entre si e totalmente sensíveis a quem habita e a um habitar totalmente aliado da cidade e de uma cidade amiga da cultura.
Termina-se, como se deve, com uma referência geral a todas as pessoas e instituições que têm apoiado o funcionamento do GH e com uma referência destacada de agradecimento:

- ao Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC);

- ao Instituto Nacional de Habitação (INH), hoje Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU);
- e à Federação Nacional de Cooperativas de Habitação Económica (FENACHE).



Fig. 09: um dos diversos encontros técnicos do GH desenvolvidos em cooperação com o INH (hoje IHRU).


Quem tem apoiado o Grupo Habitar
O Grupo Habitar tem a sua sede no Núcleo de Arquitectura e Urbanismo (NAU) do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), em Lisboa, e tem merecido fundamentais apoios periódicos, designadamente, ao nível de aspectos organizativos e de acções conjuntas, do Instituto Nacional de Habitação (INH), da Federação Nacional de Cooperativas de Habitação Económica (FENACHE) e do próprio LNEC.

Mas nesta matéria há que sublinhar que a Delegação no Porto do INH/IHRU, dirigida pelo Eng. Defensor de Castro, que é Vice-presidente do GH, tem cumprido sempre um papel, informal, de sede gémea do Grupo Habitar no norte do país; foi aliás um dos objectivos fundadores do GH, que este nunca fosse um grupo ligado a uma cidade e a um círculo tendencialmente fechado, mas sim uma associação ligada, tendencialmente, a todas as cidades e sítios de Portugal e que honre um conjunto de associados cujo alargamento apenas tem e terá como motivo a valia humana e profissional e naturalmente a concordância com a natureza e a razão de ser do Grupo Habitar, acima apontadas.




Fig. 10: um dos últimos encontros técnicos do GH realizado em cooperação com o Departamento de Arquitectura e Urbanismo do ISCTE.

E por isso se referem aqui algumas das entidades que connosco já colaboraram em diversos eventos e a quem o GH deve agradecimentos, numa ordem temporal apenas aproximada: Câmaras Municipais de Lisboa, Porto, Matosinhos, Évora, Faro, Tavira e Coimbra, Gebalis, SRU do Porto, CIN, Fundação Calouste Gulbenkian, Universidade de Évora, Grupo MCH Algarve, Universidade do Algarve, GAT de Faro, Cooperativas As Sete Bicas, Coobital e Caselcoop, Ordem dos Engenheiros – Região Centro, Gabinete para o Centro Histórico da CM de Coimbra, Inválidos do Comércio, Imperalum, e ADENE – Agência para a Energia.

E entre as muitas pessoas que connosco cooperaram há que sublinhar alguns, cujas intervenções foram fundamentais nas actividades do Grupo Habitar (igualmente, numa ordem cronológica apenas aproximada): Duarte Nuno Simões, Vasco Folha, Paulo Alzamora, Paulo Tormenta Pinto, Guilherme Vilaverde, José Teixeira Monteiro, António Madureira, José Coimbra, Luís Anglin, Carlos Coradinho, Justino de Morais, Gonçalo Ribeiro Telles, José Vasconcelos Paiva, Orlando Vargas, José Lopes da Costa, Rogério P. Inácio, José Brito, Nuno Teotónio Pereira, Alberto Soares, José Clemente Ricon, Manuel Correia Fernandes, A. Leça Coelho, António Santos, Carlos Coelho, Hermano Vicente, Paulo Machado, António Reis Cabrita, Duarte Nuno Gonçalves, Raúl Hestnes Ferreira, José Teixeira Trigo, João Soares, Fernando Pinto, Elisabete Arsénio, Luís Bramão, Amélia Santos, Manuela Rosa, Celestino Flórido Quaresma, João Bigotte de Almeida, Sidónio Simões, Leopoldo da Cunha Matos, Nuno Figueiral, António Azenha, Isabel Lucena, Maria Alexandra Nunes, Sílvia Soares, Maria João Freitas, Rui Loza, Fausto Simões, Pina dos Santos, Alexandre Fernandes e Jorge Ramos.




Fig. 11: o início da Visita Técnica na Gulbenkian com Gonçalo Ribeiro Telles.

E naturalmente há que registar o grupo, já extenso, cujas contribuições construíram o Infohabitar (em ordem referida à ordem de edição): Duarte Nuno Simões; Celeste d'Oliveira Ramos; Marilice Costi; Sheila Walbe Ornstein; José Walter Galvão; Maria João Eloy; António Reis Cabrita; Nuno Teotónio Pereira; Sara Eloy; António Baptista Coelho; Paulo Machado; João Carvalhosa; Guilherme Vilaverde; Maria Luiza Forneck; Khaled Ghoubar; José Coimbra; Pedro Baptista Coelho; Sidónio Simões; José L. M. Dias; Manuel Tereso; António Novais; Rita Abreu; Teresa Heitor; Ana Tomé; Fausto Simões; Carlos Pina dos Santos, João Cantero.

Mas aqui mal estaria o GH se não fizesse um agradecimento público e evidenciado à Arq.ª Paisagista Maria Celeste Ramos, cujos inúmeros e muito qualificados artigos têm contribuído fortemente para o dinamismo do nosso Infohabitar.

E deixa-se um sincero pedido de desculpas por algum “imperdoável” esquecimento, que provavelmente aconteceu mesmo.

Últimas acções do Grupo Habitar

Dia 11 de Outubro de 2007, o Encontro sobre “Promoção da qualidade do habitar”, em Coimbra, com o Gabinete para o Centro Histórico da Câmara Municipal de Coimbra e integrado na Quinzena da Habitação, realizada no âmbito da Presidência Portuguesa da União Europeia, e apoiada pela Secretaria de Estado do Ordenamento do Território e das Cidades, pelo Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana e pelo CECODHAS.P/ Comité Português de Coordenação da Habitação Social. Com intervenções do Arq. Manuel Correia Fernandes (FAUP), Eng. José Teixeira Trigo (LNEC), Arq. Paulo Tormenta Pinto (ISCTE), Eng. Sidónio Simões (GCH-CMC), Dr. Luís Ferreira da Silva (AECOPS)e Guilherme Vilaverde (FENACHE).

Dias 12 e 13 de Outubro de 2007, a 1.ª Visita Alargada do GH, sobre “o Habitar e a História” e a “Rota do Românico”, com a Câmara Municipal de Paços de Ferreira, e com a intervenção do Presidente da C.M. de Paços de Ferreira, Dr. Pedro Pinto e, entre outros, dos investigadores, doutora Lúcia Rosas e dos doutores Armando Coelho, Lino Tavares Dias e Mário Varela Gomes. No dia 12 im econtro técnico e uma visita comentada à Citânia de Sanfins, e no dia 13 a “Rota do Românico”.

A 12.ª Sessão Técnica do GH, em 15 de Novembro de 2007, com uma palestra de João Alberto Cantero, Arquiteto e Urbanista, Mestre pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo e Superintendente de Obras da COHAB-SP (Companhia Metropolitana de Habitação), que teve lugar no Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE), também com apoios do Núcleo de Arquitectura e Urbanismo do LNEC e da Federação Nacional de Cooperativas de Habitação Económica (FENACHE).

E no passado dia 13 de Dezembro de 2007, no recém inaugurado Auditório Dr, Barreiros Mateus, da sede da Nova Habitação Cooperativa (NHC), na Quinta do Património, Sacavém teve lugar a 2ª Assembleia Geral Eleitoral do Grupo Habitar que elegeu os seguintes corpos sociais:
Mesa da Assembleia Geral
Presidente: Duarte Nuno Gomes Simões (Arq.)
Vice-Presidente: Hermano Manuel da Silveira Vicente (Eng.)
Secretário: Manuel Ezequiel Vargas dos Santos (Gestor)

Direcção

Presidente: António Júlio Marques Baptista Coelho (Arq.)
Vice-Presidente: Defensor Fernando Gomes de Castro (Eng.)
Secretário: José Clemente Beira Peres Ricon de Oliveira (Arq.)
Tesoureiro: Jorge Amável da Silva Quintela (Econ.)
Vogal: António Manuel da Silva Rocha Reis Cabrita (Arq.)
Vogal: Manuel Correia Fernandes (Arq.)
Vogal: Bruno Armando Gomes Marques (Arq.)

Conselho FiscalPresidente: António Carlos de Oliveira Coelho (Arq.)
Vogal: Dâmaso Lopes de Sousa Silva (Geól.)
Vogal: Luís Filipe Ferreira da Silva (Gestor)

Contactos do GH

Sede do Grupo Habitar, Av. do Brasil 101, 1700 – 066 Lisboa.

Contactos: Lisboa: António Baptista Coelho, abc@lnec.pt e abc.infohabitar@gmail.com Tel. 218443679/Fax. 218443028, Tm. 914631004 Porto: José Clemente Ricon, mailto:jroliveira@inh.pt Tel. 226079670.

Para qualquer informação complementar bastará um contacto telefónico ou por e-mail. Notar que a adesão ao Grupo Habitar está prevista nos seus estatutos e depende de uma inscrição prévia a realizar em ficha própria, que pode ser enviada por mail ou solicitada na sede do GH. Posteriormente a Direcção do GH apreciará a proposta de inscrição.

Editado por José Romana Baptista Coelho, Encarnação e Olivais Norte, 20 de Dezembro de 2007

Sem comentários :