domingo, julho 05, 2015

Alguns apontamentos comentados sobre paisagens

http://labhab.fau.usp.br/3cihel/ 


O 3.º CIHEL recebeu 118 propostas de artigos.

Infohabitar, Ano XI, n.º 540

A INFOHABITAR ULTRAPASSOU AS 700.000 PAGE-VIEWS/CONSULTAS

Alguns apontamentos comentados sobre paisagens
António Baptista Coelho

Apresentam-se, em seguida, alguns apontamentos/desenhos realizados sobre a temática da(s) paisagem(ens) mais urbanas, mais amplas, mais naturais, mais históricas, etc., etc.
A grande maioria destes desenhos foram realizados, no próprio local, em Olivais Norte - Encarnação, Lisboa e na Covilhã (o esboço rápido foi feito no local e o acabamento, por vezes, realizado posteriormente).
Em cada um deles fazem-se alguns comentários curtos e práticos, por vezes, abordando o "desenho" e também, pro vezes, matérias de urbanismo e habitat humano.

A cidade aquática e histórica

Desenho 1: há todo um sentido de paisagem pormenorizada e viva, e de uma verdadeira cidade aquática, ou fluvial, vivida entre terra e água numa verdadeira constelação de barcos dos mais diversos tamanhos, feitios e tipos, nesta vista de Manaus, há muitos anos, feita com base numa velha fotografia a preto/branco; procurou-se uma expressão específica de esquisso colorido e livre e tentou-se algum diálogo entre as "planícies" aquática, de campo e de céu.

A cidade e a natureza pormenorizada


Desenho 2: é interessante ensaiar técnicas de desenho diferentes em temas/"modelos" bem conhecidos, e é realmente interessante repetir, constantemente, embora graficamente de forma diferente, enquadramentos que conhecemos quase "de cor", pois desta forma a relação com o modelo é simplificada e podemos tentar dominar aspetos vários, como a proporção e o sentido de diversos planos; o urbanismo é sempre o excelente e "modernista" dos Olivais Norte - Encarnação em Lisboa - o do verde urbano tão protagonista como o edificado com que se liga. 

O verde urbano que continua o edificado

Desenho 3: a natureza planeada e tratada pelo homem e que pode fazer praticamente as vezes do edificado, continuando-o, de certa forma, em termos de contenção espacial dos espaços públicos contíguos, mas fazendo-os vibrar de forma mais orgânica pois são "paredes" diferentes - o edifício e a árvore; graficamente tenta-se apontar com liberdade o sentido do edifício inerte, embora habitado, e da árvore viva e que mexe, tornando vento e brisas mais sentidas.

A imagem e o verde urbanos do nosso bairro modernista de referência - Olivais Norte


Desenho 4: prolongando-se o anterior comentário, este apontamento (realizado de forma talvez mais livre) procura atribuir protagonismo ao verde urbano modernista, em extensão, "completo", "naturalizado". Olivais Norte/Encarnação é um bairro que importa conhecer e que deveria ser urgentemente objeto de um programa municipal efetivo de reabilitação gradual e apoiada das suas caraterísticas de imagem urbana originais, pois com isso ganharia Lisboa e a cultura arquitetónica portuguesa.

O nosso bairro modernista de referência - Olivais Norte


Desenho 5: Olivais Norte/Encarnação, em Lisboa é um bairro a conhecer - facilmente visitável a partir da estação de Metro da Encarnação (situada bem a meio do bairro) - onde arquitetura modernista, verde urbano bem escolhido e, essencialmente, um excelente modelo de "convívio" entre peões e veículos, são matérias bem evidenciadas/visíveis, para além de uma modelar conjugação entre modernismo e vivência urbana "de bairro"; quanto ao apontamento gráfico ele procurou captar o equilíbrio  geral das formas edificadas e a sua disposição relativa e relativamente ao ponto de vista do observador/desenhador, contrastando-se os verdes urbanos.

A magia das ruínas


Desenho 6: temas recorrentes da arquitetura: ruínas e o Fórum Romano. É muito interessante tentar interiorizar a razão desta atração "gráfica" pelos edifícios e espaços urbanos históricos e em ruínas. O esquisso a preto foi muito rápido, e a partir de uma fotografia, e o tratamento cromático mais demorado

A magia dos telhados



Desenho 7: também tema recorrente, agora de desenhadores e pintores, as coberturas e telhados de cidades e povoações; aqui a parte alta da cidade da Covilhã, com a Cova da Beira ao fundo e quem sabe ainda alguns montes de Espanha; em termos gráficos procurou-se um cromatismo naturalmente contrastado entre tons de vermelhos e de verdes/azuis, numa relação que procura marcar diversos planos de vistas.

Infohabitar, Ano XI, n.º 540
Alguns apontamentos comentados sobre paisagens
Editor: António Baptista Coelho abc@ubi.pt, abc@lnec.pt e abc.infohabitar@gmail.com
GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional, Mestrado Integrado em Arquitectura da Universidade da Beira Interior - MIAUBI

Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.


Sem comentários :