domingo, junho 28, 2015

Alguns desenhos comentados sobre cidade e natureza humanizada - Innfohabitar 539





O 3.º CIHEL recebeu 118 artigos.

Infohabitar, Ano XI, n.º 539

Alguns desenhos comentados sobre cidade e natureza humanizada
António Baptista Coelho

Apresentam-se, em seguida, alguns desenhos realizados sobre a temática a natureza e da cidade, ou da natureza, em pleno, na cidade e o seu interesse e força de expressão.
Todos estes desenhos foram realizados, no próprio local, em Olivais Norte - Encarnação, Lisboa (o esboço rápido foi feito no local e o acabamento, por vezes, realizado posteriormente).
Em cada um deles fazem-se alguns comentários curtos e práticos, por vezes, abordando o "desenho" e matérias de urbanismo.

A cidade e a natureza



Desenho 1: há um certo sentido de paisagem pormenorizada e viva, em jardins animados por pequenos animais, e quanto mais completo for o ambiente natural maior será a biodiversidade.

A cidade e a natureza pormenorizada


Desenho 2: é interessante ensaiar técnicas de desenho diferentes em temas/"modelos" bem conhecidos, da flora e da fauna; e as aguadas com uma base monocromática permitem uma certa liberdade de expressão. 

O verde urbano que se aproxima da natureza não artificial

Desenho 3: a natureza planeada e tratada pelo homem - trata-se de um pormenor do jardim que rodeia a Igreja de Santo Eugénio na Encarnação -, quando bem estruturada/acompanhada e com algumas dezenas de anos, aproxima-se muito do que poderá ser um bosque "natural", proporcionando uma experiência de "frescura", de profundidade, algum "mistério", e contínua diversidade de espetáculo, ao longo do dia e ao longo do ano, extremamente rica para todos, para todas as idades e muito especificamente para o "homo-urbanus".

O verde urbano como espetáculo e fonte de bem-estar e inspiração


Desenho 4: prolongando-se o anterior comentário, este apontamento (realizado de forma muito mais livre e em que se procurou aproximar o que se desenhou de uma sensação que pareceu marcar o local), exemplifica a ideia, bem real, de que o verde urbano, quando razoavelmente completo e dimensionado (atenção para não se fazerem minúsculas e ridículas "ilhas" de natureza que servem para muito pouco; mais vale planear e tratar bem boas árvores de arruamento), proporciona descontração, reflexão natural e agradável, afastamento estratégico à cidade (pois ela está próxima e no entanto "bem longe"), e muitos outros aspetos mentais e físicos de bem-estar e de saúde.

O verde urbano como fonte de inspiração e inovação


Desenho 5: prolongando-se o anterior comentário, o verde urbano, quando razoavelmente completo e minimamente extenso, conseguindo simular a natureza mais "selvagem" em composições bem perto de nós, é verdadeiramente "libertador"; e aqui procurou-se uma experiência de desenho mais livre em cores e formas.

A cidade e a natureza viva


Desenho 6: tal como se refereiu no início deste artigo, há um certo sentido de paisagem pormenorizada e viva, em jardins animados por pequenos animais, e quanto mais completo e cuidado for o ambiente natural maior será a biodiversidade.

Infohabitar, Ano XI, n.º 539
Alguns desenhos comentados sobre cidade e natureza humanizada
Editor: António Baptista Coelho abc@ubi.pt, abc@lnec.pt e abc.infohabitar@gmail.com
GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional, Mestrado Integrado em Arquitectura da Universidade da Beira Interior - MIAUBI


Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.

Sem comentários :