domingo, junho 21, 2015

Alguns desenhos comentados sobre cidade e campo

http://labhab.fau.usp.br/3cihel/ 
O 3.º CIHEL recebeu 118 propostas de artigos.

Infohabitar, Ano XI, n.º 538

Alguns desenhos comentados sobre cidade e campo
António Baptista Coelho

Apresentam-se, em seguida, alguns desenhos realizados sobre a temática da cidade e do campo e de suas possíveis e positivas misturas.
Alguns destes desenhos foram realizados, no próprio local, em Olivais Norte - Encarnação, Lisboa (o esboço rápido foi feito no local e o acabamento realizado posteriormente); outros desenhos foram realizados, à mão livre, a partir de imagens de fotografias do autor ou por vezes recolhidas na imprensa.
Em cada um deles fazem-se alguns comentários curtos e práticos, por vezes, abordando o "desenho" e matérias de urbanismo.

A cidade densa, habitada pelos elétricos

Desenho 1: a cidade densa, "tradicional", "habitada" / marcada pelos elétricos e seus percursos, foi e será sempre motivo de desenho, de certa forma temos elementos muito expressivos e que se deslocam quase sem ruído, como se fossem "pequenos edifícios móveis", que para além de tudo o resto são imagens "vivas" de uma história relativamente recente, mas que já é expressivamente diversa em termos de visualidade dos próprios veículos, embora mantendo-se atual ma sua utilidade.


Elétricos como pequenos "edifícios dinâmicos"


Desenho 2: novamente a cidade densa, "tradicional", "habitada" / marcada pelos elétricos e seus percursos; agora tentando-se um apontamento, mais rápido em termos de execução e simultaneamente mais dinâmico em termos da própria expressão desenhada, e a cor, onde se joga como "amarelo" e as sombras interiores; que nos dão as interioridades destes veículos, que são como pequenos "edifícios dinâmicos".  


A natureza salientada por preexistências construídas

Desenho 3: a natureza salientada por preexistências construídas, trata-se de uma memória construída de um pequeno aqueduto, ligado a um poço, existente em Olivais-Norte/Encarnação, criando-se um quadro em que a natureza é sublinhada pelo enquadramento fortíssimo que faz desta quase ruína, em que o tempo "parou" e que ali ficou a lembrar uma memória bem diversa da realidade dos edifícios bem altos que rodeiam esta "ilha" natural e que aqui foram premeditadamente omitidos no desenho.


Novamente os elétricos como marcas dinâmicas de uma recente história urbana

Desenho 4: Novamente os elétricos como marcas dinâmicas de uma recente história urbana, agora num registo gráfico mais realista e demorado, sendo, julga-se, interessante a comparação com os registos mais rápidos e expressivos acima editados; e aqui fica talvez evidenciada a questão da escala humana que é evidenciada pela sóbria, mas bem cadenciada, circulação dos elétricos e naturalmente também pela sua cor muito viva  e contrastante.


Edifícios integrados na natureza

Desenho 5: esta sóbria integração entre edifícios e natureza, ou este diálogo mudo mas forte entre uma arquitetura racional e depurada e uma natureza humanamente planeada e que joga em contraponto formal e cromático, orgânico e mutante, com essa racionalidade formal bem projetada, só é possível com bom urbanismo e com boa arquitetura, como acontece em Olivais Norte - Encarnação, Lisboa. O apontamento desenhado, na sua expressiva liberdade de traços e manchas, procura captar essa falsa facilidade de "casamento", que apenas foi possível com qualidade de projeto de edifícios e idêntca qualidade de projeto paisagístico - numa das primeiras intervenções urbanas de arquitetos paisagistas em forte aliança com o projeto urbano de pormenor.


Desenhar a natureza, desenhar árvores


Desenho 6: e novamente a natureza na sua força orgânica e mesmo pitoresca - não tenhamos medo da palavra -, que nos oferece espetáculo urbano (trata-se de um jardim de bairro) gratuito, diário e mutante ao longo de todo o ano; o protagonismo das árvores e das de folha caduca em particular é assunto chave, e há que estudar "coberturas de solo" adequadas ao nosso clima, marcado por períodos quentes e sem chuva; e, já agora, pensar mais em árvores e arbustos regionalmente caraterísticos. E as árvores são um tema de desenho sempre renovado, vamos sempre redesenhando árvores de modo diverso, sempre descobrindo novas formas de as representar, na sua complexidade e formas gerais.


Infohabitar, Ano XI, n.º 538
Alguns desenhos comentados sobre cidade e campo
Editor: António Baptista Coelho abc@ubi.pt, abc@lnec.pt e abc.infohabitar@gmail.com
GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional, Mestrado Integrado em Arquitectura da Universidade da Beira Interior - MIAUBI

Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.


Sem comentários :