domingo, setembro 28, 2014

SOBRE O DESENHO À MÃO LIVRE, NOTAS GERAIS - Infohabitar 502


Infohabitar n.º 502
A revista da GHabitar - Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional

SOBRE O DESENHO À MÃO LIVRE, NOTAS GERAIS

António Baptista Coelho

Um texto prático sobre o desenho à mão livre

Este texto foi, inicialmente, elaborado para enquadrar e justificar, em grande parte, o desenvolvimento temático, mas também o programático, em 2014/15, da Disciplina de Desenho I do Mestrado Integrado em Arquitectura da Universidade da Beira Interior, na Covilhã; disciplina esta estruturada pelo autor do texto. Na altura da respetiva edição aconteceram os inevitáveis complementos e releituras, considerando-se ser este um texto dinâmico, em desenvolvimento e que inicia uma pequena série de reflexões a editar, aqui na Infohabitar, ao longo dos próximos meses, sobre as matérias do desenho à mão livre, do desenho livre, do desenho marcado pelas temáticas da cidade e da paisagem  natural ou habitada e do desenho livre como ferramenta no ensino da e na prática da arquitectura - tema(s) este(s) para o qual (os quais) se convidam outros autores.

Duas perspetivas para a prática do Desenho Livre e da Arquitectura: o gosto pelo desenho e a necessidade/oportunidade de desenhar  

Mais do que iniciar um processo de aproximação ao desenho à mão livre e/ou ao desenho globalmente aplicado à arquitetura e ao seu ensino e aprendizagem e não descurando situações em que tal caminho seja necessário, considera-se do maior interesse aprofundar o "desenho livre", em geral, nas duas perspetivas que, emseguida, se desenvolvem minimamente e que se ligam, quer ao gosto natural pelo desenho, que se vê e que se faz, quer ao papel prático, de ferramenta, que o desenho livre sempre cumpriu e cumprirá na aproximação, na "fixação" e na modelação do projeto e da obra arquitetónica.
Mas um tal desenvolvimento não quer dizer que entre o desenho livre a a arquitectura não existam outras relações íntimas, por exemplo, associadas a matérias como, por exemplo, a cenografia, a ilustração e a própria ficção desenhada; no entanto e para já queremos sublinhar a importância de duas matérias tão distintas como o gosto/prazer de ver/fazer desenhos e a necessidade/utilidade de desenhar ao projetar.
Para as outras perspetivas aqui voltaremos em futuros artigos desta pequena série.

O gosto pelo desenho livre

Desenhar ou gostar do desenho ou de ver desenhos liga-se a uma perspetiva de verdadeiro gosto pelo desenho, de prazer do desenho, como algo que se aprecia e de que se gosta e acompanha, em exposições, ou no dia-a-dia, e mesmo eventualmente até como prazer de rabiscar e desenhar, naturalmente, acompanhando outras atividades e ajudando, até, na concentraçãoquando .
Nesta perspetiva há que ter em conta que o desenho à mão livre, mais ou menos apoiado e imaginativo, sempre esteve na base do projetar ou do compor o espaço do habitat humano, e que esse habitat e os quadros naturais em que se integra, assim como a própria história viva da cultura humana, sempre estiveram intimamente ligados à prática e ao gosto pelo desenho, em si próprio e em tudo aquilo em que ele serve como ferramenta prospectiva e imaginativa.
E nesta perspetiva parece ser hoje oportuno fazer reviver o gosto pelo desenho, no sentido em que ao desenhar, se vê melhor o que nos rodeia, que entendemos melhor e vivemos melhor o que nos rodeia, e não será por acaso que assistimos a um crescimento claro do gosto pelo desenho e pelas artes plásticas, que nos fazem bem numa sociedade cheia de pressa, de individualismo e de stress e que se revela, por exemplo, nos cada vez mais frequentes grupos conhecidos como "esboçadores urbanos" (urban sketchers), que a pé usam e apreciam os espaços da cidade e, porque não, da natureza, vulgarizando, muito positivamente, as capacidades desenhísticas e associando-as ao puro gosto do usufruto da cidade e da natureza em grupos de amigos e conhecidos.
E nesta matéria será interessante fazer alargar o perfil optado pelos referidos "esboçadores urbanos", também para matérias mais diretamente ligadas à paisagem e à natureza, seja pelo interesse desenhístico de uma tal opção, seja porque será este um meio de alargar o interesse, aprofundado e detalhado, pelo nosso habitat, conseguido expressivamente quando nos concentramos para desenhar, à natureza e ao ambiente mais global que habitamos e onde a cidade e o espaço urbanizado se deveriam integrar positivamente.

O desenho livre como ferramenta do projeto  

O desenho livre e à mão livre liga-se também a uma perspetiva de natural necessidade de desenhar, que visa o projeto de arquitetura, uma ferramenta e um caminho marcados pelas diversas fases sequenciais de análise mais sentida e/ou mais objetiva, de experimentação continuada e reflexiva, de representação com vista à fixação do projeto, depois à sua construção e, ainda depois, de interpretação da obra feita e vivida.
Nesta perspetiva de um desenho útil ao projeto de arquitetura há também diversas facetas de interpretação e de utilização do desenho livre, sempre as houve e sempre existirão, mesmo quando, hoje em dia, as ferramentas digitais estão a marcar, cada vez mais, o processo de projeto (por exemplo com o processo Building Information Module ou Modeling), pois para conceber, para identificar e depois aprofundar aquela que se considere ser a melhor solução ou o melhor "partido" de projeto, é extremamente adequado e muito rico imaginar com uma base visual e desenhada, de esboços e apontamentos preliminares e depois de pormenorização; e podemos até sustentar que será quem o faz que retirará  os maiores benefícios das referidas ferramentas digitais, pois conseguirá imaginar e antever melhor o resultado final de uma dada ideia projetada.
E quando entra em jogo o levantamento patrimonial e a intervenção em contextos históricos, então está ainda para ser devidamente reconhecida a importância e a utilidade de um desenho à mão livre, neste caso devidamente rigoroso, numa perspetiva que se julga ficar bem apontada e exemplificada pela prática dos levantamentos de arquitetura regional/local e mesmo de contextos arqueológicos.
O desenho livre nunca pode ser uma obrigação
Importa agora sublinhar que em nenhuma destas duas perspetivas tem e terá lugar o sentido do "desenho livre" como obrigação, ou "obrigatório", afinal um sentido pouco ou nada adequado à própria "liberdade" anunciada na referência a este desenho; mas atenção que esta vital consideração de "não obrigatoriedade" nada tem a ver com qualquer tipo de falta de disciplina, de reduzida prática do desenho à mão livre e de menor exigência no desenhar à mão livre.

O desenho livre como prática intensa e continuada

Antes pelo contrário , e tal como muitos grandes artistas salientaram, o bom desenho, a boa arte se se quiser, provém de quase 100% de trabalho e de alguma vocação para desenhar, ou designação que queira dizer o mesmo; por exemplo, e entre muitos outros grandes artistas, Picasso e van-Gogh dizem-no ou exemplificam-no em termos de práticas artísticas e experiência de vida.
São tantos aqueles que salientam que o desenho se ganha no desenhar, numa prática tendencialmente diária e natural, mas sempre intensa e concentrada, em que o olhar e o pensar se fazem numa natural aliança com o esboço, uma aliança que acaba por ser um mútuo apoio e uma sequência de clarificação; e evidentemente que um tal caminho é muito importante para quem faz e quer fazer a sua vida nas áreas da visualização e formalização do espaço interior e exterior do habitat humano e da natureza em que se integra.
E ainda nesta matéria dá vontade de dizer que uma certa capacidade de desenho é útil para muitos caminhos profissionais, ajuda a ver melhor, a compreender melhor o que se vê, a situarmo-nos melhor, a apreciar melhor os cenários que usamos, mas, não haja dúvida, que é algo de essencial para quem quer ser arquiteto, para quem quer entender bem e atuar bem no quadro construído e natural do nosso habitat.

Desenhar por gosto e por necessidade de melhor projetar

É, portanto, essencial, que quem deseja seguir um caminho adequado no projeto de arquitetura, considere o desenho livre, naturalmente, seja como algo a apreciar com gosto  e periodicamente, um gosto que existe ou que acabae por se sedimentar e desenvolver, ao longo do tempo, favorecido por e favorecendo bases culturais mais ricas e uma experiência de vida mais estimulante, seja numa relação instrumental com a prática do projeto de arquitetura, aprofundando-se e melhorando-se, pela prática, um processo de desenho, que se irá associar, gradual e naturalmente, a outras práticas - como, por exemplo, a fotografia e os diversos meios informáticos de desenho e pintura - como meio de tradução de ideias projetadas/imaginadas e de arquiteturas já realizadas, numa relação com lugar cativo e sempre enriquecedor na associação com as existentes e inovadoras práticas digitais de projeto de arquitetura.
  
Notas editoriais:
·       (i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.
·       (ii) De acordo com o mesmo sentido, de se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.
·       (iii) Para proporcionar a edição de imagens na Infohabitar, elas são obrigatoriamente depositadas num programa de imagens, sendo usado o Photobucket; onde devido ao grande número de imagens se torna muito difícil registar as respectivas autorias. Desta forma refere-se que, caso haja interesse no uso dessas imagens se consultem os artigos da Infohabitar onde, sistematicamente, as autorias das imagens são devidamente registadas e salientadas. Sublinha-se, portanto, que os vários albuns do Photobucket que são geridos pelo editor da Infohabitar constituem bancos de dados da Infohabitar, sendo essas imagens de diversas autorias, apontadas nos artigos da Infohabitar, pelo que deve haver todo o cuidado no seu uso; havendo dúvidas um contacto com o editor será sempre esclarecedor.

SOBRE O DESENHO À MÃO LIVRE, NOTAS GERAIS
Infohabitar, Ano X, n.º 502
Editor: António Baptista Coelho – abc.infohabitar@gmail.com
GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional, Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura da Universidade da Beira Interior.
Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.



 

1 comentário :

Juliano Oliveira disse...

Prof. Coelho, foi um grande prazer ler o seu texto e ver reforçado em suas linhas ideias que venho trabalhando há algum tempo com meus alunos - de Projeto de Arquitetura e de Desenho de Arquitetura - aqui em Uberlândia, no Brasil. Certamente, será mais uma referência de leitura para os alunos. Muito obrigado!