domingo, dezembro 25, 2011

A mulher-que-caminha-pelos-desertos (Um conto de Natal) - Infohabitar 375

Com as renovadas Boas-festas para os leitores deste Infohabitar, que constitui a 375.ª edição da nossa revista e a última do seu sétimo ano editorial, publica-se um conto de Natal de Adriano Rosa.



Fig. 01: tratamento de imagem sobre pormenor de uma tapeçaria/pano da colecção do Museu do Quai Branly


A mulher-que-caminha-pelos-desertos
(Um conto de Natal)


Durante largos meses perseguiram uma estrela, misteriosa e bela por sobre o grande reino da Pérsia. Nove meses, dizem os antigos testamentos, que é o tempo humano da gestação e tudo isto, convenhamos, não podia ser mais humano ou menos divino. Os Reis Magos perseguiram, de facto, aquela estrela vencendo o calor dos desertos e iludindo os salteadores, por entre as dunas e as sombras da noite. Melchior, o mais velho, austero nas suas longas barbas brancas, segurava com tenacidade um pequeno pote de oiro, receando os assaltos. A seu lado, Baltazar seguia altivo, no rigor negro do seu rosto sob cerradas barbas. Sem nunca esgotar a voz, Baltazar contava histórias da Índia tão longe como adorada. Levava consigo mirra e uma enorme curiosidade. À frente, marcando o destino e decifrando os sinais dos tempos e de todos os perigos, Gaspar era o mais jovem dos três Reis Magos. Levava incenso e aromas perfumados para o menino Jesus.


Mas nem o Evangelho Siro-Árabe da Infância refere uma quarta personagem. Atrás dos Reis Magos uma outra figura assomava e seguia amargurada por entre os rastos e a poeira do deserto. Não sei que nome dar a esta personagem. Seguia silenciosa atrás dos Reis Magos. A mulher-que-caminha-pelos-desertos pode ser o seu nome, à falta de outro. Maria, ou apenas a mulher grávida que seguia atrás dos Reis Magos.


No final da jornada, como rezam as escrituras, o menino Jesus era nascido e os Reis Magos depositaram as suas oferendas. Jesus chorava. José recolheu os presentes. Oiro, incenso e mirra! A mãe de Jesus agradeceu com uma vénia, ao lado de José, enternecida.


Do fundo do estábulo levantou-se, então, uma outra mulher, sem no entanto causar surpresa: a mulher que tinha perseguido os Reis Magos ao longo do deserto. O sangue sobre o linho fazia adivinhar que esta mulher tinha acabado de dar à luz uma criança, ou estava gravemente ferida. ' Por que te demoras ainda aqui? ', ripostou José. ' Não foste tu a escolhida ', concluiu José. Mas um anjo a protegia.


A mulher-que-caminha-pelos-desertos pegou o menino Jesus ao colo, e começou a amamenta-lo do seu peito.


«Meu menino, meu menino», sussurrava.




Conto de Adriano Rosa


Adriano Rosa nasceu em 1948, em Alcoutim, filho de pais-guerrilheiros que se haviam conhecido nas Brigadas Internacionais, durante a Guerra Civil em Espanha. O pai era um comerciante falido oriundo do Sul de Inglaterra, que se estabeleceu em Alcoutim depois da Guerra Civil espanhola (1936-1939). A mãe foi professora primária na sua terra-natal, na parte ocidental de Skiathos (Grécia). Adriano Rosa estudou literatura em Coimbra, tendo concluído estudos de doutoramento, tardiamente, em Salamanca (1999) com a tese intitulada Dom Quixote, Modernidade e Alteridade em Cervantes. Tem colaborado de forma regular, nos últimos anos, com jornais regionais do Sul de Portugal e Espanha: os jornais do Baixo Guadiana (Mértola) e na edição andaluz El Andevalo Sur-Occidental.

Anteriormente participou em 2 colectâneas de pequenos contos (1983 e 1986, respectivamente), editados pela Atlântida (Coimbra). Recebeu um Prémio Literário, atribuído pela Câmara Municipal de Espinho, no ano de 1993. Vive actualmente em Alvalade, Lisboa.



Fig. 02
 
O infohabitar volta na próxima semana para iniciar o seu oitavo ano de edições semanais. Boas Festas e o melhor ano de 2012, com saúde, força e alegria de viver,
são os nossos desejos,
 
o editor do Infohabitar e Pres. da Direcção do Grupo Habitar,
António Baptista Coelho

Sem comentários :