domingo, setembro 13, 2015

O 3.º CIHEL e o futuro do CIHEL, primeiras reflexões, Infohabitar 549


Reunião do Secretariado Permanente do Congresso Internacional Habitação no Espaço Lusófono (CIHEL) - 3.º CIHEL,
11 de setembro de 2015, São Paulo, Brasil

É com grande alegria que aqui se dá um primeiro testemunho da recentíssima conclusão do 3.º Congresso Internacional Habitação no Espaço Lusófono - 3.º CIHEL -, que decorreu em São Paulo, Brasil, entre os dias 8 e 11 de setembro de 2015, com pleno êxito, reunindo mais de 250 investigadores, em torno de mais de 120 comunicações, um conjunto selecionado de conferências, duas manhãs plenamente ocupadas por excelentes visitas técnicas e fins de tarde bem preenchidos por eventos de confraternização.
Ao 3.º CIHEL se regressará em outros artigos mais circunstanciados, dedicados a matérias específicas – como é a prevista localização e natureza da 4.ª edição do CIHEL e a natureza das suas temáticas - e segundo outros testemunhos pessoais, que se consideram essenciais, mas desde já se salienta o excelente modelo organizativo que foi consolidado nesta terceira edição do CIHEL, uma organização que, embora, naturalmente, sempre melhorável, atingiu nesta primeira edição brasileira do Congresso um patamar qualitativo extremamente positivo, que não será fácil ultrapassar em próximas edições do CIHEL.
E desde já também se sublinha que este 3.º CIHEL marcou, decisivamente, a expressiva internacionalização e a marcada utilidade do Congresso, designadamente, como fórum privilegiado da discussão, da reflexão e da geração de sínteses temáticas no âmbito do habitat humano, com destaque para as temáticas deste habitat ligadas aos grupos socioculturais mais carenciados, e no amplo quadro da lusofonia; e estas conclusões foram claras na intervenção do Prof. Khaled Ghoubar, presidente da Comissão Científica do 3.º CIHEL e membro do GHabitar, que concluiu o Congresso eram já 20,00 h do dia 11 de setembro de 2015. 
Como nota inicial complementar regista-se que para quem quiser ter uma noção mais adequada da pequena história do CIHEL bastará consultar o artigo da Infohabitar que antecede este mesmo artigo. 


Fig: reunião do Secretariado Permanente do CIHEL, São Paulo, 11 de setembro de 2015.

O 3.º CIHEL foi organizado de forma conjunta, estruturado em pormenor e financiado pelas Faculdades de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP) e da Universidade Presbiteriana Mackenzie (FAU Mackenzie) e pelo Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (IAU USP), com o apoio do Laboratório de Habitação e Assentamento Humanos (LabHab-FAUUSP); e contando com os apoios essenciais da FAPESP, da CAPES, do CNPq e da  Mack Pesquisa, mais todo um outro conjunto de apoios específicos, que constam do site do Congresso.
Em Portugal o 3.º CIHEL teve apoios gerais: do Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura (DECA) da Universidade da Beira Interior (UBI) e dos seu Centro de Investigação em Arquitetura, Reabilitação, Cidade, Habitat e Edificação (CIARCHE, em formação), do Centro de Administração e Políticas Públicas  do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (CAPP-ISCSP), do Centro de Investigação em Arquitectura Urbanismo e Design / Faculdade de Arquitectura (CIAUD-FA) da Universidade de Lisboa, do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), do GHabitar APPQH, do Comitê Português de Coordenação da Habitação Social (CECODHAS) e do Secretariado Permanente do CIHEL.
Na estrutura organizativa do 3.º CIHEL sublinha-se o trabalho e a dedicação das suas três coordenadoras: Prof. Dra. Camila D’Ottaviano – da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU USP); Prof. Dra. Denise Antonucci  – da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie (FAU Mackenzie); Prof. Dra. Lúcia Zanin Shimbo –  do Instituto de Arquitetura e Urbanismo (IAU USP); e aqui se regista o excelente e intenso trabalho destas colegas e do Presidente da Comissão Científica do Congresso já acima referido.
O 3.º CIHEL desenvolveu uma abordagem ampla e multifacetada da temática HABITAÇÃO: Urbanismo, Cultura e Ecologia dos Lugares, no momento em que se desenvolvem planos para produção habitacional em larga escala e para a reurbanização de extensas áreas em vários dos países da lusofonia, tendo presente a influência da construção/reabilitação habitacional e do crescimento urbano. Paralelamente, começam a se consolidar novas formas de intervenção urbanística em assentamentos precários, resultado da vontade social e política da aplicação de novos instrumentos urbanísticos. As principais temáticas do 3.º CIHEL foram as seguintes: (i) Programas e Políticas Públicas em Habitação; (ii) Projetos Habitacionais; (iii) Informalidade e Precariedade do Habitat; (iv) Tecnologia e Custos; (v) Habitat, Paisagem e Ambiente.
Salienta-se, ainda que estas temáticas foram desmultiplicadas em 25 subtemáticas, que asseguraram uma interessante e diversificada matéria de discussão, estrategicamente estruturada, considerando-se que esta grelha temática será devidamente comentada em próximos artigos sobre o CIHEL, e poderá corresponder a uma provável, desejável e progressiva estabilização de um quadro de matérias a aplicar em próximos congressos; estabilização esta muito útil em termos de exploração aprofundada e adequada divulgação dos resultados da sequência dos CIHEL.
No âmbito da Reunião do Secretariado Permanente do CIHEL, que sempre se reúne no final do Congresso, foi ainda decidido desenvolver e aprofundar as matérias e as atividades consideradas como importantes no âmbito da dinâmica do CIHEL, discutidos nos seus três primeiros congressos, em Lisboa e São Paulo, e constantes das respetivas Atas, bem como outras temáticas igualmente apontadas nos documentos de apresentação e fundamentação do CIHEL.


Fig: reunião do Secretariado Permanente do CIHEL, São Paulo, 11 de setembro de 2015.

Ainda no âmbito da referida Reunião ficou registado o interesse do aprofundamento do funcionamento do CIHEL em termos de fórum sociotécnico e científico transnacional e falado em português, fórum este que tem base no trabalho do Grupo Habitar, hoje GHabitar, e cuja atividade se deve dirigir para a construção e manutenção de laços duráveis de cooperação na respetiva grande área temática, seja pela realização nos diversos países da CPLP dos próximos congressos, seja pelo desenvolvimento continuado e diversificado de outras atividades com utilidade socioeconómica e cultural; recomenda-se ainda a expressiva dinamização de alianças organizativas e institucionais entre as entidades já participantes no CIHEL e considerando a deseja integração de novas entidades na nossa dinâmica organizativa.
As formas a adotar no aprofundamento das matérias e das atividades consideradas como importantes no âmbito da dinâmica do CIHEL irão passar, quer pela dinamização de um diálogo contínuo e bem estruturado entre os membros do Secretariado do CIHEL (via redes sociais), quer por iniciativas editoriais diversificadas, quer pela desejável realização de eventos intermediários aos Congressos e com um perfil temático e organizativo específico; e sobre estas matérias há já propostas concretas a desenvolver e que em breve serão devidamente divulgadas.
Pretende-se que o 3.º CIHEL contribua para as matérias a tratar no Habitat III - Outubro de 2016, Quito -, e que, depois, estas temáticas sejam devidamente tratadas e aprofundadas, novamente em português e no âmbito do espaço lusófono, no 4.ª CIHEL, cuja localização está, desde já, prevista para ter lugar em Março de 2017, em Portugal, na Universidade da Beira Interior (UBI), na Covilhã, Portugal; havendo já o apoio claro da Reitoria da UBI a este evento, a desenrolar com organização da UBI e especificamente da Área de Arquitetura desta Universidade e do seu centro de Investigação (CIARCHE), atualmente em fase de formação. Ainda no que se refere ao desenvolvimento do 4.º CIHEL assiste-se, desde já, ao desenvolvimento e expressivo enriquecimento do seu potencial programa, numa perspetiva que passa pela parceria entre importantes entidades, designadamente municipais, que já se revelaram o interesse de participarem ativamente no 4.º CIHEL, com o objetivo de esta nova iniciativa se poder, eventualmente, estender por toda uma semana com atividades variadas – visitas, conferências com ampla divulgação e parte académica; e aqui fica a promessa de que logo que tal esteja clarificado se iniciar a devida divulgação aqui na Infohabitar (e afinal a preparação do 4.º CIHEL tem de ser iniciada cerca de janeiro de 2016, portanto quase já “amanhã”).
Finalmente, desde já se regista que, oportunamente, serão divulgadas conclusões pormenorizadas do Secretariado do CIHEL, reunido em São Paulo, na histórica FAU-Maranhão, na manhã de 11 de setembro de 2015.
Falta referir que o CIHEL e as suas variadas iniciativas serão aquilo que os seus participantes individuais e institucionais quiserem que ele seja, destacando-se a expressiva qualidade de muitas pessoas/entidades a ele já associadas e que estamos totalmente abertos a novas e estimulantes parcerias, pois sem dúvida que sabemos que podemos ter expressiva utilidade no apoio ao adequado desenvolvimento das matérias do habitat humano nos amplos territórios da lusofonia.
Lisboa/Encarnação e UBI/Covilhã, 13 de setembro de 2015
António Baptista Coelho
Coordenação do Secretariado Permanente do CIHEL e editor da Infohabitar
00351 914631004

Nota: as imagens são de Khaled Ghoubar e referem-se à Reunião do Secretariado do CIHEL de 11 de setembro de 2015 na FAU Maranhão, São Paulo, Brasil (por isso o colega Prof. Khaled Ghoubar não surge nas imagens).

Sem comentários :