domingo, setembro 19, 2010

Apresentação do 1.º CIHEL - Infohabitar 312

Infohabitar, Ano VI, n.º 312

Estamos já na véspera do 1.º Congresso Habitação no Espaço Lusófono, o 1.º CIHEL, que decorrerá entre 22 e 24 de Setembro próximos, no Grande Auditório do ISCTE-IUL, em Lisboa, por isso voltamos a divulgar a sua matéria e o seu programa.



Fig. 01: o cartaz do 1.º CIHEL, com o seu logótipo realizado no âmbito do Curso de design Gráfico da Escola Secundária de Sacavém

Fazem-se, em seguida, umas brevíssimas reflexões sobre a importância da temática deste congresso e sobre a sua razão de ser e evidente potencial de continuidade.

Em primeiro lugar, sublinha-se que as matérias que deram origem ao 1.º CIHEL foram exactamente as mesmas que motivaram a criação do Grupo Habitar, que nasceu em 2001, devido à vontade de muitas pessoas com diversas formações e práticas profissionais, discutirem e divulgarem matérias da habitação, do urbanismo e da qualidade de vida, abordando alguns dos principais problemas e dos aspectos qualitativos que caracterizam as nossas habitações, os nossos bairros e as nossas cidades, e foi isso que fizemos, desde então, em mais de 50 eventos técnicos e na nossa revista semanal na www, o Infohabitar, onde já editámos mais de 300 artigos.
Passando agora, especificamente, à temática do 1.º CIHEL gostaria de sublinhar que já é tempo de se considerar que, por regra, o direito à habitação não é cumprido num qualquer alojamento mínimo, concretizado, por exemplo, num apartamento de um edifício sem qualidade arquitectónica e situado numa zona sem espaços públicos e vida urbana; porque o verdadeiro direito à habitação só é cumprido, em termos de um espaço habitacional verdadeiramente adequado, em termos quantitativos e qualitativos, considerando que, tanto se habita com agrado o espaço doméstico, como a vizinhança, o espaço público e a própria cidade. E não tenhamos dúvidas de que só assim se garante que não surgirão mais “bairros críticos” ou, julgo que melhor definidos, socialmente sensíveis.

Esta consideração, sobre o tema de um habitar que deve ser proporcionado numa perspectiva quantitativa e qualitativa muito cuidadosa, assume especial pertinência numa altura em que se desenvolvem planos para enormes números de habitações em vários dos países da lusofonia, e nesta ocasião julga-se que até proporcionar algo tão simples e eventualmente tão oportuno, como a divulgação, numa mesma língua comum, do que foram os maus exemplos de habitar e de habitação de interesse social e, preferencialmente, das características das boas ideias e experiências de habitação, vizinhança e cidade, são aspectos que podem ajudar, de forma determinante, a escolher bons caminhos em termos de um habitar mais adequado às pessoas, aos modos de vida específicos e ao fazer de povoações mais humanas, e e a evitar as más soluções, o que sem dúvida poderá significar uma vida melhor para muitas famílias e uma enorme poupança para o investimento público.

Será assim importante alargar o debate sobre a habitação e o habitar, em sentido amplo, a outras realidades sociais fisicamente distantes e marcadas por problemas distintos e específicos, mas realidades relativamente às quais temos uma sensibilidade especial, não só em termos de uma língua e cultura comuns, mas também em termos afectivos e culturais.

E considera-se que a referida diversidade de problemas e contextos, que é muito marcante nas diversas regiões, bem distintas, que caracterizam o interior de grandes países como Angola, Brasil e Moçambique, mas também, por exemplo, nas diversas ilhas de Cabo Verde, não será um obstáculo significativo numa sociedade cada vez mais mundial, multicultural e instantaneamente servida por redes de informação; usemos, então, estas redes e, especialmente, esta nossa língua e cultura comuns, num sentido sistemático e positivo disseminando as acções de referência nestas matérias do melhor habitar para o maior número e do retomar do problema da habitação num século em que habitação e cidade têm de aprender a conviver de forma mutuamente favorável e mesmo necessariamente estimulante, numa aprendizagem que é inovadora, porque o homem tem quase 10.000 anos de pequenas cidades e talvez apenas pouco mais de 50 anos de megacidades, mas uma aprendizagem que pode e tem de trazer suplementos económicos, culturais e conviviais aos velhos e novos citadinos; pois afinal e tal como disse um poeta: "Chegarás sempre a esta cidade; Não esperes outra ..."


António Baptista Coelho - da Direcção do 1.º CIHEL


Fig 02: o cartaz da Conferência do Arqt. João Filgueiras Lima (LELÉ), a realizar na abertura do 1.º CIHEL.

Em seguida edita-se o programa do 1.º CIHEL
Presidente do Congresso: Arq.ª Helena Roseta, Vereadora da Habitação da Câmara Municipal de Lisboa
Comissão de Honra: Dr. António Costa, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa; Dr. Domingos Simões Pereira, secretário-executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP); Arq. João Rodeia, Presidente da Ordem dos Arquitectos; Eng.º Carlos Matias Ramos, Bastonário da Ordem dos Engenheiros; Prof. Luís Reto, Presidente do ISCTE-IUL; Presidente do Conselho Directivo do IHRU, Dr. António José Mendes Baptista; Presidente do Conselho Directivo do LNEC, Eng.º Carlos Pina; Presidente do CIALP, Arq.º António Gameiro.
Direcção: António Baptista Coelho - Grupo Habitar - GH e NAU/LNEC; Paulo Tormenta Pinto - ISCTE-IUL e CIAAM
Comissão Científica: Prof. Arq.º António Reis Cabrita (coord.) - GH e LNEC ap.; Prof.ª Arq.ª Ana Vaz Milheiro - ISCTE-IUL e CIAAM; Eng.º Defensor de Castro - GH e CidadeGaia – SRU; Prof. Arq.º José António Bandeirinha - UC e CES; Investigador Coordenador, Eng.º José Vasconcelos Paiva - GH e LNEC ap.; Prof. Arq.º Manuel Correia Fernandes - GH e FAUP; Prof. Arq.º Manuel Correia Guedes - DECA/IST; Prof.ª Arq.ª Sheila Walbe Ornstein - FAU/USP.
Comissão Organizadora: Teresa Madeira da Silva - ISCTE-IUL, CIAAM; Vasco Moreira Rato - ISCTE-IUL, CIAAM; .

Fig. 03: Imagens do edifício e do auditório onde se realizará o 1.º CIHEL,
A autoria das imagens é de João Morgado e elas foram retiradas do respectivo site, http://www.photo.joaomorgado.com/portfolio/isctecomplex/

DIA 22 – ABERTURA DO CONGRESSO

14.30h/16.30h – Inscrições e entrega de documentação, balcão da entrada (Edifício II)
16.30h/18h – Grande Auditório: Sessão de Boas Vindas e apresentação do Congresso: Prof. Doutor Luís Reto (Reitor do ISCTE-IUL); Arquitecto Vasco Moreira Rato (Presidente do DAU do ISCTE-IUL); Arquitecto António Baptista Coelho (Presidente do Grupo Habitar e Ch. NAU do LNEC).
Sessão de Abertura - por membros da Comissão de Honra (a definir)
Abertura formal do Congresso – Arquitecta Helena Roseta (Veradora da Habitação da Câmara Municipal de Lisboa, Presidente do 1.º CIHEL)
18h/19h – Grande Auditório
Palestra Magistral proferida pelo Arqt. João Filgueiras Lima (LELÉ)
Apresentação: Prof. Doutor Arq.º Paulo Tormenta Pinto (Presidente do CIAAM)

19/20h – cocktail
DIA 23 – TEMAS A e B
9h/9.30h – Inscrições e entrega de documentação, balcão da entrada (Edifício II)
Sessão/tema A – Políticas e programas – considerando situações de escala relativamente reduzida e a importância da reabilitação.

9.30h/11h – Grande Auditório
Mesa: Presidente, a convidar; Moderador, membro da Comissão Científica.
Conferência de Abertura do tema A – Políticas e programas: Arquitecto António Gameiro, “O actual desenvolvimento urbano e habitacional em Angola”.

Comunicações:
Margareth Matiko Uemura e Lizete Maria de Rubano - “Política Urbana e Habitacional e Gestão da Cidade “.
João Pedro e José Jorge Boueri – “Exigências de espaço aplicáveis à construção de habitação de interesse social: comparação entre Portugal e Município de São Paulo”.

11h/11.30h – Intervalo
Maria Tavares - “Habitações Económicas - Federação das Caixas de Previdência: uma Perspectiva Estratégica [nos anos 50 e 60 em Portugal]“.
Marluci Menezes e Álvaro Pereira – “O Problema Social da Habitação: Princípios para um Programa de Investigação-Acção”.

12.30h/13.00h – Debate
13.00h/14.30h – Almoço (livre)
Sessão/tema B – Infra-estruturas e equipamentos – considerando perfis de habitabilidade, papel do espaço público e serviços urbanos e sociais.
14.30h/16h – Grande Auditório
Mesa: Presidente, a convidar; Moderador, membro da Comissão Científica.
Conferência de Abertura do tema B – Infra-estruturas e equipamentos: Arquitecto Anselmo Cani, sobre “A problemática habitacional em Moçambique”.

Comunicações:
Lizete Maria Rubano, Luiz António Recamán Barros e Lucas Fehr – “Uma Ação na Cidade: Urbanização em Áreas Urbanas Críticas”. David Manuel Leite Santos Viana – “A Habitação low-cost [in]formal entre a Infra-Estrutura e a Super-Estrutura”.
16h/16.30h – Intervalo
Nirce S. Medvedovski, Lígia Chiarelli, Sara Roester e Mateus Coswing - “Inserção urbana e terciarização da gestão nos projectos de empreendimento PAR”. Izabela Naves Coelho Teobaldo – “A Morfologia Urbana como Instrumento de Análise do Espaço Construído e Vivenciado”. Dina de Paoli – “O Desenho Urbano na Visão dos Moradores de Conjuntos Habitacionais de Interesse Social: Projeto INOVAHABIS e o Relatório ‘Sense of Place’”.
17.30h/18.00h – Debate

DIA 24 – TEMAS C e D

Sessão/tema C – Soluções habitacionais e modos de vida – considerando velhas e novas formas de habitar, desejos e necessidades. 9h/11h – Grande Auditório
Mesa: Presidente, a convidar; Moderador, membro da Comissão Científica.
Conferência de Abertura do tema c - Arquitecto Estanislau da Silva Ferreira “A problemática da habitação sob o ponto de vista social na Guiné-Bissau”.
Comunicações:
Marta Cruz – “Configurações Espaciais e Familiares na Habitação Unifamiliar Contemporânea. O Caso da Cooperativa de Habitação Económica O Lar do Trabalhador”. Mário Márcio Santos Queiroz e Tatiana Leal Andrade – “A Participação Acadêmica na Formulação de Proposta de Requalificação Técnica de Áreas Urbanas e Edificações em Comunidades Subnormais, com Prerrogativas da Lei Federal Nº 11.888/08″.
Walter José Ferreira Galvão e Sheila Walbe Ornstein - “Edifícios de Apartamentos da Década de 50 no Centro da Cidade de São Paulo, Brasil. Perspectivas de Adequação aos Modos de Vida Contemporânea”.

11h/11.30h – Intervalo

Paula Petiz – “Sobre a “Noção” de Espaço Intermédio em Contexto de Realojamento – Algumas Reflexões. Conjunto Habitacional de Monte Espinho”. Simone Barbosa Villa – “A APO como Elemento Norteador de Práticas de Projeto de HIS. O Caso do Projeto (Mora)”.

12.30h/13.00h – Debate
13.30h/14.30h – Almoço
Sessão/tema D – Materiais e tecnologias – considerando aspectos de escassez de recursos e ligados às diversas facetas da sustentabilidade.
14.30h/16h – Grande Auditório
Mesa: Presidente, a convidar; Moderador, membro da Comissão Científica.
Conferência de Abertura do tema d – Arquitecto José Dias, “Pensar a habitação a partir da experiência de habitação social em Macau”.
Comunicações:
Ricardo Caetano de Freitas - “Tectónica e técnica em projecto e construção do habitar” Ilídio Daio - "A “Célula Urbana” - Estratégia de Urbanização dos Bairros Informais nas Metrópoles Africanas: Luanda-Angola".
16h/16.30h – Intervalo
Rachel Falcão Costa – “Projecto HABITA VIDA: a Aliança entre o RESGATE DE Técnicas Construtivas Tradicionais, a Utilização de Recursos Disponíveis e Tecnologia Social Específica como um dos Caminhos possíveis para a Melhoria da Qualidade da Habitação Popular e do Espaço Quotidiano”.
Vasco Granadeiro, Deborah Benrós, José Pinto Duarte e Terry Knight - "Integrated Design and Building System for the Provision of Customized Housing: the Case of Post-Earthquake Haiti ".
Maria Fernanda da Silva Rodrigues, José Cardoso Teixeira e José Claudino Cardoso - “Estado de Conservação de Edifícios de Habitação a Custos Controlados”.

17.30h/18.00h – Debate
Sessão de encerramento do Congresso 18.00h/19.00h – Grande Auditório
Mesa: Presidente, a convidar; Moderador, membro da Comissão Científica.
Palavras finais – Arquitecto António Reis Cabrita, Presidente da Comissão Científica do 1.º CIHEL.



Fig. 04: como chegar ao ISCTE-IUL

Para informações e inscrição no 1.º CIHEL basta aceder ao site: http://cihel01.wordpress.com/datas-para-lembrar/

Informações complementares serão prestadas no Secretariado do 1.º CIHEL : Departamento de Arquitectura e Urbanismo ISCTE – IUL, Ala Autónoma, Sala 335, Avenida das Forças Armadas, 1649-026 Lisboa, tel. (+351) 21 7903060, extensão interna – 713351, sendo de privilegiar o contacto para o mail geral: cihel01@gmail.com ou para o secretariado do DAU do ISCTE ao cuidado de Alice Espada: alice.espada@iscte.pt

Informações sobre o Departamento de Arquitectura e Urbanismo do ISCTE-IUL e imagens do local de realização do 1.º CIHEL estão disponíveis em http://dau.iscte.pt/ ; a forma de chegar ao 1.º CIHEL está em http://iscte.pt/localizacao.jsp

Outros contactos relativos ao 1.º CIHEL serão possíveis com os organizadores do Congresso e designadamente com: Prof. Doutor Arqº. Vasco Moreira Rato, Presidente do Departamento de Arquitectura e Urbanismo ISCTE/IUL, vasco.rato@iscte.pt ; Prof. Doutor Arqº. Paulo Tormenta Pinto, paulo.tormenta@iscte.pt ; Doutor Arqº. Investigador do LNEC António Baptista Coelho abc@lnec.pt – aconselhando-se o contacto múltiplo para os três mails referidos.


Fig. 05: as entidas organizadoras

Advertência ao leitor
Nota da edição: embora os artigos editados na revista Infohabitar sejam previamente avaliados e editorialmente trabalhados pela edição da revista, eles respeitam, ao máximo, o aspecto formal e o conteúdo que são propostos, inicialmente pelos respectivos autores, sublinhando-se que as matérias editadas se referem, apenas, aos pontos de vista, perspectivas e mesmo opiniões específicas dos respectivos autores sobre essas temáticas, não correspondendo a qualquer tomada de posição da edição da revista sobre esses assuntos.

Infohabitar, Ano VI, n.º 312
Infohabitar a Revista do Grupo Habitar
Editor: António Baptista Coelho
Edição de José Baptista Coelho
Lisboa, Encarnação - Olivais Norte, 19 de Setembro de 2010


Sem comentários :