domingo, maio 01, 2016

O espaço doméstico do quarto: introdução - Infohabitar n.º 580




Na imagem: parte da Universidade da Beira Interior (UBI), na Covilhã, que no dia 30 de abril de 2016 comemorou o seu 30.º aniversário
Infohabitar, Ano XII, n.º 580

O espaço doméstico do quarto: introdução - Infohabitar n.º 580

António Baptista Coelho
Artigo XCVII da Série habitar e viver melhor

Os quartos domésticos

Tal como se referiu, anteriormente, nas próximas semanas, aqui nesta série editorial, viajaremos, mais um pouco, pelos espaços domésticos privativos e pessoais, portanto aqueles mais amigos de um uso individual, ou ligado ao casal, e onde, também não há que excluir os outros, mas sim acolhê-los marcando, aqui, ainda mais fortemente, aspectos de identidade e de abrigo.
Neste sentido iremos abordar em vários artigos, diversos aspetos de conceção ligados aos espaços domésticos dos “quartos”, considerados como sítios não apenas para dormir, mas também como importantes espaços de apropriação, intimidade, sossego e manifestação da individualidade de cada um de nós.
Tal como aqui já se referiu, o quarto pode ser o quarto de dormir clássico, praticamente estruturado pelo espaço/cama, sem grandes ambientes/actividades complementares ou paralelas, ou pode constituir um conjunto de zonas de actividade entre as quais as associadas ao espaço/cama terão algumas preponderâncias, mas proporcionando pequenas áreas de lazer, estar e trabalho; e neste sentido o quarto “dilata-se”, em termos formais e funcionais, podendo assumir-se como verdadeira pequena habitação privada – desde que complementado com alguns outros serviços/equipamentos.
Durante anos e ainda hoje, muita da promoção habitacional "comercial", propôs uma “zona íntima” doméstica, onde se agregavam muitas vezes com carácter quase segregado do resto da habitação, todos os quartos da habitação, um sítio quase isolado, onde afinal acabava por se desenvolver uma espécie de desprivatização ou proximidade excessiva, muitas vezes associada a um exíguo corredor ou vestíbulo interior para o qual dão todos os quartos e as principais casas de banho; no entanto, aqui se sublinha, desde já, que uma tal opção é apenas uma das que são possíveis, não devendo ser tomada/seguida de forma exclusiva, caso contrário o capital de adaptabilidade da respetiva habitação ficará fortemente prejudicado.´



Quartos multifuncionais

O quarto pode ser o quarto de dormir clássico, praticamente estruturado pelo espaço/cama, sem grandes ambientes/actividades complementares ou paralelas, ou pode constituir um conjunto de zonas de actividade entre as quais as associadas ao espaço/cama terão alguma preponderância, mas proporcionando pequenas áreas de lazer, estar e trabalho.
O espaço disponível no quarto é, frequentemente, determinante nesses desenvolvimentos funcionais e a situação e acessibilidade. do quarto, na habitação também o é.
Hoje em dia as actividades de lazer, associadas à televisão, serão aquelas mais frequentemente consideradas, no entanto, considerar o quarto, "privado", numa perspectiva que tenha alguma identidade com uma solução do tipo “quarto de hotel” amplo adequadamente estruturado em diversas pequenas zonas de actividade, será uma perspectiva muito interessante, pois permitirá que cada pessoa ou cada casal possa garantir um pequeno mundo doméstico muito especialmente privado e apropriado, dentro de um mundo doméstico mais amplo e também privatizado.
Fig. 01: um pequeno quarto e zona de trabalho privativa, no qual fica evidente uma certa secundarização da zona de dormir relativamente à zona de trabalho (uma das múltiplas opções possíveis) – habitação integrada no conjunto urbano "Bo01 City of Tomorrow", desenvolvido no âmbito da exposição que teve lugar em Malmö em 2001 (ver nota final) - Arquitetura: Gert Wingardh, Monica Riton.

Várias zonas nos quartos

Nesta perspectiva, sendo possível a criação, num dado quarto doméstico, de variadas sub-zonas de lazer/estar, trabalho eventual e pontual, dormir/repousar, e vestir/arranjar-se, então o pequeno mundo doméstico privado assumirá, realmente, uma força e uma identidade estimulantes, as quais serão reforçadas pela aliança com uma casa de banho privada ou com uso privatizável, e com a associação de um espaço exterior privativo e/ou de um "lugar janela" onde seja possível fruir o exterior, em termos de conforto ambiental (temperatura, radiação solar, vistas) em agradáveis condições de privacidade.
É importante sublinhar que estes aspectos não exigem espaços amplos, são facilitados e ganham uma riqueza especial com tais espaços, mas é possível desenvolver pequenas "suites" multifuncionais, através de um pormenorizado e bem qualificado projecto de Arquitectura.
Neste sentido, importa considerar que, hoje em dia, numa sociedade marcada pela pressa e em habitações tendencialmente muito viradas para o desenvolvimento das suas áreas mais sociais e, frequentemente, demasiado hierarquizadas ou funcionalmente unívocas, a cuidadosa disponibilização de pequenas suites bem pormenorizadas e ambiental e funcionalmente cativantes pode corresponder a uma fruição da habitação rica e multifacetada, até porque teremos sempre mais vontade de conviver se tivermos naturais e adequadas condições para gozar uma privacidade maximizada e uma forte expressão da nossa identidade, através de variados aspectos de apropriação espacial - seja em termos de variadas organizações e tipos de mobiliário, seja pelo rechear as "nossas" paredes com panos, imagens e objectos.

A zona íntima doméstica

Durante anos e ainda hoje, muita da promoção habitacional "comercial", propôs uma “zona íntima” doméstica, onde se agregavam, muitas vezes com carácter quase segregado do resto da habitação, todos os quartos da habitação, um sítio quase isolado, onde afinal acabava por se desenvolver uma espécie de desprivatização ou proximidade excessiva, muitas vezes associada a um exíguo corredor ou vestíbulo interior para o qual davam todos os quartos e as principais casas de banho.
O que acontece nesta situação de excesso de hierarquização/gradação de privacidade é que esta zona íntima poderá funcionar bem desde que haja espaço suficiente para aumentar a sua privacidade própria, aumentando-se as distâncias entre os seus quartos e casas de banho, mas quando não há tal espaço, quando esses corredores e vestíbulos são exíguos e sem luz natural - condição que agrava psicologicamente essa exiguidade -, então mais vale abrir essa zona diversificadamente sobre o resto da habitação, havendo o cuidado de se evitarem relações visuais directas e intrusivas das diversas privacidades; condição/situação esta que terá de ser cumprida em promoções com áreas controladas e que é atenuada com a utilização de dois pisos habitacionais e de um vestíbulo íntimo razoavelmente espaçoso e, sempre que possível, recebendo luz natural.
Um aspecto associado a essa matéria do fazer ou não uma “zona íntima” é a existência de quartos, ou pelo menos um quarto, fora da zona de quartos e com características de certa autonomia em relação à entrada do fogo.
Se existir um quarto “autonomizado” deste tipo, aceita-se melhor a “zona íntima”, mas ela será sempre discutível em habitações com um ou dois quartos, pois aqui ela produz uma excessiva hierarquização e compartimentação do interior doméstico, tornando-o rígido, pouco adaptável e excessivamente marcado por separações.
Mas tudo isto terá outra leitura com espaços domésticos amplos, os quais são eles próprios factores de descompressão e adaptabilidade.

Habitação sem zona íntima

Naturalmente que uma situação oposta de total abertura dos quartos, directamente, sobre as zonas mais sociais da habitação, apenas será adequada quando objectivamente desejada pelos habitantes e/ou ligada a tradições habitacionais específicas.
Estas tradições de franca relação entre espaços encontram na cabana rústica uma base directa, pois nesta as alcovas (camas/quartos) dispunham-se,  frequentemente, em torno de um espaço mais "social", também, frequentemente, marcado por uma mesa central de refeições e reunião - as disposições tradicionais de quartos em torno de uma zona de jantar/estar por onde também se faz o principal acesso à casa encontrarão, provavelmente, nessa solução a sua base original e estruturadora; mas cuidado com as más soluções deste tipo (deprivatizadas e claramente conviviais) realizadas com “pouca Arquitetura”, pois estamos aqui a abordar ideias muito mais difíceis de concretizar com qualidade, do que a simples hierarquização de privacidades através das já famosas “zonas íntimas”.
Optar, hoje em dia, por este tipo de cuidada "desprivatização" ou "des-hierarquização" dos quartos na habitação poderá ser uma opção dos habitantes, interessante, sem dúvida, mas que terá de ser cuidadosamente tratada, tendo evidentes vantagens em termos de ausência de espaços "apenas" de circulação, e que depende de a relação dos quartos se fazer com uma zona usada com reduzida intensidade e, mais especificamente, segundo um dado horário, como acontece com as zonas de refeições. 
Nota final: nas próximas semanas abordaremos outras matérias associadas aos quartos domésticos.

·  Nota importante sobre as imagens que ilustram o artigo:
As imagens que acompanham este artigo e que irão, também, acompanhar outros artigos desta mesma série editorial foram recolhidas pelo autor do artigo na visita que realizou à exposição habitacional "Bo01 City of Tomorrow", que teve lugar em Malmö em 2001.
Aproveita-se para lembrar o grande interesse desta exposição e para registar que a Bo01 foi organizada pelo “organismo de exposições habitacionais sueco” (Svensk Bostadsmässa), que integra o Conselho Nacional de Planeamento e Construção Habitacional (SABO), a Associação Sueca das Companhias Municipais de Habitação, a Associação Sueca das Autoridades Locais e quinze municípios suecos; salienta-se ainda que a Bo01 teve apoio financeiro da Comissão Europeia, designadamente, no que se refere ao desenvolvimento de soluções urbanas sustentáveis no campo da eficácia energética, bem como apoios técnicos por parte do da Administração Nacional Sueca da Energia e do Instituto de Ciência e Tecnologia de Lund.
A Bo01 foi o primeiro desenvolvimento/fase do novo bairro de  Malmö, designado como Västra Hamnen (O Porto Oeste) uma das principais áreas urbanas de desenvolvimento da cidade no futuro.
Mais se refere que, sempre que seja possível, as imagens recolhidas pelo autor do artigo na Bo01 serão referidas aos respetivos projetistas dos edifícios visitados; no entanto, o elevado número de imagens de interiores domésticos então recolhidas dificulta a identificação dos respetivos projetistas de Arquitetura, não havendo informação adequada sobre os respetivos designers de equipamento (mobiliário) e eventuais projetistas de arquitetura de interiores; situação pela qual se apresentam as devidas desculpas aos respetivos projetistas e designers, tendo-se em conta, quer as frequentes ausências de referências - que serão, infelizmente, regra em relação aos referidos designers -, quer os eventuais lapsos ou ausência de referências aos respetivos projetistas de arquitetura.
·  Notas editoriais:
(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.
(ii) De acordo com o mesmo sentido, de se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.
(iii) Para proporcionar a edição de imagens na Infohabitar, elas são obrigatoriamente depositadas num programa de imagens, sendo usado o Photobucket; onde devido ao grande número de imagens se torna muito difícil registar as respectivas autorias. Desta forma refere-se que, caso haja interesse no uso dessas imagens se consultem os artigos da Infohabitar onde, sistematicamente, as autorias das imagens são devidamente registadas e salientadas. Sublinha-se, portanto, que os vários albuns do Photobucket que são geridos pelo editor da Infohabitar constituem bancos de dados da Infohabitar, sendo essas imagens de diversas autorias, apontadas nos artigos da Infohabitar, pelo que deve haver todo o cuidado no seu uso; havendo dúvidas um contacto com o editor será sempre esclarecedor.

Infohabitar, Ano XII, n.º 580
Artigo XCVII da Série habitar e viver melhor

O espaço doméstico do quarto: introdução - Infohabitar n.º 580

Editor: António Baptista Coelho – abc@ubi.pt, abc@lnec.pt e abc.infohabitar@gmail.com
GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional, Mestrado Integrado em Arquitectura da Universidade da Beira Interior - MIAUBI
Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.



Sem comentários :