segunda-feira, setembro 23, 2013

Qualidade Ambiental na Habitação: Avaliação pós-ocupação – novo livro - Infohabitar 454


Infohabitar, Ano IX, n.º 454


O dia em que um novo livro sobre as matérias habitacionais é editado será sempre especial, e quando o livro em questão associa um grupo muito amplo de especialistas do habitar, será então, sempre, um dia muito muito especial aqui na Infohabitar.

O novo livro tem o título "Qualidade Ambiental na Habitação: Avaliação pós-ocupação” e as suas organizadoras são as colegas Simone Barbosa Villa e Sheila Walbe Ornstein; sendo a editora a Oficina de Textos, de São Paulo; e desde já às organizadoras e à editora os parabéns da Infohabitar, por um livro em que se aliam um importante e extenso conteúdo a uma excelente imagem gráfica. 

Gostaria, também, de sublinhar que a temática global deste novo livro, a "Qualidade Ambiental na Habitação", e a sua temática mais específica, "Avaliação pós-ocupação”, são assuntos cada vez mais na ordem do dia, considerando adequados e portanto amplos aspetos qualitativos, níveis físicos de aplicação – da habitação interiorizada à vizinhança e cidade habitadas –, especializações técnicas envolvidas e, designadamente, metodologias de análise e avaliação dessa qualidade – com destaque para a referida Avaliação pós-ocupação (APO), que foram sendo gradualmente estabilizadas, experimentadas e validadas ao longo de muitos anos e que, portanto, se encontram já eficazmente desenvolvidas e disponíveis nos países da lusofonia e um pouco por todo o mundo (tal como é sintetizado, mais abaixo, na apresentação do livro); e nesta matéria há que dar o devido destaque ao importante papel que foi desempenhado, neste processo, pelas organizadoras deste novo livro, as colegas Sheila Ornstein e Simone Villa, um papel que tem nesta edição um marco muito importante nos fundamentais caminhos de divulgação e formação nestas matérias; e por isso bem hajam no vosso trabalho, que, sem dúvida, irá continuar com êxito reforçado.

E realmente a temática deste novo livro é assunto urgente e fundamental: (i) seja pelas necessidades quantitativas do habitar ainda a disponibilizar, em tantas regiões; (ii) seja por estarmos a viver o século das cidades e das megacidades, sendo vital sabermos lidar, positivamente, com tal realidade; (iii) seja pelo fundamental aprofundamento das necessidades qualitativas do mesmo habitar (tão importantes como as quantitativas); (iv) seja ainda pelos reflexos - que cada vez mais estão a ser provados e considerados, pela sociedade - da satisfação de todas essas necessidades na saúde e no bem-estar dos habitantes e, dá vontade de dizê-lo, na própria "saúde" e bem-viver das nossas cidades e vizinhanças.

Neste sentido desenvolve-se, neste número da Infohabitar, uma apresentação pormenorizada no novo livro: primeiro com um texto que foi propositadamente realizado, com este objetivo, pelas organizadoras da nova obra; e, depois, com uma descrição do livro, de diversas formas e com destaque para os respetivos conteúdos.

Lisboa, LNEC, GH e NUT, 23 de SETEMBRO de 2013

António Baptista Coelho
Editor da Infohabitar


Capa do novo livro: "Qualidade Ambiental na Habitação: Avaliação pós-ocupação”

APRESENTAÇÃO DE LIVRO
“QUALIDADE AMBIENTAL NA HABITAÇÃO: AVALIAÇÃO PÓS-OCUPAÇÃO”
Simone Barbosa Villa e Sheila Walbe Ornstein (org.)
Editora Oficina de Textos, São Paulo, Brasil, 400p.
ISBN 978 85 7975 076 2

A produção da arquitetura e do urbanismo destinados ao morar claramente focados na relação entre qualidade e satisfação dos moradores usuários se desenvolveu mais fortemente durante a década de 1970, com abordagens propostas por autores internacionais como John Zeisel, Clare Cooper Marcus, Oscar Newman entre outros.  Em um cenário pós II Grande Guerra os anseios da população mundial por moradia de qualidade fomentaram posturas projetuais mais amplas e de caráter interdisciplinar às tradicionais posturas até então consolidadas da arquitetura dos edifícios e elementos urbanos a eles vinculados como composição artística e formal e seus impactos estéticos no desenho das cidades. Tais debates valorizavam além do desempenho físico pleno das habitações, propiciado não só pela estabilidade estrutural, abrigo das intempéries e beleza estética, mas também pelo conforto e o bem estar de seus usuários –moradores.
No Brasil, os estudos sobre as Relações Ambiente Construído – Comportamento Humano ganham consistência acadêmica a partir dos trabalhos de Avaliação Pós-Ocupação (APO) do Ambiente Construído, iniciados em Cursos de Arquitetura e de Engenharia em meados da década de 1980. Neste cenário, reforça-se o conceito de que diretrizes de projetos habitacionais devam ser estabelecidas por um lado, com base em conjunto de critérios de desempenho físico e, por outro, a partir do (re) conhecimento dos aspectos culturais intrínsecos, das expectativas e dos níveis de satisfação dos usuários de empreendimentos habitacionais semelhantes, constituindo-se assim num processos cíclico realimentador. Este olhar, com vistas ao entendimento do desempenho habitacional no decorrer do uso como insumo para diretrizes de futuros projetos semelhantes, são o princípio básico norteador da APO.
Há aproximadamente trinta anos, a APO no Brasil tem sido discutida e estudada em Universidades nas diversas áreas do conhecimento como: ciências sociais aplicadas, humanas e exatas, destacando-se as áreas da arquitetura e do urbanismo, da psicologia ambiental e da engenharia. Inicialmente aplicadas nas modalidades habitacionais, durante estes anos os trabalhos e  as pesquisas sobre APO se estenderam para outras modalidades da arquitetura e do urbanismo como as corporativas, as institucionais, as área de saúde, entre outras.
Grupos de pesquisa e instituições espalhados pelo Brasil – e no exterior - puderam, neste período, concretizar condutas metodológicas, testar técnicas e definir enfoques teóricos e práticos divulgados em congressos, simpósios e encontros específicos. A APO pôde, por meio destas inúmeras e consolidadas pesquisas, se fortalecer e crescer dentro do âmbito nacional com apoio do CNPq, CAPES, FINEP e Fundações de Amparo à Pesquisa. Com isso extrapolaram seus limites institucionais e foram aplicadas no campo prático contribuindo para a melhoria da qualidade de vida da sociedade. Nesse sentido, esta publicação pretende divulgar os trabalhos recentes da área em habitações, demonstrando a validade de sua aplicabilidade nos setores públicos e privados e a potencial contribuição da APO com a definição de diretrizes para o aumento da qualidade de vida urbana.
Amparado nesta evolução, este livro teve como objetivo principal apontar avanços metodológicos para a APO aplicada em habitações e suas possíveis aproximações com o campo prático através de exemplos realizados envolvendo setores públicos, privados e institucionais. Dividido em três partes, inicia-se pela conceituação e desenvolvimento de aspectos metodológicos frequentemente utilizados nas APOs em habitações, posteriormente dedica-se em apresentar seus rebatimentos em aplicações práticas e finalmente apresenta a experiência no campo internacional destas avaliações.
A partir desta estruturação os autores foram elencados por seus reconhecidos e consolidados trabalhos de pesquisa com diferentes enfoques e sua vinculação com a prática. Estes grupos de pesquisadores experimentados sediados de Norte a Sul do país são bons exemplos na Academia dos quais órgãos públicos, projetistas, construtores e profissionais em gestão de facilidades podem se valer para realizar pesquisas e consultorias no campo da avaliação de desempenho em uso de sistemas construtivos tradicionais e inovadores em prol da qualidade destes "produtos" ao longo do processo de projeto execução e vida útil. Enriquece de forma contundente a obra, os capítulos de colegas pesquisadores de Portugal, Reino Unido e Holanda.
Esta obra oferece aos projetistas, construtores, docentes, pesquisadores e estudantes as inúmeras vertentes contemporâneas da APO no país, apresentando alternativas metodológicas para um olhar “além do belo ou do feio” inerente a uma crítica mais formal da arquitetura, pois busca suporte em pesquisas aplicadas com foco concreto no projetar e no construir melhor e com pensamento persistente no usuário final da habitação.

Setembro de 2013.
Simone Barbosa Villa
Arquiteta e Urbanista, professora adjunto da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo e Design da Universidade Federal de Uberlândia (FAUeD/UFU), coordenadora do [MORA]: Pesquisa em Habitação (CNPq/FAUeD/UFU).
Sheila Walbe Ornstein
Arquiteta e urbanista, professora titular da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, atual diretora do Museu Paulista da USP.


Qualidade Ambiental na Habitação
Avaliação pós-ocupação
Apresentação editorial
 
Organizado por Simone Barbosa Villa e Sheila Walbe Ornstein

A indústria de construção brasileira experimenta um momento de intensa atividade, com muitos lançamentos habitacionais destinados a diferentes públicos e faixas de renda. Nesse contexto, mais exigentes e atentos, compradores pressionam por produtos que atendam suas necessidades na qualidade da habitação requisitando do profissional de Arquitetura uma boa preparação para avaliar e projetar sempre pensando no usuário final.
A Qualidade Ambiental na Habitação supre, nas suas 400 páginas, este complexo problema de aferir qualidade da habitação, oferecendo um amplo e profundo conhecimento de métodos e técnicas consistentes e atualizadas de avaliação de desempenho e satisfação dos usuários.

Com rigor acadêmico, utilidade prática, abordagem inovadora e multidisciplinar, esta publicação primorosa organizada pelas professoras Simone Villa e Sheila Ornstein, reúne contribuições valiosas dos principais pesquisadores brasileiros e expoentes internacionais na área da Avaliação Pós-Ocupação (APO).

A obra é dividida em três partes: a primeira aprofunda conceitos e métodos; a segunda traz discussões de diversas aplicações do APO e a terceira e última parte apresenta análises dos autores internacionais de casos de seus países de origem. É leitura fundamental para pesquisadores da área de Arquitetura e referência valiosa para os profissionais projetistas e construtores preocupados com a qualidade de sua produção.

Livro : ”Qualidade Ambiental na Habitação: avaliação pós-ocupação”, organizado por Simone Barbosa Villa e Sheila Walbe Ornstein

Listagem de conteúdos

PARTE 1: Conceituação e aspectos metodológicos

1 - Analisando a experiência do habitar: algumas estratégias metodológicas. Gleixe Azambuja Elali, José Q. Pinheiro – Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
2 – A avaliação pós-ocupação em empreendimentos habitacionais no Brasil: da reabilitação aos novos edifícios. Walter José Ferreira Galvão – Universidade Nove de Julho. Sheila Walbe Ornstein – Universidade de São Paulo e Rosária Ono – Universidade de São Paulo.
3 – A atuação do observador-pesquisador na avaliação da habitação. Paulo Afonso Rheingantz – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rosa Maria Leite Ribeiro Pedro – Universidade Federal do Rio de Janeiro.
4 – A participação de usuários nos processos avaliativos: metodologias e resultados. César IMai – Universidade Estadual de Londrina.
5 – Avaliação estética de empreendimentos habitacionais de interesse social. Antonio Tarcisio da Luz Reis – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Maria Cristina Dias Lay -  Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
6 – Multimeios em avaliação pós-ocupação e sua aplicabilidade para o mercado imobiliário habitacional. Simone Barbosa Villa – Universidade Federal de Uberlândia.
7 – Métodos e instrumentos de avaliação de projetos destinados à habitação de interesse social. Doris C.C.K.Kowaltowski, Ariovaldo Denis Granja, Daniel de Carvalho Moreira, Vanessa Gomes da Silva, Silvia A. Mikami G. Pina – Universidade Estadual de Campinas.
8 – Técnicas estatísticas aplicadas à APO em habitações. Fulvio Vittorino -  Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo. Rosaria Ono. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

PARTE 2: Rebatimentos em aplicações práticas

9 – Avaliação da qualidade no projeto de HIS: uma parceria com a Cohab/SC: Carolina Palermo – Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Santa Catarina.
10 – Geração de valor em empreendimentos HIS: parcerias com o Poder Público. Luciana Inês Gomes Miron. : Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Patrícia Tzortzopoulos – University of Salford. Carlos Torres Formoso – Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
11 – A contribuição da APO da gestão de espaços coletivos nos programas habitacionais brasileiros: qualidade obtida ou ainda desejada? Nice Saffer Medvedovski – Faculdade Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Pelotas.
12 – APO da habitação com base na teoria das representações sociais. Mauro Cesar de Oliveira Santos – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Helga Santos da Silva – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ivani Bursztyn – Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro e Luiz Fernando Tura – Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
13 – APO promovidas pela prefeitura de São Paulo: estudo de caso do Programa 3R. Luiz Ricardo Pereira Leite – Secretaria Municipal de Habitação de São Paulo (SEHAB/SP), Aline Cannataro de Figueiredo – Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (COHAB/SP), Heloisa Masuda – Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo  COHAB/SP Josefina Ocanto – Secretaria Municipal de Habitação de São Paulo (SEHAB/SP), Márcia Maria Fartos Terlizzi – Superintendência de Habitação Popular (HABI/SP) e Nancy Cavallete da Silva – Secretaria Municipal de Habitação de São Paulo (SEHAB/SP).

PARTE 3: A experiência Internacional - exemplos

14 – Cinco décadas de pesquisa habitacional no LNEC e a metodologia de APO. Dr. António Baptista Coelho – Laboratório Nacional de Engenharia Civil e Grupo Habitar (Lisboa, Portugal) e Dr. João Branco Pedro – Laboratório Nacional de Engenharia Civil e TUDelft (Lisboa, Portugal).
15 – Eficiência energética no parque habitacional holandês. Henk Visscher – Universidade Tecnológica de Delft, OTB Instituto de Pesquisa em Ambiente Construído (Holanda), Eefje Van Der Werf – SEV Rotterdam & Energiesprong (Holanda) e Theo J. M. Van Der Voordt – Universidade Tecnológica de Delft, Faculdade de Arquitetura, Departamento de Mercado Imobiliário e Habitação, Holanda. Tradução: Rita de Cássia Pereira Saramago, Fabrício Caetano Garcez e Simone Barbosa Villa – Universidade Federal de Uberlândia.
16 – Avaliação de um ambiente planejado e a busca pela sustentabilidade ambiental em moradias. O caso do Reino Unido. Fionn Stevenson – The University of Sheffield / Reino Unido. Tradução: Rita de Cássia Pereira Saramago , Fabrício Caetano Garcez e Simone Barbosa Villa – Universidade Federal de Uberlândia.


Organizadores (notas curriculares)

Simone Barbosa Villa é doutora pela FAU-USP na subárea Tecnologia da Arquitetura, mestre em Arquitetura e Urbanismo, Tecnologia do Ambiente Construído pela EESC da Universidade de São Paulo, e graduada em Arquitetura e Urbanismo pelo Centro Universitário Moura Lacerda. É Docente e Coordenadora do Núcleo de Pesquisa em Projeto de Arquitetura, e do [MORA]: Pesquisa em Habitação da Universidade Federal de Uberlândia (UFU-MG). É parecerista ad hoc das Revistas Ambiente Construído e Horizonte Científico. Sua experiência tem ênfase em Projeto de Edificações, atuando principalmente nos seguintes temas: Habitação Unifamiliar e Plurifamiliar (Apartamentos), Avaliação Pós-Ocupação dos edifícios, Habitação de Interesse Social e estudos de viabilidade de projetos para o mercado imobiliário habitacional.

Sheila Walbe Ornstein é arquiteta e urbanista formada na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Foi vice-diretora da FAU-USP e atualmente é diretora do Museu Paulista da Universidade de São Paulo. É pesquisadora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e especialista em Avaliação Pós-Ocupação e gestão na qualidade de projetos, além de autora e co-autora de diversos artigos, capítulos de livros e livros no país e no exterior sobre esses temas.

Lista completa com currículo dos autores: clique aqui.


Página da editora e dados complementares
ISBN: 9788579750762| 20 x 27 cm| 400 páginas

Aproveia-se, ainda, para referir algumas das iniciativas de divulgação do livro:
  • Lançamento no ENCAC 2013 (Brasília) - dia 26/09 às 10h;
  • Lançamento no I SEMINÁRIO PPGAU-FAUeD-UFU (Uberlândia) - entre os dias 30/10 a 01/11;
  • Lançamento em SP - local ainda não definido na primeira semana de novembro;
  • Divulgação geral na mídia (eletrônica e impressa);
  • Divulgação geral através de contatos pessoais e profissionais de cada autor;
  • Inserção de exemplares em nossas bibliotecas e centros de pesquisa;
  • Inserção de exemplares de venda em consignação em editoras das nossas universidades e institutos (EDUSP, EDUFU, etc);
  • Divulgação regional - através dos autores em suas cidades nos principais meios de comunicação (jornais, revistas, sites de universidades, etc);
Notas editoriais:
(i) Embora a edição dos artigos editados no Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico, as opiniões expressas nos artigos apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores.
(ii) Para proporcionar a edição de imagens no Infohabitar, elas são obrigatoriamente depositadas num programa de imagens, sendo usado o Photobucket; onde devido ao grande número de imagens se torna muito difícil registar as respectivas autorias. Desta forma refere-se que, caso haja interesse no uso dessas imagens se consultem os artigos do Infohabitar onde, sistematicamente, as autorias das imagens são devidamente registadas e salientadas. Sublinha-se, portanto, que os vários albuns do Photobucket que são geridos pelo editor do Infohabitar constituem bancos de dados do Infohabitar, sendo essas imagens de diversas autorias, apontadas nos artigos do Infohabitar, pelo que deve haver todo o cuidado no seu uso; havendo dúvidas um contacto com o editor será sempre esclarecedor.


Editor: António Baptista Coelho - abc@lnec.pt
INFOHABITAR Ano IX, nº454
Qualidade Ambiental na Habitação: Avaliação pós-ocupação
Grupo Habitar (GH) e Núcleo de Estudos Urbanos e Territoriais (NUT) do LNEC
Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.

Sem comentários :