segunda-feira, julho 25, 2011

Conflicto ambiental, equidad y sostenibilidad: El caso del Jardín Botánico de Río de Janeiro - Infohabitar 356

Infohabitar, Ano VII, n.º 356

Conflicto ambiental, equidad y sostenibilidad: El caso del Jardín Botánico de Río de Janeiro

Celso Simões Bredariol(*)

(*) Analista. Instituto Estadual do Ambiente de Rio de Janeiro. Estado de Rio de Janeiro. Rua Pacheco Leão 536 casa 3, CEP 22460030 Rio de Janeiro, Brasil.
celsob@inea.rj.gov.br.

Nota editorial:

É com grande satisfação que o Infohabitar edita um artigo de um nosso novo colaborador, o Eng.º Celso Bredariol, a quem agradecemos e ao qual manifestamos todo o interesse na edição de futuros artigos; uma satisfação ainda aprofundada pela renovada participação do doutor João Lutas Craveiro, membro do Grupo Habitar (GH), nesta nossa actividade de divulgação técnica e científica.

Obrigado, também, João Craveiro e, tal como já falámos, vamos, com certeza, poder redinamizar actividades conjuntas (GH e LNEC/NESO/NAU) de discussão e divulgação de matérias tão técnicas como humanas, muito provavelmente, a seguir ao período de férias de Verão.

António Baptista Coelho
Editor do Infohabitar


Breve apresentação de Celso Simões Bredariol, por João Lutas Craveiro

Celso Bredariol, Engenheiro Agrónomo, mestre em Psicologia da Educação, doutorado em Planeamento Ambiental pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, vice-presidente do Instituto de Ecologia e Desenvolvimento, alia a sua experiência no domínio do planeamento a um saber interdisciplinar exercido em consultoria, no contacto com realidades e populações distintas em meio urbano e nas interfaces com o meio natural.

Estagiou no LNEC entre meados de Janeiro e Julho do corrente ano, ao abrigo do Plano de Investigação Programada (2009-2012) sobre /Ambiente: Governação, Sustentabilidade e Metodologias de Avaliação/, do Núcleo de Ecologia Social (NESO) do Departamento de Edifícios.

O artigo resume parte das suas intervenções no LNEC, especialmente a sua Comunicação Oral na sessão pública realizada no passado dia 1 de Julho sobre conflitos ambientais, organizada pelo NESO. No entanto, dando suporte a essas intervenções e reflexões do autor, reproduz-se aqui a Comunicação escrita que o autor apresentou no Congresso sobre as Reservas da Biosfera como Estratégia de Sustentabilidade, na cidade de Lugo em Espanha (3-4 de Junho de 2011). Esta Comunicação faz parte do seu Relatório de Estágio no NESO. Segue na versão apresentada em Espanhol. As fotografias integraram a referida sessão realizada no dia 1 de Julho, poucos dias antes do autor concluir o seu estágio no NESO.

Conflicto ambiental, equidad y sostenibilidad: El caso del Jardín Botánico de Río de Janeiro

Celso Simões Bredariol
Instituto Estadual do Ambiente de Rio de Janeiro –INEA- celsob@inea.rj.gov.br

Resumen
El interés en el análisis de conflictos en áreas protegidas parte de una serie de conflictos de apropiación de la tierra por intereses públicos o privados y sociales y es una contradicción entre las luchas de los pobres por la conquista de su vivienda y la lucha del movimiento ambiental para la protección de la biodiversidad y de zonas verdes urbanas. El artículo analiza un conflicto en el área ocupada por el Instituto de Investigación del Jardín Botánico de Río de Janeiro que surge de los diferentes usos del espacio: vivienda, institucional, zona de protección y arboreto de las colecciones científicas de plantas. Sobre la base de las publicaciones y relatos de participación, se hace una caracterización general de los discursos de los actores principales, sus alianzas, preferencias y estrategias, los foros de negociación establecidos, los resultados de la misma hasta el año 2006, y la especulación acerca de las expectativas de soluciones negociadas, destacando la necesidad de educación en la negociación por los directores y los movimientos sociales.

Abstract
Environmental conflicts in protected areas are part of a series of conflicts of land appropriation for public or private interests and a social contradiction between poor people to the conquest of their homes and the environmental movement for the protection of biodiversity and urban green areas. The paper analyses a conflict in an area occupied by the Botanical Garden Research Institute of Rio de Janeiro, due to the different uses of the space: institutional, housing, environmental protection and scientific collections of plants. Based on documents, publications and participation experience, this article makes the general characterization of the different actors’ discourses, their alliances, preferences and strategies, of the established spaces of negotiation and their results from 2003 to 2006. It concludes over new possible negotiated solutions, giving emphasis to the need of negotiation learning through managers and social movements.

Key words: Environmental conflict, Equity, Sustainability, Protected areas.


Introducción

De forma similar a lo que ocurre en el Jardín Botánico de Río de Janeiro los conflictos en áreas protegidas se viven en otras áreas protegidas -área de conservación- de la ciudad de Río de Janeiro, como el Parque Nacional de Tijuca, el Parque da Pedra Branca, en particular en Colonia Juliano Moreira, la Reserva Biológica y Arqueológica de Guaratiba, en el APA de San José con los habitantes de Vila Alice, en la Restinga da Marambaia parcialmente ocupado por cimarrones, y especialmente en las áreas de protección permanente de los ríos y lagos.

Es muy rica la literatura internacional y nacional sobre conflictos ambientales en áreas protegidas, ya sea en los Estados Unidos (Wondelleck 1988 y 1999, Brandon et al. 1998), Europa (Nijkamp, 1980), África (Moore 1996, Goldman 1998, Amman, Duraiappah y Kumar 2004), India (Gadgil y Guha 1994), América Latina (Sabatini, 1998) o Brasil (Schmidt, 1995, Días y Padovan 1995, Sá, Sá y Mello 1995, Diegues 1994, L. Ferreira 2004, Simon 2003, Gomes 2002) y presenta el reto de conciliar la preservación del medio ambiente, las comunidades tradicionales y la ocupación residencial. La mayoría de los actores de este mercado de la vivienda informal sería objeto de lo que Alier (2004) llama el ecologismo de los pobres, "una nueva ola de ecologismo social".

El interés en el análisis de los conflictos en las áreas protegidas es parte de una serie de conflictos de apropiación de la tierra para intereses públicos o privados y sociales en una contradicción entre las luchas de los pobres por la conquista de su vivienda y la lucha del movimiento ambiental por la protección de la biodiversidad y de zonas verdes urbanas. Estos movimientos sociales fueron parte de un proyecto definido por Dagnino (2004) de reinvención democrática, nacido de la resistencia a la dictadura en Brasil, marcado por las ideas de ciudadanía y participación. El movimiento ecologista de Brasil tuvo como precursor la conservación, pero no ha sido hasta la década de 1960, como ha ocurrido en Europa y América, cuando las preocupaciones ambientales ganaron visibilidad en la opinión pública (Ferreira, 1996). El movimiento ecologista de Brasil posteriormente se desarrolló, de acuerdo con Viola (1995), de manera multisectorial con matices que van desde la conservación, el ecologismo social y, más recientemente, la justicia ambiental y la ecoeficiencia, con temas tratados en conferencias internacionales sobre medio ambiente (Estocolmo 1972 y Río de Janeiro 1992)

El movimiento comunitario se estructuró en el período autoritario, en torno al derecho a la vivienda y el acceso a los servicios urbanos. El derecho a la vivienda se refleja en las prácticas de resistencia a la eliminación de la infravivienda, la regularización de barrios pobres y la renegociación de las deudas de los prestatarios. Más recientemente, estas prácticas se desarrollan a través de iniciativas de invasión organizada de terrenos o edificios vacíos y la resistencia al desalojo o el reasentamiento.

Este artículo describe y analiza el conflicto entre estos actores y los movimientos sociales que se produce en el Instituto de Investigación del Jardín Botánico de Río de Janeiro (JBRJ) donde compiten por un área de 137 hectáreas, ubicada en la zona sur de la ciudad de Río de Janeiro, donde el índice de desarrollo humano y el valor de los bienes raíces se encuentran entre los más altos de la ciudad. De la superficie total, 54 hectáreas constituyen el arboreto, abierto al público y que contiene las colecciones históricas y científicas de plantas, 83 hectáreas son de regeneración del bosque atlántico, intercalados con edificaciones residenciales o institucionales. La tierra es propiedad del Gobierno Federal, bajo administración de JBRJ. Desde la década de 1980, hay 236 acciones en el Tribunal Federal para la recuperación de las viviendas construidas dentro de este espacio público y el conflicto se hizo evidente con los intentos de ejecución de las decisiones de los recursos en favor de la reincorporación. En la mayoría de los casos los residentes organizan manifestaciones públicas para evitar la ejecución de las sentencias.

Al mismo tiempo hay un ambiente de conflictividad, en el día a día de la interacción entre los residentes y el Consejo de Administración con respecto al control de las áreas urbanas próximas a los edificios existentes o por la construcción de nuevas viviendas. En la tabla 1 se muestra la evolución de esta ocupación y señala que no existe un proceso de crecimiento incontrolado, sino un crecimiento que provoca impactos sobre el medio ambiente y la calidad de vida de los residentes. El artículo presenta la historia en términos de política de vivienda, se incluyen extractos de los discursos de los actores, sus preferencias y estrategias y de las coaliciones formadas. Por último, se hace un análisis para llegar a unas conclusiones provisionales e indicativas de la necesidad de cambios en el proceso de negociación, los discursos y las prácticas de los movimientos sociales.



Tabla 1. Evolución de la ocupación por viviendas JBRJ.


Fuente: Menezes (1976/1979), IBDF (1985) y ITERJ (2005).

Las soluciones de regularización de la propiedad se guiaron por la Constitución brasileña de 1988 para los casos de posesión indiscutible en terrenos privados. Para las áreas públicas, la misma Constitución no reconoce este derecho. Como no había una política de vivienda para atender a la población de bajos ingresos, se estructuraron dos tipos de mercados de la vivienda: el mercado sujeto a la planificación formal y las restricciones ambientales, y un mercado informal que ocupa las zonas excluidas del mercado formal debido a estas mismas restricciones. En consecuencia, se da una ocupación de riberas de ríos y lagunas, con impactos sobre los residentes cuando se producen inundaciones; de las zonas con pendientes superiores a 45 grados, con riesgo grave de accidentes geológicos; de las zonas con problemas o conflictos derivados de la titularidad de la vivienda; y de las tierras en las áreas de conservación o utilizados para las áreas verdes urbanas. El conflicto del Jardín Botánico se encuentra dentro del contexto que tiene su origen en la primera fase de la política de vivienda (vivienda cerca del lugar de trabajo) y se extiende hasta hoy a través de procesos graduales de formación de barrios marginales.


1. Metodología

Según Acselrad (2004, 26), el concepto de conflicto ambiental se relaciona con el "conflicto entre diferentes proyectos de apropiación del sentido del mundo material" y por lo tanto, "las relativas a los grupos sociales con diferentes modos de apropiación, uso y significado del territorio. Se originó cuando al menos uno de los grupos tiene la continuidad de las formas de la propiedad, de desarrollar el tipo de amenaza por los efectos indeseables”.

Desde el punto de vista metodológico, este artículo opta por la negociación de conflictos, que no debe confundirse con la creación de consenso (Amy 1987, Bingham 1986, Burgess y Burgess 1994, Moore 1987, Resolve 1999, Sandman 1986, Susskind 1982, Ury y Fisher 1991) o por la lógica de las decisiones (Howard 1994 y 1999, Janssen 1990, Ostrom 1990), pero considera esta bibliografía para hacer valer el interés en el aprendizaje de la negociación, mediante la adopción de la importancia de comprender los distintos discursos y crear un entorno favorable para la lógica de proceso de negociación y decisión, los parámetros para identificar las preferencias, estrategias, alianzas, coaliciones y las oportunidades de negociación.

Basándose en entrevistas se hace una caracterización del discurso general de los principales actores, sus alianzas, preferencias y estrategias, los foros de negociación establecidos, los resultados de las mismas hasta el año 2006, con el fin de aprender a negociar, tanto para la gestión pública y del medio ambiente como para la práctica de los movimientos sociales.


2. El discurso de la institución

Para caracterizar el discurso de la institución se tomó como base los registros, informes y entrevistas publicadas en los periódicos. De acuerdo con el Informe ao Ministério Público, dentro de la Coordinación de Colecciones Vivas (2003), el Jardín Botánico de Río de Janeiro (Figura 1) fue creado en 1808 como un jardín de aclimatación de plantas exóticas, dentro de una perspectiva estratégica del reino portugués. La institución cuenta ahora con un carácter científico en el que se basa la introducción de especies en el Arboretum, para la conservación “ex situ” de las especies de flora. En este sentido, los ejemplares cultivados en el jardín botánico e invernaderos no sólo son representativos de familias de plantas y especies notables, pero también de la investigación botánica a lo largo de la historia.

De acuerdo con el Plan Director del Jardín Botánico, elaborado en 2001, los principales impactos negativos causados por la ocupación residencial son los siguientes:

. El aumento del deterioro de la zona,

 El obstáculo para la expansión del arboreto,

 La dificultad para la interconexión de los distintos sectores del Jardín Botánico,

 La contaminación del Río dos Macacos,

 Los gastos de seguridad del Jardín Botánico,

 El riesgo de deforestación del hábitat natural,

 La práctica de actividades potencialmente contaminantes, y

 La amenaza a la fauna con la existencia de animales domésticos.



Figura 1: Jardín Botánico de Río de Janeiro


El Plan Director también recomienda (pág. 118) que "Siempre que sea posible, las zonas no ocupadas en el territorio del Jardín Botánico se integrarán progresivamente en sus sectores, evitando el crecimiento de la ocupación ilegal."


3. El discurso de los residentes

Residentes son aquellos que ocupan las áreas que son del gobierno, bajo la administración del Jardín Botánico de Río de Janeiro. Para caracterizar el discurso de los residentes, se utiliza la transcripción de los documentos administrativos y publicaciones. En 1976, una petición de los residentes (Occhioni et al., 1976), enviada al Jardín Botánico por el entonces Ministro Jefe de la Casa Civil, Golbery do Couto e Silva (Notificación Nº 822, de 13 de septiembre de 1976) establece los elementos principales del discurso antes mencionados, a saber:

  • Que "los abajo firmantes, todos los funcionarios públicos, los arrendatarios de fincas situadas en las afueras del Jardín Botánico";
  • "donde las casas modestas construidas a sus expensas, con los compromisos de las administraciones anteriores";
  • "inquilinos reconocidos y registrados por el Servicio de Patrimonio de la Unión, suelen pagar el alquiler;
  • "viven bajo la tensión por la amenaza de la demanda de la actual administración, sin razón plausible para desalojarlos;
  • "Si la amenaza se lleva a cabo, sin duda dará lugar a la desesperación a las familias sin hogar con modestos recursos financieros, creando un grave problema social";
  • "pedir un modesto apoyo al empleado de bajo poder adquisitivo";
  • apunta como una solución "a la venta de las casas de los propios ocupantes."

El libro Fragmentos de la memoria, editado por Bizzo, Sales y Silva (2005) es una historia oral de la ocupación del Jardín y hay varios informes de los residentes confirmando este conjunto de argumentos:

  •  "fue el director del Jardín Botánico que ha puesto a estas personas a vivir aquí" (Memorias de Elza Maria de Souza, 73, pág. 41);
  • "La mayoría de los habitantes construyeron sus casas. Se les dio la tierra, y el residente ha gastado su dinero."(Memorias de Alipio Ferreira, 78), pág. 41;
  • "Nunca se sabe si nos quedamos con la casa o si se llevará a la casa del pueblo " (Recuerdos de Ismael Carvalho, 66), Pág. 70.

 En una entrevista con El Eco (Aldé, 2005, p. 2), María Emilia Souza, presidente de la Asociación de Vecinos y Amigos del Huerto (AMAHORTO), que representa a los residentes del Jardín Botánico, dice: "No somos invasores". Hija de un ex empleado del Ministerio de Agricultura, afirma que las casas estaban ocupadas o heredadas por invitación de los ex directores del Parque. Emilia pide la regularización de las propiedades a través de una concesión de uso. "La única alternativa sería el traslado a una zona cercana al Jardín. Pero no hay tierra como ésta, " En una carta dirigida al "Estimado Sr. Presidente, Luis Inácio Lula da Silva, en nombre de la misma AMAHORTO, Emilia María de Souza (2005) sostiene que: “La mayoría de las familias que residen en el área solicitada por el Jardín Botánico son de los más antiguos funcionarios del Jardín y residentes de Jardines Botánicos (Figura 2) que vinieron aquí con el permiso de los ex directores que querían que los funcionarios viviesen cerca del trabajo. Las casas fueron construidas por los residentes con sus propios recursos”.


Figura 2: Residentes y funcionarios del Jardín Botánico



4. La negociación

La misma zona se discute por las partes, con una propuesta de integración en el barrio y por otra parte el Plan Maestro del Jardín Botánico que utiliza el área para la ampliación de las colecciones de plantas y la implantación de servicios administrativos. Para caracterizar el proceso de negociación se definió un bloque de actores (Figura 3), foros y consejos, las preferencias y las estrategias de los actores principales del conflicto, a saber, la Administración del Jardín Botánico y la AMAHORTO.

Figura 3. Bloques de actores.


Associação de Moradores do Bairro do Jardim Botanico, Associação de Moradores da Gávea (AMAGÁVEA), Associação de Moradores do Horto (AMAHORTO), Associação dos Servidores do Jardim Botânico (ASSOCIAJARDIM), Amigos JB, Associação dos Amigos do Jardim Botânico, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA), Instituto de Cartografia e Terras do Estado do Rio de Janeiro (ITERJ), Instituto de Pesquisas do Jardim Botânico do Rio de Janeiro (JBRJ), Ministério do Meio Ambiente (MMA), Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público do Rio de Janeiro (SINTRASEF), Organizações Não Governamentais (ONGs), Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), Partido dos Trabalhadores (PT), Serviço do Patrimônio da União (SPU).

Los foros de negociación que se establecieron fueron las primeras reuniones entre los bloques y, por último, el comité establecido por el Decreto Ministerial de los Ministerios de Planificación y Medio Ambiente. El progreso se produjo inicialmente a través del conocimiento y la lectura de las intenciones de las partes, que caracteriza las posiciones en conflicto. En segundo lugar, se dan los conflictos por el control de las obras y la expansión de las casas. Se logró un primer acuerdo relacionado con la autorización para la reparación de viviendas que presentaban riesgos para los ocupantes. Otra etapa de negociaciones se estableció con la suspensión de una sentencia de desahucio, en segunda instancia, que no se llevó a cabo debido a la resistencia de los residentes. Por el interés de las partes, se estableció una Comisión Interministerial por la Orden firmada por los Ministros de Medio Ambiente y Planificación.


5. Estrategias y preferencias

Las preferencias y estrategias de los actores en el conflicto se presentan en las tabla 2 y 3.


Tabla 2. Preferencias y estrategias de la administración del Jardín Botánico.




  
Tabla 3. Preferencias y estrategias de los residentes.





6. La solución global negociada

Finalmente, de común acuerdo con las partes, se elaboró una propuesta para el reasentamiento con el apoyo de Instituto Pereira Passos (IPP) del Ayuntamiento de Río de Janeiro. El estudio del IPP propone una integración vertical, con apartamentos de 60 m2 de superficie media. Hubo un acuerdo para abandonar la zona comprendida entre la calle Pacheco León y el Río dos Macacos y de AMAHORTO y proponer esta solución de reasentamiento a los residentes, ya que podría implicar el transferencia de la propiedad y la inclusión en el mercado de la vivienda. El estudio del IPP había definido las condiciones para la construcción en las cuatro áreas con la creación de las siguientes unidades: Área 1: 99 unidades; Área 2: 66 unidades; Área 3: 74 unidades; Área 4: 124 unidades. Total: 363 unidades. Presentada la solución a los residentes, la propuesta fue rechazada.


7. Conclusiones

Los conflictos ambientales implican la apropiación de la naturaleza por los diferentes intereses sociales, la construcción de la sostenibilidad y una contienda de significados. Al parecer, en el caso del Jardín Botánico hay una clara disputa de significados, la tierra para vivir o la conservación de la biodiversidad, Cómo lograr soluciones para la sostenibilidad ambiental y la justicia social es una cuestión que sigue sin respuesta y que la polarización del conflicto hace que sea imposible continuar, aunque todos se declaran interesados.

El papel de las emociones es reconocido por las distintas líneas de actividad en la negociación de conflictos, En la práctica, las emociones juegan un papel dramático. La amenaza de la falta de vivienda para vivir, no haber lugar donde ir al ser desalojados en cualquier momento plantea miedo. Los representantes del gobierno se enfrentan a las amenazas. "Usted no tiene miedo de morir como otros ecologistas" (varios interlocutores). Tomar en consideración las emociones significa abandonar las estrategias de soborno o la cooptación, la objetividad, sin caer en la lógica misma de las decisiones. Se deben identificar las estrategias, evaluar el equilibrio de poder, comprobar la credibilidad de las amenazas de los actores para crear la negociación.

La metáfora de la guerra, un conflicto tiene similitudes con otros de diferente naturaleza. Varias veces se podía escuchar el comentario, "esto parece una guerra" no hay nada para suavizar el clima. La guerra de posiciones del residente a través de pequeños trabajos para apropiar espacio. El gobierno respondió con el uso de las agencias ambientales, con el poder de policía y la estrategia de ocupación de los espacios en disputa a través de la implantación de servicios.

Un conflicto político se resuelve en el campo político, pero tenemos que llegar a las etapas de negociación y el acceso a los recursos que permiten la creación de soluciones. Los movimientos sociales han tenido dificultades para avanzar en el discurso y el poder. La defensa estándar de la permanencia de los residentes en las zonas de riesgo es inviable para pobres y para la sociedad en su conjunto. La disponibilidad de tierras excluidas del mercado formal, podría dar acceso a una vivienda digna para muchas familias. El movimiento ecologista, ausente en la discusión de las políticas urbanas, no incorpora la cuestión social,

El apoyo de los métodos de mediación o resolución de conflictos es posible sólo cuando las condiciones políticas son creadas para la solución de los conflictos, entonces es posible pensar en el uso de la mediación o metodologías para crear soluciones compartidas. En el caso estudiado, cuando se le da al público un cierto acuerdo en el área de reasentamiento en sí, en la forma propuesta por la Instituto Pereira Passos, una movilización política debiera darse, con la participación más amplia de la sociedad, pero no hay condiciones políticas para la ejecución del proyecto.


Bibliografia

Acselrad, H. 2004. As práticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais. En Conflitos Ambientais no Brasil. H. Acselrad (ed.). Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Aldé, L. 2005. Jardim das Invasões. O Eco, 13 fev.2005.

Alier, J.M. 2004. L'ecologismo dei poveri. Conflitti ambientali e linguaggi di valutazione. CNS-Ecologia Politica 1-2: 57-58.

Amman, H., M.E. Duraiappah y A. Kumar. 2004. Land tenure and conflict resolution: A game theoretic approach in the Narok district in Kenya. Environment and Development Economics 9: 383–407.

Amy, D.J. 1987. The politics of environmental mediation. New York: Columbia University Press.

Binghan, G. 1986. Resolving environmental disputes: A decade of experience. En Resolving locational conflicts. R.W. Lake (ed.). New Jersey: Center for Urban Policy.

Bizzo, M.N., R.C.C. Sales y C.R.N. Silva. 2005. Cacos de memória, experiências e desejos na (re)construção do lugar. Rio de Janeiro: Fábrica de Livros.

Brandon, K., K.H. Redford, y S.E. Sanderson. 1998. Parks in peril: People, politics and protected areas. Washington DC: The Nature Conservancy/Island Press.

Burguess, G. y H. Burguess 1994. Environmental mediation: beyond the limits applying dispute resolution to intractable environmental conflicts. Working paper.

http://www.colorado.edu//conflict

Coordinación de Colecciones Vivas. 2003. Informe ao Ministério Público sobre o impacto das residências nas atividades do Jardim Botânico, Rio de Janeiro. Inédito.

Dagnino, E. 2004. Os movimentos sociais e a construção da democracia no Brasil: Tendências recentes. Journal of Iberian and Latin American Studies nº 7(1): 75-104.

Diegues, A.C.S. 1994. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: NUPAUB/USP.

Ferreira, Lúcia C.; Dimensões Humanas da Biodiversidade:Mudanças Sociais e Conflitos em torno de áreas protegidas no Vale da Ribeira, S.P. Brasil, in Ambiente & Sociedade, Campinas,. vol VII n° 1 jan. / jun. 2004,

Gadgil, M. y R. Guha. 1994. Ecological conflicts and environmental movement in India. Development and change. 25: 101–136.

Goldman, M. 1998. Privatizing nature. London: Pluto Press.

Gomes, L.J. 2002. Conflitos entre a conservação no entorno do Parque Nacional da Serra da Bocaina: Uma análise interpretativa. Tesis de doctorado, UNICAMP, Faculdade de Engenharia Agrícola, Campinas.

Howard, Nigel; Confrontation Analysis: how to win operations other than war; CCRP publication series; USA- Department of Defense; 1999; Washington D.C.

Howard, N.,; The manager as politician and general: the metagame approach to analysing cooperation and conflict; in Rational Analysis for a Problematic World, J. Rosenhead ed.; John Wiley & Sons; 1989; Chichester UK

IBAM (Instituto Brasileiro de Administração Municipal). 2002. Plano Diretor do Instituto de Pesquisas do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Inédito.

IBDF (Instituto Brasileiro do Desenvolvimento Florestal) 1985. Levantamento Cadastral Censitário. Ministério da Agricultura, Rio de Janeiro. Inédito.

IPP (Instituto Pereira Passos) 2006. Estudo de Reassentamento no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Inédito.

ITERJ (Instituto de Cartografia e Terras do Estado do Rio de Janeiro). 2005. Cadastro dos Moradores do Horto. Inédito.

Janssen R. and Nijkamp P.; A typological approach to multi-criteria conflict analysis; In Nijkamp Peter Multi-Criteria Methods for Alternative Dispute Resolution; New York; Quorum Books; 1990;

Menezes, O.B. 1976/1979. Fatos e Atividades do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. JBRJ, Rio de Janeiro. Inédito.

Moore C.W. 1987. The mediation process, Practical strategies for resolving conflict. London: Jossey-Bass Publishers.

Moore, D.S. 1996. Marxism, culture and political ecology: Environmental struggles in Zimbabwe’s eastern highlands. En Liberation ecologies. R. Peet y M. Watt (Ed.). London: Routledge

Nijkamp, P. 1980. A qualitative evaluation model for environmental management with conflict priorities. En Environmental policy analysis. J. Nijkamp (ed.). New York: John Wiley & Sons.

Occhioni, P. et Alii Abaixo Assinado dos Moradores do Jardim Botânico e antigo Horto Florestal, ao EXM°.SR General Ernesto Geisel, de 27 de Julho de 1976, in Processo M.A. – IBDF n° 005358-14 Setembro 1976, no publicada, relatoría administrativa.

Ostrom E. 1990. Governing the commons. Cambridge: Cambridge University Press.

Resolve. 1999. Consensus building approach. htpp://resolv.org

Sá, S., E. Sá y M.J. Mello. 1995. Exclusão e risco ambiental: populações humanas, comunidade científica e aplicações do direito ambiental na Amazônia. 6º Encontro Nacional ANPUR; Brasília D.F.

Sabatini, F. 1998. Local environmental conflicts in Latin America. En Cities for citizens. J. Friedmann y M. Douglas. Chichester: John Willey & Sons.

Sandman P.M.; Getting to Maybe: Some Communications Aspects of Siting Hazardous Waste Facilities; in Lake, RobertW Resolving Locational Conflict.; New Jersey; Center for Urban Policy Research; 1986;

Schmitt C.J. ; Mata de Araucárias: a região norte do Rio Grande do Sul; in Conflitos Ambientais no Brasil Vol. I, Carvalho I, e Scotto G. org.; IBASE; 1995; Rio de Janeiro

Simon, A.V.S. 2003. Conflitos na conservação da natureza: O caso do Parque Estadual da Serra da Tiririca. Tesis de máster, CEG-UFF, Niterói.

Souza, E.M. Carta ao Excelentíssimo Sr. Presidente da República, Companheiro Luis Inácio Lula Da Silva, 01 de Marzo de 2005, AMAHOR. Inédita.

Susskind, L. y A. Weinstein. 1982. How to resolve environmental disputes out of court. Technology Review 85(1): 38.

Ury, W. y R. Fisher. 1991. Getting to yes. 2ª ed. London: Arrow Business Books.

Viola E.J. e Leis H.R.; O Ambientalismo Multissetorial no Brasil para Além da Rio 92; in Meio Ambiente, Desenvolvimento e Cidadania UFSC; Cortez; 1995; São Paulo

Wondolleck, J.M. 1988. Public lands conflict and resolution. Managing National Forest disputes. New York and London: Plenum Press.

Wondolleck J.M.; The controversy over collaboration; Community Based Resource Management Partnership proposal; http:/www.umich.edu/ crpgroup; 1999; Michighan.

Notas editoriais:

(i) Embora a edição dos artigos editados no Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico, as opiniões expressas nos artigos apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores.

(ii) Para proporcionar a edição de imagens no Infohabitar, elas são obrigatoriamente depositadas num programa de imagens, sendo usado o Photobucket; onde devido ao grande número de imagens se torna muito difícil registar as respectivas autorias. Desta forma refere-se que, caso haja interesse no uso dessas imagens se consultem os artigos do Infohabitar onde, sistematicamente, as autorias das imagens são devidamente registadas e salientadas. Sublinha-se, portanto, que os vários albuns do Photobucket que são geridos pelo editor do Infohabitar constituem bancos de dados do Infohabitar, sendo essas imagens de diversas autorias, apontadas nos artigos do Infohabitar, pelo que deve haver todo o cuidado no seu uso; havendo dúvidas um contacto com o editor será sempre esclarecedor.

Infohabitar, Ano VII, n.º 356

25 de julho de 2011
Editor: António Baptista Coelho
Edição de José Baptista Coelho
Lisboa, Encarnação - Olivais Norte

domingo, julho 17, 2011

Catálogo actualizado do Infohabitar em Janeiro de 2012 - Infohabitar 355

Caros leitores do Infohabitar é com grande satisfação que actualizamos o nosso catálogo, numa altura em que já ultrapassámos largamente as 250.000 consultas de artigos - portanto, mais de um quarto de milhão de consultas, com médias que ultrapassam, frequentemente, as 200 consultas diárias.

No link que se junta, bastará clicar no título de um dos 376 artigos ilustrados disponíveis no Infohabitar, para, de imediato, ter acesso ao mesmo. Fiquem, então, em seguida, com uma viagem simplificada pelo já extenso leque editorial do Infohabitar.

Caso queira aceder ao catálogo interactivo bastará clicar no link seguinte:
http://infohabitar.blogspot.com/2010/11/catalogo-actualizado-do-infohabitar-em.html


Lembra-se a quem queira imprimir um artigo, que:

(i) deverá clicar no artigo desejado - que abrirá de imediato e exclusivamente (sem mais artigos associados);

(ii) depois deverá fazer o "print preview", e aí terá uma ideia da dimensão da impressão (aliás, também referida no catálogo, com os respectivos números de páginas e de figuras, a seguir ao respectivo título);

(iii) depois basta mandar imprimir na qualidade desejada.

António Baptista Coelho

Infohabitar, Grupo Habitar e Núcleo de Arquitectura e Urbanismo do LNEC

Catálogo temático dos 354 artigos e das mais de 3.000 páginas ilustradas de Infohabitar. Seguem-se os 30 temas em que subdivide o catálogo, seguidos dos respectivos artigos ordenados na sequência temporal da respectiva edição:

0 Textos de Arquitectura e do Habitar

1. Regeneração urbana e realojamento (NOVO)

2. Melhor habitação com melhor arquitectura (NOVO)

3. Arte e Arquitectura (NOVO)

4. Projectar o habitar (NOVO)

5. O (re)fazer a cidade e as novas cidades (NOVO)

6. Série habitar e viver (NOVO)

7. Políticas, acções e medidas habitacionais (NOVO)

8. Avaliação pós-ocupação (APO) ou análises retrospectivas (NOVO)

9. Memória

10. Construir o habitar (NOVO)

11. Qualidade no habitar (NOVO)

12. Casos habitacionais e urbanos (estudo, análise e divulgação)

13. Grupo Habitar e Infohabitar

14. Investigação habitacional e urbana

15. Sustentabilidade no habitar

16. Habitar de interesse social e habitar cooperativo

17. Intervir e construir no construído - reabilitar e regenerar

18. Gestão da cidade habitada

19. Escalas e tempos do habitar

20. Humanidades e habitar

21. Cidades amigas – conviviais, acessíveis, para todos, e seguras

22. História(s) e tipologias do habitar

23. Desenho e a humanização do habitar

24. Integrar o habitar

25. Natureza, tempo, cidade e lugar

26. (Novas) formas/soluções de habitação (NOVO)

27. Viagens

28. Actualidades, comentários, notícias, informações

29. Congresso Internacional Habitação no Espaço Lusófono (NOVO)

30. Casos e autores (NOVO)

Caso queira aceder ao catálogo interactivo bastará clicar no link seguinte:http://infohabitar.blogspot.com/2010/11/catalogo-actualizado-do-infohabitar-em.html



Consoante a evolução da dinâmica editorial serão, eventualmente, anexados mais temas, embora se tenha atingido um leque temático que se considera ser já bastante significativo.

Chama-se a atenção para uma perspectiva global, naturalmente não única, de edição e divulgação no Infohabitar de casos de referência habitacional e arquitectónica, portanto positivos; o que não significa que não serão editados arigos referidos a situações negativas que importa divulgar.

E regista-se, finalmente, que o Infohabitar se dedica, para já, essencialmente, à realidade integrada do Habitar e da Arquitectura/Cidade "falada" em português; pode ser que um dia haja uma modificação desta perspectiva, até mediante a evolução natural das nossas edições, mas, para já e nos últimos anos, esta tem sido a nossa área editorial privilegiada.

Autoria dos artigos (registo referido, aproximadamente, à ordem de edição):

Duarte Nuno Simões;   Celeste d'Oliveira Ramos;   Marilice Costi;   Sheila Walbe Ornstein;   José Walter Galvão;    Maria João Eloy;   António Reis Cabrita;    Nuno Teotónio Pereira;   Sara Eloy; António Baptista Coelho;   Paulo Machado;    João Carvalhosa;    Guilherme Vilaverde;    Maria Luiza Forneck;    Khaled Ghoubar;    José Coimbra;    Pedro Baptista Coelho;    Sidónio Simões;  João Lutas Craveiro;    José L. M. Dias;    Marluci Menezes;    Manuel Tereso;    António Novais;   Rita Abreu;    Teresa Heitor;    Ana Tomé;    Fausto Simões;    Carlos Pina dos Santos;    Pedro Taborda;     João Cantero;    Maria Tavares;    João Ferreira Bento;    Alberto José de Sousa;    Mariana Morgado Pedroso;    Milton Botler;    António Pedro Dores;   Joana Mourão;    Bruno Marques;     Hélio Costa Lima;    Teresa Marat Mendes;    Sara Ribeiro;    João da Veiga Gomes;    João Manuel Mimoso;    Lúcia Leitão;     Samuel Gonçalves;   Defensor de Castro;     Décio Gonçalves;    Isabel Plácido;   Ana Pinho;  António Leça Coelho;     João Branco Pedro;     Jorge Mangorrinha;     Eduardo Ganilho;     Paulo Tormenta Pinto;     João Rainha Castro;     Luís Morgado;     António Carvalho;     Wilson Zacarias;    Margarida Rebelo;     Carla Cachadinha;   Célia Faria;      Daniela Fernandes;     Gustavo de Casimiro Silveirinha;     Isabel Romana;     José Forjaz;     Celso Simões Bredariol;     Anselmo Belém Machado;     Luís António Machado da Silva;   Iva Miranda Pires;    Isabel Duarte de Almeida; ...

Caso queira aceder ao catálogo interactivo bastará clicar no link seguinte:http://infohabitar.blogspot.com/2010/11/catalogo-actualizado-do-infohabitar-em.html

Tema 0: TEXTOS DE ARQUITECTURA E DO HABITAR

Neste tema serão agrupados os artigos que se referem à Arquitectura e ao Habitar numa perspectiva ampla, procurando apontar aspectos estruturadores e objectivos fundamentais de acção.

A casa e a habitação – José Forjaz (n.º 346, 15 Mai. 11, 5 págs.).

...

Tema 1: REGENERAÇÃO URBANA E REALOJAMENTO

Neste tema os artigos corrspondem a uma relação privilegiada entre acções de regeneração urbana e de re-habitação de espaços da cidade, mais centrais ou mais periféricos.

Caminhos da habitação e do urbanismo na cidade central ou na cidade "velha" - António Baptista Coelho (n.º 303, 5 Jul. 10, 7 págs., 5 figs.).

Como fazer novos realojamentos e refazer os que foram mal feitos - António Baptista Coelho (n.º 296, 3 Mai. 10, 7 págs., 11 figs.).

Soluções de realojamento I: reflexões preliminares sobre a recente solução da Residencial Alexandre Mackenzie para realojamento da favela Nova Jaguaré, em São Paulo - António Baptista Coelho (n.º 289, 14 Mar. 10, 10 págs., 12 figs.).

...

Tema 2: MELHOR HABITAÇÃO COM MELHOR ARQUITECTURA


Este tema agrupa, essencialmente, artigos que correpondem a uma abordagem de procura dos aspectos da qualificação arquitectónica mais aplicáveis ao habitar e às intervenções habitacionais; de certa forma no desenvolvimento da construção de uma base teórico-prática de aprofundamento de um habitar arquitectonicamente bem qualificado e adequado aos seus habitantes.

Habitação e Arquitectura IX: a segurança arquitectónica residencial e urbana - Parte I - António Baptista Coelho (n.º 332, 6 Fev. 11, 11 págs., 6 figs.).

Novos comentários sobre a qualidade arquitectónica residencial. Melhor Habitação com Melhor Arquitectura VIII: a Durabilidade Arquitectónica Residencial - António Baptista Coelho (n.º 323, 6 Dez. 10, 11 págs., 6 figs.).

Novos comentários sobre a qualidade arquitectónica residencial - Melhor Habitação com Melhor Arquitectura XII: A adaptabilidade arquitectónica no habitar - I - António Baptista Coelho (n.º 348, 29 Mai. 11, 10 págs., 7 figs.).

Novos comentários sobre a qualidade arquitectónica residencial. Melhor Habitação com Melhor Arquitectura XI: A privacidade arquitectónica no habitar - II- António Baptista Coelho (n.º 342, 17 Abr. 11, 8 págs., 7 figs.).

Novos comentários sobre a qualidade arquitectónica residencial. Melhor Habitação com Melhor Arquitectura XI: A privacidade arquitectónica no habitar - I - António Baptista Coelho (n.º 341, 9 Abr. 11, 11 págs., 7 figs.).

Novos comentários sobre a qualidade arquitectónica residencial. Melhor Habitação com Melhor Arquitectura X: O convívio no habitar e no espaço urbano - Parte II - António Baptista Coelho (n.º 338, 20 Mar. 11, 9 págs., 5 figs.).

Novos comentários sobre a qualidade arquitectónica residencial. Melhor Habitação com Melhor Arquitectura X: O convívio no habitar e no espaço urbano - Parte I - António Baptista Coelho (n.º 337, 12 Mar. 11, 10 págs., 7 figs.).

Novos comentários sobre a qualidade arquitectónica residencial - Melhor Habitação com Melhor Arquitectura XII: A adaptabilidade arquitectónica no habitar - II- António Baptista Coelho (n.º 349, 5 Jun. 11, 9 págs., 7 figs.).

Habitação e Arquitectura IX: a segurança arquitectónica residencial e urbana - Parte II - António Baptista Coelho (n.º 333, 13 Fev. 11, 9 págs., 3 figs.).

Melhor Habitação com Melhor Arquitectura VII: a Agradabilidade Residencial - António Baptista Coelho (n.º 319, 7 Nov. 10, 16 págs., 6 figs.).

Melhor Habitação com Melhor Arquitectura VI: a Funcionalidade Residencial - António Baptista Coelho (n.º 318, 1 Nov. 10, 12 págs., 6 figs.).

Melhor Habitação com Melhor Arquitectura V: a Capacidade Residencial - António Baptista Coelho (n.º 316, 18 Out. 10, 13 págs., 6 figs.).

Melhor Habitação com Melhor Arquitectura IV: a Espaciosidade - António Baptista Coelho (n.º 297, 9 Mai. 10, 9 págs., 6 figs.).

Melhor Habitação com Melhor Arquitectura III: a Comunicabilidade - António Baptista Coelho (n.º 295, 25 Abr. 10, 10 págs., 6 figs.).

Melhor Habitação com Melhor Arquitectura II: a Acessibilidade - António Baptista Coelho (n.º 291, 28 Mar. 10, 10 págs., 6 figs.).

Melhor Habitação com Melhor Arquitectura I: Introdução - António Baptista Coelho (n.º 290, 21 Mar. 10, 7 págs., 2 figs.).
...

Tema 3: ARTE E ARQUITECTURA (NOVO)


Neste tema será procurada a edição de textos que estabeleçam relações entre o Habitar, a Arquitectura e as outras Artes, numa perspectiva hoje em dia , infelizmente, muito pouco desenvolvida de integração da arte em franca proximidade com o habitar.

INTERVENÇÃO DE ARTES PLÁSTICAS numa obra de Nuno Teotónio Pereira e António Pinto de Freitas - Maria Tavares (Infohabitar, Ano V, n.º 265, Setembro 27, 2009, 11 págs., 18 figs.).
...

Tema 4: PROJECTAR O HABITAR (NOVO)


Trata-se aqui de uma tema basicamente "de projecto", em que irão sendo agrupado os artigos que se dedicam aos diversos e importante aspectos do "bom projecto" dos edifícios e dos espaços do habitar.

Qualidade no Projeto de Edifícios - novo livro – Sheila Ornstein e Márcio Fabrício (n.º 315, 11 Out. 10, 5 págs., 2 figs.).

INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES EM LOTEAMENTOS, URBANIZAÇÕES E CONJUNTOS DE EDIFÍCIOS (ITUR) - artigo de Eduardo Jorge Simões Ganilho (n.º 300 - III, 13 Jun. 10, 10 págs., 5 fig.).

Duas palavras no final de 2009 e a importância do “habitar” - António Baptista Coelho (Infohabitar, Ano V, n.º 278, Dezembro 28, 2009, 3 págs., 1 fig.).

Revista Ambiente Construído - Vol. 9, N.º 2: artigos - informação e resumos (Infohabitar, Ano V, n.º 258, Agosto 10, 2009, 7 págs.).
...

Tema 5: O (RE)FAZER CIDADE E AS NOVAS CIDADES

Neste tema aborda-se a questão, hoje em dia urgente, da reconstrução bem qualificada e humanizada de partes estruturantes dos tecidos urbanos, no respeito de adequadas estruturas e sequências físicas e ambientais e num redescobrir de uma cidade que antes de simples aspectos funcionais, talvez excessivamente "maquinais" e "frios", tem de se preocupar pela reconstrução de uma paisagem urbana bem pormenorizada e afectiva.

A rua metropolitana transitória - Gustavo de Casimiro Silveirinha (n.º 339, 26 Mar. 11, 14 págs., 17 figs.).

VIV(ER)ACIDADE: Reviver a vizinhança na mega-cidade europeia - António Baptista Coelho (n.º 304, 11 Jul. 10, 6 págs., 3 figs.).

Dois temas: um novo livro sobre "Desenho Universal Caminhos da Acessibilidade no Brasil"; e o fantástico "sítio" da Rua do Sembrano em Beja - António Baptista Coelho (n.º 294, 18 Abr. 10, 9 págs., 14 figs.).

Bairros vivos, cidades vivas: uma reflexão geral - António Baptista Coelho (Infohabitar, Ano V n.º 273, Novembro 23, 2009, 3 págs., 3 figs.).

Equipamentos vitalizadores de vizinhanças - António Baptista Coelho (Infohabitar, Ano V, n.º 272, Novembro 16, 2009, 5 págs., 3 figs.).

Conferência dos 40 anos do NAU do LNEC e artigo “ Novos caminhos tipológicos residenciais” - António Baptista Coelho (Infohabitar, Ano V, n.º 271, Novembro 8, 2009, 5 págs., 3 figs.).

Quando o ambiente é hostil: leituras da cidade brasileira contemporânea - Artigo e sessão de divulgação de livro no LNEC em 8 de Junho de 2009 - Lúcia Leitão (n.º 249, 31 Mai. 09, 11 págs., 6 figs. - contém apresentação do livro “Quando o ambiente é hostil”)“Maus” bairros, “bons” bairros: aprofundar as boas práticas de habitação social - António Baptista Coelho (18 Mai. 09, 6 págs., 5 figs.)


Caso queira aceder ao catálogo interactivo bastará clicar no link seguinte:
http://infohabitar.blogspot.com/2010/11/catalogo-actualizado-do-infohabitar-em.html

Tema 16: O HABITAR DE INTERESSE SOCIAL E O HABITAR COOPERATIVO

Este tema do Infohabitar é dedicado à intervenções de habitação de interesse social e nestas, com uma especial atenção, à promoção habitacional assegurada pelo sector cooperativo de habitação de interesse social, que, entre nós, está estruturado na Federação Nacional de Cooperativas de Habitação Económica (FENACHE).

E ainda o problema da habitação – parte II, António Baptista Coelho (Infohabitar, Ano V, n.º 262, Setembro 07, 2009, 4 págs., 2 figs.).

E ainda o problema da habitação – parte I, António Baptista Coelho (Infohabitar, Ano V, n.º 261, Agosto 31, 2009, 7 págs., 2 figs.).

Sobre a humanização do habitar e o cooperativismo – uma primeira “conversa escrita” entre António Novais e António Baptista Coelho (11 Jan. 07).

Conclusões do 8º Congresso do Cooperativismo Habitacional, FENACHE (20 Mai. 06, 8p., 8 fig).

O 8º Congresso do Cooperativismo Habitacional, FENACHE: programa e reportagem fotográfica, (14 Mai. 06, ).

Finalmente a conclusão da Bouça, de Siza Vieira, pela iniciativa cooperativa – António Baptista Coelho (17 Abr. 06, 3 p. 5 fig.).

Infohabitar/actualidades – Um comentário sobre o PER, Sara Eloy (16 Nov. 05, 1 p.) .

1º Congresso de Habitação Social, sobre o tema geral “Habitação Social: que futuro? - (23 Fev. 05, 2 p.).
...

Tema 17: INTERVIR E CONSTRUIR NO CONSTRUÍDO (reabilitar, preencher e regenerar)

Este tema poderia também ser intitulado "reabilitação habitacional", mas como se considera que tanto esta reabilitação, como as urgentes novas intervenções de construção habitacional só terão um claro potencial de viabilidade se forem "activamente" integradas em meios urbanos préexistentes - dos cascos históricos quase mortos às periferias sem vida , optou-se por esta noção de se privilegiar "o construir no construído", com o objectivo duplo de ganhar vida e carácter, mas também de dar vida e talvez também carácter ou ajudar a recuperar o bom carácter local.

Reportagem sobre a sessão e visita “regenerar integrando, Viseu, 2 de Julho de 2009 - António Baptista Coelho (Infohabitar, Ano V, n.º 255, Julho 20, 2009, 9 págs., 12 figs.).

Reabilitação integrada de bairros de interesse social: o Bairro Sá Carneiro em Marrazes Leiria (I)- António Baptista Coelho e Albertina Mateus(n.º 345, 8 Mai. 11, 16 págs., 23 figs.).

O Habitar em Zonas Antigas - António Baptista Coelho (Infohabitar, Ano V, n.º 254, Julho 10, 2009, 12 págs., 8 figs.).

Regenerar integrando, Viseu, 2 de Julho 2009 - nova divulgação (Infohabitar, Ano V, n.º 252, Junho 28, 2009, 4 págs., 3 figs.)

Regenerar integrando, Viseu, 2 de Julho 2009 - divulgação de sessão e visita (Infohabitar n.º 250, 14 Jun. 09, 3 págs., 3 figs.).

Do Aqueduto de Lisboa aos novos Vazios - Teresa Marat-Mendes (26 Jan. 09, 12 págs., 22 figs.).

A Exemplaridade dos Sistemas Construtivos Tradicionais para a Inovação em Sustentabilidade na Arquitetura – Hélio Costa Lima (10 Nov. 08, 6 págs., 5 figs.).

Reabilitação de edifícios habitacionais com valor patrimonial – artigo de Mariana Morgado Pedroso (27 Abril, 2008, 9 págs., 8 figs.).

“A variante portuguesa do classicismo imperial brasileiro”, apresentação de um novo livro de Alberto José de Sousa pelo próprio autor (6 Abril, 2008, 16 págs., 16 figs.).

A PENSAR EM LEIRIA – artigo de Fausto Simões (2 Ago 07).

Reabilitação do parque habitacional público: O papel das cooperativas - crónica de Nuno Teotónio Pereira (26 Jul. 07).

Um dia por Lisboa – Fazer e não fazer - Texto de Nuno Teotónio Pereira (28 Jun. 07, 7 p., 3fig.).

Condição de adaptabilidade dos espaços culturais, um caso de estudo: Solar dos Zagallos – Ana Tomé e Teresa Heitor (01 Fev. 07).

Requalificar e habitar uma cidade amigável (I), Coimbra 11 Janeiro 2007 – António Baptista Coelho (25 Jan. 07).

Baixa-Chiado. Um plano ambicioso, uma equipa competente, um processo enclausurado – Nuno Teotónio Pereira (20 Out., 4p., 4 fig.).

Mobilidade no centro histórico: o caso de Coimbra – Sidónio Simões (Out. 12, 14 p. 16 fig.).

Lisboa, cidade que quer ser UNESCO – Celeste Ramos, ilustração de Maria João Eloy e de Dias dos Reis (8 Set. 06, 8p., 9 fig.).

Urgência e complexidade da regeneração de bairros sociais e outros espaços urbanos degradados - António Baptista Coelho (8 Nov. 05, 6 p., 5 fig.).

Um novo PER – Programa Especial de Regeneração habitacional e urbana - António Baptista Coelho (27 Out. 05., 5 p., 4 fig.).
...

Tema 18: GESTÃO DA CIDADE HABITADA


Neste tema procuramos integrar as matérias do como melhorar as cidades existentes, habitando-as melhor, re-estruturando-as de formas tão actuais como pertimentes, recuperando e reinventando as suas marcas culturais e económicas e nunca esquecendo que a boa cidade é a cidade bem habitada e que o nosso século é o das cidades e mesmo o das grandes cidades.

As cidades em crise são as cidades desejáveis– artigo de António Baptista Coelho (6 Dezembro 2007, 16 págs., 11 figs.)

A Administração do Parque Publico de Arrendamento Habitacional – Guilherme Vilaverde (30 Jan. 06, 4p. ).

Por um Novo Modelo de Gestão da Habitação IV– João Carvalhosa (25 Jan. 06, 5p.).

Por um Novo Modelo de Gestão da Habitação III – João Carvalhosa (19 Jan. 06, 9p. 3 fig.).

Por um Novo Modelo de Gestão da Habitação II – João Carvalhosa (15 Jan. 06, 9p., 8fig.).

Por um Novo Modelo de Gestão da Habitação I – João Carvalhosa (10 Jan. 06, 10p., 1fig.).
...

Tema 19: ESCALAS E TEMPOS DO HABITAR


Este é um dos sete temas que integram a grande matéria de um "habitar humanizado" ou mais humanizado, correspondendo a uma faceta muito dedicada a abordagens adequadas dos diversos níveis e das diversas formas de tratamento dos espaços e ambientes que habitamos e que, simultaneamente, integram os nossos espaços urbanos e as nossas paisagens. Trata-se de um tema essencial no projecto de um habitar bem adequado aos homens, às suas vizinhanças e às suas cidades e amplos espaços paisagísticos.

QUARTEIRÕES DE VIZINHANÇA I- António Baptista Coelho (n.º 352, 26 Jun. 11, 10 págs., 7 figs.).

Um cidade de vizinhanças conviviais - António Baptista Coelho (n.º 280, 10 Jan. 10, 4 págs., 2 figs.).

Lisboa palco de beleza; ... cidade, no rio… a caminho do mar: artigo duplo, sobre a Tall Ships’ Races 2006 – Celeste Ramos e M. João Eloy (27 Jul. 06, 7p., 11 fig.).

A cidade que sou e tenho em mim; Regra de ouro: habitar – Maria Celeste Ramos e Maria João Eloy (14 Jul. 06, 5p. 4 fig.).

A Nuvem, Ixion e o Centauro – um artigo de Maria.João.Eloy sobre a regionalização (10 Abr. 06, 4p. 3 fig.).

O meu bairro é uma cidade dentro da cidade – Maria Celeste Ramos e António Baptista Coelho com fotografias de Maria João Eloy (19 Out. 05, 4 p.14 fig.).

Entre o lugar da casa e os lugares da cidade , António Baptista Coelho (10 Ago. 05, 4 p., 2 fig., 2 com.).

Mundos citadinos que é urgente conhecer/fazer melhor – III - artigo de António Baptista Coelho (24 Mai. 05, 2 p., 1 fig.).

Casas como bosques – I - António Baptista Coelho (16 Jun. 05, 2 p., 1 fig.).

Cidade e sedução I - António Baptista Coelho (9 Jun., 2 p., 1 fig., 1 com.).

A CIDADE: UM LUGAR DE ESTÍMULO E SURPRESA – Marilice Costi (1 Jun. 05, 3 p., 1 fig., 3 com.).

Mundos citadinos que é urgente conhecer/fazer melhor – II - artigo de António Baptista Coelho (12 Abr. 05, 1 p.).

Mundos citadinos, mundos desconhecidos que é urgente conhecer melhor e fazer melhor – I - António Baptista Coelho (11 Abr. 05, 1 p.).

Mundos citadinos que é urgente conhecer/fazer melhor – II - António Baptista Coelho (12 Abr. 05, 1 p.).

Mundos citadinos, mundos desconhecidos que é urgente conhecer melhor e fazer melhor – I - António Baptista Coelho (11 Abr. 05, 1 p.).

Da minha janela vejo o mundo e reconheço o meu olhar - um texto da Arq.ª Maria Celeste Ramos (21 Mar. 05, 4 p., 2 com.).
...

Tema 20: AS HUMANIDADES E O HABITAR


Este é um dos sete temas que integram a grande matéria de um "habitar humanizado" ou mais humanizado, tratando-se, aqui, da faceta que deve assegurar o importantíssimo interface entre o habitar "arquitectado" e as muitas outras disciplinas humanas, técnicas e sociais que têm de contribuir para um habitar que responda bem a quem o habita e que enriqueça o espaço urbano. De certa forma é nesta matéria que temos de investir quando queremos "abrir" a concepção habitacional a outras especializações que não aquelas treinadas para o projecto e para a percepção espacial.

"CASA. Propriedades que adquire com o «encasado»”, por Célia Faria e colóquio internacional " Habitar, pensar, investigar, fazer" – Célia Faria (n.º 328, 9 Jan. 11, 5 págs., 3 figs.).

A Casa dos Sentidos de Sérgio Fazenda Rodrigues - António Baptista Coelho (n.º 324, 12 Dez. 10, 5 págs., 3 figs.).

Quem é cuidador? – Marilice Costi (n.º 317, 24 Out 10, 4 págs., 2 figs.).

Arquitectura, Ciências Humanas e Habitar, 3.ªConferência Alargada do Grupo Habitar, 31 de Março de 2008 na UNL”O diálogo entre Arquitectura e Ciências Sociais Humanas na construção do Habitar - I” - artigo de apresentação por António Baptista Coelho (23 Março, 2008, 5 págs., 3 figs.).

Cidades vivas, cultas e criativas I - Artigo de António Baptista Coelho (17 Fevereiro 2008, p págs., 7 figs.)

Os territórios em mudança e o espaço global: questões de cidadania e de ambiente – João Lutas Craveiro (26 Out., 11p., 6 fig.).

Seis cantos contra a guerra – Khaled Ghoubar, ilustração de António Baptista Coelho (21 Jul. 06, 5p., 1 fig.).

As sociedades envelhecem, mas somos humanos – Maria Celeste Ramos e António Baptista Coelho (2 Mar. 06, 5p. 2 fig.).

Retrospectiva – Maria Luiza Forneck (5 Fev. 06, 3p.).

Quem sabe começamos por nós? – Marilice Costi (12 Dez. 05, 3p. 2fig.).

Os idosos na cidade e a cidade envelhecida – Paulo Machado (5 Dez. 05, 6p., 3fig.).

Interpelações Virtuais ao Cidadão Comum - Maria João Eloy , (Nov. 05, 2 p., 10 fig.).

As cidades também se abatem – “They kill horses - don’t they ?” - Maria Celeste Ramos (16 Nov. 05, 4 p., 3 fig.).

O habitar é técnica e poesia I – inclui poema de António Ramos Rosa - António Baptista Coelho (4 Out. 05, 2p., 1 fig.).

O Preconceito na apreensão da Cultura da Cidade e do Território - Maria João Eloy (2 Ago. 05, 6 p., 10 fig., 3 com.).

...
 

Caso queira aceder ao catálogo interactivo bastará clicar no link seguinte:
http://infohabitar.blogspot.com/2010/11/catalogo-actualizado-do-infohabitar-em.html

Tema 21: HABITAR CIDADES AMIGAS – CONVIVIAIS, ACESSÍVEIS, PARA TODOS, E SEGURAS

Este é um dos sete temas que integram a grande matéria de um "habitar humanizado" ou mais humanizado, e trata-se de um tema hoje em dia fulcral, seja pelos objectivos que integra de uma cidade mais amigável, mais convivial, aberta e segura, seja considerando que ela tem de ser feita para todos e especificamente ela tem de tratar e apoiar muito bem os grupos socioculturais mais significativos e mais sensíveis, destacando-se. aqui, naturalmente, as crianças e os idosos.

Sobre uma cidade amiga do peão (i): espaços pedonais estruturados e estruturadores da cidade - António Baptista Coelho (n.º 354, 9 Jul. 11, 7 págs., 4 figs.).

CONSTRUIR SEGURANÇA: Prevenção do crime através da concepção do espaço – Daniela Fernandes (n.º 334, 20 Fev. 11, 7 págs., 11 figs.).

A Rua — será que a podemos perder? – Wilson Zacarias (n.º 335, 27 Fev. 11, 18 págs., 10 figs.).

Uma cidade amigável e habitada, feita de fachadas permeáveis e de vida urbana - António Baptista Coelho (n.º 299, 23 Mai. 10, 6 págs., 6 figs.).

Sobre a segurança urbana - alguns aspectos gerais de reflexão - António Baptista Coelho (n.º 298, 16 Mai. 10, 3 págs., 2 figs.).

Cidades amigas, cidades seguras - Parte I - António Baptista Coelho (Infohabitar, Ano VI, n.º 281, Janeiro 17, 2010, 10 p., 8 fig.)

Cidades amigas, cidades seguras - Parte II - António Baptista Coelho (Infohabitar, Ano VI, n.º 282, Janeiro 24, 2010, 10 p., 15 fig.)

Cidade melhor harmonizada e humanizada: parte II - António Baptista Coelho (Infohabitar, Ano V, n.º 260, Agosto 24, 2009, 8 p., 4 fig.)

Cidade melhor: o peão – parte I, António Baptista Coelho (Infohabitar, Ano V, n.º 259, Agosto 14, 2009, 6 p., 3 fig.).

Uma cidade atraente feita de densidades vitalizadoras - António Baptista Coelho (16 Fev., 09, 6 p., 3 fig.).

(IN)SEGURANÇA EM ZONAS DE RESIDÊNCIAS. O ESPAÇO DA OPORTUNIDADE – artigo de Teresa V. Heitor (31 Janeiro 2008, 11 págs., 4 figs.)

Sobre uma cidade naturalmente segura - António Baptista Coelho (20 Set., 07, 23 p., 10 fig.).

À volta da cidade: sobre cidades verdadeiramente habitadas e amigáveis - António Baptista Coelho (12 Jul. 07, 12 p., 8 fig.).

Cidades desejadas e seguras (I): o problema da habitação tornou-se o problema da cidade – António Baptista Coelho (13 Abr., 2007, 8 p., 10 fig.) .

Questões relativas à concentração urbana e ao desafio da melhoria da segurança e da qualidade de vida nas zonas citadinas - José L. M. Dias (2 Nov., 10p. 6 fig.).

Os velhos na cidade velha – Celeste Ramos, ilustração de António Baptista Coelho (21 Set. 06, 12p., 7 fig.).

A cidade e o recreio, o espaço e o tempo – espaço de alegria e de formação do cidadão – Celeste Ramos, ilustração de António Baptista Coelho (17 Ago. 06, 6p., 5 fig.).

5.ª Sessão Técnica do Grupo Habitar - Évora: Os idosos e a cidade envelhecida, com o Grupo Habitar e a Câmara de Évora, relato de António Baptista Coelho (14 Mar. 06, 4p. 9fig.).

Os idosos na cidade e a cidade envelhecida – Sessão Técnica do Grupo Habitar – António Baptista Coelho,(28 Nov. 05, 7 p., 7 fig.).

Os Velhos – a Cidade e a Sociedade – Maria Celeste Ramos (2 Nov. 05, 4 p., 3 fig.).

As cidades são os locais mais desejáveis para viver e trabalhar II – objectivos/desafios e alguns comentários - textos de Adrian M. Joyce, comentados por António Baptista Coelho, 17 Mai. 05, 6 p., 1 fig.).

As cidades são os locais mais desejáveis para viver e trabalhar I - textos de Adrian M. Joyce comentados por António Baptista Coelho(29 Abr. 05, 3 p.).

Por uma cidade habitada - António Baptista Coelho (16 Mar. 05, 2 p., 1 fig.).

Habitação sem cidade algumas notas de António Baptista Coelho sobre um texto do Arq. Luis Fernández-Galiano (13Mar. 05,1p.).

Dos bairros do crime ao verdadeiro problema da habitação - António Baptista Coelho (09 Mar. 05, 2 p., 1 com.).

Sobre as cidades e os idosos - comentário de António Baptista Coelho (28 Fev. 05, 1 p.).
...

Tema 22: HISTÓRIA(S) E TIPOLOGIAS DO HABITAR


Este é um dos sete temas que integram a grande matéria de um "habitar humanizado" ou mais humanizado, e é um tema, por um lado, extremamente arquitectónico, na relação que estabelece com a própria reflexão de apoio ao projecto, mas é também um tema profundamente histórico e de análise histórica centrado num registo comentado sobre como se vivia, se vive e se viverá em termos de habitat humano e é, ainda, um tema muito embrenhado na adequação a modos de vida e formas de habitar a casa e a cidade nos dias de hoje e nas diversas situações que marcam a nossa realidade actual em termos de condições habitacionais e urbanas.

"O limite do habitar: o exposto e o recluso", seguido de "casa-pátio: uma tipologia muito versátil" - Décio Gonçalves e António baptista Coelho (n.º 287, 28 Fev. 10, 6 págs., 7 figs.).

Apresentação de "O moderno revisitado: habitação multifamiliar em Lisboa nos anos de 1950", um livro de Ricardo Costa Agarez editado pela CML - António baptista Coelho (N.º 286, 21 Fev. 10, 6 págs., 6 figs.).

Sobre 6 págs., 6 figs.).a casa-pátio: elementos de enquadramento - António Baptista Coelho (Infohabitar, Ano VI, n.º 283, Janeiro 31, 2010, 6 p., 3 fig.)

Arquitectura e Habitação: velhos aliados – a Arquitectura e o Problema Português da Habitação, 1948-2008, Artigo de António Baptista Coelho (1 Ago. 2008, 5 págs., 4 figs.).

Nos 60 anos do 1.º Congresso Nacional de Arquitectura , textos de, e organizados por, Nuno Teotónio Pereira (20 Jul. 2008, 9 págs., 7 fig.).

Relação entre o Habitar e a História - I António Baptista Coelho (2 Nov. 07, 6 p., 4 fig.).

O habitar, da proto-história aos romanos – Paços de Ferreira 12 e 13 de Outubro - António Baptista Coelho (25 Out. 07, 20 p., 27 fig.).

PRÉMIO INH/IHRU 2007 – 19ª EDIÇÃO - Júri do Prémio INH/IHRU 2007 (19 Jul. 07, 11 p., 12 fig.) .

20 Anos de habitação social portuguesa - António Baptista Coelho (7 Jun. 07, 16 p., 10 fig.).

Arquitectura da habitação social portuguesa recente – resenha de Sheila Walbe Ornstein (31 Mai. 07, p., 4 fig.).

Cidades à beira-rio e o rio como paisagem: a civilização que nasceu da água - Celeste Ramos com a colaboração e ilustração de António Baptista Coelho (24 Ago. 06, 10p., 9 fig.).

O Espaço Como Dominação e Consciência – artigo de Maria Luiza Forneck, ilustração de Susana Abreu, sobre as Missões Jesuítas no Sul do Brasil (4 Ago. 06, 6p., 7 fig.).

Outros destaques no Prémio INH 2006 – António Baptista Coelho (9 Jul., 9p., 19 fig.).

Premiados e mencionados no Prémio INH 2006 – António Baptista Coelho e Maria Celeste Ramos (3 Jul 06, 10p., 18 fig.).

Prémio INH 2006: candidaturas da promoção privada, parte II – reportagem de António Baptista Coelho (23 Jun. 06, 5p., 16 fig.).

Prémio Instituto Nacional de Habitação 2006: as candidaturas da promoção privada, parte I – reportagem de António Baptista Coelho (17 Jun. 06, 7p., 17 fig.).

Prémio Instituto Nacional de Habitação 2006: candidaturas municipais e de entidade pública empresarial – reportagem de António Baptista Coelho (11 Jun. 06, 6p. 14fig.).

Prémio Instituto Nacional de Habitação 2006: candidaturas cooperativas – reportagem de António Baptista Coelho (4 Jun. 06).

Arquitectura no feminino – texto de Celeste Ramos com imagens de António Baptista Coelho do conjunto residencial projectado pela Arqª Ana Valente e promovido pela CM de Esposende (4 Abr. 06, 6p. 6fig.).

As grandes cidades e a origem das cidades – António Baptista Coelho (ABC, 22 Set. 05, 4 p., 2 fig.).

EDIFÍCIO COPAN: MARCO DE REVITALIZAÇÃO HABITACIONAL EM SÃO PAULO – Parte II – um artigo do Arq.º Walter Galvão e da Prof.ª Sheila Ornstein (27 Jun. 05, 5 p., 4 fig.).

EDIFÍCIO COPAN: MARCO DE REVITALIZAÇÃO HABITACIONAL EM SÃO PAULO – Parte I - um artigo do Arq.º Walter Galvão e da Prof.ª Sheila Ornstein (22 Jun. 05, 7 p., 3 fig., 3 com.).

O conjunto de habitações sociais do Monte de São João- um texto de análise do Arq.ºDuarte Nuno Simões (24 Fev. 05, 3 p.).

...

Tema 23: O DESENHO E A HUMANIZAÇÃO DO HABITAR

Este é um dos sete temas que integram a grande matéria de um "habitar humanizado" ou mais humanizado, e é entre eles aquele mais chegado à reflexão e à prática do projecto arquitectónico ligado ao espaço doméstico, ao espaço urbano e ao próprio espaço público. No entanto é um tema que tem de ser "lido" e discutido por diversas formações com importância na concepção do habitar e aqui serão provavelmente muito úteis "pontes" de expressão dos pojectos que sejam claras e fiéis na sua descrição das respectivas soluções.

Sobre as fundamentais vizinhanças amigáveis I - António Baptista Coelho (3 Nov. 08, 4 págs., 3 figs.).

IDENTIDADE ESCOCESA - Políticas de Arquitectura na União Europeia, artigo de João Ferreira Bento (30 Março, 2008, 6 págs., 3 figs.).

Opiniões de Nuno Portas sobre o espaço público – relato de António Baptista Coelho (15 Set. 06, 15p., 5 fig.).

Uma viagem pela nova arquitectura na Universidade de Aveiro: reportagem fotográfica informal – Pedro Romana Baptista Coelho e António Baptista Coelho (1 Set., 7p. 16 fig.).

Sobre a humanização do espaço público – António Baptista Coelho (10 Ago 06, 8p. 7 fig.).

Humanização e vitalização do espaço público: Cadernos Edifícios (N.º 4 ) – artigo de António Baptista Coelho (27 Jun. 06, 3p. 2 fig.).

Notas ribeirinhas de Lisboa – António Baptista Coelho (22 Mar. 06, 7p. 9fig.).

Infohabitar/reportagem: com Gonçalo Ribeiro Telles no Jardim da Gulbenkian – António e Pedro Baptista Coelho (26 Fev. 06, 4p.).

Fazer cidade, a exposição de Raúl Hestnes Ferreira no ISCTE – Celeste Ramos com fotografias de Pedro Baptista Coelho (17 Fev. 06, 4p.).

Hestnes Ferreira, Teotónio Pereira e Teixeira Trigo: sessão do Grupo Habitar com o Instituto Nacional de Habitação – António Baptista Coelho (8 Fev. 06, 8p. 9fig.).

ACERCA DE LA CASA – Curso em Sevilha, Relato – António Reis Cabrita (13 Out. 05, 9 p., 3 fig.).

Humanização e vitalização do espaço público (Tópicos IX e X): paisagem urbana modelada, marcada pela pequena escala em espaços amigos das crianças e dos idosos - António Baptista Coelho (28 Jul. 05, 3 p., 7 fig.).

Humanização e vitalização do espaço público (Tópicos VII e VIII): integração entre interior e exterior, pormenorização, protagonismo do verde urbano e caracterização - António Baptista Coelho (27 Jul. 05, 3 p., 4 fig.).

Humanização e vitalização do espaço público (tópicos v e vi): vizinhanças reforçadas, clareza de ordenamento e escala humana - António Baptista Coelho (18 Jul. 05, 4 p., 4 fig.,, 2 com.).

Humanização e vitalização do espaço público (Tópicos III e IV): eixos urbanos habitados, pormenorizados, estimulantes e conviviais - António Baptista Coelho (11 Jul. 05, 3 p., 4 fig., 1 com.).

Humanização e vitalização do espaço público (Tópicos I e II): vizinhanças de proximidade, sequências, sítios únicos e níveis de privacidade - António Baptista Coelho (2 Jul. 05, 3 p., 4 fig.).
...

Tema 24: HABITAR INTEGRADO


Este é um dos sete temas que integram a grande matéria de um "habitar humanizado" ou mais humanizado, e trata de uma matéria sempre presente e recorrente no discurso de quem projecta o habitar, embora se reconheça, frequentemente, que esse discurso fica longe da realidade que deveria antecipar, uma realidade que é muitas vezes discutível e mesmo negativa por se traduzir em efeitos finais pouco coerentes e harmonizados entre os seus diversos elementos constituintes e préexistentes, e/ou relativamente aos resultados de adequação social que deveria apoiar.

A integração da habitação social II – importância e complexidade da integração social, artigo de António Baptista Coelho (26 Jul. 2008, 6 págs. 2 figs.).

Realojamento e (des)contentamento: a integração da habitação social I – estigmas e êxitos de uma importante forma de promoção habitacional, artigo de António Baptista Coelho (13 Jul. 2008, 8 págs., 4 figs.).

ESPÍRITO DO LUGAR – O DIREITO DE ESTAR, artigo de António Pedro Dores (15 Jun. 2008, 14 págs, 12 figs.).

Ainda sobre o espírito do lugar – Maria João Eloy (8 Jan. 06, 1p.).

Espírito do Lugar – um artigo gémeo de Celeste Ramos e Baptista Coelho (26 Dez. 05, 5p. 3fig.).

Da arquitectura dos sítios e das paisagens – e a propósito um grande texto de Aquilino Ribeiro António Baptista Coelho (15 Set. 05, 4 p., 4 fig.).

Casas envolventes e vivas (I) António Baptista Coelho (11 Set. 05, 3 p., 1 fig.).

Sentido do lugar – I, em memória de Fernando Távora , texto de António Baptista Coelho (4 Set. 05, 3 p., 4 fig., 3 com.).

Sentidos lugares II – algumas notas gerais sobre a integração , António Baptista Coelho (24 Ago. 05, 4 p., 3 fig.).

Sentidos lugares I – algumas notas sobre o verde urbano , António Baptista Coelho (21 Ago. 05, 4 p., 5 fig.).

Onde acaba a identidade e começa o turismo? - António Baptista Coelho (4 Mar. 05, 1 p.).
...

Tema 25: NATUREZA, TEMPO, CIDADE E LUGAR


Este é um dos sete temas que integram a grande matéria de um "habitar humanizado" ou mais humanizado, e refere-se a aspectos específicos que há que ter em conta, na concepção do habitar, de relação com o espaço natural, com o espaço urbano e considerando a própria caracterização e identidade de cada sítio/lugar; um pouco diferente da relação de integração trata-se, aqui, de uma preocupação de "diálogo" efectivo e rico entre o que se faz de novo, ou se renova, e os respectivos quadros de envolvência urbanos e naturais.

Olivais Norte: modernismo e natureza (i) - António Baptista Coelho (n.º 305, 25 Jul. 10, 12 págs., 10 figs.).

Porque Morrem as Cidades os Velhos e as Árvores. Porque Morre e um País III - Celeste Ramos (2 Fev. 09, 13 págs., 6 figs.).

Porque Morrem as Cidades os Velhos e as Árvores. Porque Morre e um País II - Celeste Ramos (19 Jan. 09, 14 págs., 7 figs.).

Porque Morrem as Cidades os Velhos e as Árvores. Porque Morre e um País I - Celeste Ramos (12 Jan. 09, 13 págs., 6 figs.).

OS JARDINS E O HABITAR (II) – artigo de António Baptista Coelho e textos da da London Tree Officers Association (22 de Jun. 2008, 9 págs., 8 figs.).

O Jardim Ampliado – artigo de Milton Botler (19 Maio, 2008, 9 págs., 7 figs.).

SOBRE OS JARDINS E O HABITAR (I) NOTAS INICIAIS E UM PRIMEIRO ENQUADRAMENTO – artigo de António Baptista Coelho (12 Maio, 2008, 6 págs., 6 figs.).

Paisagens II: algumas notas sobre a árvore na cidade - Texto e fimagens de António Baptista Coelho sobre palestra de Maria Celeste Ramos (9, Março, 2008, 6 págs., 4 figs.).

Paisagem I: sobre a natureza da paisagem - artigo de António Baptista Coelho (24 Fevereiro 2008, 6 págs., 6 figs.)

LIBERDADE IDENTIDADE: História de vida confundida com a história do país - Celeste Ramos (17 Mai. 07, p., fig.).

DIA DA MÃE – texto de Celeste Ramos (10 Mai. 07, p., fig.).

O Céu de Lisboa (e mais um texto complementar) - Celeste Ramos ( 20 Abr. 07, 8 p., 6 fig.).

A árvore suporte do mundo no espaço urbano (II) – das árvores/jardins, Celeste Ramos (22 Fev. 07).

A árvore suporte do mundo no espaço urbano (I) – dos homens-árvore às florestas de resinosas e folhosas, Celeste Ramos (15 Fev. 07).

A Cidade e o Solstício de Inverno - Maria Celeste Ramos (21 Dez. 06).

Cidade relógio de horas – Maria Celeste Ramos, ilustração de ABCoelho (16 Nov. 06, 9p., 7 fig.).

A Cidade e o Equinócio de Outono II, desenhar com a natureza – Celeste Ramos (5 Out. 06, 11p. 6fig.).

A Cidade e o Equinócio de Outono I, o esplendor da luz – Celeste Ramos, ilustração de António Baptista Coelho (28 Set. 06, 9p. 8 fig.).

Qualidade do ambiente urbano II – o jardim e acidade ontem e hoje – Maria Celeste Ramos com colaboração e imagens de António Baptista Coelho (7 Mai. 06, 7 p., 7fig.).

Qualidade do ambiente urbano I – a natureza às portas da cidade – Maria Celeste Ramos com colaboração e imagens de António Baptista Coelho (1 Mai. 06, 7 p., 7fig.).

A cidade e o equinócio da Primavera – Celeste Ramos com imagens de António Baptista Coelho (28 Mar. 06, 6p. 5fig.).

A Cidade e o Carnaval, festa de antecipação do Equinócio da Primavera – Maria Celeste Ramos com imagens de António Baptista Coelho (10 Mar. 06, 3p. 2 fig.).

O Natal, o Solstício de Inverno e a Cidade – Maria Celeste Ramos (16 Dez. 05, 4p. 3fig.).
...


Caso queira aceder ao catálogo interactivo bastará clicar no link seguinte:
http://infohabitar.blogspot.com/2010/11/catalogo-actualizado-do-infohabitar-em.html


Tema 26: (NOVAS) FORMAS/SOLUÇÕES DE HABITAÇÃO - NOVO


Neste tema e tal como fica evidente no título, abordam-se as novas formas e soluções de habitar, que há que desenvolver tendo em conta as diversificadas necessidades actuais, que podem constituir uma saída prática estratégica para o actual impasse na promoção habitacional e que têm de integrar facetas específicas e múltiplas urbanas, de vizinhança, de serviços prestados e de espaços exteriores e de espaços interiores e domésticos, numa total negação das velhas e poucas tipologias habitacionais circunscritas ao edifício e numa idêntica negação de um restrito conjunto de relações e tipologias domésticas.

Hotéis atractivos para hóspedes seniores: A experiência da Região do Algarve - Parte II

Outras formas de habitar (i): breves notas sobre o velho Arraial Ferreira Neto e novo Vila Galé Albacora - António Baptista Coelho (n.º 350, 11 Jun. 11, 8 págs., 14 figs.).

- Wilson Zacarias (n.º 322, 28 Nov. 10, 8 págs., 4 figs.).

Hotéis atractivos para hóspedes seniores: A experiência da Região do Algarve - Parte I

- Wilson Zacarias (n.º 321, 21 Nov. 10, 10 págs., 5 figs.).

Novas soluções habitacionais (III) - artigo de António Baptista Coelho (6 Jul. 2008, 8 págs., 5 figs.).

Novas formas de habitar (II): Unidades residenciais - artigo de António Baptista Coelho (8 Jun. 2008, 10 págs., 9 figs.).

Vitalizar a cidade e oferecer novas formas de habitar (I). Uma introdução à oferta de pequenas unidades residenciais em zonas urbanas centrais - artigo de António Baptista Coelho (1 Jun 2008, 9 págs., 7 figs.).

Adequação, diversidade e inovação nas soluções de habitar, da casa à cidade – parte II: adaptabilidade, satisfação dos moradores, e vantagens cooperativas – artigo de António Baptista Coelho (22 Nov 2007 16 págs., 10 figs.)Adequação, diversidade e inovação nas soluções de habitar, da casa à cidade – parte I: enquadramento, meio urbano, tipos de edifícios e de conjuntos de edifícios, espaços e serviços comuns, multifamiliares e unifamiliares inovadores – artigo de António Baptista Coelho (16 Nov. 2007 14 págs., 6 figs.)

Cidade e habitação apoiadas (II) - António Baptista Coelho (25 Mai. 07, p., fig.).

Cidade e Habitação Apoiadas (I): Alguns aspectos de enquadramento – António Baptista Coelho (3 Mai. 07, 6 p., 6 fig.).
...

Tema 27: VIAGENS HABITADAS (NOVO)

Neste tema serão editados pequenos relatos de viagens marcadas por aspectos específicos do habitar.

Cidades da viagem e do estar: o caso de Barcelona I - artigo de António Baptista Coelho (7 Set. 2008, 5 págs., 7 figs.).

...

Tema 28: ACTUALIDADES, COMENTÁRIOS, NOTÍCIAS, INFORMAÇÕES

Como fica claro no título este tema refere-se à divulgação diversificada de actualidades, eventos, notícias e informações; o Infohabitar não é uma publicação dedicada às actualidades, mas não pode deixar de apoiar muitas actividades e iniciativas consideradas interessantes e oportunas.

Arquitecto Luís Cunha e Symposium Digital Fabrication no ISCTE -IUL, vencedores do Desafio Global On-line Moradia Ideal - António Baptista Coelho (n.º 343, 25 Abr. 11, 7 págs., 3 figs.).

Sessão no LNEC e novo livro sobre ventilação e qualidade do ar interior; resultados do concurso "Moradia Ideal" - António Baptista Coelho (n.º 340, 3 Abr. 11, 12 págs., 8 figs.).

SEMINÁRIO SOBRE A HABITAÇÃO EM PONTE DA BARCA E LANÇAMENTO DE NOVO LIVRO SOBRE ENERGIA SOLAR PASSIVA - António Baptista Coelho (n.º 329, 16 Jan. 11, 7 págs., 3 figs.).

Novas Sessões Técnicas Edifícios (STE) no LNEC - STE01: O regulamento de requisitos acústicos em edifícios -Conceitos e aspectos interpretativos - 7 de Julho 2011 - António Baptista Coelho (n.º 353, 3 Jul. 11, 6 págs., 3 figs.).

Eduardo Gageiro e "Semana do Design Gráfico" na Escola Secundária de Sacavém (ESS) -Isabel Romana (n.º 344, 1 Mai. 11, 8 págs., 16 figs.).

Divulgação da visita da Prof.ª Carolina palermo ao NAU do LNEC e ao Grupo habitar e 1.ª Conferência Internacional de Arquitectura e Qualificação de Cidades - António baptista Coelho (N.º 292, 4 Abr. 10, 6 págs., 5 figs.).

SILACC 2010 - simpósio ibero-americano Cidade e Cultura: novas espacialidades e territorialidades urbanas - António Baptista Coelho (N.º 285, 14 Fev. 10, 6 pgs., 5 figs.).

Três acções sobre o habitar e a cidade em Novembro de 2009, inclui a apresentação do livro “AHabitação de Interesse Social em Portugal, 19888-2005” - (Infohabitar, Ano V, n.º 270, Novembro 2, 2009, 5 págs., 7 figs.).

Mestrado sobre risco e acções sobre segurança infantil (Infohabitar, Ano V, n.º 263, Setembro 14, 2009, 6 págs., 3 figs.).

Seminário sobre conservação de azulejos no LNEC - International Seminar, conservation of glazed ceramic tiles. 15-16 Abril 2009, LNEC - divulgação por João Manuel Mimoso (8 Mar. 09., 3 págs., 3 figs.).

Arquitectura Sustentável Futuro com[ ]passado - Conferência do NAAV e do Grupo Habitar a 3 e 4 Outubro de 2008 na Universidade de Aveiro divulgação por António Baptista Coelho e Bruno Marques com base nos elementos do Congresso (21 Set. 2008, 7 págs., 3 figs.).

Quinzena da Habitação e o Habitar e a História, de 11 a 17 Outubro 2007 - António Baptista Coelho (27 Set. 07, 12 p., 9 fig.).

Infohabitar- Actualidades: lançamento de um DVD sobre o edifício Copan – Sheila Walbe Ornstein (17 Abr. 06, 2p. 1 fig.).

Editorial e Índice do Infohabitar em 2005 – António Baptista Coelho e Edição do Infohabitar (31 Dez. 05, 3p.).

Infohabitar/actualidades – Um comentário de Nuno Teotónio Pereira aos últimos textos do Infohabitar - Nuno Teotónio Pereira (2 Nov. 05, 1 p.).

Infohabitar/actualidades – Património mundial, Macau - texto de António Baptista Coelho (9 Out. 05, 1 p.1 fig.)

Quercus apela ao fim do abate das florestas de carvalho - ABC (21 Mar. 05, 1 p.).

Sobre os fundamentais concursos de arquitectura urbana – um desabafo – ABC (19 Mar. 05, 1p.).

Sobre as novas ferrovias - JM (10 Mar. 05, 2 p.).

5 passos simples para juntar um comentário - ABC (28 Fev. 05, 1 p.).

HABITARTE 1 - ABC (24 Fev. 05, 1 p.).
...

Tema 29: Congresso Internacional Habitação no Espaço Lusófono (NOVO)Este tema do Infohabitar é exclusivamente dedicado à divulgação de todas as actividades associadas à promoção dos Congressos Internacionais Habitação no Espaço Lusófono (CIHEL), recordando-se que houve já um 1.º CIHEL, em Setembro de 2010 e que está previsto o 2.º CIHEL para o final de 2012.

Apresentação do 1.º CIHEL - António Baptista Coelho (N.º 312, 19 Set. 10, 8 págs., 3 figs.).

O 1.º CIHEL divulga a Trienal de Arquitectura de Lisboa: todos a falar de casas - António Baptista Coelho (N.º 309, 24 Ago. 10, 7 págs., 5 figs.).

Apresentação e Programa do 1.º Congresso Internacional Habitação no Espaço Lusófono - 1.º CIHEL - António Baptista Coelho (N.º 306, 1 Ago. 10, 10 págs., 7 figs.).

1.º CIHEL – Congresso Internacional Habitação no Espaço Lusófono 22 a 24 de Setembro 2010 Lisboa ISCTE-IUL - António Baptista Coelho, Paulo Tormenta Pinto e António Reis Cabrita (N.º 301, 20 Jun. 10, 9 págs., 6 figs.).

...

Caso queira aceder ao catálogo interactivo bastará clicar no link seguinte:
http://infohabitar.blogspot.com/2010/11/catalogo-actualizado-do-infohabitar-em.html

Tema 30: Casos e autores

Finalmente, o que é, para já, o último tema do Infohabitar, é dedicado à divulgação de "casos e autores" do habitar, seja numa perspectiva mais ligada aos autores, seja mais ligada a casos específicos.

Ideias e Projectos de José Forjaz - António Baptista Coelho (n.º 327, 1 Jan. 11, 7 págs., 9 figs.).
...

Caso queira aceder ao catálogo interactivo bastará clicar no link seguinte:

http://infohabitar.blogspot.com/2010/11/catalogo-actualizado-do-infohabitar-em.html

Notas complementares:
O Infohabitar é uma revista/blog do Grupo Habitar (GH), é editado com o fundamental e continuado apoio informático do editor José Romana Baptista Coelho, é divulgado a partir do Núcleo de Arquitectura e Urbanismo do Laboratório Nacional de Engenharia Civil, onde tem a sede o Grupo Habitar, e contou com importantes apoios, em termos de divulgação, por parte do Instituto Nacional de Habitação (INH), hoje Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU) e da Federação Nacional de Cooperativas de Habitação Económica (FENACHE).

No caso de um associado do GH ou de um leitor do Infohabitar ter interesse em editar um texto ou artigo na nossa revista/blog, naturalmente, dentro de um quadro de temáticas como as que estão acima apontadas, mas com um muito desejável potencial de diversificação (ex., nas matérias mais tecnológicas e em análises de casos) deverá entrar em contacto com António Baptista Coelho, para os e-mail abc@lnec.pt e abc.infohabitar@gmail.com ou para o telem. 914631004.

Notas editoriais:

(i) Embora a edição dos artigos editados no Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico, as opiniões expressas nos artigos apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores.


(ii) Para proporcionar a edição de imagens no Infohabitar, elas são obrigatoriamente depositadas num programa de imagens, sendo usado o Photobucket; onde devido ao grande número de imagens se torna muito difícil registar as respectivas autorias. Desta forma refere-se que, caso haja interesse no uso dessas imagens se consultem os artigos do Infohabitar onde, sistematicamente, as autorias das imagens são devidamente registadas e salientadas. Sublinha-se, portanto, que os vários albuns do Photobucket que são geridos pelo editor do Infohabitar constituem bancos de dados do Infohabitar, sendo essas imagens de diversas autorias, apontadas nos artigos do Infohabitar, pelo que deve haver todo o cuidado no seu uso; havendo dúvidas um contacto com o editor será sempre esclarecedor.

Editor: António Baptista Coelho

Edição de José Baptista Coelho

Lisboa, Encarnação - Olivais Norte
Notas prévias:

domingo, julho 10, 2011

Sobre uma cidade amiga do peão (i): espaços pedonais estruturados e estruturadores da cidade - Infohabitar 354

Infohabitar, Ano VII, n.º 354

Sobre uma cidade amiga do peão (i): espaços pedonais estruturados e estruturadores da cidade

António Baptista Coelho



Nota sobre a ilustração:
As imagens que acompanham o artigo correspondem a uma recente e muito positiva intervenção promovida pela Câmara Municipal de Lisboa na Av.ª Duque de Ávila.


Introdução: o desígnio de uma cidade mais amiga do peão

Numa altura em que a actividade do ordenamento urbano em Portugal está a ser marcada pelos processos de revisão dos Planos Directores Municipais, considera-se que estas acções poderiam ser caracterizadas por um objectivo central de (re)qualificação do espaço público, tendo-se em conta uma atenção específica no que se refere à identificação, análise e desenvolvimento de percursos urbanos com usos privilegiadamente pedonais e com potencial para se articularem numa verdadeira rede pedonal que funcione como uma renovada “espinha dorsal”, estratégica e gradualmente melhorada, que vise uma cidade também agradável e potencialmente “do vagar”, embora sempre estrategicamente associada e integrada com os restantes tipos de trânsito; assumindo-se este grande objectivo como um verdadeiro desígnio de um novo desenvolvimento urbano, mais sustentável, mais humanizado e mais culto.

A ideia é que a (re)estruturação de uma rede pedonal efectiva e necessariamente afectiva, possa desempenhar um papel protagonista, seja na revitalização funcional e diária de muitos bairros e vizinhanças alargadas, seja na construção de uma renovada dimensão de usufruto citadino que dê maior coesão aos conjuntos de bairros e de vizinhanças e que proporcione a fruição da cidade a pé, devagar ou mais depressa, numa relação próxima com a paisagem urbana e com as actividades citadinas, e ao longo de percursos estimulantes e tão longos, quanto a vontade e as condições físicas de quem se desloca e passeia.

Reforça-se, ainda, a ideia que, que se irá comentar com algum desenvolvimento nos seguintes parágrafos, do interesse estratégico que tem e terá uma gradual, mas sempre continuada e reforçada aposta numa estruturação pedonal que garanta, quer um usufruto pedonal reforçado das vizinhanças alargadas ao nível dos bairros, quer a vital conjugação pedonal entre os vários bairros e vizinhanças que caracterizam cada cidade ou aglomerado urbano significativo – que, sublinha-se, hoje em muitos casos, verdadeiramente, não existe –, quer a gradual mas afirmada articulação destes percursos numa rede global citadina pedonalizada, que vá sendo, sequencialmente, desenvolvida e melhorada; e sublinha-se que não há nesta pedonalização nenhum aspecto de fundamentalismo, pois considera-se que, por exemplo, bons passeios arborizados e estrategicamente vitalizados serão os elementos-chave desta ideia, passeios estes que podem bordejar vias automóveis, e que a relação com os transportes públicos é também vital nesta “repedonalização” da cidade (a cidade foi basicamente pedonal ao longo de grande parte da sua história).

Regista-se, ainda e desde já, que esta ideia de “repedonalização” da cidade tem de ser considerada, com naturalidade mas com efectividade, de forma conjugada com as acções, que, felizmente, começam a estar na ordem do dia, de (re)estruturação e de recuperação de velhos caminhos e sendas que atravessam periferias urbanas e zonas rurais (cruzando eventualmente diversos concelhos), procurando-se, sempre a gradual (re)constituição de uma rede tendencial e prioritariamente pedonal com expressivo desenvolvimento, ancorada em adequados pontos de serviço de transportes públicos e de estacionamento de veículos privados, e que propicie extensos e agradáveis passeios de lazer; e nunca será excessivo sublinhar a importância vital que tem a boa gestão de tais percursos (não vale grande coisa um grande percurso pedonal sem manutenção e sem segurança mínimas) e a sua adequada divulgação (por vezes até se fazem percursos e depois não se realiza um simples e bem feito folheto para a sua divulgação).


Fig. 01

Dinamizar a vivência do espaço público

A ideia é tirar partido das possibilidades de uma vivência do espaço público mais efectiva, que será mais funcional ao nível de cada vizinhança alargada – por exemplo em cada bairro ou conjunto urbano significativo e caracterizado, em zonas em que seria muito importante controlar (física e legalmente) a velocidade ao máximo de 30 Km/h (zonas afirmadamente residenciais e submetidas a uma geral predominância pedonal) – e mais de lazer ao nível da cidade dos bairros e das continuidades urbanas entre bairros, sendo que este factor de lazer é considerado como potencialmente estruturador de uma nova forma de viver a cidade, actualmente a renascer em muitas zonas urbanas do mundo mais desenvolvido; e, afinal, sabendo-se que está provado ser óptimo para a saúde caminhar entre 30 min. e 60 min., diariamente, e sabendo-se que em cerca de 20/30 min se marcham entre 1 e 2 km, entende-se que será possível aliar lazer e funcionalidade em muitas situações, com benefícios para a saúde de cada um, mas também para a vitalização e consequentemente para uma melhor segurança urbana nessas zonas mais usadas por pessoas a pé.

Neste sentido apontam-se alguns aspectos mutuamente complementares, muitos deles já com presença nos elementos habitualmente constituintes dos PDM, mas aqui de certo modo unificados pelo objectivo de se ir efectivamente tornando cada cidade ou aglomerado urbano significativo, um território agradavelmente percorrido a pé nas mais diversas tipologias de percursos, algumas já devidamente estudadas e outras a considerar e a aprofundar. Seguem-se, portanto, referências específicas e sintéticas a alguns aspectos complementares a considerar nesta requalificação do espaço público urbano para uso pelo peão, aspectos estes que, no entanto, se julga terem também importância específica em cada um dos aspectos/temas considerados e apontados em seguida, de uma forma sintética (prevendo-se que cada um destes temas possa vir a ser objecto de desenvolvimento específico noutros artigos desta série).

Relação entre a estrutura urbana pedonal e um planeamento efectivo do verde urbano

Importa privilegiar a relação entre a estrutura urbana pedonal e um planeamento do verde urbano de cada cidade ou aglomerado urbano signigicativo, visando-se uma “estrutura urbana verde” mais efectiva e consistente, considerando-se o que existe e o que deverá existir e tendo-se até em conta a grande importância desta matéria em termos ambientais e de saúde pública, assim como em termos de sustentabilidade ambiental (ex., introdução de árvores com grande longevidade, resistência à poluição e expressiva contribuição para a melhoria ambiental).

Julga-se ser muito importante assegurar um mais efectivo reflexo, na revisão de cada PDM, da realidade da paisagem urbana verde que existe e que se deseja, pois só assim se poderá contribuir activamente para uma verdadeira requalificação do espaço público, que estimule o seu uso pelos habitantes e visitantes; pois é, realmente, importante para o peão poder contar com verdadeiras sequências de verde urbano, visualmente estimulantes e amenizadoras das condições de conforto ambiental no exterior.

E não podemos nem devemos esquecer a enorme importância do verde urbano como elemento de (re)qualificação da paisagem urbana; uma ideia que é por muitos reconhecida, mas que infelizmente ainda é pouco interiorizada e aplicada.



fig. 02

Relação entre a estrutura urbana pedonal e uma adequada estratégia de transportes públicos e de estacionamento

Importa privilegiar a relação entre a estrutura urbana pedonal e uma adequada estratégia de transportes públicos e de estacionamento, considerando-se ser fundamental uma estrutura desses transportes e de estacionamentos estratégicos, bem “colada” à referida rede pedonal.

Nesta matéria parece haver, ainda, um importante caminho a desenvolver e aprofundar no sentido de se clarificarem nas zonas urbanas e periféricas os respectivos eixos de estruturação de acessibilidades e de se apoiar e facilitar a deslocação em transportes públicos, e a relação mútua entre diversos tipos de transporte e percursos pedonais bem desenvolvidos; uma situação que se agrava de forma significativa quando nos movimentamos fora dos percursos que usamos mais regularmente (e que, portanto, conhecemos mal ou não conhecemos) e/ou fora dos horários correntes (ex., de noite e ao fim de semana); e seria muito bom para os habitantes e para a animação urbana assegurar-se uma tal reestruturação, clarificação e apelativa divulgação dessas possibilidades de deslocação – uma divulgação que tem de ser feita por especialistas de comunicação e de design de comunicação e não por pessoas apenas com habilidade gráfica, devendo ser devidamente testada em termos da satisfação e clareza atingidas.

Relação entre a estrutura urbana pedonal e o desenvolvimento de um plano/mapa de actividades culturais com espectro completo/amplo

Importa privilegiar a relação entre a estrutura urbana pedonal e um plano/mapa de actividades culturais com espectro completo/amplo, considerando-se ser vital o registo trabalhado da constelação das múltiplas actividades culturais existentes na cidade, averiguando e marcando eventuais zonas de tendência e aliando, intimamente, um tal mapeamento à referida estruturação pedonal apoiada em transportes públicos.

Não se trata aqui de “forçar” quaisquer eventuais perfis de actividades, mas de as acompanhar e apoiar, por vezes, em aspectos financeiramente pouco significativos mas estrategicamente importantes (ex., definição de paragens de transportes públicos e horários de funcionamento), a identificar em parceria com os respectivos e diversos parceiros da sociedade civil; por exemplo a dinamização que tem acontecido relativamente a um amplo conjunto de galerias de arte não parece ter ainda um apoio/enquadramento adequado, e nestas matérias há inúmeras potencialidades a aproveitar considerando o enorme leque de áreas temáticas a considerar, desde circuitos para desporto livre a pólos museológicos e a articulações estratégicas com o comércio de rua.

“Arranha-se” aqui, apenas, a rica matéria ligada ao apoio às indústrias e actividades criativas, uma matéria com enorme potencial e muito sensível a alianças com espaços urbanos patrimoniais e/ou caracterizados.



Fig. 03

Relação entre a estrutura urbana pedonal e o desenvolvimento de um plano/mapa de paisagem urbana, que faça evidenciar os aspectos mais identificáveis, atraentes e culturalmente valiosos de cada cidade

Importa privilegiar a relação entre a estrutura urbana pedonal e a implementação de um plano/mapa de paisagem urbana, que faça evidenciar os aspectos mais identificáveis, atraentes e culturalmente valiosos de cada cidade e zona urbana significativa.

Nesta matéria julga-se estar na hora de desenvolvermos um estimulante “mapa” de vistas – paisagísticas, pormenorizadas e encadeadas – que sejam caracterizadoras de cada zona urbana significativa, e que não se limitem aos aspectos patrimoniais estritos, servindo, objectivamente à definição e fixação do genius-loci - carácter urbano, arquitectónico e vivencial que é próprio de cada zona.

Considera-se, ainda, que está também na hora de se passar, imediatamente, a uma fase seguinte e sequencial de defesa, de regeneração e aproveitamento múltiplo das características específicas de cada conjunto de imagens urbanas, arquitectónicas e vivenciais, que caracteriza cada cidade ou zona urbana significativa, sendo que se considera que toda esta é uma matéria totalmente conjugada com o referido desenvolvimento de uma adequada estrutura urbana pedonal, pois a imagem urbana goza-se a pé, tem tudo a ver com aspectos de reabilitação urbanística e também tudo a ver com uma estratégica ampliação do conceito urbano patrimonial até aos dias de hoje e integrando-se conceitos de património imaterial e relacionado com a fruição do espaço público e da vida urbana, considerando-se o enorme interesse em termos de imagem e vida urbanas que têm, por exemplo, muitas sequências de bairros recentes, como acontece, em Lisboa, com os bairros de Campo de Ourique, Alvalade, Olivais Norte, Telheiras e boa parte do Parque das Nações.

Julga-se, portanto, que esta perspectiva de relação entre a estrutura urbana pedonal e o apoio a uma agradável e activa fruição de uma sequência de paisagens urbanas estimulantes, pode ser um elemento fulcral do desenvolvimento da identidade de cada cidade e zona urbana significativa; e de forma alguma se considera que ela se resumirá ao chamado turismo de Arquitectura, pois trata-se de poder encaminhar habitantes e visitantes pelos mais agradáveis e estimulantes percursos da cidade, dinamizando-se o seu uso geral e a vitalidade das suas actividades económicas.

Relação entre a estrutura urbana pedonal e uma rede de percursos para bicicletas


Importa considerar a relação entre a estrutura urbana pedonal e o desenvolvimento de uma rede de percursos para bicicletas. Considera-se ser esta matéria óbvia em termos de relação entre a proposta estrutura pedonalizada citadina e uma estrutura para bicicletas a realizar de certa forma “paralelamente”, sendo importante equipar esta estrutura de soluções para estacionamento de bicicletas e talvez ainda mais importante encontrar soluções de pavimentação que assegurem a permeabilidade dos circuitos (se tal for possível, naturalmente).

Dois aspectos que merecem atenção específica nesta temática remetem, no entanto, para a salvaguarda da movimentação pedonal relativamente à movimentação dos ciclistas, considerando-se que será sempre criticável avançar na dinamização de ciclovias sem se avançar, pelo menos, simultaneamente no desenvolvimento da respectiva rede pedonal e que faz realmente pouco sentido privilegiar a introdução de ciclovias em zonas anteriormente dedicadas ao peão, que, assim, acaba por ficar, por vezes, verdadeiramente, estrangulado entre o tráfego automóvel, do qual sempre teve que se proteger, e o novo tráfego de bicicletas, do qual também se tem que habituar a proteger.

A ideia que se quer deixar aqui sobre esta matéria específica e para reflexão é que se julga que, com as devidas excepções associadas a grandes percursos funcionais para bicicletas onde até seja eventualmente proibida a circulação de peões, de modo a tornar-se muito fluído e seguro o tráfegos de bicicletas, sempre que se trate de meio urbano denso e, por maioria de razão, quando a bicicleta foi introduzida sobre espaços antes exclusivamente pedonais, o tráfegos de bicicletas deve ser secundarizado relativamente à circulação pedonal, situação que também se defende em zonas mistas de circulação (para peões e veículos) desenvolvidas na vizinhança de habitações.

Relação entre a estrutura urbana pedonal e um mapa de usos por formas suaves de tráfego

Importa considerar a relação entre a estrutura urbana pedonal e um eventual e desejável mapa de usos por formas suaves de tráfego – por exemplo, pequenos veículos eléctricos: a ideia aqui é abrir possibilidades a aproveitamentos potenciais e interessantes, seja em termos de relações de acessibilidade, seja em termos de actividade económica.

Mas trata-se de um tema que merece tratamento cuidadoso e específico, a ser realizado por especialistas na matéria.


Fig. 04

Relação entre a estrutura urbana pedonal de cada cidade e uma rede regional de percursos pedonais e para bicicletas

Tal como já se apontou neste texto, importa considerar a relação entre a estrutura urbana pedonal de uma dada cidade ou zona urbana significativa e as redes regionais de percursos pedonais e para bicicletas que, eventualmente, existam ou estejam a ser desenvolvidas em relação com essa zona urbana. Esta possibilidade é considerada lógica e fundamental na perspectiva que aqui se defende de se ir constituindo, gradual e consolidadamente, uma malha ou um conjunto de redes de acessibilidade “suaves” (pedonal, em bicicletas, etc.) com um máximo de poder de penetração urbana e de continuidade regional.

Regista-se, ainda, que esta possibilidade/potencialidade também se baseia no simples “atar” de “terminais” de redes semelhantes em municípios vizinhos, o que torna tudo ainda mais aliciante e possível, e devemos ter presente que a possibilidade de um usufruto prolongado e equipado de percursos pedonais e para bicicletas agradáveis, em termos de uso directo e de paisagens envolventes, será sempre um meio estratégico de ir incentivando a prática pedonal e ciclista. E não tenhamos dúvidas que será sempre uma grande mais-valia a estruturação gradual de continuidades territoriais ao serviço do lazer e da cultura – por exemplo, aproveitando a continuidade de percursos ribeirinhos já existentes e em preparação (ou potenciais) na continuidade das zonas da “linha” de Lisboa, Alhandra/Vila Franca de Xira, Azambuja, Cartaxo e Santarém e da linha de Lisboa/Oeiras/Cascais e, eventualmente, Sintra, etc.

Alguns aspectos complementares a considerar no desenvolvimento de continuidades e percursos pedonais urbanos e peri-urbanos

Registam-se, ainda, alguns aspectos importantes e complementares a considerar no desenvolvimento de continuidades e percursos pedonais urbanos e peri-urbanos.

É importante ter em conta uma estratégia de desenvolvimento cuidadosamente faseado da rede pedonal com escolhas cuidadosas e bem fundamentadas entre mais extensão ou mais acabamento e equipamento, apostando, sempre, em percursos bem consolidados em termos de gestão/manutenção, segurança pública (pelo menos mínima) e vida urbana e/ou de valia paisagística.

Na activação de continuidades pedonais importa assegurar uma estratégia de cuidadosa e muito clara divulgação de todas as novas ou renovadas condições de requalificação do espaço público, pois por vezes o que é mais difícil faz-se, mas poucos conhecem a sua existência, ou então a divulgação é tão complexa e elaborada que o seu impacto público é reduzido e/ou não atinge todos os grupos socioculturais.

Na activação de continuidades pedonais importa ainda assegurar e divulgar convenientemente condições sanitárias mínimas; uma condição essencial para a boa manutenção dos espaços e para o seu uso intenso por idosos e crianças. E numa perspectiva idêntica de zelar pela sanidade dos espaços há que regulamentar o seu uso por animais de estimação, o que deve passar, essencialmente, pela obrigatoriedade dos utentes recolherem os respectivos dejectos, mas não se devendo passar do “oito para o oitenta”, inviabilizando-se ou reduzindo-se drasticamente o uso livre destes espaços por pessoas e respectivos animais de estimação, desde que estando garantidas as condições de segurança dos restantes utentes e vedado/proibido o acesso a determinadas zonas específicas (ex., espaços de recreio infantil), pois não se tenha dúvida que o uso destes espaços por pessoas e respectivos animais de estimação constitui uma das suas principais condições de vitalidade e de segurança pública, designadamente em alturas do dia pouco movimentadas (de manhã cedo e ao final da tarde/noite).

No desenvolvimento de uma adequada e estratégica rede urbana pedonal há ainda que privilegiar uma concepção, um acabamento e um equipamento dos espaços pedonais interiores e exteriores decididamente amiga dos utentes mais sensíveis – designadamente, idosos e crianças – e mais susceptíveis em termos de elementos de acabamento superficiais, cores e todos os vocabulários de elementos de design de equipamento e de comunicação; e não tenhamos dúvidas que, por exemplo, muitos dos elementos actualmente usados em termos de sinalética são confusos para um utente “corrente” e quase ilegíveis para uma pessoa com algumas dificuldades na percepção (afinal o fazer-se um bom símbolo/imagem em termos de elemento estético não significa ter-se feito um elemento de comunicação eficaz e expressivamente claro na mensagem a transmitir).

E cumulativamente com o que acabou de se referir há que considerar todo um amplo leque de informações a disponibilizar, enquanto se usam as continuidades pedonais e que podem e devem divulgar aspectos tão diversos como, por exemplo, os ligados à natureza e à biodiversidade, à história local, aos locais urbanos mais interessantes e/ou vitalizados, a percursos temáticos específicos, a regras aconselhadas para uso dos respectivos espaços e equipamentos e a contactos de emergência a ter presentes.

Notas editoriais:

(i) A edição dos artigos no âmbito do blogger exige um conjunto de procedimentos que tornam difícil a revisão final editorial designadamente em termos de marcações a bold/negrito e em itálico; pelo que eventuais imperfeições editoriais deste tipo são, por regra, da responsabilidade da edição do Infohabitar, pois, designadamente, no caso de artigos longos uma edição mais perfeita exigiria um esforço editorial difícil de garantir considerando o ritmo semanal de edição do Infohabitar.


(ii) Por razões idênticas às que acabaram de ser referidas certas simbologias e certos pormenores editoriais têm de ser simplificados e/ou passados a texto corrido para edição no blogger.


(iii) Embora a edição dos artigos editados no Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico, as opiniões expressas nos artigos apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores.


(iv) Para ser possível a edição de imagens no Infohabitar, elas são obrigatoriamente depositadas num programa de imagens - é usado o Photobucket; onde, devido ao grande número de imagens, se torna difícil registar as respectivas autorias. Desta forma salienta-se que, caso se pretenda usar essas imagens, se consultem os artigos do Infohabitar onde, sistematicamente, as respectivas autorias são registadas. Sublinha-se, portanto, que os vários albuns do Photobucket que são geridos pelo editor do Infohabitar constituem bancos de dados do Infohabitar, sendo essas imagens de diversas autorias, apontadas nos artigos do Infohabitar, pelo que deve haver todo o cuidado no seu uso; havendo dúvidas um contacto com o editor será sempre esclarecedor abc@lnec.pt


Infohabitar a Revista do Grupo Habitar


Editor: António Baptista Coelho


Edição de José Baptista Coelho


Lisboa, Encarnação - Olivais Norte


Infohabitar, Ano VII, n.º 354, 9 de Julho de 2011