quinta-feira, fevereiro 08, 2007

Prémio Europeu de Energia Sustentável 2007 para projecto europeu SHE e conjunto residencial cooperativo na Ponte da Pedra – José Coimbra e A.B.Coelho - Infohabitar 125

 - Infohabitar 125



Prémio Europeu de Energia Sustentável 2007

para projecto europeu SHE e conjunto residencial cooperativo na Ponte da Pedra


É com uma muito especial satisfação que, em seguida, se faz o relato da recente atribuição do Prémio Europeu de Energia Sustentável 2007 a um projecto europeu, o projecto SHE – Sustainable Housing in Europe - http://www.she.coop/ -, no qual se salienta um conjunto habitacional português de habitação de interesse social, portanto apoiada pelo Estado, e promovido por um conjunto de cooperativas de habitação económica, realizado na Ponte da pedra, Leça do Balio, Matosinhos. Trata-se do primeiro empreendimento cooperativo de construção sustentável em Portugal, promovido pela NORBICETA - cooperativas Nortecoop, As Sete Bicas e Ceta.


Há que destacar a parceria assegurada neste projecto europeu, pela parte portuguesa, entre a Federação Nacional de Cooperativas de Habitação Económica (FENACHE), o Instituto Nacional de Habitação (INH) e a Câmara Municipal de Matosinhos, uma cooperação que foi, aliás, evidenciada numa acção conjunta, realizada a 28 de Novembro de 2006 e designada "Por um Território Sustentável" onde este projecto foi apresentado ao grande público.
"Por um Território Sustentável": Presidente do INH, Eng. Teixeira Monteiro, Presidente da C.M. de Matosinhos, Dr. Guilherme Pinto, Secretário de Estado do Ordenamento do Território e das Cidades, Prof. João Ferrão, Presidente da Federação Nacional de Cooperativas de Habitação Económica, Guilherme Vilaverde, e Vogal do Conselho Directivo do INH, Dr. Ricardo Bexiga

Dá vontade de dizer e diz-se que, quando queremos, fazemos tão bem ou melhor do que os melhores, foi o que aconteceu na Ponte da Pedra, na sua 1ª fase muito bem conseguida e na sua 2ª fase em que se aplicaram ideias de sustentabilidade eficazes e positivamente replicáveis. Dá também vontade de dizer que, para que os bons técnicos possam fazer bem, ajuda muito que os políticos sejam sensíveis à oportunidade e à valia das suas ideias e ao ritmo, por vezes crítico, que se exige em promoções em que há que poupar a cada passo e em cada pormenor.

É ainda essencial referir que as boas obras se fazem com pessoas e nestas há que registar, entre outros, o Presidente da União de Cooperativas promotoras e Presidente da Federação Nacional de Cooperativas de Habitação Económica, Guilherme Vilaverde, o arquitecto coordenador do Projecto, Arq. Carlos Coelho, o Director Técnico da Obra, Eng. José Coimbra, a empresa construtora, a J. Gomes, e os responsáveis da Câmara Municipal de Matosinhos e do Instituto Nacional de Habitação, designadamente, nas pessoas do seu Presidente Eng. José Teixeira Monteiro e do Director Eng. Defensor de Castro, todos estes agentes que foram peças principais no desenvolvimento e sucesso desta iniciativa pioneira em Portugal, e que contou, ainda, com o apoio académico do Prof. Eduardo Maldonado, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e da Prof. Manuela Almeida, da Universidade do Minho.

Mas ao falar de pessoas, das pessoas responsáveis por esta grande alegria e por este exemplo e orgulho de todos nós, há que lembrar aquele que nos acompanha sempre, mas que, infelizmente, desde há um ano, já não caminha connosco, o grande amigo e grande dirigente cooperativista José Barreiros Mateus, um dos grandes responsáveis por esta grande alegria, porque no projecto europeu SHE soube ver um futuro que hoje está aqui provado com este prémio, e que é ser possível fazer excelente habitação, habitação amiga do ambiente e do habitante e com controlo de custos: deseja-se, sinceramente, que esta linha de inovação fundamentada e fundamental perdure, nestes e em outros aspectos relativos a novas e mais adequadas formas de habitar, e as cooperativas da Fenache estão aí para ajudarem a assegurar um tal caminho.



Em seguida faz-se o relato da atribuição do Prémio Europeu de Energia Sustentável 2007 ao projecto SHE, sublinhando-se que neste projecto a realização da Norbiceta na Ponte da Pedra constitui um dos exemplos de maior sucesso, designadamente, em termos de inovação, eficácia de realização e cumprimento de prazos de conclusão, remetendo-se os leitores para outros artigos do Infohabitar onde já se abordou este conjunto. Finalmente, deixam-se aqui sinceros parabéns a todos os principais responsáveis por esta excelente aventura, uma aventura que nos deixa cheios de orgulho e de vontade de voltar a fazer tão bem; fiquemos então com a mensagem de José Coimbra e com a continuidade das belas imagens da Ponte da Pedra, onde também se redescobriu um pouco da grande sabedoria do ligar a arte à arquitectura urbana.

António Baptista Coelho – arquitecto, investigador do LNEC, vice-presidente da Nova Habitação Cooperativa (NHC)




Caros Parceiros SHE,Caros colegas, colaboradores e amigos: Tenho, na qualidade de coordenador técnico do projecto português, o maior prazer de vos anunciar que o Consórcio SHE foi premiado com o Prémio Europeu de Energia Sustentável 2007. O Projecto SHE obteve o prémio de melhor projecto na categoria “Parcerias público-privadas” por permitir a poupança de energia em habitações construídas de forma sustentável.Junta-se, em seguida, a mensagem do coordenador, Arq.º Alain Lusardi, já que se considera que este tipo de destaque e reconhecimento para o nosso País merece ser divulgado tanto particular ou pessoalmente como institucionalmente. Por isso vos agradeço a melhor atenção para o texto que se segue:



Roma, 5 Fevereiro de 2007
Caros parceiros SHE,
Estamos felizes por poder anunciar que o consórcio SHE foi premiado com o Sustainable Energy Europe Awards 2007 (Prémio Europeu de Energia Sustentável 2007). O Projecto SHE obteve o prémio de melhor projecto na categoria “Parcerias público-privadas” por permitir a poupança de energia em habitações.

Segue-se o relatório do Júri:

“O projecto SHE representa um brilhante exemplo de uma parceira público-privada, na qual as Cooperativas de Habitação Económica conseguiram demonstrar, ao nível local, regional e europeu, e juntamente com empresas de construção, instituições científicas e organizações técnicas, a viabilidade da habitação e de comunidades sustentáveis.

O projecto SHE realça a importância da sensibilização e consciencialização dos utilizadores finais e procurar melhorar o nível de vida dos cidadãos oferecendo ambientes saudáveis e sustentáveis.A parceria está a levar a cabo uma abordagem integrada do desenvolvimento e construção de habitação sustentável, tornando a excepção regra.
No final deste projecto, 600 famílias na Dinamarca, França, Itália e Portugal estarão a viver em habitações sustentáveis.O projecto SHE desenvolverá um guia de boas práticas para que estas habitações sustentáveis sejam replicadas noutras.”
Partindo deste discurso, considero mesmo que a atribuição do prémio realça o facto de:
  • A habitação social ser um elemento chave no desenvolvimento urbano sustentável integrado;
  • A acção pioneira das Cooperativas de Habitação estar a desbravar o caminho para que haja cada vez mais casas ecológicas em cada vez mais comunidades sustentáveis;
  • O nosso projecto ser agora considerado como melhor prática, pelo que será um grande impulsionador para outros promotores habitacionais, bem como para clientes privados e municipais.
Estamos extremamente contentes pelo facto de o Consórcio SHE ter recebido este novo e prestigiado prémio dedicado a um uso mais inteligente da energia sustentável na Europa com o objectivo de sensibilizar e mudar o panorama energético.
Estamos verdadeiramente convencidos de que este feedback positivo é um reconhecimento significativo dos nossos esforços para acelerar a integração dos temas de sustentabilidade no sector habitacional e para criar cidades dinâmicas e amigas do ambiente.
É verdade que, desde que o Projecto SHE começou em 2003, o nosso projecto foi implementado num quadro legislativo extremamente dinâmico, mas ainda assim estou convencido de que contribuiu para estimular e desenvolver as nossas cidades.
Obviamente que tudo foi possível devido ao vosso enorme comprometimento contra as barreiras técnicas e não técnicas e parafraseando um ditado:
“Por detrás de um projecto de sucesso, está um consórcio que o fez acontecer.”
Para concluir, dada a importância crescente do projecto ao nível nacional e Europeu, temos de, cada vez mais, comprometermo-nos a respeitar as obrigações contratuais, especialmente aquelas que ainda não foram respeitadas!
Conto com o vosso apoio para a melhor realização dos desafios do projecto SHE que se avizinham nos próximos…dois anos.
Espero que este importante reconhecimento Europeu seja um elemento chave para viabilizar a extensão do Projecto por um ano por nós solicitada.
Não hesitem em contactar-me se tiverem alguma dúvida ou comentário.Com os melhores cumprimentos,
Alain Lusardi
Arianna Braccioni
Charlotte Pedersen

Discurso de agradecimento na Cerimónia da Entrega do Prémio:
“Gostaríamos de agradecer à Comissão por este importante prémio e à Campanha Por uma Europa Energicamente Sustentável, uma vez que foi um instrumento indispensável na difusão da nossa iniciativa de poupança energética e de habitação sustentável.
O Projecto SHE é coordenado pela Federabitazione e é essencialmente implementado por organizações de habitação social, as quais desempenham uma importante função como promotores de soluções sustentáveis.
De facto, a missão das Cooperativas de Habitação é a de satisfazer as necessidades expressas pelas comunidades locais, contribuindo para a melhoria da qualidade da habitação.
A implementação deste Projecto Europeu conquistou um feedback positivo da parte dos utilizadores finais e dos resultados atingidos, tais como a introdução do tema da poupança energética ao nível das políticas locais, regionais e nacionais, nos países envolvidos.
Este prémio é, em concreto, o reconhecimento dos esforços dos parceiros nos últimos anos e um impulso maior no reforço das acções de inclusão da sustentabilidade na prática do dia a dia.
As barreiras a uma aplicação progressiva dos princípios de sustentabilidade não são de cariz técnico, mas especialmente de natureza cultural.
Estamos a desenvolver actividades de informação dos custos e benefícios a longo prazo da sustentabilidade energética, realçando os efeitos positivos na qualidade de vida dos cidadãos e na protecção do ambiente.
Obrigado!”

Mr. Venturelli Giuseppe – President of Federabitazione Europe
Mr. Tofanelli Giancarlo – Managing Director of Federabitazione Europe
A equipa coordenadora do SHE

Grato pela vossa atenção,
José Coimbra


Faz-se, em seguida, uma pequena síntese do conjunto da Ponte da Pedra, utilizando-se, informalmente, partes de artigos de José Coimbra, já editados no Infohabitar.

O Projecto de Ponte da Pedra surgiu de um concurso de ideias. Entre o desenvolvimento da ideia urbana e residencial (Setembro de 1998) e a conclusão da Obra (Maio de 2004) contaram-se apenas 6 anos, também um factor de sustentabilidade.

A construção do Empreendimento substituiu uma indústria de curtumes deteriorada, valorizando o local de implantação e a sua envolvente.

A primeira fase do Empreendimento conta com 6 Blocos que contemplam 150 habitações, a segunda fase é constituída por 2 blocos com 101 habitações e os necessários equipamentos.

O conjunto residencial proporciona a criação de núcleos de vizinhança bem afirmados, nas suas funções de lazer e de convívio, pedonalmente coesos, estabelecendo simultaneamente uma adequada e valorativa ligação com o meio envolvente.




A segunda fase da Norbiceta na Ponte da Pedra constitui a participação portuguesa no Projecto SHE – Sustainable Housing in Europe.

O Projecto SHE conta com a participação de várias instituições de 4 países europeus – Itália, Dinamarca, França e Portugal, e visa demonstrar a viabilidade real da habitação sustentável do ponto de vista económico, ambiental, social e cultural, utilizando, para tal, construções cooperativas europeias como projectos piloto de disseminação de um novo modelo construtivo que se quer ver adoptado em construções futuras.




Relativamente ao projecto SHE da Ponte da Pedra sublinham-se os seguintes aspectos de concepção e construção:

I – Aprofundar o envolvimento dos vários intervenientes nas diversas fases de desenvolvimento do empreendimento, cumprindo-se uma estratégia integrada de desenvolvimento sustentável.

II – Integração do Empreendimento no local de implantação de forma valorativa,
respeitando as condicionantes de ordenamento do território e os ecossistemas existentes e promovendo melhoria ambiental e a biodiversidade, considerando-se a orientação solar, aproveitando-se a linha de água existente no local e potenciando-se a utilização dos transportes públicos.

III – Selecção de materiais de construção do Edifício que respeitam e protegem o meio ambiente, seja pela sua reduzida intensidade, proveniência de fontes locais e reduzida necessidade de manutenção, seja pelo facto de serem duráveis, reciclados, recicláveis ou reutilizáveis.

IV – Respeito pelo ciclo de água existente e redução/racionalização do consumo de água potável através da utilização de tecnologias e equipamentos que permitam poupar água e através da redução da perda de água infiltrada; nesta matéria sublinha-se a construção de uma cisterna subterrânea de recuperação e armazenamento de águas pluviais para abastecimento das sanitas dos fogos e para assegurar a rega da totalidade dos jardins da urbanização.

V - Gestão adequada de resíduos nas fases de construção e operação.

VI – Construção de um edifício energicamente eficiente, actuando, para tal, a vários níveis: a maximização do potencial solar passivo (orientação do edifício), a minimização dos consumos, o uso de tecnologias de energia renovável, a instalação de equipamentos energicamente eficientes, a selecção de materiais e equipamentos com reduzido nível de energia incorporada e a informação aos utilizadores sobre as melhores práticas de redução das necessidades energéticas; foram implementadas soluções construtivas que asseguram a limitação das necessidades de aquecimento, das necessidades de arrefecimento e das necessidades de energia para aquecimento de águas sanitárias com vista à certificação energética do Edifício.

VII – Gestão da iluminação natural respeitando as especificações legais quanto aos níveis de iluminação natural e artificial a assegurar, executando uma articulação eficiente entre ambas e garantindo uma percentagem elevada dos espaços com iluminação natural.

VIII – Conforto acústico do Edifício, controlando eficazmente o ruído no interior do edifício e do exterior para o interior do edifício.



Finalmente, e com os devidos créditos à Newsletter 2 do projecto SHE, datada de Novembro de 2005, fazem-se citações dos aspectos técnicos de sustentabilidade que caracterizam cada um dos oito projectos-piloto SHE, entre os quais se integra este conjunto na Ponte da Pedra, do qual continuam a ser as imagens que se juntam.


Consórcio Cooperativo - CCICASA, Teramo, Projecto Teramo, 60 eco – residências

- sistemas solares activos (fotovoltaico e térmico);
- alvenaria com elevada inércia e alto isolamento térmico;
- isolamento acústico;
- uso de materiais naturais e não-tóxicos;
- redução de campos eléctricos e electromagnéticos;
- ventilação natural nocturna;
- aquecimento central radiante com caldeira de elevada eficiência;
- reutilização e reciclagem de água;
- iluminação com reduzido consumo de energia.


Consórcio Cooperativo-COIPES, Veneza., Projecto Preganziol , 70 eco – residências:

- orientação dos edifícios;
- sistemas solares activos (fotovoltaico e térmico);
- refrigeração centralizada também com energia geotérmica e sistemas radiantes a baixa temperatura;
- optimização de fluxos de energia com o ambiente por concepção arquitectónica (arq. bioclimática);
- isolamento acústico;
- ausência de viaturas em espaços comuns; vias pedonais e vias para bicicletas distintas e uso de terra compactada em vez de asfalto nos pavimentos para circulação de viaturas;
- reciclagem de água e filtro de depuração de água não potável;
- redireccionamento e utilização de um pequeno curso de água para arrefecimento interior no Verão.



Consórcio Cooperativo - COPALC, Bolonha, Projecto Ozzano, 12 eco – residências:

- sistemas solares activos (fotovoltaico e térmico);
- alvenaria com elevada inércia e alto isolamento térmico;
isolamento acústico;
- uso de materiais naturais e não-tóxicos;
- redução de campos eléctricos e electromagnéticos;
- ventilação natural e ventilação nocturna;
- aquecimento central radiante com caldeira de elevada eficiência;
- reutilização e reciclagem de água;
- iluminação com reduzido consumo de energia;
- protecção solar muito eficaz;
- contadores de consumo de energia térmica em cada habitação.


Organização de Habitação Social – RINGGAARDEN, Aarhus, Projecto Aarhus, 130 eco-residências:

- objectivo energético: consumo inferior a 30kw/m2/ano;
- condições de iluminação natural optimizadas sem problemas de sobreaquecimento;
- varanda interior como zona térmica tampão;
- sistema de armazenamento térmico (material de mudança de fase);
- ventilação natural intensificada com torres de vento;
- materiais renováveis e ambientalmente optimizados;
- utilização de todos os sistemas conhecidos para poupança de água.


Consórcio Cooperativo - COPES, Pesaro, Projecto Villa Fastiggi, 130 eco-residências:

- apoio ao desenvolvimento da nova legislação local sobre arquitectura bioclimática;
- vias pedonais e vias para bicicletas independentes;
- melhoramento das ligações entre vias interiores e exteriores;
- isolamento acústico do edifício e da zona habitacional;
- redução dos campos electromagnéticos;
- gestão do ciclo da água à escala da chuva e da redução de níveis de consumo doméstico;
- controlo do impacto solar: ganhos solares no Inverno e estratégias passivas de arrefecimento para o Verão, dispositivos de sombreamento, ventilação natural, elevada inércia térmica e bom isolamento térmico;
- novo parque urbano que respeita as características da zona envolvente e as hortas familiares;
- evitar níveis de iluminação exterior excessivos e melhorar a iluminação natural no interior dos edifícios;
- sistemas centralizados de aquecimento a baixa temperatura com caldeiras de alta eficiência e com apoio de colectores solares térmicos.


Consórcio Cooperativo-CONSEDI, Brescia, Projecto Mazzano 40 eco – residências:

- sistemas solares activos (fotovoltaico e térmico);
- alvenaria com elevada inércia e alto isolamento térmico;
- isolamento acústico;
- uso de materiais naturais e não-tóxicos;
- redução de campos eléctricos e electromagnéticos;
- aquecimento central radiante com caldeira de elevada eficiência;
reutilização e reciclagem de água;
- iluminação com reduzido consumo de energia;


Consórcio de Cooperativas – NORBICETA, Porto, Matosinhos, 101 eco-residências:

- sistemas solares térmicos activos;
- alvenaria com elevada inércia térmica;
- uso de materiais naturais e não-tóxicos;
- tratamento optimizado da envolvente para minimizar pontes térmicas;
isolamento acústico;
- reutilização e reciclagem de água;
- controlo de resíduos resultantes da construção e processo de recolha selectiva;
- sistemas de poupança de água: dupla descarga de 3/6 litros, redutor de fluxo e colector de água da chuva na cobertura e nos jardins;
- gestão de resíduos com dispositivos de recolha selectiva de lixo produzido prelos habitantes;
- renovação do ar interior por extracção centralizada controlada.
iluminação com reduzido consumo de energia.



Organização de Habitação Social - OPAC38, Grenoble, Projecto Bourgoin-Jallieu, 61 eco-residências:

- relação harmoniosa entre o edifício e a envolvente;
- controlo de resíduos resultantes da construção e processo de recolha selectiva;
- alvenaria com forte inércia térmica, uso de tijolo de argila;
- criação de “estufas” dentro da habitação para captação de energia solar passiva;
- 60m2 de painéis solares térmicos e 20m2 de painéis fotovoltaicos;
- água quente fornecida por sistema centralizado a gás natural;
- ventilação de exaustão controlada;
- sistemas de poupança de energia para área públicas e privadas;
- sistemas de poupança de água: dupla descarga de 3/6 litros, redutor de fluxo e colector de água da chuva na cobertura;
- gestão central de reparação e manutenção;
- gestão de resíduos com dispositivos de recolha selectiva de lixo produzido pelos habitantes;
- conforto visual: iluminação natural em habitações e áreas comuns.



Relembra-se que estes textos-resumo, com citações dos aspectos técnicos de sustentabilidade que caracterizam cada um dos oito projectos-piloto SHE, foram retirados da Newsletter 2 do projecto SHE, de Novembro de 2005.


Nota:
Este artigo foi estruturado e editado por António Baptista Coelho em 7 de Fevereiro de 2007, com base directa na comunicação de José Coimbra sobre a atribuição, no início de Fevereiro de 2007, do Prémio Europeu de Energia Sustentável 2007 para o projecto europeu SHE no qual se integra o conjunto residencial cooperativo da Ponte da Pedra.
As imagens são de António Baptista Coelho.

Sem comentários :