domingo, junho 19, 2016

Temas do 4.º CIHEL

Fig. 01: logótipo do 4.º CIHEL, na UBI/Covilhã
Infohabitar, Ano XII, n.º 587

Site do 4.º CIHEL – www.4cihel2017.ubi.pt

Temas do 4.º CIHEL

Temas do 4.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono – 4.º CIHEL – na Universidade da Beira Interior (UBI), na Covilhã, de 7 a 10 de março

Esta semana, aqui na Infohabitar, continua a divulgação do 4.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono – 4.º CIHEL – a realizar na Universidade da Beira Interior (UBI), na Covilhã, de 7 a 10 de março de 2017.
O 4.º CIHEL integra a Semana do Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono 2017 – a Semana CIHEL2017 – que decorrerá de 5 a 10 de março de 2017, globalmente dirigida para o tema geral “A Cidade Habitada”; uma semana que associa as 1as Conferências CIHEL, no Porto, de 5 a 6 de março, e o 4.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono – 4.º CIHEL – na Universidade da Beira Interior (UBI), na Covilhã, de 7 a 10 de março. 

Fig. 02: logótipo da Semana CIHEL2017



Fig. 03: logótipo das 1.as Conferências CIHEL no Porto
Entre o domingo 5 de março e a sexta-feira 10 de março de 2017, preenchendo a semana a seguir ao Carnaval, logo no início do ano académico em alguns países da lusofonia – como Angola, Brasil e Moçambique – e no início do 2.º Semestre em outros países lusófonos, como Portugal, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) vai encontrar-se, novamente, no Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono (CIHEL), já na sua quarta edição, para discutir, em português, as temáticas do habitat humano, desta vez sobre o tema global: “A CIDADE HABITADA”.
O CIHEL, na sua quarta edição, tem como principais organizadores a Câmara Municipal do Porto (CMP) e a Universidade da Beira Interior (UBI), estando a agregar muitas outras participações, que serão em breve devidamente divulgadas, também aqui na Infohabitar.

Datas importantes do 4.º CIHEL


  •           15 de junho de 2016: abertura da chamada/call de resumos de Comunicações/papers, a realizar segundo modelo disponível no site do Congresso (idêntico ao usado no 2.º CIHEL).
  • .         5 de setembro de 2016: fecho da receção de resumos de Comunicações/papers.
  • .         Até 15 de setembro de 2016: conclusão da notificação de aceitação ou rejeição de resumos de Comunicações/papers.
  • .         15 de setembro a 15 de novembro de 2016: envio das comunicações completas, segundo o modelo disponível no site do Congresso (idêntico ao usado no 2.º CIHEL e que disponibiliza um guia simplificado para apresentação da comunicação).
  • .       15 de outubro de 2016: abertura das inscrições a preço reduzido – a realizar de acordo com intruções a disponibilizar no site do Congresso.
  • .         Até 1 de dezembro de 2016: notificação da aceitação final ou de recomendações de revisão das comunicações completas.
     Nota: a notificação da aceitação final ou da recomendação de revisão poderá        ser feita muito antes de 15 de dezembro de 2016.
  • .        15 de dezembro de 2016: data limite para receção das comunicações que tenham sido revistas e inscrição dos autores de comunicações.
  • .        15 de janeiro de 2017: data limite para inscrições a preço reduzido.

Descarregue aqui o template/guia do resumo a apresentar ao 4.º CIHEL

https://drive.google.com/file/d/0B07ghAdgYgJTYncxVS1nZzdTWkE/view?usp=sharing


Temas do 4.º CIHEL

O 4.º CIHEL irá proporcionar a discussão do tema/título geral “A CIDADE HABITADA”, e será estruturado nas seguintes seis matérias principais: assentamentos humanos, modos de habitar, modelos de urbanização nos espaços da lusofonia, novas territorialidades e áreas de alta e baixa densidade reabilitação urbana, resiliência na construção.
Em todos estes seis temas (Temas A a F) poderão ser feitas propostas de comunicações ao 4.º CIHEL, que decorrerá na Universidade da Beira Interior (UBI), na Covilhã, com a parte científica a decorrer ao longo dos dias 8 e 9 de março de 2017, apresentando-se, sem seguida, estes temas, de forma livre e resumida, para se proporcionar o seu melhor conhecimento e a eventual e desejada motivação de comunicações ao Congresso. 

Fig. 04: 4.º CIHEL, Tema A 

(Tema A) ASSENTAMENTOS HUMANOS

Futuros urbanos e novidade da tradição, estratégias sensitivas para o desenvolvimento urbano, as novas agendas do habitat humano entre a formalidade e a informalidade.
Desenvolver ligações entre ambiente, acessibilidades, território, paisagem e uma cidade viva e dinamizadora de um desenvolvimento viável, coerente, integrado e aliado da paisagem natural, tendo em conta as novas realidades e necessidades urbanas, como as megacidades e as grandes zonas urbanas informais; aprofundar as relações entre a introdução urbana de um renovado habitar, a paisagem envolvente e o meio ambiente, à luz das discussões sobre sustentabilidade; considerar o espaço urbanizado como espaço de vida, de cultura, de vitalização territorial, de competitividade e coesão social e territorial; considerar a renovada importância da imagem urbana; aprofundar a análise das carências habitacionais e urbanas e a proposta de soluções para a informalidade e a precariedade em termos habitacionais e de vivência urbana, privilegiando-se os casos de referência aplicados à resolução dessas situações no quadro da lusofonia.
Alguns subtemas possíveis: imagem e vitalidade urbanas; desenvolvimento social e urbano; planeamento estratégico e habitat humano; intervenções habitacionais e de regularização urbana em zonas informais e precárias; intervenções habitacionais de emergência.

Fig. 05: 4.º CIHEL, Terma B 

(Tema B) MODOS DE HABITAR

As casas do futuro e a sustentabilidade dos padrões de consumo e produção de cidade e de proximidade; as novas necessidades, soluções e tipologias na habitação.
Reconsiderar as bases teóricas da conceção do habitar; diversificar as soluções de habitar e adotar renovadas soluções de projeto integradas e eficazes; ligar o habitat humano aos seus destinatários (em termos funcionais, sociais e económicos), através de intervenções públicas, cooperativas e privadas nas diversas vertentes (urbanística, programática, projectual, participativa, financeira, construtiva), aplicadas a edifícios e espaços de uso público; privilegiar ações de humanização e de boa integração urbana da habitação de interesse social e adequados processos de realojamento em termos de adequada integração social, funcional e física; aprofundar uma investigação tipológica ao serviço das atuais necessidades habitacionais.
Alguns subtemas possíveis: aspetos associados à história, teoria e crítica do habitat humano, e com expressiva aplicação na atualidade; habitação de interesse social e adequação aos habitantes; inovação sustentada nas soluções habitacionais e na adequação a novos grupos sociais/etários carenciados; Integração da Habitação de Interesse Social.



Fig. 06: 4.º CIHEL, Tema C

(Tema C) MODELOS DE URBANIZAÇÃO NOS ESPAÇOS DA LUSOFONIA
Entre políticas públicas de habitação, mercado imobiliário e o que pensamos sobre habitação e cidade; opções entre Estado regulador e Estado construtor.
Considerar as políticas públicas, os quadros regulamentares e os programas na área urbana e habitacional e urbana, de escala nacional, regional ou local, visando-se intervenções sustentadas dos instrumentos de ordenamento territorial e urbanístico.
Alguns subtemas possíveis: convergências e divergências entre a gestão e o planeamento das cidades; papéis do Estado, do setor cooperativo e do mercado imobiliário na promoção de habitação; o direito a uma habitação adequada a preços acessíveis; habitat humano e participação popular.



Fig. 07:  4.º CIHEL, Tema D

(Tema D) NOVAS TERRITORIALIDADES E ÁREAS DE ALTA E BAIXA DENSIDADE
Processos transformativos da cultura, da paisagem e do ambiente; estratégias territoriais para um desenvolvimento integrado; novas territorialidades, entre litoral e interior; áreas de alta e baixa densidade.
Refletir sobre os novos caminhos da densificação em centros urbanos e periferias desvitalizadas; ponderar as novas territorialidades marcadas pelo litoral ou pelo interior; sistematizar os processos de intervenção em zonas de baixa densidade; considerar diversos quadros de densidade habitacional e de caraterização urbana ou rural e as respetivas tipologias de intervenção mais viáveis; relações mais diretas entre cultura, paisagem, ambiente e desenvolvimento local;
Alguns subtemas possíveis: habitar, território e memória; tirar partido do afastamento metropolitano e da identidade local; estratégias integradas para a vitalização de áreas de baixa densidade; a opção densificação e os seus suportes arquitetónicos – oportunidades e ameaças.

Fig. 08: 4.º CIHEL, Tema E 

(Tema E) REABILITAÇÃO URBANA

Identidade, património e vitalidade urbana; adequação entre oferta e procura habitacional em diversas zonas da cidade; usos mistos e inovação tipológica em edifícios; reabilitação integrada de espaços de uso público.
Refletir sobre os sensíveis equilíbrios entre valorização da identidade local, defesa e recuperação do respetivo património material e imaterial e incremento da vitalidade urbana; considerar e visar a relação entre habitar e reabilitar, considerando a múltipla importância do construir no construído e do preenchimento e da densificação no incremento de uma ampla sustentabilidade urbana; privilegiar uma reabilitação urbana e habitacional estratégica, vitalizadora, participada e integradora, funcionalmente diversificada e valorizadora do respetivo quadro patrimonial; aprofundar uma reabilitação integrada e participada de espaços de uso público.
Alguns subtemas possíveis: soluções urbanas de valorização do património material e imaterial local e regional; integração da reabilitação urbana e habitacional; relação entre reabilitação e procura habitacional; opções entre reabilitar para o habitante e/ou para o turista; aspetos que influenciam o custo da reabilitação construtiva.

Fig. 09: 4.º CIHEL, Tema F 

(Tema F) RESILIÊNCIA NA CONSTRUÇÃO

Economia social no setor da construção; novos processos e ferramentas de projeto de arquitetura; objetivos de saúde e conforto na construção; equilíbrio entre durabilidade, custo e qualidade na construção.

Desenvolver caminhos de reflexão sobre o papel da economia social no setor da construção; apresentar as últimas soluções ligadas a uma inovação integradora no projeto de arquitetura, desde a conceção à construção e à visualização; aprofundar as ligações entre tecnologia na construção e as áreas da saúde e do conforto ambiental no habitat humano; considerar a adequação regional da tecnologia construtiva, designadamente, em quadros de escassez e especificidade de recursos; aprofundar os aspetos de qualidade, durabilidade, manutenção e custos na produção habitacional.
Alguns subtemas possíveis: novas soluções de projeto de Arquitetura (ex., BIM); aprofundamento dos relevantes aspetos de saúde e conforto ambiental na construção do habitat humano; novas soluções construtivas e respetivos reflexos socioeconómicos; aspetos a destacar na construção habitacional em situações de escassez e especificidade de recursos; inovação na relação entre projeto, tecnologia e custos na construção.

Inscrições na Semana CIHEL2017 e no 4.º CIHEL

Abertura das inscrições: 15 de outubro de 2016
Apontam-se, como limites estimados para as inscrições no CIHEL 2017 com custos reduzidos (a realizar até 15 de janeiro de 2017) os seguintes valores: 250,00 € (4.º CIHEL na UBI/Covilhã e visita a 10 de março); e 350,00 € (1as Conferências CIHEL no Porto, 4.º CIHEL na UBI/Covilhã e visitas a 7 e 10 de março). Em breve serão disponibilizados os custos específicos para os diversos elementos que integram o programa do CIHEL 2017, as condições especiais de inscrição de participantes (ex.,estudantes) e contatos de hotéis no Porto e na Covilhã.

 O Editor da Infohabitar
Co-diretor do 4.º CIHEL e co-organizador da semana CIHEL2017
António Baptista Coelho

Notas editoriais:
(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.
(ii) De acordo com o mesmo sentido, de se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.
(iii) Para proporcionar a edição de imagens na Infohabitar, elas são obrigatoriamente depositadas num programa de imagens, sendo usado o Photobucket; onde devido ao grande número de imagens se torna muito difícil registar as respectivas autorias. Desta forma refere-se que, caso haja interesse no uso dessas imagens se consultem os artigos da Infohabitar onde, sistematicamente, as autorias das imagens são devidamente registadas e salientadas. Sublinha-se, portanto, que os vários albuns do Photobucket que são geridos pelo editor da Infohabitar constituem bancos de dados da Infohabitar, sendo essas imagens de diversas autorias, apontadas nos artigos da Infohabitar, pelo que deve haver todo o cuidado no seu uso; havendo dúvidas um contacto com o editor será sempre esclarecedor.

Infohabitar, Ano XII, n.º 587
Temas do 4.º CIHEL
Editor: António Baptista Coelho – abc@ubi.pt, abc@lnec.pt e abc.infohabitar@gmail.com
GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional, Mestrado Integrado em Arquitectura da Universidade da Beira Interior - MIAUBI

Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.

Sem comentários :