sexta-feira, dezembro 02, 2016

4º CIHEL - Prémio Universidades “A Cidade Habitada”

Infohabitar, Ano XII, n.º 597

4º CIHEL - Prémio Universidades

“A Cidade Habitada”


Nota prévia importante sobre o 4.º CIHEL:

Comunica-se a todos aqueles interessados em inscreverem-se no 4.º CIHEL e, designadamente, aos autores de comunicações enviadas ao 4.º CIHEL, que terão, obrigatoriamente, de realizar as respectivas inscrições no Congresso, conforme indicações constantes do site do Congressoe que a plataforma informática na qual serão feitas as inscrições será, muito em breve, disponibilizada.


Salienta-se que 15 de dezembro de 2016 é a data limite para recepção das comunicações (revistas ou aceites sem necessidade de revisão) e para inscrição dos autores das comunicações.

Nota prévia sobre a sequência editorial da Infohabitar:
Comunica-se aos leitores da Infohabitar que a edição normal da nossa revista e designadamente a continuidade da série editorial “habitar e viver melhor” será retomada logo que possível; estando, atualmente, os recursos da Infohabitar muito direcionados para o apoio ao 4.º CIHEL.

Embora  preparação do 4.º CIHEL nos ocupe, praticamente a 100%, iremos tentar marcar, dignamente, a próxima edição do artigo n.º 600 da nossa Infohabitar; e caso alguns colegas queiram contribuir poderão enviar propostas de textos - por exemplo, do tipo "comentários" - para abc.infohabitar@gmail.com.


4º CIHEL - Prémio Universidades
“A Cidade Habitada”

Texto de apresentação por Paulo Tormenta Pinto




É conhecido o processo de intensificação da urbanização nas últimas décadas, assim como a assimetria na sua ocorrência. No entanto, a escala e o impacto dessa explosão urbana nem sempre acaba por ser verdadeiramente tida em conta. No contexto ocidental, o processo de aceleração da urbanização decorreu a par com a industrialização e em paralelo com um crescimento da indústria e de serviços, o que representou a expansão das estruturas económicas e o alargamento das oportunidades de trabalho. E se neste contexto – apesar do processo de urbanização ter decorrido em conjuntura maioritariamente favorável de crescimento económico – se criou um desfasamento entre as exigências sociais e as condições criadas no ambiente urbano, em grande parte dos territórios a Sul esta disparidade terá atingido proporções especialmente gravosas, com velocidades de urbanização muito superiores, e uma maior fragilidade económica que se traduziu em constrangimentos acrescidos para as gerir.

DOMINGUES, Álvaro e FERNANDES, Ana Silva – “A URBANIZAÇÃO DA POBREZA - formação académica e consciência social” em AAVV, Revista Estudo Prévio  - nº 9 (http://www.estudoprevio.net)



No âmbito do 4º Congresso Internacional de Habitação no Espaço Lusófono, lança-se um desafio às escolas de arquitectura para se associarem ao debate lançado neste encontro científico, através da participação num concurso trabalhos de estudantes.

O espaço Lusófono pode definir-se através de uma geografia – entre Portugal no Sul da Europa e os países de língua portuguesa dos continentes americano (Brasil), Africano (Angola, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe), Asiático (Macau, hoje China e Timor Leste). Devido ao passado comum unido pela história, de que a língua é o mais importante património, estes territórios estabelecem hoje em dia uma comunidade que se observa mutuamente, procurando um posicionamento identitário diante das grandes questões colocadas pela contemporaneidade.

À sua escala e com as especificidades próprias da cada economia, sociedade, e localização geopolítica, é possível observar nesta comunidade, muitas das questões críticas que emergem na acumulação do mundo actual. As crises financeiras e políticas, a par com processos de desenvolvimento acelerado, criam a vários níveis assimetrias sociais que podem ser observadas nestes territórios lusófonos.

Deste modo mais do que debater o problema da ‘habitação’, importa debater o problema do ‘habitar’, enquanto consciência urbana de um território sustentável, potenciador de modos de vida plurais e humanizados. O sentido de continuidade entre o passado, o presente e o futuro; a diversidade das tipologias sociais; a proximidade ao emprego, aos equipamentos sociais e aos bens de consumo e de primeira necessidade, são hoje em dia desafios que se colocam na reabilitação do desenho das cidades.

O 4º CIHEL, estabelece um compromisso com estas linhas estruturantes do pensamento urbano, lançado junto das universidades um concurso que permita clarificar pela via do projecto, as inquietações do mundo contemporâneo.


Chamada de trabalhos - 4.º CIHEL Prémio Universidades - A Cidade Habitada


Apresentação
A 4ª Edição do CIHEL – CONGRESSO INTERNACIONAL DE HABITAÇÃO NO ESPAÇO LUSÓFONO, que se realizará entre as cidades do Porto e da Covilhã, promove o Prémio Universidades a atribuir a trabalhos realizados no âmbito académico, subordinados ao tema “A Cidade Habitada”.

Objectivo
São objectivos do 4º CIHEL - Prémio Universidades promover e incentivar a elaboração de trabalhos de projecto que reflictam sobre a regeneração das cidades tendo como base as problemáticas da habitação e do habitar.

Participantes
São aceites trabalhos realizados por estudantes de arquitectura dos 3º, 4º ou 5º anos entre 2015 e 2016, em cursos de Arquitectura, Urbanismo ou Arquitectura Paisagista de universidades dos países membros do CIHEL e CPLP.

Prémios
O concurso é honorífico, com distribuição de Diplomas, havendo lugar à atribuição de um 1.º Prémio, de um 2.º Prémio e de um 3.º Prémio. Caso o Júri considere adequado poderão ser atribuídas até 5 menções honrosas.

Regulamento
Os trabalhos devem ser apresentados em dois painéis de formato A1 ao alto, devidamente identificados com o nome do estudante, o ano, o docente que acompanhou o trabalho e a universidade. Para além dos desenhos, simulações e fotografias, deverá constar nos painéis um texto com 300 palavras, explicitado o enquadramento do exercício.
Juntamente com os painéis cada concorrente deverá enviar a ficha de inscrição (conforme anexo), devidamente preenchida e assinada pelo director do curso onde foi realizado o trabalho.
Os painéis e ficha de inscrição deverão ser enviados digitalmente, com os painéis em formato tipo JPEG, com resolução de 300 dpi, através do serviço We Transfer, para o endereço electrónico concurso4cihel@domussocial.pt até às 24 horas do dia 31 de janeiro (hora portuguesa).
Cada curso de arquitectura poderá enviar até ao máximo de 6 trabalhos.
São admitidos a concurso trabalhos individuais e trabalhos realizados em grupo;
Não existem restrições para a participação de trabalhos que tenham participado em outros concursos.
As candidaturas ao 4º CIHEL - Prémio Universidades são gratuitas.
A comissão organizadora do 4º CIHEL enviará email de confirmação de recebimento dos trabalhos;
Caso o remetente não receba a confirmação em até 48h após o envio deverá entrar em contacto para o email do concurso;

Composição do Júri
O júri terá a seguinte composição:

Presidente: 
Paulo Tormenta Pinto (ISCTE-IUL)  
Vogais:
Alexandra Saraiva (Universidade Lusíada do Porto)
Jorge Marum (Universidade da Beira Interior)
Marta Rocha Moreira (Universidade do Porto)
Paulo Moreira (London Metropolitan University).
Sara Morgado (Delegação do Centro da Ordem dos Arquitectos) 


FICHA DE INSCRIÇÃO
A inscrição no presente Prémio obriga, também, ao envio de uma ficha de inscrição, que estará, muito em breve, disponível no site do 4.º CIHEL.

www.4cihel2017.ubi.pt


Notas editoriais:
(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.
(ii) De acordo com o mesmo sentido, de se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.


Infohabitar, Ano XII, n.º 597
4º CIHEL - Prémio Universidades
“A Cidade Habitada”
Editor: António Baptista Coelho – abc@ubi.pt, abc@lnec.pt e abc.infohabitar@gmail.com
GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional, Mestrado Integrado em Arquitectura da Universidade da Beira Interior - MIAUBI
Edição: José Baptista Coelho - Lisboa, Encarnação - Olivais Norte.

Sem comentários :