quarta-feira, abril 06, 2022

Sobre as necessidades habitacionais mais específicas dos idosos “II” (versão de trabalho) – Infohabitar # 811

Ligação direta (clicar) para:  listagem interactiva de 800 Artigos, edição revista em janeiro de 2022- 38 temas e mais de 100 autores

Sobre as necessidades habitacionais mais específicas dos idosos “II” (versão de trabalho) – Infohabitar # 811

Infohabitar, Ano XVIII, n.º 811

Edição: quarta-feira, 06 de abril de 2022

Nova série editorial sobre Habitação Intergeracional Adaptável e Cooperativa – v 

 

Caros leitores da Infohabitar, 

 A Infohabitar continua a desenvolver uma nova série de artigos, que avançam, exploratoriamente, na matéria da Habitação Intergeracional Adaptável e Cooperativa, na sequência de alguns artigos introdutórios à temática de investigação intitulada Habitação Adaptável Intergeracional – Cooperativa a Custos Controlados (PHAI3C), já aqui editados há algum tempo; mas agora tratando-se de avançar no tema, numa perspetiva de trabalho de investigação em desenvolvimento – e daí o título do artigo “versão de trabalho” – , mas que dará, espera-se, para poder divulgar e discutir matérias tão interessantes como urgentes.

Lembra-se que serão muito bem-vindos os comentários e novas sobre os artigos aqui editados e propostas de novos artigos (a enviar para abc.infohabitar@gmail.com , ao meu cuidado).

Despeço-me, até à próxima semana, enviando saudações calorosas e desejos de força e saúde para todos os caros leitores e seus familiares,    

 

Lisboa, em 6 de abril de 2022

António Baptista Coelho

Editor da Infohabitar


Sobre as necessidades habitacionais mais específicas dos idosos “II” – Infohabitar # 811

texto geral de António Baptista Coelho, a propósito das ideias, textos e opiniões dos numerosos autores que são registados ao longo do texto

 

Notas introdutórias ao novo conjunto de artigos sobre habitação integeracional

O presente artigo inclui-se numa série editorial dedicada a uma reflexão temática exploratória, que integra a fase preliminar e “de trabalho”, dedicada à preparação e estruturação de um amplo processo de investigação teórico-prático, intitulado Programa de Habitação Aadaptável Intergeracional Cooperativa a Custos Controlados (PHAI3C); programa/estudo este que está a ser desenvolvido, pelo autor destes artigos, no Departamento de Edifícios do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), e que integra o Programa de Investigação e Inovação (P2I) do LNEC, sublinhando-se que as opiniões expressas nestes artigos são, apenas, dos seus autores – o autor dos artigos e promotor do PHAI3C e os numerosos autores citados no texto.

Neste sentido salienta-se o papel visado para o presente artigo e para os que lhe darão continuidade, no sentido de se proporcionar uma divulgação que possa resultar numa desejável e construtiva discussão alargada sobre estas muito urgentes e exigentes matérias da habitação mais adequada para idosos e pessoas fragilizadas.

Nesta perspetiva e tendo-se em conta a fase preliminar e de trabalho da referida investigação, salienta-se que a forma e a extensão do texto que é apresentado no artigo reflete uma assumida apresentação comentada, minimamente estruturada, de opiniões e resultados de múltiplas pesquisas, de muitos autores, escolhidos pela sua perspetiva temática focada e por corresponderem a estudos razoavelmente recentes; forma esta que fica patente no significativo número de citações – salientadas em itálico –, algumas delas longas e incluídas na língua original.

Julga-se que não se poderia atuar de forma diversa quando se pretende, como é o caso, chegar, cuidadosamente, a resultados teórico-práticos funcionais e aplicáveis na prática, e não apenas a uma reflexão pessoal sobre uma matéria bem complexa como é a habitação intergeracional adaptável desenvolvida por uma cooperativa a custos controlados e em parte dedicada a pessoas fragilizadas.

 

Nota introdutória à temática do Programa de Habitação Adaptável Intergeracional – Cooperativa a Custos Controlados (PHAI3C)

Considerando-se o atual quadro demográfico e habitacional muito crítico, no que se refere ao crescimento do número das pessoas idosas e muito idosas, a viverem sozinhas e com frequentes necessidades de apoio, a actual diversificação dos modos de vida e dos desejos habitacionais, e a quase-ausência de oferta habitacional e urbana adequada a tais necessidades e desejos, foi ponderada o que se julga ser a oportunidade do estudo e da caracterização de um Programa de Habitação Adaptável Intergeracional (PHAI), adequado a tais necessidades e a uma proposta residencial naturalmente convivial, eficazmente gerida e participada e financeiramente sustentável, resultando daqui a proposta de uma Cooperativa a Custos Controlados (3C).

O PHAI3C visa o estudo e a proposta de soluções urbanas e residenciais vocacionadas para a convivência intergeracional, adaptáveis a diversos modos de vida, adequadas para pessoas com eventuais fragilidade físicas e mentais, mas sem qualquer tipo de estigma institucional e de idadismo, funcionalmente mistas e com presença urbana estimulante. O PHAI3C irá procurar identificar e caracterizar tipos de soluções adequadas e sensíveis a uma integração habitacional e intergeracional dos mais frágeis num quadro urbano claramente positivo e em soluções edificadas que possam dar resposta, também, a outras novas e urgentes necessidades habitacionais (ex., jovens e pessoas sós), num quadro residencial marcado por uma gestão participada e eficaz, pela convivialidade espontânea e social e financeiramente sustentável.

Trata-se, tal como se aponta no título do artigo, de uma “versão de trabalho” e, portanto, a um artigo cujos conteúdos poderão ainda ser substancialmente revistos até se atingir uma versão estabilizada da temática referida no título; no entanto, em virtude da metodologia usada, que se considera bastante sólida, marcada pelo recurso a abundantes referências de fontes, devidamente apontadas e sistematicamente comentadas no sentido da respetiva aplicação ao PHAI3C, e tendo-se em conta a utilidade de se poder colocar à discussão os muitos aspetos registados no sentido da sua possível aplicação prática no PHAI3C, considerou-se ser interessante a divulgação desta temática/problemática nesta fase de “versão de trabalho”, que, no entanto, foi já razoavelmente clarificada – como exemplo do posterior tratamento para passagem a uma versão mais estável teremos, provavelmente, referências bibliográficas mais reduzidas e boa parte delas em português, assim como comentários mais desenvolvidos; mas mesmo este desenvolvimento irá sendo influenciado pelo(s) caminho(s) concreto(s) tomado(s) pelos diversos temas e artigos que integram, desde já, a estrutura pensada para o designado documento-base do PHAI3C, que surgirá, em boa parte, da ligação razoavelmente sequencial entre os diversos temas abordados em variados artigos.

Ainda um outro aspeto que se sublinha marcar, desde o início, o teor do referido documento-base do PHAI3C (a partir do qual serão gerados vários documentos específicos: mais de enquadramento e mais práticos) é o sentido teórico-prático que privilegia uma abordagem mais integrada e exemplificada da temática global da habitação intergeracional adaptável e cooperativa, apontando-se exemplos e ideias concretas logo desde as partes mais de enquadramento da abordagem da temática como as que se desenvolvem neste artigo.

Finalmente, solicita-se a compreensão dos leitores para lapsos e problemas de edição que, sem dúvida, acontecem no texto que se segue, mas a opção era prolongar, excessivamente, o período de elaboração de um texto que, afinal, se pretende seja essencialmente prático; as próximas edições serão complementarmente revistas e melhoradas.

Sobre as necessidades habitacionais mais específicas dos idosos “II” – Infohabitar # 811

 

Considerando-se a extensão do tema este é apresentado, aqui na Infohabitar, em dois artigos a editar em semanas consecutivas, sendo as matérias de cada semana realçadas a negrito na listagem que se segue; os itens (i) e (ii) foram, portanto, editados na semana que passou.

 

Subtemáticas do presente item :

(i) Sobre as necessidades habitacionais mais específicas dos idosos: reflexão geral

(ii) Capacidade de escolha e de participação na habitação adequada aos idosos

(iii) Possibilidade de uma revolução na qualidade de vida dos idosos

(iv) Habitação com prestação de cuidados

(v) Sustentabilidade ambiental e novas soluções habitacionais

Avança-se, em seguida, para uma reflexão global sobre as necessidades habitacionais mais específicas dos idosos, tentando-se tratá-las numa perspetiva que nunca esquece o que as condições habitacionais especialmente habilitadoras de uma vida diária funcional, agradável e segura para os habitantes idosos são, também, globalmente, condições que aprofundam os mesmos aspetos de qualidade residencial aplicados a todos os habitantes.

Estas matérias ligam-se muito aos aspetos associados ao conceito designado por « habitação para a vida », que deverão influenciar tanto a nova promoção, como aspetos específicos da reabilitação habitacional; podendo, neste caso, apurarem-se « pacotes » de intervenções hierarquizados em termos de condições e qualidades consideradas como mais importantes e mais urgentes.

Tal como se constata na listagem acima apresentada, onde se incluem as subtemáticas abordadas neste item, iremos em primeiro lugar avançar para uma reflexão global, mas sintética, sobre esta matéria, passando, depois, para uma prospetiva do que poderá ser, ou deverá ser, a nossa vida residencial e urbana quando idosos, avançando-se, depois, primeiro, para a consideração de aspetos importantes associados à previsão de uma habitação que possa integrar e facilitar cuidados de bem-estar e de saúde aos seus habitantes e, por fim, para a referência à importância de se respeitarem os aspetos associados à sustentabilidade nas referidas intervenções.

(iii) Possibilidade muito real de uma verdadeira revolução na qualidade de vida dos idosos e respetiva influência nas suas soluções habitacionais

Relativamente à mudança que está a acontecer no perfil sociocultural dos idosos e com influência direta nas respetivas soluções habitacionais recorre-se ao estudo do Senior Housing News Resource Center, intitulado The Wellness Revolution Shaping Senior Living , onde se faz uma muito oportuna relação entre bem-estar e habitação para seniores. (3)

Neste estudo é dado um relevo estratégico ao atual forte aprofundamento e aproveitamento, em termos de mercado, do bem-estar residencial e de lazer, aplicando-o aos seniores e aos seus desejos habitacionais e urbano ; no sentido específico de uma adequada « formatação » formal e funcional do PHAI3C é oportuno considerar este aspeto de um novo e expressivo bem-estar “oferecido” numa parte tardia da vida, sendo este aspeto, muito provavelmente, determinante no êxito deste Programa.

A título de comentários gerais julgados importantes para a estruturação do PHAI3C juntam-se e comentam-se, em seguida, excertos do documento referidos a esta temática. (pg. 2 e 3)

With big spending on a multitude of areas including nutrition, fitness and health care, wellness is a $3.7 trillion industry. What people are trying to buy with their money is personal fulfillment in five main areas: physical, emotional, mental, social and spiritual.

Senior living residents are increasingly attuned to these wellness desires. Studies show that today’s residents want personalized wellness delivered to them in every facet of their day, and that it improves their quality of life.

The impending wave of baby boomers will only increase these demands. These young seniors are more discerning than their Greatest Generation counterparts and more accustomed to a lifestyle of wellness, an attitude senior living providers are seeing play out.

E na perspetiva dos autores do estudo que acabou de ser referido estamos mesmo no arranque de uma « Revolução do Bem-estar » que está para durar e se intensificar (pg. 28)

No matter the business sector, wellness is a hot topic. In  technology and health care, in restaurants and hospitals, the  concept is everywhere. It’s in senior living too. That’s because  the areas of a resident’s life that senior living aims to address  are all wellness-based.

For the health of their businesses and the future of their  residents, it’s time for senior living providers to embrace the  wellness challenge and lead the charge. Wellness is not an ancillary piece of the senior living business. It is the business.

• Seniors need whole-person wellness — a focus on multiple,  interrelated areas of a person’s life

  Baby boomers demand more attention on wellness than  do members of the Greatest Generation

  Senior living environments are being re-defined as spaces  to promote wellness, impacting site selection, building design and technological infrastructure

  Big-name hotels are setting the pace for wellness, and  senior living can and must learn from hospitality’s  innovative practices

  Person-centered offerings in dining, fitness and health care  must be the norm

Nesta mesma perspetiva enquadra-se uma conversa entre a American Society on Ageing (ASA) e o Arquiteto e consagrado especialista nestas áreas Victor Regnier, significativamente intitulada Life the Way We Want It: A Conversation with GeroArchitect Victor Regnier, da qual foram selecionadas, mais abaixo, algumas ideias-chave. (4)

Desde já se salienta que este documento é considerado de grande importância para consultas eventuais e por isso integra o designado Arquivo de Consulta, que está em preparação no âmbito do processo de estudo do PHAI3C.

O tema global abordado é o da « habitação para a vida » e a ideia fundamental e estratégica é a da (co)responsabilização autonomizada do idoso, no apoio à definição e ao funcionamento de uma sua nova « habitação para a vida », funcional e ambientalmente flexível e integrada por serviços também flexíveis e versáteis ; e no sentido específico da utilidade deste conceito para o PHAI3C julga-se que a relação é direta.

A título de elementos gerais com importância para a estruturação do PHAI3C juntam-se e comentam-se, brevemente, em seguida, excertos da referida entrevista com Victor Regnier. 

ASA recently spoke with Regnier by telephone to hear his ideas about designing buildings we all might like to live in at any age.

ASA: How does this USC project differ from Apartment for Life housing projects in Europe?

Victor Regnier: This building type is centered on the European idea that you move into a purposebuilt independent apartment with say, 60 to 90 units. Each unit is probably 600 to 900 square feet [55 a 84 m2]— either a one or two bedroom. You have a full kitchen, an accessible bathroom and balcony. It is like any conventional apartment, but built to adapt to your needs as you age.

Forty to 50 percent of residents in Apartments for Life buildings in the Netherlands (where these are most common) are couples. In this arrangement one can have beginning dementia, and the other could be in a wheelchair because of a physical problem or the beginning of Parkinson’s. They rent or buy this type of unit with the expectation that if not now, then in the future their spouse or they themselves will need care.

They might move when they’re 75 and this building type allows them to live together, and age together and die in the apartment without having to move to assisted living or a nursing home.

There are usually partnerships that put these projects together—one partner is often a housing developer and the other is a care provision organization. Care provision involves a geriatric care manager who is continually assessing residents and arranging for services that are required for independence.

Embora se considere que a principal solução habitacional associada ao PHAI3C não deve ser tão dedicada a situações de idade muito avançada e prestes a precisarem de diversos apoios de bem-estar e saúde, julga-se interessante esta relação com serviços para se ser independente (talvez um conceito estratégico  a reter) – e aqui já se avança com uma, julgada, muito positiva diversificação das soluções concretas integradas no PHAI3C, que importará desenvolver e que terá, sempre, de lidar com esta « convivência » com situações mais carentes de apoios, mas sem se afetar negativamente o ambiente global da intervenção.

The problem in the United States is that we have a onesizefitsall ‘licensed option’ in assisted living or skilled nursing facilities. The whole system is professionalized and many decisions are taken away from the family and the older person.

In Northern Europe, you are still making lots of decisions about how you will live. If you want someone to come in every three days to give you a shower, cool, if your daughter wants to help you, that’s okay, too.

You pay $3,500 a month because you’re paying for housing plus a lot of other services — maybe a lot of stuff you do not need. Unfortunately, you’re also not doing a lot of the things that were keeping you independent. You’re not going out to buy food, or taking care of the house — and when you buy care it is all or nothing.

Julga-se que a flexibilidade no formato assistencial aos idosos também não existe em Portugal e aliás também terá os seus riscos, pensando-se, aqui, nos inúmeros « lares » ilegais que vão sendo fechados todos os anos entre nós.

No entanto importa, desde já, aproveitar destas considerações que no âmbito do PHAI3C este não ser um novo « equipamento coletivo », mas sim uma nova solução habitacional tem muito a ver com a liberdade de cada um e com a diversidade de soluções que serão possíveis ; mas sem dúvida há que ter muito cuidado para se bloquearem quaisquer aproveitamentos menos adequados.

ASA: If the Apartments for Life concept originated in the mid ’90s, what’s preventing it from largescale adoption here?

VR: The Apartments for Life concept became popular 15 years ago and it has taken some time to incubate. It will happen here eventually, it will just take time. Our state laws are not structured to make this type of homecare housing hybrid easy to develop and regulate. Today, there are a few CCRCs [Continuing Care Retirement Communities] that have the flexibility (and regulatory flexibility) to produce it.

The model is centered on creating continuity, how to give people control, and how to be able to buy what you need— not what’s prepackaged. It gives people more independence, more opportunity to do things for themselves and to help others. There is a homecare agency on the lower floor of the building.

The units are set up to be adaptable; there is 24/7 power, larger bathrooms with European rollin showers, and ways to accommodate oxygen and other equipment.

You can design a building that is adaptable — that’s easy, but how to figure out assessment, how to vary the service package, how to do oversight, how to avoid violating the regulations, all of that … is complicated.

Most people would like to stay at home. But, say your mother is no longer ambulatory, needs assistance with toileting, needs help showering or maybe to dress every day. Most homecare agencies will insist on 24/7 care—someone that stays in her apartment. You end up paying that person $25 an hour for three shifts. So for $18,000 per month, we can fix the problem. Using homecare that way is just not sustainable. In Northern Europe, the Apartment for Life concept is cheaper and better. It pushes overall responsibility to the older person and there are many older people helping one another in these buildings.

Considera-se que uma (co) responsabilização autonomizada dos próprios idosos e futuros co-habitantes no desenvolvomento de iniciativas específicas do PHAI3C é estratégica.

 

 


Fig. 02 : uma imagem do programa intitulado « Vila dos Idosos », em São Paulo, Brasil ; uma intervenção do programa Morar no Centro da Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (COHAB), que integra 145 unidades para pessoas idosas, realizado em 2003-2007, com projeto de Arquitetura de VIGLIECCA&ASSOC – Arq.º Hector Vigliecca e Associados. Mais imagens deste conjunto acompanharão os próximos artigos desta série, tendo sido recolhidas no âmbito do 3.º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono (3.º CIHEL) promovido pelas FAU- Mack, FAU-USP e IAU-USP.

(iv) Habitação com prestação de cuidados

Numa sequência temática natural do item anterior, onde se abordou a possibilidade de acontecer, brevemente, uma verdadeira revolução na qualidade de vida dos idosos com diretas influências nas suas soluções habitacionais mais desejadas, avança-se, agora, especificamente, nos aspetos « organizadores » de intervenções habitacionais bem integradas com serviços diversos e eventuais prestações de cuidados de bem-estar e saúde – aos residentes e, desejavelmente, também a outros habitantes vizinhos.

Para tal vamos usar como fonte de dados o que se julga ser o último livro de Victor Regnier, intitulado  Design for Assisted Living: Guidelines for Housing the Physically and Mentally Frail, utilizando leituras críticas e de apresentação desta obra : em primeiro lugar um texto de síntese de Edward Steinfeld que faz a síntese e apresentação do livro, sublinhando os respetivos principais conteúdos ; e em segundo lugar uma outra apresentação do mesmo livro, mais pormenorizada. (5)

A propósito do livro de Regnier, Edward Steinfeld foca o futuro da habitação com prestação de cuidados, salientando que deverão ser lugares de prestação de serviços de saúde, mas também de criação de ambientes que integrem programas de recuperação e bem-estar para os idosos e quem os visita ; e se colocarmos um caráter residencial afirmado em primeiro lugar teremos o perfil do nosso PHAI3C ; e junta ainda referência estratégica ao papel protagonista da natureza neste processo.

Refere Edward Steinfeld:

As people get older, hospitals and health care facilities that care for the elderly are pressed to transform to be places that deal with today’s challenges and tomorrow’s future trends. The design of these buildings becomes even more important now than ever to not only be places of providing health services but to be environments which integrate programs for healing and well-being for seniors and the families that visit their loved ones. Of particular interest to me is the rise of the inclusion of therapeutic gardens as a part of health care building design. Among many other factors, this is a crucial component which Victor Regnier masterfully integrates into the design of health care facilities in his latest book,

E o mesmo Edward Steinfeld aponta a excelente metodologia usada por Victor Regnier no desenvolvimento do seu último livro:

In the early 1990s the author did a study tour of assisted living facilities in five European countries, visiting more than 100 facilities.

In 1999 he completed a second study tour, this time visiting 95 new projects in the same five countries. In between he became very familiar with the assisted living movement in the United States through his consulting work on more than 100 projects and a series of one-day ‘‘post occupancy evaluations’’

Edward Steinfeld usa os conteúdos da última obra de Regnier para esquissar 9 critérios essenciais numa habitação com prestação de cuidados que continue a ser, basicamente, « habitação » ; condição que muito nos interessa para o PHAI3C. (pg. 593) 

to create an environment that has certain qualities, not merely a limited set of physical and service characteristics. Assisted living, Regnier writes, can be defined by projects that meet these criteria (p. 4):

-          Appear residential in character

-          Are perceived as small in size

-          Provide residential privacy and completeness

-          Recognize the uniqueness of each resident

-           Foster independence, interdependence, and individuality

-          Focus on health maintenance, physical movement and mental stimulation

-          Support family involvement

-          Maintain connections with the surrounding community

-          Serve the frail

Edward Steinfeld salienta a defesa que Regnier faz da máxima aplicação do conceito do « envelhecimento em casa », « até à altura em que as pessoas não possam mais tomar conta de si próprias … uma habitação associada a prestação de cuidados é uma solução melhor do que uma casa de saúde. » (pg. 593) 

E sublinha ainda que o estudo de Regnier desenvolve excelentes aprofundamentos práticos à resolução de problemas de projeto, apontando, po exemplo, um conjunto de soluções que Regnier avança para corredores muito longos (sensivelmente mais de 12m), que acabam por ser maçadores e desmotivadores para pessoas idosas e frágeis.

Depois Edward Steinfeld avança num conjunto de matérias, « retiradas » do último livro de Victor Regnier, que podemos designar de « filosofia para uma nova habitação cuidadora », que citamos, em seguida, de forma extensa, por se considerar de grande importância para o « formatar » de intervenções do PHAI3C habilitadas para a prestação de alguns cuidados de bem-estar e saúde. (pg. 594)

Regnier discovered in northern Europe that successful assisted living models include service-supported housing, long-term care facilities, and everything in between.

He argues that the definition of assisted living should not be focused on a building type, but rather on the philosophy that underlies the program, the way that philosophy is carried out in the design of the building and services, and the experience of the residents, taken as a whole.

Whether this happens in a context that emphasizes more independent apartment living or a licensed long-term care facility or something in between is immaterial.

The key to his vision is the emphasis on the word ‘‘living.’’ Assisted living provides assistance for living. It helps residents continue their lifelong development as individuals as part of a social network rather than treating them as if they have no future as people and no connection to the community.

He argues that assisted living is a philosophy that has a growing body of adherents and will continue to expand due to a mix of consumer demand, economic realities, technological advances, regulatory adaptation, and competition in the larger framework of aging services.

The growth of adult day care and improved health care and wellness programs geared toward longevity, he believes, will allow people to remain in independent housing longer with a spouse or other family members, delaying the move to assisted living.

Thus, the population entering assisted living facilities will be less healthy and more dependent than it is will be attracted to assisted living facilities, and governments will develop policies that allow people to stay in such facilities longer.

As for the nursing home industry, it will address consumer demand and the economic disparities by moving toward a more residential model to accommodate people with higher service needs. Perhaps thirdparty payment programs including Medicaid will accept assisted living as a feasible alternative to skilled nursing care and force the nursing home industry to change its model.

Regnier predicts that skilled nursing homes will move more and more to a single-room occupancy model, which is now almost universal in northern Europe and is a key feature of assisted living.

Thus, the two ‘‘building types’’ [habitação com prestação de cuidados e “casas de saúde”] will move closer together.

Regnier also believes that family participation is central to the success of assisted living. It is much more family friendly than the skilled nursing care model and thus families feel more welcome in the former.

He also believes that residents move to assisted living facilities based on their environments. He reports that building design is one of the most important attributes consumers cite when describing why they moved to a particular assisted living building.

Poderemos ter, assim, intervenções intergeracionais adaptáveis a diversas necessidades e desejos de vida e de habitar, profundamente marcadas, por exemplo até em termos « simbólicos », pelo sentido residencial e pelas respetivas caraterísticas de cada localização, muito atraentes para os próprios habitantes e seus visitantes e onde seja possível habitar num prazo temporal muito alargado, pois as respetivas condições « de hardware e software » apoiam intensa e extensamente os habitantes mais idosos e/ou mais frágeis, mas nunca colocando em causa o caráter digno, residencial, atraente e estimulante do conjunto de cada intervenção.

E finalmente Edward Steinfeld salienta duas recomendações estratégicas de Regnier para a habitação com prestação de cuidados: que ela tenha, cada vez mais, um sentido radicado na vizinhança e de polarização de serviços de vizinhança e de apoio à família (pg. 594) ; e que ela promova, o mais possível, um estilo de vida ativo, baseado em terapias de movimentação e na promoção do bem-estar. Matérias estas que, há que sublinhar, se consideram essenciais no desenvolvimento das operações do PHAI3C.

First, he proposes that assisted living should take on an increasing community-based orientation and become a focus of neighborhood services and family support.

Assisted living facilities could capitalize on the expertise they have developed in providing individualized services in-house to bring them to the community at large. In particular, they can provide assistance to families in planning and making decisions for the later years of life.

Second, he proposes that an active lifestyle should be encouraged through an emphasis on movement therapies and wellness. In the United States, he observes, contemporary facilities emphasize a passive lifestyle through an environment designed for relaxation rather than

(v) Sustentabilidade social e pessoal das novas soluções habitacionais

O subtema que se aborda, neste item, é mais específico e visa a aliança entre as novas soluções habitacionais, como as que são sugeridas no âmbito do PHAI3C, e os respetivos aspetos de sustentabilidade – social, pessoal, económica, etc.

E neste sentido refere-se e comenta-se, em seguida, um estudo de Ed Harding, intitulado Sustainable planning for housing in an ageing population: A guide for regional-level strategies. (6)

No estudo apontam-se alguns dados verdadeiramente críticos, referidos ao Reino Unido, e que importaria replicar urgentemente em Portugal e referidos à « revolução grisalha » que já aí está e à qual parece que continuamos a não querer ligar, mas que temos de ter urgentemente em conta porque considerando-se « as pressões demográficas o bem-estar dos idosos é essencial para o desenvolvimento económico e para a coesão social ». (pg. 6)

Some 1 in 3 households are already headed by somebody over 60.1

Older people will represent 48% of all of growth in households from 2004 to 2026.2

The over 65s will grow from 8.3m in 2008 to 11.4m by 2025.3

The 80+ will grow by 1 million from 2008 and 2025, an increase of almost 50%.4

Given demographic pressures, the wellbeing of older people is essential to economic development and social cohesion.

Depois Ed Harding salienta, primeiro, que « más condições habitacionais intensificam os problemas ligados à saúde e a deficiências » e que as pessoas mais frágeis tendem a passar muito tempo em casa, com as consequências dái decorrentes, por exemplo, quando as casas não são adequadas (ex., acidentes), e avançando, a seguir, para a consideração desta problemática aplicada aos idosos, aos muitos idosos que vivem sós e (podemos até acrescentar) aos « muito idosos » que vivem sozinhos. E conclui salientando que « habitação adequada resulta em poupanças em serviços públicos e promove a independência e o bem-estar dos idosos ». (pg. 8)

Poor housing exacerbates the burden of ill-health and disability

. Older people spend between 70-90% of their time in their homes, much more than any other age group.

. Mainstream housing often presents a challenging environment in which to age, exacerbating otherwise manageable illnesses and disability. For example, older people may be at increased risk of home accidents where homes have poor lighting.

. Unsuitable housing has direct and proven linkages with ill health, including pneumonia, asthma, mental health, and falls and hip fractures.

. There is good evidence that cost-effective housing-based interventions can reduce accidents, falls, hospital admissions and promote independence

.  Loneliness and social isolation in later life are linked to depression and poor health. Approximately 1 in 10 older people report loneliness, although levels are much worse in communities with high multiple deprivation. Living alone may exacerbate the likelihood of social isolation.

Appropriate housing offers the potential to reduce expenditure on public services and promote older people’s independence and wellbeing.

Em seguida Ed Harding sublinha: a inadequação da habitação corrente para milhõs de idosos ; a falta de escolhas dos idosos relativamente a soluções adequadas de habitação; e a falta de soluções habitacionais adequadas a idosos que queiram mudar para habitações mais compactas (em termos de « downsizing »)adequada. (pg. 9)

Sequencialmente Ed Harding alia as recomendações feitas até aqui com a defesa de um avanço simultâneo em soluções residenciais especializadas em termos de cuidados especiais, sublinhando que, por um lado, esta estratégia proporciona a entrada no mercado habitacional de muitas « habitações correntes », como se considera provado que as referidas soluções habitacionais especializadas propiciam aos seus habitantes/utentes uma vivência muito melhor dos seus problemas de condicionamentos físicos e de perceção, reduzindo acidentes e probmeas de saúde. (pg. 11)

Residential, Extra Care and specialist retirement housing have a vital role to play in housing markets.

. Although the majority of older people will live in mainstream housing, ensuring adequate specialist housing options for a substantial minority of older people is an important component of future-proofing.

. Spatial plans must recognize the benefits offered by specialist retirement housing for those that require it. Not only can moves into specialist housing ‘release’ mainstream homes back into the market, they may also provide secure, live-in communities for those that desire them, facilitating social contact. In addition, where well-designed sites feature in-built assistive and adaptive measures, evidence suggests residents may find disability more manageable and experience a lower rate of falls, accidents and ill health.

Depois Ed Harding sublinha « ser essencial um planeamento integrado para se atingirem objetivos conjuntos em termos de saúde, assistência social, habitação e socialização comunitária ». (pg. 12) Numa referência considerada muito importante para a programação da nova Habitação de Interesse Social em Portugal, onde se deverão integrar, naturalmente, soluções de PHAI3C.

Joined-up, cross sectoral planning is essential to strategic goals for health, social care, housing and the wider community

‘Effective housing, allied to the right care support and wider services, such as transport and community safety, remain involved and live their lives to the full. Conversely, poor housing can be a fetter for older people, contributing to immobility and social exclusion.’

Finalmente Ed Harding conclui que « a haitação e soluções de cuidados com base comunitária podem proporcionar ganhos significativos e economicamente sustentados em termos da independência e do bem-estar dos idosos », sendo muito significativos os resultados obtidos, em termos de melhoria de qualidade de vida e de redução de acidentes domésticos, na sequência de ações de reabilitação e adequação habitacional e havendo recuperação dos investimentos em tecnologias adaptativas e assistenciais por redução dos custos posteriores dos cuidados de bem-estar e saúde e um grande potencial de poupança pública mediante o significativo adiamento da entrada em equipamentos residenciais com cuidados específicos. (pg. 19)

Housing and community-based care solutions can offer significant and cost-effective gains in older people’s independence and wellbeing:

. Cold, damp housing is linked to rheumatism and arthritis.42

. Following a major adaptation, one study found that 89% of people reported a ‘major impact’ on quality of life, and 65% reported a ‘major impact’ on independence.

. Other evidence suggests home improvements are clearly linked to improved mental health, as well as reductions in symptoms and the useof health services.

. Repairs, such as lighting and removal of trip hazards, and improvements such as grab rails and grip mats in showers are linked to fewer falls.

. Adaptive equipment in the home can reduce reported falls by as much as 58 to 60%.

. In most cases, initial investment in adaptive and assistive technology for older people is recouped through subsequently lower care costs.

. Postponing entry into residential care by 1 year could reduce costs by around £26,000 per person. Housing based adaptations and domiciliary care can therefore realise substantial savings.

E Ed Harding vai ainda às matérias mais amplas do apoio à sustentabilidade global do sistema de saúde, salientando que pequenos e agilizados « pacotes » de adaptação e adequação « essencial » de habitações ao uso por habitantes idosos e/ou fragilizados podem reduzir expressivamente a ocupação de camas nos hospitais, que terapias específicas podem reduzir significativamente o risco e a gravidade das quedas domésticas e que as caraterísticas de pedonalidade, densidade e urbanidade das soluções residenciais dinamizam a atividade física dos idosos com influências positivas na sua saúde, no seu bem-estar e na sua independência. (pag. 20)

. Care and Repair England estimate that a fast-track service offering targeted low-level adaptations to older people recently discharged from hospital or at risk of readmission could be provided across England for £35m. If only 1 in 100 jobs prevented a hip fracture, this would save £70m annually. If 1 in 4 jobs resulted in one night less in hospital for the affected older person, the saving would be over £21m.

. Targeted therapy and exercise classes can reduce fear of falling and cut the risk of multiple falls in half.

. Characteristics of the home and neighbourhood have been shown to affect older people’s physical activity. For example, household density, prevalence of open spaces, ease of pedestrian and cycle access and perceived safety of the neighbourhood show a positive correlation to walking.

 

Notas :

3 - Senior Housing News Resource Center – The Wellness Revolution Shaping Senior Living. Chicago: Senior Housing News Resource Center, 2018

 

4 - American Society on Ageing (ASA) – Life the Way We Want It: A Conversation with GeroArchitect Victor Regnier. Aging Today, Bimonthly Newspaper of ASA, fevereiro, 2013.*

 

5 - Robert H. Binstock (ed.) – Assisted living: a search for philosophy of practice [de Victor Regnier]. Nova Iorque: apresentação do livro Design for Assisted Living: Guidelines for Housing the Physically and Mentally Frail, por Victor Regnier. 2016 (2012) – consultado em http://gerontologist.oxfordjournals.org/

6 - Harding, Ed – Sustainable planning for housing in an ageing population: A guide for regional-level strategies. Londres: International Longevity Centre UK 2008.**

 

Notas editoriais gerais:

(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.

(ii) No mesmo sentido, de natural responsabilização dos autores dos artigos, a utilização de quaisquer elementos de ilustração dos mesmos artigos, como , por exemplo, fotografias, desenhos, gráficos, etc., é, igualmente, da exclusiva responsabilidade dos respetivos autores – que deverão referir as respetivas fontes e obter as necessárias autorizações.

(iii) Para se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.

 

Sobre as necessidades habitacionais mais específicas dos idosos “II” (versão de trabalho) – Infohabitar # 811

Infohabitar, Ano XVIII, n.º 811

Edição: quarta-feira, 06 de abril de 2022

 

Editor: António Baptista Coelho

Arquitecto/ESBAL – Escola Superior de Belas Artes de Lisboa –, doutor em Arquitectura/FAUP – Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto –, Investigador Principal com Habilitação em Arquitectura e Urbanismo no Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), em Lisboa.

 

abc.infohabitar@gmail.com

abc@lnec.pt

 

Revista do GHabitar (GH) Associação Portuguesa para a Promoção da Qualidade Habitacional Infohabitar – Associação com sede na Federação Nacional de Cooperativas de Habitação Económica (FENACHE).

Sem comentários :