terça-feira, novembro 29, 2022

Os idosos e os seus espaços residenciais III – versão de trabalho e base documental – Infohabitar # 841

Ligação direta (clicar no link seguinte) para aceder à listagem interativa de 800 Artigos editados na Infohabitar – edição de janeiro de 2022 com links revistos em junho de 2022 (38 temas e mais de 100 autores):

https://drive.google.com/file/d/10pE2v330_tyapyPw4vUVZFCQ15RYUqF4/view?usp=sharing 

 



Os idosos e os seus espaços residenciais III – versão de trabalho e base documental – Infohabitar # 841

Infohabitar, Ano XVIII, n.º 841

Edição: quarta-feira, 30 de novembro de 2022

Artigo XXIII da série editorial da Infohabitar “PHAI3C – Programa de Habitação Adaptável e Intergeracional através de uma Cooperativa a Custo Controlado”

 

Caros leitores da Infohabitar,

Com o presente artigo damos continuidade à série editorial da Infohabitar especificamente dedicada a uma abordagem global e bibliográfica dos amplos, sensíveis e urgentes aspetos associados às necessidades, aos gostos e às potencialidades sociais e urbanas de uma reflexão prática sobre os espaços residenciais dedicados a pessoas idosas e fragilizadas, desejavelmente integrados em quadros intergeracionais, ativamente urbanos e dinamizados e convivializados pelas cooperativas que estão, desde há dezenas de anos, dedicadas à promoção de habitação de interesse social com expressiva qualidade e frequentemente associada a um amplo leque de variadas e vitais atividades vicinais e urbanas – as Cooperativas associadas à Federação Nacional de Cooperativas de Habitação Económica (FENACHE).

Lembra-se, como sempre, que serão sempre muito bem-vindas eventuais ideias comentadas sobre os artigos aqui editados e propostas de artigos (a enviar para abc.infohabitar@gmail.com).

Por razões "logísticas" a edição desta semana da Infohabitar foi antecipada um dia, para terça-feira. 

Despeço-me, até à próxima semana, enviando saudações calorosas para todos os caros leitores,     

Lisboa, em 29 de novembro de 2022

António Baptista Coelho

Editor da Infohabitar



Nota introdutória à temática do Programa de Habitação Adaptável Intergeracional – Cooperativa a Custos Controlados (PHAI3C)

Considerando-se o atual quadro demográfico e habitacional muito crítico, no que se refere ao crescimento do número das pessoas idosas e muito idosas, a viverem sozinhas e com frequentes necessidades de apoio, a actual diversificação dos modos de vida e dos desejos habitacionais, e a quase-ausência de oferta habitacional e urbana adequada a tais necessidades e desejos, foi ponderada o que se julga ser a oportunidade do estudo e da caracterização de um Programa de Habitação Adaptável Intergeracional (PHAI), adequado a tais necessidades e a uma proposta residencial naturalmente convivial, eficazmente gerida e participada e financeiramente sustentável, resultando daqui a proposta de uma Cooperativa a Custos Controlados (3C).

O PHAI3C visa o estudo e a proposta de soluções urbanas e residenciais vocacionadas para a convivência intergeracional, adaptáveis a diversos modos de vida, adequadas para pessoas com eventuais fragilidade físicas e mentais, mas sem qualquer tipo de estigma institucional e de idadismo, funcionalmente mistas e com presença urbana estimulante. O PHAI3C irá procurar identificar e caracterizar tipos de soluções adequadas e sensíveis a uma integração habitacional e intergeracional dos mais frágeis num quadro urbano claramente positivo e em soluções edificadas que possam dar resposta, também, a outras novas e urgentes necessidades habitacionais (ex., jovens e pessoas sós), num quadro residencial marcado por uma gestão participada e eficaz, pela convivialidade espontânea e social e financeiramente sustentável.

Trata-se, tal como se aponta no título do artigo, de uma “versão de trabalho e base bibliográfica” e, portanto, de um artigo cujos conteúdos serão, ainda, substancialmente revistos até se atingir uma versão estabilizada da temática referida no título; no entanto, em virtude da metodologia usada, que se considera bastante sólida, marcada pelo recurso a abundantes referências de fontes, devidamente apontadas e sistematicamente comentadas no sentido da respetiva aplicação ao PHAI3C, e tendo-se em conta a utilidade de se poder colocar à discussão os muitos aspetos registados no sentido da sua possível aplicação prática no PHAI3C, considerou-se ser interessante a divulgação desta temática/problemática nesta fase de “versão de trabalho”, que, no entanto, foi já razoavelmente clarificada – como exemplo do posterior tratamento para passagem a uma versão mais estável teremos, provavelmente, referências bibliográficas mais reduzidas e boa parte delas em português, assim como comentários mais desenvolvidos; mas mesmo este desenvolvimento irá sendo influenciado pelo(s) caminho(s) concreto(s) tomado(s) pelos diversos temas e artigos que integram, desde já, a estrutura pensada para o designado documento-base do PHAI3C, que surgirá, em boa parte, da ligação razoavelmente sequencial entre os diversos temas abordados em variados artigos.

Ainda um outro aspeto que se sublinha marcar, desde o início, o teor do referido documento-base do PHAI3C (a partir do qual serão gerados vários documentos específicos: mais de enquadramento e mais práticos) é o sentido teórico-prático que privilegia uma abordagem mais integrada e exemplificada da temática global da habitação intergeracional adaptável e cooperativa, apontando-se exemplos e ideias concretas logo desde as partes mais de enquadramento da abordagem da temática como as que se desenvolvem neste artigo.

 

Notas introdutórias ao novo e presente conjunto de artigos sobre habitação intergeracional

O presente artigo inclui-se numa série editorial dedicada a uma reflexão temática exploratória, que integra a fase preliminar e “de trabalho”, dedicada à preparação e estruturação de um amplo processo de investigação teórico-prático, intitulado Programa de Habitação Aadaptável Intergeracional Cooperativa a Custos Controlados (PHAI3C); programa/estudo este que está a ser desenvolvido, pelo autor destes artigos, no Departamento de Edifícios do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), e que integra o Programa de Investigação e Inovação (P2I) do LNEC, sublinhando-se que as opiniões expressas nestes artigos são, apenas, dos seus autores – o autor dos artigos e promotor do PHAI3C e os numerosos autores citados no texto.

Neste sentido salienta-se o papel visado para o presente artigo e para aqueles que o precederam e os que lhe darão continuidade, no sentido de se proporcionar uma divulgação que possa resultar numa desejável e construtiva discussão alargada sobre as muito urgentes e exigentes matérias da habitação mais adequada para idosos e pessoas fragilizadas, visando-se, não apenas as suas necessidades e gostos específicos, mas também o papel e a valia que têm numa sociedade ativa e integrada.

Nesta perspetiva e tendo-se em conta a fase preliminar e de trabalho da referida investigação, salienta-se que a forma e a extensão do texto que é apresentado no artigo reflete uma assumida apresentação comentada, minimamente estruturada, de opiniões e resultados de múltiplas pesquisas, de muitos autores, escolhidos pela sua perspetiva temática focada e por corresponderem a estudos razoavelmente recentes; forma esta que fica patente no significativo número de citações – salientadas em itálico –, algumas delas longas e incluídas na língua original.

Julga-se que não se poderia atuar de forma diversa quando se pretende, como é o caso, chegar, cuidadosamente, a resultados teórico-práticos funcionais e aplicáveis na prática, e não apenas a uma reflexão pessoal sobre uma matéria bem complexa como é a habitação intergeracional adaptável desenvolvida por uma cooperativa a custos controlados e em parte dedicada a pessoas fragilizadas.

Solicita-se a compreensão dos leitores para lapsos e problemas de edição que, sem dúvida, acontecem nos textos que integram o presente artigo, assim como todos os 16 artigos da presente série editorial, que correspondem à estruturação de um documento-base que se pretende seja essencialmente prático e dinamizador da discussão sobre a matéria; havendo tempo, depois, espera-se, para documentos com reflexões mais elaboradas e sintéticas.

Devido à sua extensão o presente artigo foi dividido em três partes editadas na Infohabitar em semanas consecutivas.

Os idosos e os seus espaços residenciais III – versão de trabalho e base documental – Infohabitar # 841

António Baptista Coelho (com base nos textos, ideias e opiniões dos autores referidos ao longo do artigo)

 

(nota: a negrito, no resumo, a parte do artigo que integra a presente edição da Infohabitar)

Resumo

Em primeiro lugar aborda-se a matéria da relação entre o habitar e o envelhecimento num conjunto de aspetos específicos entre os quais se salientam: a aliança entre um melhor habitar e um melhor envelhecer; a disponibilização de um habitar realmente atraente para a população mais envelhecida; aspetos a sublinhar nas estratégias de oferta habitacional para os idosos; relação entre as dinâmicas do envelhecimento e a escolha do habitar; aspetos científicos do envelhecimento humano a ter em conta no que se refere às escolhas habitacionais; a transição para a aposentação; novos perfis dos novos idosos; e consideração dos aspetos de potencial transição habitacional nos idosos.

Numa segunda parte do artigo desenvolvem-se considerações sobre os mais significativos  aspetos ligados à transição habitacional dos idosos.

E na última parte do artigo abordam-se aspetos vivenciais e residenciais que contribuem para um máximo de qualidade de vida no âmbito do envelhecimento.

 

3. Aspetos vivenciais e residenciais que contribuem para um máximo de qualidade de vida no âmbito do envelhecimento

Ainda a partir do mesmo incontornável relatório do Calouste Gulbenkian Foundation, UK Branch e do Centre for Ageing Better e no que se refere aos aspetos ligados ao que aí é designado por “successful ageing” e que aqui referimos como aspetos residenciais que contribuem para uma qualidade de vida maximizada quando do envelhecimento, referem-se e comentam-se, em seguida, algumas temáticas e mesmo alguns conceitos aplicáveis. (11) (negrito nosso)

E primeiro lugar julga-se ser de evidenciar que, academicamente, um envelhecimento positivo depende de um “triângulo” de condições, como se segue: ausência e combate à doença; manutenção de adequadas condições físicas e mentais; e de uma ligação ativa e autonomizada com a vida (pg. 105) – condição esta que muito terá a ver com os respetivos quadros residenciais, vicinais e urbanos.

Leaving aside the obvious requirements of good physical and cognitive functioning, Ryff and Keyes …  propose a theoretical model of psychological adult wellbeing that encompasses six distinct dimensions of wellness or successful aging:

. Self Acceptance: positive evaluations of oneself and one’s past life

. Personal Growth: a sense of continued growth and development as a person

. Purpose in Life: belief that one’s life is purposeful and meaningful

. Positive Relationswith Others: the possession of quality relations with others

. Environmental Mastery: the capacity to manage effectively one’s life and surrounding world

. Autonomy: a sense of self-determination.

A importância dos quadros residenciais, vicinais e urbanos parece ser potenciamente determinante de um expressivo bem-estar ao longo do nosso processo de envelhecimento, sendo evidentes as potenciais e efeitivas relações dos seis aspetos, que acabaram de ser apontados, com um cuidadoso, sensível e participado quadro vivencial residencial, vicinal e urbano.

Aprofundando, agora, os aspetos que são considerados como determinantes do “sucesso” no envelhecimento “ teremos, com base no mesmo relatório (pg. 106 a 109): (comentários respetivos sublinhados e exemplos nossos)

A saúde física: que pode ser muito favorecida através de uma dieta adequada e de exercício regular; condições estas que podem ser diretamente propiciadas por um adequado quadro vivencial (ex., em termos de restauração, monitorização e relação com o exterior).

A saúde mental: que poderá ser incentivada em termos de manutenção da memória e das capacidades cognitivas através de atividades mentais específicas e enriquecedoras na nossa vida mental; condições estas muito mais naturalmente possíveis e suatentadas em agrupamentos residenciais com espaços comuns do que através de uma opção individual.

O bem-estar emocional: felicidade, optimismo e uma atitude positiva relativamente ao envelhecimento estão associados a boas condições de saúde e de bem-estar e a uma expressiva longevidade; condições essas muito ligadas aos respetivos quadros residenciais, que são intensa e demoradamente vividos pelos mais idosos.

A proposta de atividades com significado: enquanto os mais jovens tendem a realizar atividades apenas pelo prazer da sua experimentação, os mais idosos tendem a optar por atividades significativas, designadamente, em termos das respetivas recompensas emocionais; julga-se que, nestas matérias, o apoio a um convívio pormenorizadamente cuidado e potencialmente estimulante, a realização bem acompanhada de práticas de jardinagem e a promoção de frequentes possibilidades para passeios e viagens bem apoiados, são exemplos deste tipo de atividades e que, aliás, têm um evidente e forte potencial intergeracional em termos de convívio e apoio mútuo.

O desenvolvimento pessoal: importa salientar que o desenvolvimento/crescimento pessoal é tão importante quando envelhecemos como quando somos jovens, designadamente, em termos de um “desenvolvimento pessoal que decorra de um empenhamento pleno numa rica gama de experiências e oportunidades de aprendizagem”, e porque “não há fim para a aprendizagem, mas é preciso acreditar que é igualmente importante na vida posterior para a sustentar”; julga-se que a importância da disponibilização efeitiva de estimulantes, diversificadas e adequadas condições de desenvolvimento pessoal, formativas e de aprendizagem fica assim bem clarificada, juntando-se, “apenas”, que há muitos casos de idosos que só quando aposentados tiveram condições mais adequadas para determinadas ações desse tipo, mas muitos deles ficarão, apenas, pelas intenções se não forem proporcionadas adequadas e mesmo “profissionalidadas” condições, que, evidentemente, estão mais associadas a agrupamentos residenciais do que a uma vivência individualizada (por exemplo, uma prática regular de desenho é extraordinária em termos de crescimento pessoal e mesmo de bem-estar e de saúde de quem a pratica, mas depende muito em termos de sucesso de um adequado acompanhamento e de um mínimo de enquadramento físico/ambiental).

A independência: tendo presente que um dos principais receios dos idosos é a perda da sua autonomia e do controlo sobre o seu quadro vivencial, sendo que, ao contrário do que é a ideia geral, essa autonomia poderá não ser criticamente comprometida devido a condições de doença e de deficiência, e, cumulativamente, está provado que a manutenção de um adequado controlo sobre as próprias condições de vida afeta positivamente a longevidade; nestas matérias é evidente que a agregação residencial, habitualmente facilitadora da disponibilização de diversos tipos de apoios pessoais e domésticos é condição positiva para a referida autonomia de vida, sendo que a existência de um quadro vivencial coletivo adequadamente desenvolvido e organizadamente cooperativo será fator de participação na vida própria do respetivo conjunto residencial e de controlo do respetivo quadro vivencial.

A interdependência: é, praticamente, tão importante como a independência, pois somos seres gregários e a interação social urbana e local é fundamental para o nosso bem-estar, sendo a solidão uma verdadeira doença (“atualmente comparada em termos de prejuízo para a saúde, ao fumar 15 cigarros por dia”), isto embora existam variados níveis de necessidade de interação social, embora “todos necessitemos de atingir o nível que nos impede de nos sentirmos sozinhos”; importa sublinhar que baixos níveis de integração social influencial aumento de mortalidade e que idosos com redes sociais fortes são habitualmente mais saudáveis e felizes, relacionando-se, assim, estas redes com a redução da morbilidade e da mortalidade; este expressivo potencial de interdependência e as respetivas condições de convívio e entreajuda, sempre naturais, oportunas/estratégicas e voluntariamente assumidas estão, evidentemente, presentes na própria raiz e na natureza básica do PHAI3C, designadamente, no que se refere à sua natureza participada e cooperativa.

Ainda no que se refere a esta temática da importância da interação social para pessoas fragilizadas e designadamente para idosos fragilizados importa sublinhar que no relatório que tem estado a ser referido se afirma que o “apoio social é particularmente importante no aumento da resiliência e na promoção da recuperação em quadros de doença” e que, por outro lado, é também “particularmente importante no evitar de riscos de estilo de vida como o tabagismo”.

A segurança financeira: é considerada auto-evidente na sua importância; no entanto ela está tambem presente na própria raiz e na natureza básica do PHAI3C, designadamente, na sua natureza cooperativa e económica.

A existência de um ambiente atraente/estimulante: “à medida que envelhecemos às nossas habitações e vizinhanças tendem a ter mais importância para nós”, até porque tendemos a lá permanecer mais tempo, sendo assim importante que “as nossas condições específicas de habitar constituam uma parte crucial de um nosso positivo envelhecimento”; 

A disponibilização de apoios espirituais e filosóficos: “a aproximação da morte faz a diferença relativamente a como vemos o mundo e a nossa própria vida. Isto não quer dizer que todos ns tornemos espirituais, mas que o sentido que dirigimos ao mundo e à nossa vida ganham importância”; provavelmente se há tempo/altura mais adequado para o desenvolvimento de uma perspetiva mais espiritual e/ou fisosófica da vida, será a idade mais avançada essa altura e talvez que possamos apoiar nestes caminhos seja por uma via mais espiritual e eventualmente religiosa, seja por uma outra via mais científica e filosófica, pois não tenhamos dúvida de que se há pessoas perfeitamente auto-encaminhadas e bem orientadas outras há para as quais tais apoios serão sempre positivos.

O incentivar de um renovado sentido/objetivo de vida (sense of purpose): “quase todas as transições que vivemos podem despoletar sentimentos de solidão. Simultaneamente muitos destes riscos podem ser mitigados através de comunidades fortes e vibrantes e da resiliência pessoal”. Chegados a “velhos” e se tivermos a felicidade de viver uma família que se vai desenvolvendo com naturalidade e autonomia, muitos dos anteriores fatores que nos estruturam em termos de vida irão mudar, sendo que, havendo o risco de algum esvaziar de objetivos, importará reconstruí-los rapidamente e em força; e nesta perspetiva todas as ajudas serão úteis e designadamente as que existirem em termos de quadro físico e social vivencial.

 A complexidade, a sensibilidade, a diversidade e mesmo a relativa inovação nos tempos e quadros vivenciais do envelhecimento humano

Voltando aos conteúdos específicos do relatório e na matéria, julgada crucial, do incentivo a um adequado e oportuno desenvolvimento pessoal importa ter presente que as transições na vida dos idosos tendem sempre a ser consideradas negativas, pelo que será adequado evidenciar a oportunidade de desenvolvimento pessoal que deve ser proporcionada no âmbito da constatação de que o período de envelhecimento pode e dede ser uma jornada com muitos e positivos desafios.

De acordo com o relatório, importa ainda ter presente que as transições e alterações vivenciais numa fase avançada da vida raramente são vividas numa sequência clara, isto porque a vida do idoso é, frequentemente, confusa e as respetivas mudanças e transições irão, frequentemente, acontecer ao mesmo tempo e/ou influenciarem-se mutuamente; e estas mudanças e transições podem não ser só as ligadas aos próprios idosos, e frequentemente não o são, o que complica ainda mais a equação.

Esta perspectiva dirige-nos, de certo modo, para um pequeno mundo de transições múltiplas, com atores marcados por novos papéis, idosos e familiares, e por novos atores, por exemplo os dedicados a serviços de apoio pessoal e doméstico.

E nem todas as mudanças de papel desempenhado vão num mesmo e habitual sentido de idosos perdendo autonomia e seus familiares ganhando protagonismo; e aqui há que considerar o renascer do papel dos idosos como parceiros ativos no acompanhamento e mesmo na educação das crianças mais pequenas, condição esta que, por exemplo, pode afetar bastante a estruturação de novos espaços domésticos privados onde será, então, essencial a existência de espaços adequados e específicos para tais finalidades.

E é neste sentido e citando o estudo de F. D. Valéry, L. H. C. de Gois e L. V. Nunes, intitulado “Idosos e famílias - idosos e mais idosos na convivência familiar contemporânea”, que podemos lembrar aspetos que têm de estar bem presentes na caraterização de soluções residenciais intergeracionais e adequadas para idosos. (12)

Evitando-se qualquer solução-tipo única, criticamente funcionalizada e deficientemente marcada, apenas, pela vivência de idosos; e lembremos aqui, que, afinal, estamos, frequentemente, a defender o combate à solidão dos idosos, mas estamos, também, frequentemente e proporcionar-lhes condições residenciais cujos programas e dimensionamentos mínimos, apenas permitem essa mesma solidão.

Quando, afinal, a realidade é, muitas vezes, outra, 

Em conclusão, os membros da família pertencentes às gerações mais velhas estão cada vez mais presentes e desempenham vários papeis: como companheiros de brincadeira e auxiliares na socialização das crianças; como suporte financeiro no sustento de famílias inteiras (principalmente mediante repasse dos recursos oriundos de  aposentadorias ou pensões para financiar as atividades dos demais membros das famílias nas áreas rurais e pequenas cidades do interior); … (pg. 5 e 6)

E, por isso, a própria natureza básica do PHAI3C é a de um conjunto habitacional, adaptável, intergeracional e participado, propondo-se ambientes privados diversificados e racionalmente mutantes/adaptáveis e ambientes comuns muitifuncionais e acolhedores, onde seja, portanto, tão natural ver idosos, como outros adultos e crianças, visitando ou vivendo; evidentemente no respeito de algumas essenciais regras de conduta, mas de uma forma muito mais natural do que aquela que sempre carateriza o sentido “pouco à vontade” das “visitas” em meios institucionalizados.

Notas bibliográficas

(1) Dominique Argoud - L’habitat et la gérontologie, deux cultures en voie de rapprochement ?. PUCA. Université Paris12 - Coordination du programme Phuong Mai Huynh - mai.huynh@ developpement-durable.gouv.fr - Les bilans de consultations sont en ligne sur le site du PUCA www.urbanisme.equipement.gouv.fr/puca .

(2) Savills World Research UK Residential - Housing an ageing population – Savills I 2015

(3) Peabody - Older People’s Strategy 2015-2020 - Overview. Peabody. Londres, 2015

(4) Textos de síntese retirados do site da Housing LIN, em https://www.housinglin.org.uk/Topics/browse/Design-building/HAPPI/

(5) James Banks, James Nazroo and Andrew Steptoe (eds) - EVIDENCE FROM THE ENGLISH LONGITUDINAL STUDY OF AGEING 2002–10, (WAVE 5), The Institute for Fiscal Studies, London, October 2012 - Andrew Steptoe, Panayotes Demakakos, Cesar de Oliveira  - The Psychological Well-Being, Health and Functioning of Older People in England - University College London

(6) HOUSE OF LORDS - Science and Technology Committee - Ageing: Scientific Aspects, 1st Report of Session 2005-06, Volume I: Report, Ordered to be printed 5 July 2005 and published 21 July 2005

(7) Martin Hyde (Swansea University, SU) ; Maria Cheshire-Allen (SU) ; Marleen Damman (Netherlands Interdisciplinary Demographic Institute, NDI) ; Kene Henkens (NDI) ; Loretta Platts (Stress Research Institute) ; Katrina Pritchard (SU); Cara Reed (SU) - The experience of the transition to retirement: Rapid evidence review. Report, Centre for Ageing Better, 2018 (dezembro).

(8) Administration for Community Living - Profile of Older Americans, Administration for Community Living , Administration on Aging, U.S. Department of Health and Human Services. 2018.

(9) Calouste Gulbenkian Foundation, UK Branch ; Centre for Ageing Better - Evaluation of Transitions in Later Life Pilot Projects: Executive Summary and Full Report. 2017. www.gulbenkian.pt/uk-branch , www.ageing-better.org.uk.

« This report by Guy Robertson is the foundation stone of our current work on Transitions in Later Life. We decided to republish it as a companion piece to Kate Jopling and Dr. Isaac Sserwanja’s report because it reinforces the message that later life transitions can be a trigger for loneliness. »

(10) Calouste Gulbenkian Foundation, UK Branch ; Centre for Ageing Better - Evaluation of Transitions in Later Life Pilot Projects: Executive Summary and Full Report. 2017. www.gulbenkian.pt/uk-branch , www.ageing-better.org.uk.

« This report by Guy Robertson is the foundation stone of our current work on Transitions in Later Life. We decided to republish it as a companion piece to Kate Jopling and Dr. Isaac Sserwanja’s report because it reinforces the message that later life transitions can be a trigger for loneliness. »

(11) Calouste Gulbenkian Foundation, UK Branch ; Centre for Ageing Better - Evaluation of Transitions in Later Life Pilot Projects: Executive Summary and Full Report. 2017. www.gulbenkian.pt/uk-branch , www.ageing-better.org.uk.

« This report by Guy Robertson is the foundation stone of our current work on Transitions in Later Life. We decided to republish it as a companion piece to Kate Jopling and Dr. Isaac Sserwanja’s report because it reinforces the message that later life transitions can be a trigger for loneliness. »

(12) F. D. ValéryL. H. C. de Gois; L. V. Nunes - Idosos e famílias - idosos e mais idosos na convivência familiar contemporânea. Congresso Nacional de Envelhecimento Humano, Natal – RN 23 a 25 novembro 2016.

 

Notas editoriais gerais:

(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.

(ii) No mesmo sentido, de natural responsabilização dos autores dos artigos, a utilização de quaisquer elementos de ilustração dos mesmos artigos, como , por exemplo, fotografias, desenhos, gráficos, etc., é, igualmente, da exclusiva responsabilidade dos respetivos autores – que deverão referir as respetivas fontes e obter as necessárias autorizações. 

(iii) Para se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.



Os idosos e os seus espaços residenciais III – versão de trabalho e base documental – Infohabitar # 841

Infohabitar, Ano XVIII, n.º 841

Edição: quarta-feira, 30 de novembro de 2022

Artigo XXIII da série editorial da Infohabitar “PHAI3C – Programa de Habitação Adaptável e Intergeracional através de uma Cooperativa a Custo Controlado”

Infohabitar – a revista da GHabitar

 

Editor: António Baptista Coelho

Arquitecto/ESBAL – Escola Superior de Belas Artes de Lisboa –, doutor em Arquitectura/FAUP – Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto –, Investigador Principal com Habilitação em Arquitectura e Urbanismo no Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), em Lisboa

abc.infohabitar@gmail.com

abc@lnec.pt

quarta-feira, novembro 23, 2022

Os idosos e os seus espaços residenciais II – versão de trabalho e base documental – Infohabitar # 840

 Ligação direta (clicar no link seguinte) para aceder à listagem interativa de 800 Artigos editados na Infohabitar – edição de janeiro de 2022 com links revistos em junho de 2022 (38 temas e mais de 100 autores):

https://drive.google.com/file/d/10pE2v330_tyapyPw4vUVZFCQ15RYUqF4/view?usp=sharing 

 



Os idosos e os seus espaços residenciais II – versão de trabalho e base documental – Infohabitar # 840

Infohabitar, Ano XVIII, n.º 840

Edição: quarta-feira, 23 de novembro de 2022

Artigo XXII da série editorial da Infohabitar “PHAI3C – Programa de Habitação Adaptável e Intergeracional através de uma Cooperativa a Custo Controlado”

 

Caros leitores da Infohabitar,

Com o presente artigo damos continuidade à série editorial da Infohabitar especificamente dedicada a uma abordagem global e bibliográfica dos amplos, sensíveis e urgentes aspetos associados às necessidades, aos gostos e às potencialidades sociais e urbanas de uma reflexão prática sobre os espaços residenciais dedicados a pessoas idosas e fragilizadas, desejavelmente integrados em quadros intergeracionais, ativamente urbanos e dinamizados e convivializados pelas cooperativas que estão, desde há dezenas de anos, dedicadas à promoção de habitação de interesse social com expressiva qualidade e frequentemente associada a um amplo leque de variadas e vitais atividades vicinais e urbanas – as Cooperativas associadas à Federação Nacional de Cooperativas de Habitação Económica (FENACHE).

Lembra-se, como sempre, que serão sempre muito bem-vindas eventuais ideias comentadas sobre os artigos aqui editados e propostas de artigos (a enviar para abc.infohabitar@gmail.com).

Despeço-me, até à próxima semana, enviando saudações calorosas para todos os caros leitores,     

Lisboa, em 23 de novembro de 2022

António Baptista Coelho

Editor da Infohabitar



Nota introdutória à temática do Programa de Habitação Adaptável Intergeracional – Cooperativa a Custos Controlados (PHAI3C)

Considerando-se o atual quadro demográfico e habitacional muito crítico, no que se refere ao crescimento do número das pessoas idosas e muito idosas, a viverem sozinhas e com frequentes necessidades de apoio, a actual diversificação dos modos de vida e dos desejos habitacionais, e a quase-ausência de oferta habitacional e urbana adequada a tais necessidades e desejos, foi ponderada o que se julga ser a oportunidade do estudo e da caracterização de um Programa de Habitação Adaptável Intergeracional (PHAI), adequado a tais necessidades e a uma proposta residencial naturalmente convivial, eficazmente gerida e participada e financeiramente sustentável, resultando daqui a proposta de uma Cooperativa a Custos Controlados (3C).

O PHAI3C visa o estudo e a proposta de soluções urbanas e residenciais vocacionadas para a convivência intergeracional, adaptáveis a diversos modos de vida, adequadas para pessoas com eventuais fragilidade físicas e mentais, mas sem qualquer tipo de estigma institucional e de idadismo, funcionalmente mistas e com presença urbana estimulante. O PHAI3C irá procurar identificar e caracterizar tipos de soluções adequadas e sensíveis a uma integração habitacional e intergeracional dos mais frágeis num quadro urbano claramente positivo e em soluções edificadas que possam dar resposta, também, a outras novas e urgentes necessidades habitacionais (ex., jovens e pessoas sós), num quadro residencial marcado por uma gestão participada e eficaz, pela convivialidade espontânea e social e financeiramente sustentável.

Trata-se, tal como se aponta no título do artigo, de uma “versão de trabalho e base bibliográfica” e, portanto, de um artigo cujos conteúdos serão, ainda, substancialmente revistos até se atingir uma versão estabilizada da temática referida no título; no entanto, em virtude da metodologia usada, que se considera bastante sólida, marcada pelo recurso a abundantes referências de fontes, devidamente apontadas e sistematicamente comentadas no sentido da respetiva aplicação ao PHAI3C, e tendo-se em conta a utilidade de se poder colocar à discussão os muitos aspetos registados no sentido da sua possível aplicação prática no PHAI3C, considerou-se ser interessante a divulgação desta temática/problemática nesta fase de “versão de trabalho”, que, no entanto, foi já razoavelmente clarificada – como exemplo do posterior tratamento para passagem a uma versão mais estável teremos, provavelmente, referências bibliográficas mais reduzidas e boa parte delas em português, assim como comentários mais desenvolvidos; mas mesmo este desenvolvimento irá sendo influenciado pelo(s) caminho(s) concreto(s) tomado(s) pelos diversos temas e artigos que integram, desde já, a estrutura pensada para o designado documento-base do PHAI3C, que surgirá, em boa parte, da ligação razoavelmente sequencial entre os diversos temas abordados em variados artigos.

Ainda um outro aspeto que se sublinha marcar, desde o início, o teor do referido documento-base do PHAI3C (a partir do qual serão gerados vários documentos específicos: mais de enquadramento e mais práticos) é o sentido teórico-prático que privilegia uma abordagem mais integrada e exemplificada da temática global da habitação intergeracional adaptável e cooperativa, apontando-se exemplos e ideias concretas logo desde as partes mais de enquadramento da abordagem da temática como as que se desenvolvem neste artigo.

 

Notas introdutórias ao novo e presente conjunto de artigos sobre habitação intergeracional

O presente artigo inclui-se numa série editorial dedicada a uma reflexão temática exploratória, que integra a fase preliminar e “de trabalho”, dedicada à preparação e estruturação de um amplo processo de investigação teórico-prático, intitulado Programa de Habitação Aadaptável Intergeracional Cooperativa a Custos Controlados (PHAI3C); programa/estudo este que está a ser desenvolvido, pelo autor destes artigos, no Departamento de Edifícios do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), e que integra o Programa de Investigação e Inovação (P2I) do LNEC, sublinhando-se que as opiniões expressas nestes artigos são, apenas, dos seus autores – o autor dos artigos e promotor do PHAI3C e os numerosos autores citados no texto.

Neste sentido salienta-se o papel visado para o presente artigo e para aqueles que o precederam e os que lhe darão continuidade, no sentido de se proporcionar uma divulgação que possa resultar numa desejável e construtiva discussão alargada sobre as muito urgentes e exigentes matérias da habitação mais adequada para idosos e pessoas fragilizadas, visando-se, não apenas as suas necessidades e gostos específicos, mas também o papel e a valia que têm numa sociedade ativa e integrada.

Nesta perspetiva e tendo-se em conta a fase preliminar e de trabalho da referida investigação, salienta-se que a forma e a extensão do texto que é apresentado no artigo reflete uma assumida apresentação comentada, minimamente estruturada, de opiniões e resultados de múltiplas pesquisas, de muitos autores, escolhidos pela sua perspetiva temática focada e por corresponderem a estudos razoavelmente recentes; forma esta que fica patente no significativo número de citações – salientadas em itálico –, algumas delas longas e incluídas na língua original.

Julga-se que não se poderia atuar de forma diversa quando se pretende, como é o caso, chegar, cuidadosamente, a resultados teórico-práticos funcionais e aplicáveis na prática, e não apenas a uma reflexão pessoal sobre uma matéria bem complexa como é a habitação intergeracional adaptável desenvolvida por uma cooperativa a custos controlados e em parte dedicada a pessoas fragilizadas.

Solicita-se a compreensão dos leitores para lapsos e problemas de edição que, sem dúvida, acontecem nos textos que integram o presente artigo, assim como todos os 16 artigos da presente série editorial, que correspondem à estruturação de um documento-base que se pretende seja essencialmente prático e dinamizador da discussão sobre a matéria; havendo tempo, depois, espera-se, para documentos com reflexões mais elaboradas e sintéticas.

Devido à sua extensão o presente artigo foi dividido em três partes editadas na Infohabitar em semanas consecutivas.

Os idosos e os seus espaços residenciais II – versão de trabalho e base documental – Infohabitar # 840

António Baptista Coelho (com base nos textos, ideias e opiniões dos autores referidos ao longo do artigo)

 

(nota: a negrito, no resumo, a parte do artigo que integra a presente edição da Infohabitar)

Resumo

Em primeiro lugar aborda-se a matéria da relação entre o habitar e o envelhecimento num conjunto de aspetos específicos entre os quais se salientam: a aliança entre um melhor habitar e um melhor envelhecer; a disponibilização de um habitar realmente atraente para a população mais envelhecida; aspetos a sublinhar nas estratégias de oferta habitacional para os idosos; relação entre as dinâmicas do envelhecimento e a escolha do habitar; aspetos científicos do envelhecimento humano a ter em conta no que se refere às escolhas habitacionais; a transição para a aposentação; novos perfis dos novos idosos; e consideração dos aspetos de potencial transição habitacional nos idosos.

Numa segunda parte do artigo desenvolvem-se considerações sobre os mais significativos  aspetos ligados à transição habitacional dos idosos.

E na última parte do artigo abordam-se aspetos vivenciais e residenciais que contribuem para um máximo de qualidade de vida no âmbito do envelhecimento.

 

1.  Consideração dos aspetos ligados à transição habitacional dos idosos

A modos de conclusão desta subtemática onde se visam alguns dos aspetos que caraterizam a relação entre um  melhor habitar e um melhor envelhecer vai abordar-se, em seguida, com algum desenvolvimento, o julgado crucial relevo que deveria ser dirigido para as transições residenciais que marcam, habitualmente, a fase mais grisalha da nossa vida.

Salienta-se, desde já, que praticamente tudo o que em seguida se regista e comenta, ao longo de várias páginas, tem como base o estudo de 2017, coordenado por Guy Robertson e desenvolvido pela Calouste Gulbenkian Foundation, UK Branch e pelo Centre for Ageing Better , intitulado Evaluation of Transitions in Later Life Pilot Projects: Executive Summary and Full Report cuja cuidada leitura se considera aqui incontornável e mesmo obrigatória. (9)

Na página 22 do relatório salienta-se algo que só aparentemente será óbvio: que a fase de aposentação corresponde a uma transição maior na vida da pessoa, trazendo mudanças no que se refere: aos nossos objetivos de vida; à identidade de cada um; àquilo em que acreditamos; às nossas capacidades; aos nossos comportamentos; e ao nosso espaço/ambiente envolvente, pois o local de trabalho deixa de ser o nosso local diário de permanência.

E sendo assim podemos equacionar a viabilidade de juntar a tal transição uma outra em termos residenciais (nota nossa).

Como aspeto interessante na mudança associada à aposentação, registado no relatório (pg. 31), podemos considerar o assegurar atividades de voluntariado no acompanhamento e apoio de variadas atividades dos mais jovens (desde a formação à procura de trabalho) – são designados grandmentors; um aspeto que parece ser de grande oportunidade quando exista um quadro residencial intergeracional, onde assim a cooperação inter-pessoal poderá ser nos dois sentidos: dos mais jovens acompanhando e apoiando os mais idosos e dos mais idosos apoiando e orientando jovens. 

Um aspeto de grande importância é o relevo que a habitação e o ambiente doméstico global e pormenorizado assumem para os idosos quando lá mais tempo permanecem, seja por estarem aposentados, seja por terem problemas de saúde e mobilidade, apontando-se no relatório (pg. 33) que “um adequado ambiente doméstico pode ser crucial para a autonomia, a saúde e o bem-estar numa fase avançada da vida.”

Sobre esta matéria apetece considerar, como notas pessoais, sublinha-se, que, realmente, um bom ou mesmo um excelente ambiente doméstico é sempre crucial em qualquer fase da vida, só que, talvez, muitas pessoas não tenham a sensibilidade ou não tenham a capacidade para assumirem esta relação umbilical entre bem-estar humano e satisfação residencial (doméstica e vicinal); ou então e, por vezes, cumulativamente, muitas pessoas não terão talvez o tempo para serem permeáveis a esta influência; a questão tem, para já, de ficar em aberto, mas não antes de também se referir que os aspetos quantitativos de uma satisfação residencial não são os únicos que devem ser considerados, pois há muitos casos de pequenas habitações e de vizinhanças muito económicas que proporcionam excelentes vivências pessoais, familiares e comunitárias/urbanas.

Evidentemente que se tivermos mais tempo para viver as nossas habitações e vizinhanças e se até formos abrigados a lá permanecer durante longos períodos (por exemplo, de doença ou de confinamento), as qualidades e os defeitos desses espaços residenciais ficarão mais evidenciados e serão sentidos mais efetivamente; mas onde aqui se quer chegar é que tais qualidades e defeitos já lá existiam quando pouco tempo lá passávamos – finais dos dias e alguns finais de semana.

O relatório aponta diversos fatores que influenciam os idosos a “mudar de casa”: (pg. 35) (negrito nosso)

. financial/release of equity

. changing circumstances or needs

. availability of more suitable or attractive housing/neighbourhood

. good information and awareness of options

Assim como identifica fatores que influenciam os idosos a permanecer na sua habitação familiar: (negrito nosso)

. emotional attachment to/satisfaction with home, neighbourhood and community

. fear of moving, costs and hassle of moving

. lack of other housing options or poor awareness of options

. wish to preserve housing wealth for inheritors

No que se refere às dinâmicas que influenciam a mudança de habitação numa fase avançada da vida é interessante salientar que, de acordo com o indicado no relatório (pg. 35 e 36) e tendo em conta três “tipos” de razões de mudança, a procura de uma melhor qualidade de vida surge de forma destacada em dois desses tipos: (negrito nosso)

. ‘Lifestyle’ movers (typically the younger age range) may move to the coast or countryside, to a vibrant city centre, or even abroad, seeking a better quality of life.

. ‘Planners’ (typically the middle age range) move before they need to, and while they still have the energy: factors influencing the planners include the onset of health problems and a realisation that their existing housing will become less suitable; in terms of quality of life, what is important is that they remain in control.

. ‘Crisis movers’ (often the older age range) typically remain in their existing housing as long as possible, until they have to move, often because of accident or ill-health. They are less likely to have any choice and are more likely to end up in a care home even if that is not their preference and when other housing (e.g. extra care) would have met their needs better.

Considerando, agora, alguns aspetos identificados no relatório como obstáculos à mudança de habitação (pg. 36): (negrito nosso)

. The amount of time that finding and moving to a suitable property can take can impact as a barrier as older people can find it hard to think ahead because of the uncertainty around their health needs.

. Availability of a suitable property was a key issue …

. Moving was seen as too daunting…  

. There was a resistance to living in properties specifically designed for older people. Occasionally participants mentioned psychological barriers associated with living among ‘old people’, fearing it would make them feel older themselves and this was seen as a ‘last resort’.

. Factors that contribute to wellbeing and quality of life include feeling in control and being able to manage uncertainty. Many owner-occupiers stay put because they are reluctant to move from the known to the unknown or at least to an alternative where they risk having less control…

… the potential stress involved in moving was a more important factor in people’s housing decision making than cost. (pg. 36)

Do lado da oferta residencial é interessante referir que se identicaram no relatório (pg. 36) que cerca de 10% dos idosos poderiam aderir a uma oferta de habitações atraentes em boas localizações,  e que embora cerca de mais de um terço de inquiridos estivesse abertos a um solução de “habitação para a aposentação” (retirement housing) – conceito este ele próprio bastante discutível (nota nossa), muitos idosos rejeitam a “habitação para idosos”, preferindo permanecerem em comunidades etariamente mistas (intergeracionais, nota nossa).

E salienta-se no relatório a noção muito generalizada de que a redução do espaço doméstico (o downsizing, cuja tradução é difícil) “deve ser uma escolha informada; não uma obrigação."

E eu juntaria que a disponibilização novos fogos t0 a “t2 +”, em conjuntos residenciais com uma expressiva componente comum (espaços e serviços) deveria antecipar e desejavelmente fomentar, estrategicamente, a referida tendência de downsizing , e visando-se uma “natural” mistura intergeracional de condóminos; onde estrategicamente encontraremos não só os idosos cativados pelas potencialidades do referido downsizing porque substituindo, com ganho financeiro, uma habitação maior e pior por outra menor e melhor, mas também desde a adultos jovens e idosos jovens que vivem sozinhos ou em casais.

O relatório avança no que designa como um “homes for life toolkit” (pg. 38) que poderá apoiar na auto-análise que os habitantes idosos poderão aplicar nas suas habitações, preparando e informando as suas opções em termos de mudança ou permanência.

. How accessible is my home? Slopes, steps, proximity to transport, amenities etc.

. How many stairs? Could a stair lift be fitted? Is there nroom for a downstairs toilet or bathroom? Would adaptations be practical and affordable?

. Will it be affordable to heat and repair?

. Could it cause accidents? (high cupboards etc.)

. Assess strength of tie to the home, neighbours, location, garden etc.

. What are the realistic and affordable options for moving? – Where to get information?

. Make a housing plan, and decide at what point it is implemented. To stay and adapt, or to split the home, or have a HomeShare, or to move at a certain time?

É também interessante que o relatório aponta um conjunto de aspetos práticos que poderão facilitar e propiciar uma mudança habitacional menos traumatizante e pacífica designadamente para idosos, sendo que fica evidente o importante papel que associações e cooperativas poderão ter neste processo. (pg. 38) 

. Having a friend or family to help was extremely important – from help with sorting and packing through to moving furniture.

. Physical health –mobility and the ability to manage the practical aspects of moving.

. Clearing out a lifetime of possessions was emotionally as well as physically exhausting. Seeing a move as a fresh start, buying new things and decorating helped them cope with the upheaval and sense of loss of continuity, familiarity and place.

. Being able to leave furniture behind for the incoming purchaser was useful when downsizing.

. Staggering a move eased the process – having the new property available before moving out of the old one enabled a more gradual move, although financially this meant paying additional rent.

 

Passando, agora, a uma aproximação às razões que levam, frequentemente, as pessoas idosas a serem institucionalizadas num equipamento residencial com prestação de cuidados específicos de bem-estar e saúde (pg. 83 e 84), é interessante atentar nas respetivas proporções: (negrito nosso)

. Physical health problems 69%

. Mental health problems 43%

. Functional disablement 42%

. Stress on carers 38%

. Lack of motivation 22%

. Present home physically unsuitable 15%

. Family breakdown (including loss of carer) 8%

. Need for rehabilitation 6%

. Fear of being the victim of crime 4%

. Abuse 2%

. Loneliness or isolation 2%

. Homelessness 1%

(85)

 Enfoque específico, mas bem integrado, sobre os aspetos ligados à prestação de cuidados pessoais

O mesmo incontornável relatório do Calouste Gulbenkian Foundation, UK Branch e do Centre for Ageing Better apresenta (pg. 85) um conjunto de aspetos de grande importância, sensibilidade e potencial de aprofundamento, especificamente, no âmbito da prestação de cuidados pessoais, que aqui se apontam com o sentido específico de a eles se voltar quando de uma “conformação” mais concreta do PHAI3C: (negrito nosso) (10)

. Cost: supporting people with high support needs in their own homes is more expensive than institutional care. There has been a long tradition of paying for much more expensive packages of care for younger people than for older people. That is very unlikely to change in the current financial situation.

. Ageism: there are still prevalent attitudes about what older people can expect in later life. Care home admission, whilst not generally seen as desirable, is often seen as necessary – as ‘the only option’.

. Complicated and intensive packages of care that are normal for younger people are deemed to not be appropriate for older people.

. Quality of life

Through their discussions with older people Bowers et al [273] were able to codify what constitutes ‘a good life’ when someone needs a lot of support. The most commonly mentioned areas by older people include:

. people knowing and caring about you

. the importance of belonging – and relationships and links to local communities within this

. being able to contribute (to family, social and community life, and communal life too) and being valued for what you do

. being treated as an equal, as an adult

. respect for your routines and commitments

. being able to choose how to spend your time – pursuing interests, dreams and goals – and who you spend your time with

. having and retaining your sense of self, your personal identity – including being able to express views and feelings (self-expression) your surroundings – those that are shared and those that are private

. getting out and about.

Como comentário pessoal a esta “definição” de “qualidade de vida”, julga-se que ela poderia constituir, mesmo, a carta de intenções do PHAI3C, sendo claramente um manifesto de combate ao ainda prevalecente sentido institucional na abordagem do habitar dos mais idosos.

Avançando nas referências a este incontornável relatório e aproximando-nos agora dos aspetos associados a uma melhoria das condições que podem e devem acompanhar o fim de vida (pg. 95 e 96), apontam-se tipologias de cuidados oferecidos no  The Marie Curie Nursing Service (MCNS):

. Planned – eight- or nine-hour shifts of usually overnight nursing care, booked in advance.

. Reactive – similar to planned care, but available at short notice.

. Multi-visit – shorter episodes of care, usually with multiple visits per nursing shift.

. Rapid response – urgent support in response to crises occurring ‘out of hours’.

. Variation

Dying in a person’s preferred place varies depending on where they live …

Como comentário específico poderemos considerar numa intervenção do PHAI3C que possa facilitar até uma situação destas (considerada normal ) afetando-se no mínimo os outros residentes.

Nesta matéria julga-se que o PHAI3C nem pode converter-se numa espécie de “lar de terceira idade” com habitantes desacompanhados, nem pode excluir habitantes muito isosos e/ou sensíveis, nem pode não apoiar os seus habitantes numa fase mais complicada das suas vidas, devendo, nesta matéria, proporcionar quadros físicos e quadros de apoio funcional diversificados muito adequados mesmo a situações de grande necessidade de apoios pessoais, mas, neste caso, sempre e sublinha-se sempre, de uma forma extremamente privatizada e autonomizada do funcionamento e da vivência comum do respetivo condomínio/comunidade; condição esta que se julga ser bem previsível, designadamente, em termos de condições globais de privacidade, dimensionamentos de instalações e circulações estratégicas, isolamento acústico e adequada e automomizada ventilação das unidades residenciais privadas.

Notas bibliográficas

(1) Dominique Argoud - L’habitat et la gérontologie, deux cultures en voie de rapprochement ?. PUCA. Université Paris12 - Coordination du programme Phuong Mai Huynh - mai.huynh@ developpement-durable.gouv.fr - Les bilans de consultations sont en ligne sur le site du PUCA www.urbanisme.equipement.gouv.fr/puca .

(2) Savills World Research UK Residential - Housing an ageing population – Savills I 2015

(3) Peabody - Older People’s Strategy 2015-2020 - Overview. Peabody. Londres, 2015

(4) Textos de síntese retirados do site da Housing LIN, em https://www.housinglin.org.uk/Topics/browse/Design-building/HAPPI/

(5) James Banks, James Nazroo and Andrew Steptoe (eds) - EVIDENCE FROM THE ENGLISH LONGITUDINAL STUDY OF AGEING 2002–10, (WAVE 5), The Institute for Fiscal Studies, London, October 2012 - Andrew Steptoe, Panayotes Demakakos, Cesar de Oliveira  - The Psychological Well-Being, Health and Functioning of Older People in England - University College London

(6) HOUSE OF LORDS - Science and Technology Committee - Ageing: Scientific Aspects, 1st Report of Session 2005-06, Volume I: Report, Ordered to be printed 5 July 2005 and published 21 July 2005

(7) Martin Hyde (Swansea University, SU) ; Maria Cheshire-Allen (SU) ; Marleen Damman (Netherlands Interdisciplinary Demographic Institute, NDI) ; Kene Henkens (NDI) ; Loretta Platts (Stress Research Institute) ; Katrina Pritchard (SU); Cara Reed (SU) - The experience of the transition to retirement: Rapid evidence review. Report, Centre for Ageing Better, 2018 (dezembro).

(8) Administration for Community Living - Profile of Older Americans, Administration for Community Living , Administration on Aging, U.S. Department of Health and Human Services. 2018.

(9) Calouste Gulbenkian Foundation, UK Branch ; Centre for Ageing Better - Evaluation of Transitions in Later Life Pilot Projects: Executive Summary and Full Report. 2017. www.gulbenkian.pt/uk-branch , www.ageing-better.org.uk.

« This report by Guy Robertson is the foundation stone of our current work on Transitions in Later Life. We decided to republish it as a companion piece to Kate Jopling and Dr. Isaac Sserwanja’s report because it reinforces the message that later life transitions can be a trigger for loneliness. »

(10) Calouste Gulbenkian Foundation, UK Branch ; Centre for Ageing Better - Evaluation of Transitions in Later Life Pilot Projects: Executive Summary and Full Report. 2017. www.gulbenkian.pt/uk-branch , www.ageing-better.org.uk.

« This report by Guy Robertson is the foundation stone of our current work on Transitions in Later Life. We decided to republish it as a companion piece to Kate Jopling and Dr. Isaac Sserwanja’s report because it reinforces the message that later life transitions can be a trigger for loneliness. »

(11) Calouste Gulbenkian Foundation, UK Branch ; Centre for Ageing Better - Evaluation of Transitions in Later Life Pilot Projects: Executive Summary and Full Report. 2017. www.gulbenkian.pt/uk-branch , www.ageing-better.org.uk.

« This report by Guy Robertson is the foundation stone of our current work on Transitions in Later Life. We decided to republish it as a companion piece to Kate Jopling and Dr. Isaac Sserwanja’s report because it reinforces the message that later life transitions can be a trigger for loneliness. »

(12) F. D. ValéryL. H. C. de Gois; L. V. Nunes - Idosos e famílias - idosos e mais idosos na convivência familiar contemporânea. Congresso Nacional de Envelhecimento Humano, Natal – RN 23 a 25 novembro 2016.

 

Notas editoriais gerais:

(i) Embora a edição dos artigos editados na Infohabitar seja ponderada, caso a caso, pelo corpo editorial, no sentido de se tentar assegurar uma linha de edição marcada por um significativo nível técnico e científico, as opiniões expressas nos artigos e comentários apenas traduzem o pensamento e as posições individuais dos respectivos autores desses artigos e comentários, sendo portanto da exclusiva responsabilidade dos mesmos autores.

(ii) No mesmo sentido, de natural responsabilização dos autores dos artigos, a utilização de quaisquer elementos de ilustração dos mesmos artigos, como , por exemplo, fotografias, desenhos, gráficos, etc., é, igualmente, da exclusiva responsabilidade dos respetivos autores – que deverão referir as respetivas fontes e obter as necessárias autorizações. 

(iii) Para se tentar assegurar o referido e adequado nível técnico e científico da Infohabitar e tendo em conta a ocorrência de uma quantidade muito significativa de comentários "automatizados" e/ou que nada têm a ver com a tipologia global dos conteúdos temáticos tratados na Infohabitar e pelo GHabitar, a respetiva edição da revista condiciona a edição dos comentários à respetiva moderação, pelos editores; uma moderação que se circunscreve, apenas e exclusivamente, à verificação de que o comentário é pertinente no sentido do teor editorial da revista; naturalmente , podendo ser de teor positivo ou negativo em termos de eventuais críticas, e sendo editado tal e qual foi recebido na edição.



Os idosos e os seus espaços residenciais II – versão de trabalho e base documental – Infohabitar # 840

Infohabitar, Ano XVIII, n.º 840

Edição: quarta-feira, 23 de novembro de 2022

Artigo XXII da série editorial da Infohabitar “PHAI3C – Programa de Habitação Adaptável e Intergeracional através de uma Cooperativa a Custo Controlado”

Infohabitar – a revista da GHabitar

 

Editor: António Baptista Coelho

Arquitecto/ESBAL – Escola Superior de Belas Artes de Lisboa –, doutor em Arquitectura/FAUP – Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto –, Investigador Principal com Habilitação em Arquitectura e Urbanismo no Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), em Lisboa

abc.infohabitar@gmail.com

abc@lnec.pt